SUBJECT: ENC: [ciencialist] ENC: COSMOS: Emmy Noether
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2015 22:34

 

 

Belmiro,

 

Não, não foi um desabafo.  Não, não há mato neste coelho.  Os teóricos precisam prestar mais atenção ao que escreveram Pauli, há 95 anos, aos vinte anos de idade(já com uma maturidade de um gênio de 50 ou mais voltas em torno do sol, o que é gigantescamente admirável) e  Landau.E por aí caminha a humanidade. Que matam a "charada"!   E, segundo uma referência, Feynmann também;  ou, pelo menos, deixa-a menos cabulosa. Certa vez,  se não enganam os neurônios, foi o Álvaro que me enviou um link para o Gravitation, de Feynmann, em pdf, e já foi avisando, o "bicho" é meio danado de difícil.   Por isso nem consultei, ainda.  E já faz um tempão, isso. Mas a curiosidade mata o gato;  mas, mesmo não sendo gato, irei atrás,  via Feynmann, e se me sobrar algum tempinho, claro.  Afinal, masoquismo ficou para isso mesmo...

 

E por falar em gato, parabéns pelo óleo. Gostei muito;  embora não entenda bulufas do que queres expressar.

Se houvesse alguma daquelas peças do emaranhado derretendo, derramando-se ou lambendo as outras, já iria te chamar o nosso Salvador Daquí.

 

Quanto ao  Baez, tenho lido bastante sobre o seu trabalho em relatividade geral, e esse trecho, “É a energia conservada na Relatividade Geral? Em casos especiais, sim. Em geral — depende do que você quer dizer por 'energia', e do que você quer dizer por 'conservada',  é uma amostra de como ele se expressa quando fala dessas coisas; sempre usando uma linguagem simples e tentando cativar  o leitor- acho  - com sua maneira jocosa de tratar um assunto que não é fácilmente inteligível, por Natureza.  Às vezes até para provocar discussões e reflexões.  Mas é um dos que têm esclarecido a RG, com mais propriedade, sobretudo para o leigo interessado no assunto. Há bons trabalhos dele na área. Quem tiver interêsse em saber, em linguagem simples, o que diabos é esse negócio de RG, equações de campo da RG e outras encrencas relacionadas,  encontrará em seus trabalhos as respostas adequadas. Recomendo.

 

O sentido da expressão em verde é algo como (em um nível mai caseiro):   a energia se conserva. Tudo bem. Agora, meça a energia cinética de um avião que vai passando; e peça a um passageiro(o telefone para aviões já está liberado, pode usar...) para fazer o mesmo. Que coisa acontece? Encontram valores diferentes!  E agora? Em que contexto se dá a conservação?  

Há que se especificar.  Este problema de interpretação parece ser um dos "pobremas"...muito mais das pessoas e muito menos da teoria em si.

Quando todos os ingredientes do menu são corretamente balanceadas é que tudo se esclarece.

Assim,  é preciso que se saiba não apenas o que é energia mas de que maneira - em que circunstâncias - ele a conservada.

Disse bem, ou enrolei? E esta não é, de maneira alguma, uma questão trivial. Ao menos para mim.

 

Mas é seu estilo.

 

Sds,

 

Victor.

 

 

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 24 de agosto de 2015 18:54
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] ENC: COSMOS: Emmy Noether

 

 

Bom o seu "desabafo". Mas, que tem mato neste coelho, ou qualquer coisa assim, isso tem! Não creio que precisaria esperar tantas vidas para ver uma teoria melhor que a RG. Mas, concordo que dificilmente algo melhor surgirá nos próximos n anos. Minha esperança é que os ET's finalmente se apresentem e nos revelem sua teorias físicas. Aí certamente diremos: Como é que não pensamos nisso antes? Agora, a resposta para a questão, foi bem sem vergonha:

“É a energia conservada na Relatividade Geral? Em casos especiais, sim. Em geral — depende do que você quer dizer por 'energia', e do que você quer dizer por 'conservada'.”

Isto só pode ser coisa do Calil!

 

*BW*

 

 

Em Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015 15:35, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

 

 

Olá,

Eis um novo e-mail de D.Soares, num comunicado enfocando um dos aspectos "cabeludos" da RG. Mas que não a compromete a RG, de maneira alguma, como alguns estudiosos do assunto dizem que compromete.

Faço, também, os  comentários  a respeito. Que, espero, se beneficie de comentários ou críticas por parte de vós outros.

 

Sds,

 

Victor.

 

De: José VictorVictorNeto [mailto:jvoneto1@gmail.com]
Enviada em: domingo, 23 de agosto de 2015 13:49
Para: 'Domingos S.L. Soares'
Assunto: RES: COSMOS: Emmy Noether

 

Caro Professor,

 

Esta sua resposta ao questionamento do GCC é perfeita.   

Há algum tempo, fazendo uma pesquisa sobre este assunto - que sempre me incomodou - encontrei o artigo

 "Energy-Momentum Gravitacional Field: Crucial Point for Gravitation Phisics and Cosmology, de Yu. Baryshev(yuba@astro.spbu.ru)-infelizmente não tenho o link(mas nada que tio Google não encontre!) - que trata dessa encrenca - séria -  com uma adequada dose de profundidade. Ele  esclarece bastante sobre a real situação dessa demanda teórica. Ao menos em meu nível de conhecimentos.

 

Pelo que tenho lido, o Prof. Roberto tem queixas contra a TR, do mesmo modo que seu mentor, o Prof. César Lattes(a quem, em minha opinião, a Física no Brasil deve muito).   Quanto à visão história do Prof. Roberto, particularmente concordo com o que diz, sobre o fato de Einstein haver usado conhecimentos pré-existentes, de não ter sido único nessa história. De fato, isto não consiste em demérito para Einstein como, a meu ver, o prof.roberto faz questão de enfatizar, em suas palestras. O que ele não reconhece é que algumas "coisinhas" cruciais não estavam na cabeça de ninguém, quais sejam: a necessidade de extender o Princípio da Relatividade para toda a física e o fato de postular que a velocidade da luz, no vácuo, é constante, não podendo haver algo com velocidade maior que esta(se houver massa, será sempre menor). Este foi  um insight único. 

Foi  isto que fez e faz a cósmica diferença. 

O grande Lorentz, sobre este assunto, tece rasgados elogios a Einstein, pela coragem e pela segurança de admitir o fato, e seguir em diante com ele, independentemente, dos gritos, do levantar de sobrancelhas e das "pedradas" que teve de suportar.

O outro insight que também estava no ar, mas ninguém - ninguém mesmo percebeu - foi o luminoso Princípio da Equivalência. Mas, em si, sua genialidade veio à tona quando, destas três  "coisinhas", tirou consequências inimaginável para qualquer pensador genial da época, incluindo-se Lorentz, Poincaré, Weyl, e tantos outros!  

 

Foi isto que fez a cósmica diferença, igualmente!

 

Entre outros insgihts, igualmente só dele,  que tanto enriqueceram a física e permitiu os desenvolvimentos que hoje assistimos.

 

Não acredito que qualquer deles, sequer passou perto de extrair do P. da Equivalência, por exemplo, as consequências teóricas expostas por Einstein. E, note-se, Poincaré, por exemplo, em minha opinião, foi o único ser humano capaz de equiparar-se a Einstein em genialidade e criatividade. Mas, por razões que nunca entendí, não conseguiu compreender a teoria da relatividade Einstein!. Simplesmente  isso! Pouco antes de morrer, em  uma de suas últimas palestras(Segundo exposto por Abraham Pais), Poincaré informou que havia descoberto um fato novo: a contração dos comprimentos!!) Esta é a prova de que não entendeu a essência da teoria de Einstein, o que nos leva a dizer que pregava outra teoria!

Por uma razão: a contração dos comprimentos é uma consequência direta e elementar dos postulados da TRE!

Outro que sempre me causou espanto, pela tenacidade em denegrir não só a TR mas a pessoa de seu autor, foi o Prof. César Lattes. E  este Professor, tal como seu aluno (suspeito que o tenha sido), certamente seguidor, ensinaram a teoria da relatividade por muitos anos, sendo que o Prof. Roberto o fez por 30 anos!

Há uns meses comprei um livro seu sobre Relatividade Restrita, como uma compilação dos cursos que ministrou. Lí alguns capítulos, apenas. Há melhores e mais objetivos.

 

Uma vez perguntei ao Prof. Fleming - um dos maiores mestres que este Brasil já teve - qual a razão desse comportamento do Prof. César Lattes em relação à relatividade e a Einstein.

O Prof. Fleming, que trabalhou com Lattes  muitos anos, disse-me sentir-se livre para dar sua opinião, liberada pelo próprio César Lattes: informou, também,  que César foi a mente matemática mais rápida que já viu. Era capaz de lidar com a matemática da cinemática relativista( muito complexa), como se estivesse somando 2+2!. E que não sabia atribuir uma causa específica para seu comportamento nesse mister, a não ser a instablidade de sua condição bi-polar, que pode alterar a razão, etc., como o mais provável.

 

Outro exemplo de que idéias salvadoras e avançadas - ainda que extremamente simples, mas profundamente impactantes  - surgem na mente de um único iluminado é o de Galileu, a respeito do ensinamento Aristotélico de que corpos mais pesados caem mais rápido que os menos pesados. Um simples insight Galileano num instante acabou com aquela idéia milenar. E a física nunca mais foi a mesma!

Só estou lembrando essas coisas, para corroborar e lhe parabenizar pela seguinte fecho:  " Como vemos, o Prof. Roberto foi um tanto forte em sua afirmação sobre a incorreção da TRG. Toda teoria física possui as suas limitações. O importante é ser capaz de reconhecê-las."  

"Um tanto forte"  é uma expressão magnânima e educada de avaliar tal coisa. Como não sou magnânimo, nem muito educado, sou casca grossa segundo alguns amigos da internet, eu diria, também, que o Prof. Roberto pegou a trilha errada e não descobriu - ou não reconheceu - como pegar  uma vicinal e sair para a realidade dos fatos teóricos e experimentais, que não deixam a menor dúvida.

 

Se fôssemos admitir que a RG está errada em razão de alguns  teóricos não haverem compreendido o cerne da questão, certamente por falta de recursos matemáticos mais afinados, como sugere o próprio Baez - e ele está certo - então a mecânica de Newton deveria está errada e deveria ser descartada. Mas não é esse o caso. A TN não foi descartada em vista da TR! E não só isso, perrmance soberana e funcional  nos limites de baixa gravidade e baixas velocidades;  além de, sempre, ter sido o porto seguro para as teorias que vieram posteriormente.

Foi remando por águas revoltas que Einstein buscou esse porto seguro. Ancorado nele,  pode estabelecer a validade e a beleza da RG.

 

Poderá a RG ser substiuída, em vista de alguma falha incontornável, um dia, ou por algo melhor? Claro! Nenhuma teoria, por mais estabelecida e fartamente corroborada pela experiência que seja pode ser considerada definitiva ou definitivamente correta.  Mas, acho que se outras vidas houvesse, nem na décima eu poderia testemunhar alguma mudança nesse particular mister.

 

É minha convicção, em vista do que expuz, de que sem a exposição dos 3(três) ingredientes devidos exclusivamente a Einstein, ora comentados, a TR, e portanto a física atual, certamente estaria num nível pouco superior àquele do início do século XX, era do maior "boom" científico de que a história tem conhecimento. Certamente, parece, apenas eu acredito nisso. Mas, como Prof. Roberto, não consigo reconhecer outra situação!.

 

Professor, desculpe-me o lenga lenga acima, mas é que não me contive e alimentei o desejo de expor o que penso.  Espero não lhe aborrecer ou tomar muito o seu tempo. Tenho essa mania de não ser econômico na exposição do que penso seja o certo.

 

Obs.: Outro dia lhe perguntei sobre uma demonstração geométrica, inteligível,  que levem às Identidades de Bianchi, além daquele manuseio algébrico e enfadonho, que nada acrescenta em termos  geométricos, apesar de, ao fim e ao cabo, expor de maneira magistral o conteudo de energia, e sua conservação, envolvido por elas;  e que, segundo o Prof. Fleming nem o próprio Einstein havia percebido!  Talvez, por isso, meu interêsse em algo mais profundo, fisicamente falando. Matematicamente, com o manuseio com aquela selva de índices, a graça é pouca...Apesar de eficiente.

 Descobri que, mas não avancei muito nisto,  uma demonstração simples e inteligível encontra-se na disciplina Topologia(que julgo não ter  mais tempo físico para estudar e aprender, não no nível que desejaria), que é mais básica que a geometria, em um de seus teoremas:

"A fronteira de uma fronteira é zero".  Andei "fuçando" objetivando encontrar dados desse teorema mas não encontrei, a não ser coisas muito elementares, com um aplicação elementar sobre as bordas das faces de um cubo, de onde saem as importantes identidades.

Portanto, deixe prá lá. Não perca seu precioso tempo só para satisfazer uma mera curiosidade de seu assíduo leitor.

 

Abraços,

Victor.

 

 

 

De: Domingos S.L. Soares [mailto:dsoares@fisica.ufmg.br]
Enviada em: quarta-feira, 19 de agosto de 2015 12:02
Assunto: COSMOS: Emmy Noether

 


_____________________________________________19 de agosto de 2015

Caros Amigos da Cosmologia,

Um leitor de meu Uma pedra no caminho da Teoria da Relatividade Geral (TRG) apresentou-me uma questão muito interessante. Ele — identifico-o por suas iniciais GCC — escreve:

(…)
“Li num certo artigo que encontrei na Internet que a Relatividade Geral é incorreta porque viola o princípio da conservação da massa. O autor do texto é professor e historiador de Física, trata-se do professor Roberto de Andrade Martins. Ele, porém, não explanou sua afirmação, não a justificando. Se puder esclarecer-me, ficarei grato.”
(…)

GCC enviou-me também a referência eletrônica do roteiro da palestra do Prof. Roberto (vejam em “O desenvolvimento histórico da teoria geral da relatividade”). No slide #2 (a numeração está no canto inferior direito) o Prof. Roberto afirma que “Sabemos que ela [a TRG] é incorreta, pois é incompatível com a conservação da energia …”

O objetivo da palestra do Prof. Roberto é mostrar que a TRG não foi a criação individual de Einstein mas o resultado do trabalho científico de inúmeros físicos e matemáticos contemporâneos e anteriores a Einstein. Vocês poderão constatar que ele atinge seu objetivo. Voltemos agora à questão de GCC.

No slide #71 encontramos a afirmação: “Einstein tentou introduzir [na TRG] um tensor para descrever a energia do campo gravitacional, a fim de estabelecer uma lei de conservação da energia. No entanto, só conseguiu criar um pseudotensor. Hilbert percebeu que a solução de Einstein estava errada e estimulou Emmy Noether a estudar o problema. Ela provou a impossibilidade de estabelecer uma lei de conservação da energia na relatividade geral.”

Aparece acima o nome da grande matemática alemã Emmy Noether (1882-1935). Entre outros trabalhos ela demonstrou um teorema que trata exatamente da questão de GCC. O chamado teorema de Noether aborda as relações entre as simetrias de sistemas físicos e as leis de conservação.

Um pouco de história e de física coletada nas páginas de wikipedia (ver https://en.wikipedia.org/wiki/Emmy_Noether; as referências bibliográficas aí citadas devem ser consultadas para confirmação do texto apresentado):

Noether foi trazida para Göttingen em 1915 por David Hilbert (1862-1943) e Felix Klein (1849-1925), os quais necessitavam de sua competência em teoria de invariantes para ajudá-los a entender a relatividade geral, uma teoria geométrica de gravitação desenvolvida principalmente por Albert Einstein. Hilbert tinha observado que a conservação da energia parecia ser violada na relatividade geral, devido ao fato de que a energia gravitacional poderia ela mesma gerar a gravitação. Noether forneceu a solução deste paradoxo, e uma ferramenta fundamental da física teórica moderna, com o primeiro teorema de Noether, o qual ela demonstrou em 1915, mas que não publicou antes de 1918 [ref.]. Ela não só resolveu o problema da relatividade geral, mas também determinou as quantidades que são conservadas para todo sistema de leis físicas que possue alguma simetria contínua.

Como ilustração, se um sistema físico se comporta da mesma forma, independentemente de como ele está orientado no espaço, as leis físicas que o governam possuem simetria de rotação; por causa desta simetria, o teorema de Noether mostra que o momento angular do sistema deve ser conservado [ref.]. O sistema físico em si mesmo não precisa ser simétrico; (…) Como outro exemplo, se um experimento físico tem o mesmo resultado em qualquer lugar e em qualquer instante, então as suas leis são simétricas sob translações contínuas no espaço e no tempo; pelo teorema de Noether, estas simetrias resultam nas leis de conservação do momento linear e da energia do sistema, respectivamente.

Vemos que uma resposta abrangente da questão de GCC deve ser feita no contexto geral do teorema de Noether. Não farei isto aqui. Apresentarei algumas considerações e alguns textos de outros autores que poderão auxiliar na compreensão deste intrigante problema.

Os interessados encontram os detalhes formais da conexão simetrias – leis de conservação e o teorema de Noether no artigo do Prof. Adriano de Souza Martins, da UFRJ, intitulado Simetrias e Leis de Conservação na Mecânica Clássica).

Os sistemas físicos são descritos pela TRG no espaço-tempo tetradimensional curvo e a relação entre simetrias e leis de conservação é muito mais complicada, o que é confirmado pelos Profs. Michael Weiss e John Baez da Universidade da California em Riverside, no início de seu artigo didático intitulado Is Energy Conserved in General Relativity?:

“Is Energy Conserved in General Relativity? In special cases, yes. In general — it depends on what you mean by 'energy', and what you mean by 'conserved'.”

“É a energia conservada na Relatividade Geral? Em casos especiais, sim. Em geral — depende do que você quer dizer por 'energia', e do que você quer dizer por 'conservada'.”

Como vemos, o Prof. Roberto foi um tanto forte em sua afirmação sobre a incorreção da TRG. Toda teoria física possui as suas limitações. O importante é ser capaz de reconhecê-las.

Um abraço a todos.

Saudações Cosmológicas,

Domingos

=========================
Domingos Sávio de Lima Soares
http://www.fisica.ufmg.br/~dsoares/
=========================


Para não receber mais mensagens desta lista: envie uma mensagem para dsoares@fisica.ufmg.br escrevendo no ASSUNTO "DESCADASTRAR COSMOS".

Para se cadastrar: envie uma mensagem para dsoares@fisica.ufmg.br escrevendo no ASSUNTO "CADASTRAR COSMOS".


ATENÇÃO: Esta e todas as outras mensagens enviadas para COSMOS estão disponíveis em http://www.fisica.ufmg.br/~dsoares/cosmos/cosmos.htm


 

 


SUBJECT: Para Adriano Benayon - urgente : crise dos bancos centrais
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <maoslimpasbrasil@yahoogrupos.com.br>, <indianotransparencia@yahoogrupos.com.br>, <GCBrasil@yahoogrupos.com.br>, <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2015 15:17

Prezado economista e ex-diplomata do Itamaraty, Dr. Adriano Benayon.

 

1. Independente das previsões catastróficas do pessoal da Empiricus, uma empresa surrealista que “ensina” como aproveitar as crises econômicas para se ganhar dinheiro, o fato é que os bancos centrais do mundo têm uma divida colossal que pode gerar outra crise de proporções maiores do que a de 2008.

 

http://www.empiricus.com.br/recessao/?key=9cc9ad86-1f52-4364-a06c-39c16595bd07&utm_source=empiricus&utm_medium=email&utm_campaign=empiricus-email-promo-250815-PE-geral-promo-PE09

 

Gostaria se possível, saber a sua opinião a respeito.

Eu sei que o amigo não gosta de fazer previsões.

Mas me parece que as consequências de fatos como esse são previsíveis, sobretudo depois da crise de 2008 que, no mínimo, mostrou aos “agentes financeiros” que devem redobrar seus cuidados com as “bolhas”, que agora ameaçam a China capitalista.

 

No caso do Brasil, não há mais dúvida sobre o futuro dos próximos anos, pois ele já está acontecendo no presente. Mas se a economia mundial não se recuperar e a China continuar com o crescimento do seu PIB em queda, a crise por aqui será maior do que a atual: não apenas a indústria continuará em queda como também as exportações do agro-negócio que até agora serviram para “quebrar o galho”, vão cair.  

 

1.1. Sobre a crise chinesa já temos dados concretos referentes à queda do crescimento do PIB. Mas sobre os EUA, o que se vê é uma franca recuperação da economia, com queda no índice de desemprego (isso não significa obviamente que os bolsões de pobreza americanos estão sendo beneficiados com essa recuperação – agora, como antes, estes bolsões  vão continuar imersos na pobreza). A Califórnia, por exemplo, que é o estado mais rico dos EUA está com a economia em ritmo bastante aquecido. O Banco Central americano está adiando a subida dos juros devido à retração do mercado de seu novo e grande parceiro – a China para a qual os americanos devem cerca de 1,5 trilhão de dólares. Mas a divida dos americanos com o Japão, pouco citada pela mídia é também superior a 1 trilhão de dólares!  A dúvida que me assola é a seguinte: até quantos trilhões de divida a economia americana poderá suportar? O amigo poderia dizer algo a respeito?

 

2. Num dia do ano de 2009 me veio à mente esta idéia apocalíptica:   "a humanidade está caminhando para a beira do precipício." Ela não foi fruto, porém, da crise do “sub prime” de 2008 – essa expressão dá a entender que os culpados da crise teriam sido então os pobres americanos que não puderam “honrar” seus compromissos com os bancos, na compra de suas moradias.  

A idéia apocalíptica foi gerada mais em função da psicopatologia do ser humano, ou melhor, da “natureza humana” do que em função da economia. Cerca de 5 anos mais tarde tomei conhecimento do fato de que apenas 85 pessoas concentravam riqueza equivalente à possuída por 3,5 bilhões de pessoas (www.oxfam.org)  Os pesquisadores britânicos, porém,  não consideraram em sua pesquisa  a causa desta esquizofrênica concentração que é psicológica e que pode ser assim descrita, resumidamente:  o camarada que conseguiu ganhar um bilhão de dólares se posiciona no mundo como se estivesse numa pista de corrida em que o vencedor é o que detém mais dinheiro. Em função disso o detentor do patrimônio de um bilhão faz tudo que lhe for possível para dobrar, triplicar, quintuplicar esse valor enquanto os outros corredores fazem o mesmo. Agora vários bilionários, começando com Bill Gates, não sabendo o que fazer com seus bilhões, estão distribuindo boa parte deles para a “sociedade” através de projetos “filantrópicos”. Sendo assim, podemos dizer que a causa desta marcha em direção ao abismo é psico-econômica e que não tem cura, pois os cientistas sequer identificaram a doença para tentar descobrir algum remédio que servisse pelo menos de controle. O que nos restaria então é esperar que, ao ver a humanidade chegar na beira do abismo, os “psicopatas do poder” façam algo para evitar a queda.

 

Abraços

Mtnos Calil

 

 




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: Re: [ciencialist] ENC: COSMOS: Emmy Noether
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2015 21:49

Victor

>>>Assim,  é preciso que se saiba não apenas o que é energia mas de que maneira - em que circunstâncias - ele a conservada.


     Amigo, esse é realmente um pobrema! Descobrir o que é energia, já vai ser uma tarefa hercúlea. E ainda impor condições para ela ser conservada... isso merece uma saraivada de balas para cima, sem se preocupar que elas obedecerão à velha lei da gravitação de Newton...

     Brincadeiras à parte, o fato é que não tenho nem um décimo do seu cacife matemático para resolver os imbróglios da relatividade. E minhas impressões, de um leigo, claro, são de que o buraco é mais embaixo. Postei algum tempo um problema, ou uma experiência mental na qual acho que o princípio da conservação da energia é violado. Tudo com base em raciocínio lógico. Sei que este pode pregar peças, mas foi através desse recurso que o próprio Einstein chegou onde chegou. Assim, não vou ser enfático, afirmando como o nobre professor do artigo e outros mais que você bem conhece, que a RG está errada. Só queria entender um pouco mais, mas essas questiúnculas sobre a conservation são por demais medonhas. Se tiver um tempinho, reveja aquele meu questionamento. Está perdido em algum e-mail num passado não muito distante. Estou com preguiça de procurar. Você é mais ágil que eu. 

     Um abraço,

     *BW*
 

SUBJECT: RES: [ciencialist] ENC: COSMOS: Emmy Noether
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2015 22:34

Olá, Belmiro.

 

Infelizmente, por fazer backup de praticamente nada, perdi muitos e-mails que considero importantes, como os seus, os de Alberto e outros, que sempre mantenho numa pasta do outlouco. Quardo-os. Mas inventei de migrar para o Office 2013, traindo o meu bom e velho 2007. Acontece que o 2013 deu problemas e eu resolvi voltar para o 2007, humildemente e resignado. Só que, neste imbróglio, como você diz, não fiz a coisa mais elementar que pessoas com um mínimo de inteligência fazem:  fazer o diabo do backup, para depois recuperar tudo. Assim, terei que ir buscar nos arquivos do ciencialist, para o que não tenho paciência, como já confessei outra vez.  Mas eu me lembro vagamente, sim, que você postou algo do tipo e não lembro se dei alguma resposta, ou a razão pela qual não o fiz.  Certamente,  por haver me enrolado é uma forte possibilidade.

Bem,  honestamente,  não me acho  esse tal cacife todo que você me atribui,  apenas o mínimo necessário para não viajar tanto na maionese.

E,  ainda assim, pego-me escorregando nela...

 

Assim, se você encontrar, entre uma pincelada e outra, talvez a gente comece uma thread.  Quanto à minha agilidade, não está essas coisas todas; estou com algumas " prestações atrasadas", logo...

 

Sds,

Victor.

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 25 de agosto de 2015 21:50
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] ENC: COSMOS: Emmy Noether

 

 

Victor

 

>>>Assim,  é preciso que se saiba não apenas o que é energia mas de que maneira - em que circunstâncias - ele a conservada.

 

 

     Amigo, esse é realmente um pobrema! Descobrir o que é energia, já vai ser uma tarefa hercúlea. E ainda impor condições para ela ser conservada... isso merece uma saraivada de balas para cima, sem se preocupar que elas obedecerão à velha lei da gravitação de Newton...

 

     Brincadeiras à parte, o fato é que não tenho nem um décimo do seu cacife matemático para resolver os imbróglios da relatividade. E minhas impressões, de um leigo, claro, são de que o buraco é mais embaixo. Postei algum tempo um problema, ou uma experiência mental na qual acho que o princípio da conservação da energia é violado. Tudo com base em raciocínio lógico. Sei que este pode pregar peças, mas foi através desse recurso que o próprio Einstein chegou onde chegou. Assim, não vou ser enfático, afirmando como o nobre professor do artigo e outros mais que você bem conhece, que a RG está errada. Só queria entender um pouco mais, mas essas questiúnculas sobre a conservation são por demais medonhas. Se tiver um tempinho, reveja aquele meu questionamento. Está perdido em algum e-mail num passado não muito distante. Estou com preguiça de procurar. Você é mais ágil que eu. 

 

     Um abraço,

 

     *BW*
 


SUBJECT: ENC: COSMOS: conservação de massa-energia em TRG
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2015 08:00

 

 

 

Olá,

 

Como o ego ficou do tamanho de um bonde, vou compartilhar a ação do Professor Domingos Soares sobre meu penúltimo e-mail para ele, e que postei para vocês, anteriormente.  O meu post foi parar no fórum Cosmos, onde só tem "cobras". Só estou esperando as cacetadas. Mas isto não compartilharei com vocês, que besta não sou.

 

Claro que ele exagerou um pouco nos elogios, como poderão ver, mas, mesmo assim, fiquei feliz.  Temos tido uma troca de e-mails sobre o assunto bastante produtiva e útil, ao menos para mim, que estou sempre aprendendo mais.

 

Obs.: Quanto à observação do Soares sobre o trabalho de Einstein em relação ao movimento Browniano, tenho a acrescentar que aquele trabalho, só ele, já valeria um Nobel, conforme é reconhecido por diversos estudiosos e historiadores da ciência. Além dos outros, claro.

 

Um dia desses essa RG endoiadará alguém...Quem avisa amigo é!

 

Sds,

Victor.

 

De: Domingos S.L. Soares [mailto:dsoares@fisica.ufmg.br]
Enviada em: terça-feira, 25 de agosto de 2015 11:43
Assunto: COSMOS: conservação de massa-energia em TRG

 


_____________________________________________25 de agosto de 2015

Caros Amigos da Cosmologia,

A questão levantada por GCC a respeito da conservação de (massa-)energia na Teoria da Relatividade Geral foi apresentada e discutida em COSMOS:19ago15. O assunto tocou fortemente um de nossos amigos de COSMOS.

J. Victor Neto cadastrou-se em COSMOS no dia 03 de fevereiro de 2013 e desde então tem apresentado os seus comentários e questões sempre que o assunto em baila é a Teoria da Relatividade. Trata-se de um einsteiniano e relativista fervoroso mas bastante lúcido. As suas questões são sempre pertinentes, frequentemente mais apropriadas para um cosmólogo ou um físico teórico, e assim muitas vezes me colocam em situação difícil pois não sou uma coisa nem outra.

Em resposta à sua mensagem, relatei a Victor um fato que considero muito importante em relação a Einstein e que não é muito lembrado. O seu trabalho nos fundamentos da mecânica estatística, especialmente na descrição do movimento browniano, é extraordinário e por si só valeria toda a admiração que muitos nutrem pelo grande sábio alemão. A intuição física e a formulação matemática precisa estão presentes de forma grandiosa no artigo sobre o movimento browniano publicado em 1905, o seu Annus Mirabilis (cf. COSMOS:04jan05).

Com a sua autorização, segue abaixo o comentário de Victor sobre o tema levantado por GCC. Vários de seus argumentos são realmente apropriados.


Caro Professor,

 

Esta sua resposta ao questionamento do GCC é perfeita.   

Há algum tempo, fazendo uma pesquisa sobre este assunto - que sempre me incomodou - encontrei o artigo

 "Energy-Momentum Gravitacional Field: Crucial Point for Gravitation Phisics and Cosmology, de Yu. Baryshev(yuba@astro.spbu.ru)-infelizmente não tenho o link(mas nada que tio Google não encontre!) - que trata dessa encrenca - séria -  com uma adequada dose de profundidade. Ele  esclarece bastante sobre a real situação dessa demanda teórica. Ao menos em meu nível de conhecimentos.

 

Pelo que tenho lido, o Prof. Roberto tem queixas contra a TR, do mesmo modo que seu mentor, o Prof. César Lattes(a quem, em minha opinião, a Física no Brasil deve muito).   Quanto à visão história do Prof. Roberto, particularmente concordo com o que diz, sobre o fato de Einstein haver usado conhecimentos pré-existentes, de não ter sido único nessa história. De fato, isto não consiste em demérito para Einstein como, a meu ver, o prof.roberto faz questão de enfatizar, em suas palestras. O que ele não reconhece é que algumas "coisinhas" cruciais não estavam na cabeça de ninguém, quais sejam: a necessidade de extender o Princípio da Relatividade para toda a física e o fato de postular que a velocidade da luz, no vácuo, é constante, não podendo haver algo com velocidade maior que esta(se houver massa, será sempre menor). Este foi  um insight único. 

Foi  isto que fez e faz a cósmica diferença. 

O grande Lorentz, sobre este assunto, tece rasgados elogios a Einstein, pela coragem e pela segurança de admitir o fato, e seguir em diante com ele, independentemente, dos gritos, do levantar de sobrancelhas e das "pedradas" que teve de suportar.

O outro insight que também estava no ar, mas ninguém - ninguém mesmo percebeu - foi o luminoso Princípio da Equivalência. Mas, em si, sua genialidade veio à tona quando, destas duas "coisinhas", tirou consequências inimaginável para qualquer pensador genial da época, incluindo-se Lorentz, Poincaré, Weyl, e tantos outros!  

 

Foi isto que fez a cósmica diferença, igualmente!

 

Entre outros insgihts, igualmente só dele,  que tanto enriqueceram a física e permitiu os desenvolvimentos que hoje assistimos.

 

Não acredito que qualquer deles, sequer passou perto de extrair do P. da Equivalência, por exemplo, as consequências teóricas expostas por Einstein. E, note-se, Poincaré, por exemplo, em minha opinião, foi o único ser humano capaz de equiparar-se a Einstein em genialidade e criatividade. Mas, por razões que nunca entendí, não conseguiu compreender a teoria da relatividade Einstein!. Simplesmente  isso! Pouco antes de morrer, em  uma de suas últimas palestras(Segundo exposto por Abraham Pais), Poincaré informou que havia descoberto um fato novo: a contração dos comprimentos!!) Esta é a prova de que não entendeu a essência da teoria de Einstein, o que nos leva a dizer que pregava outra teoria!

Por uma razão: a contração dos comprimentos é uma consequência direta e elementar dos postulados da TRE!

Outro que sempre me causou espanto, pela tenacidade em denegrir não só a TR mas a pessoa de seu autor, foi o Prof. César Lattes. E  este Professor, tal como seu aluno (suspeito que o tenha sido), certamente seguidor, ensinaram a teoria da relatividade por muitos anos, sendo que o Prof. Roberto o fez por 30 anos!

Há uns meses comprei um livro seu sobre Relatividade Restrita, como uma compilação dos cursos que ministrou. Lí alguns capítulos, apenas. Há melhores e mais objetivos.

 

Uma vez perguntei ao Prof. Fleming - um dos maiores mestres que este Brasil já teve - qual a razão desse comportamento do Prof. César Lattes em relação à relatividade e a Einstein.

O Prof. Fleming, que trabalhou com Lattes  muitos anos, disse-me sentir-se livre para dar sua opinião, liberada pelo próprio César Lattes: informou, também,  que César foi a mente matemática mais rápida que já viu. Era capaz de lidar com a matemática da cinemática relativista( muito complexa), como se estivesse somando 2+2!. E que não sabia atribuir uma causa específica para seu comportamento nesse mister, a não ser a instablidade de sua condição bi-polar, que pode alterar a razão, etc., como o mais provável.

 

Outro exemplo de que idéias salvadoras e avançadas - ainda que extremamente simples, mas profundamente impactantes  - surgem na mente de um único iluminado é o de Galileu, a respeito do ensinamento Aristotélico de que corpos mais pesados caem mais rápido que os menos pesados. Um simples insight Galileano num instante acabou com aquela idéia milenar. E a física nunca mais foi a mesma!

Só estou lembrando essas coisas, para corroborar e lhe parabenizar pela seguinte fecho:  " Como vemos, o Prof. Roberto foi um tanto forte em sua afirmação sobre a incorreção da TRG. Toda teoria física possui as suas limitações. O importante é ser capaz de reconhecê-las."  

"Um tanto forte"  é uma expressão magnânima e educada de avaliar tal coisa. Como não sou magnânimo, nem muito educado, sou casca grossa segundo alguns amigos da internet, eu diria, também, que o Prof. Roberto pegou a trilha errada e não descobriu - ou não reconheceu - como pegar  uma vicinal e sair para a realidade dos fatos teóricos e experimentais, que não deixam a menor dúvida.

 

Se fôssemos admitir que a RG está errada em razão de alguns  teóricos não haverem compreendido o cerne da questão, certamente por falta de recursos matemáticos mais afinados, como sugere o próprio Baez - e ele está certo - então a mecânica de Newton deveria está errada e deveria ser descartada. Mas não é esse o caso. A TN não foi descartada em vista da TR! E não só isso, perrmance soberana e funcional  nos limites de baixa gravidade e baixas velocidades;  além de, sempre, ter sido o porto seguro para as teorias que vieram posteriormente.

Foi remando por águas revoltas que Einstein buscou esse porto seguro. Ancorado nele,  pode estabelecer a validade e a beleza da RG.

 

Poderá a RG ser substiuída, em vista de alguma falha incontornável, um dia, ou por algo melhor? Claro! Nenhuma teoria, por mais estabelecida e fartamente corroborada pela experiência que seja pode ser considerada definitiva ou definitivamente correta.  Mas, acho que se outras vidas houvesse, nem na décima eu poderia testemunhar alguma mudança nesse particular mister.

 

É minha convicção, em vista do que expuz, de que sem a exposição dos 3três) ingredientes devidos exclusivamente a Einstein, ora comentados, a TR, e portanto a física atual, certamente estaria num nível pouco superior àquele do início do século XX, era do maior "boom" científico de que a história tem conhecimento. Certamente, parece, apenas eu acredito nisso. Mas, como Prof. Roberto, não consigo reconhecer outra situação!.

 

Professor, desculpe-me o lenga lenga acima, mas é que não me contive e alimentei o desejo de expor o que penso.  Espero não lhe aborrecer ou tomar muito o seu tempo. Tenho essa mania de não ser econômico na exposição do que penso seja o certo.

 

Obs.: Outro dia lhe perguntei sobre uma demonstração geométrica, inteligível,  que levem às Identidades de Bianchi, além daquele manuseio algébrico e enfadonho, que nada acrescenta em termos  geométricos, apesar de, ao fim e ao cabo, expor de maneira magistral o conteudo de energia, e sua conservação, envolvido por elas;  e que, segundo o Prof. Fleming nem o próprio Einstein havia percebido!  Talvez, por isso, meu interêsse em algo mais profundo, fisicamente falando. Matematicamente, com o manuseio com aquela selva de índices, a graça é pouca...Apesar de eficiente.

 Descobri que, mas não avancei muito nisto,  uma demonstração simples e inteligível encontra-se na disciplina Topologia(que julgo não ter  mais tempo físico para estudar e aprender, não no nível que desejaria), que é mais básica que a geometria, em um de seus teoremas:

"A fronteira de uma fronteira é zero".  Andei "fuçando" objetivando encontrar dados desse teorema mas não encontrei, a não ser coisas muito elementares, com um aplicação elementar sobre as bordas das faces de um cubo, de onde saem as importantes identidades.

Portanto, deixe prá lá. Não perca seu precioso tempo só para satisfazer uma mera curiosidade de seu assíduo leitor.

 

Abraços,

Victor.


Parabéns Victor pelo seu trabalho de pesquisa e por compartilhá-los conosco.

Um abraço a todos.

Saudações Cosmológicas,

Domingos

=========================
Domingos Sávio de Lima Soares
http://www.fisica.ufmg.br/~dsoares/
=========================


Para não receber mais mensagens desta lista: envie uma mensagem para dsoares@fisica.ufmg.br escrevendo no ASSUNTO "DESCADASTRAR COSMOS".

Para se cadastrar: envie uma mensagem para dsoares@fisica.ufmg.br escrevendo no ASSUNTO "CADASTRAR COSMOS".


ATENÇÃO: Esta e todas as outras mensagens enviadas para COSMOS estão disponíveis em http://www.fisica.ufmg.br/~dsoares/cosmos/cosmos.htm


 


SUBJECT: Roberto Belisário, você está ainda no Ciencialist?
FROM: bidual@gbl.com.br
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2015 02:13

Boa noite a todos,


Há anos que não venho aqui no Ciencialist,onde fiz alguns amigos. Um deles é o Roberto Belisário, de quem perdi o email. 


Você continua aqui, Belisário? Gostaria de lhe enviar um texto recente que escrevi.


Um grande abraço,


Claudio Abreu

  


SUBJECT: Massa e energia
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: ListadeCiência <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2015 19:41


    Estou preparando um texto sobre forças e energia e as maneiras pela qual a natureza se encarrega de preservar o equilíbrio sobre todos os aspectos. Acabei tendo um insight que deu um nó nos neurônios. Partindo do pressuposto que temos um amontoado de prótons, elétrons e nêutrons e desejamos construir um átomo. Para juntar todos os prótons até uma distância em que a força nuclear forte prevaleça sobre a força eletromagnética, devemos fornecer energia, através da força empregada para vencer a repulsão eletrostática entre eles. Depois, para "colocar" os elétrons em suas órbitas, fica mais fácil, mas nem tanto. Não obstante a força atrativa entre prótons e elétrons, teremos dificuldade para vencer a força repulsiva mútua entre os elétrons. Assim, novamente teremos que fornecer energia para finalizar a tarefa. com os nêutrons não haveria problema, haja vista a sua neutralidade elétrica. Resumindo, precisamos fornecer energia para "montar" um átomo. Essa energia agregada se manifesta no átomo em forma de um aumento da massa, se compararmos as massas individuais de cada partícula. Resumindo, a soma das massas de todas as partículas separadamente a serem empregadas para construir o átomo será menor do que a massa do átomo construído. Até aí tudo bem. Entretanto, empregando esse mesmo raciocínio, se dispusermos de um amontoado de átomos neutros a serem agregados para formar um bloco maciço de matéria, aí a porca torce o rabo (seja lá qual for a importância da porca torcer o rabo). O fato é que os átomos vão se atrair mutuamente por conta da gravidade e se quisermos impedir isso, temos que aplicar uma força contrária. Isso implica que uma "energia negativa" está sendo agregada ao conjunto. Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo. Isto faz sentido se lembrarmos que todos os sistemas tendem a um estado de menor energia. A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas. Isso levaria a uma conclusão apocalíptica: a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico. Sei que essa última parte não ficou muito clara, mas é muito complexo descrever em palavras algo com esse teor. Alguém já ouviu ou viu algo parecido?

     *BW*

SUBJECT: RES: [ciencialist] Massa e energia
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2015 21:33

Belmiro,

 

Até onde pude alcançar, seu racicocínio é lúcido e parece representar o que de fato acontece.  Esta, uma primeira impressão. Precisarei  aprofundar mais  o raciocínio empregado por você, de  modo a compreendê-lo. Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.

Contudo, parece-me  uma questão realmente complexa.  Teu texto merece um sério comentário praticamente para cada frase, como por exemplo, " Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo."

 

Assim, é preciso pensar muito, como disse acima.  Então, paciência, enquanto espera!...

 

Agora, a  respeito dessa dependência gravidade x eletromagnetismo, posso adiantar o comentário  seguinte.

 

Não há evidência experimental nenhuma de uma relação entre força elétrica e gravitacional, a não ser o fato de que a primeira é muitas vezes maior que a segunda.  Nada mais. Mas alguns estudiosos, como Fran de Aquino (http://www.pesquisa-unificada.com/pesquisas/anti-gravidade/antigravidade-por-fran-de-aquino-no-brasil/)  tentaram(e tentam) correlacionar gravidade, de alguma maneira,  com eletromagnetismo. Daí, surge todo tipo de efeito que  muitos sonham aconteçam. Cair para cima sendo um deles, velocidades a dar na canela, e assim por diante. Há uns anos até andei tentando entender o trabalho do Fran de Aquino, mais pela matemática que usava para apoiar seu raciocínio, que achei bastante avançada, e que é bastante avançada e complexa. Coisa parecida fez o JFimenko, sobre o que já postei algo a respeito. Este vai mais além completando ainda mas o rol. Também  faz uma pedra cair para cima, a terra repelir a lua, e estabelece uma baita analogia, com direito aos conformes matemáticos pertinentes, entre gravidade e eletromagnetismo. Já ví outras referências, mas sequer me interessei em ver, como aconteceu com esses dois.

Se ao menos alguma dessas coisas que revelam maematicamente pudesse ser remotamente observada...

 

Até o momento, e até onde conheço, não há espaço para uma união tal como  " a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico."  Ou eletromagnético, como afirma Aquino.

 

E não  lembro de ter lido nada nesse sentido.

 

Dito isto, vou pensar mais, ver se não estou errando o buraco da agulha, e voltaremos a conversar.

 

Mas gostei  muito de como elaborou a questão.

 

 

Sds,

Victor.

 

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 27 de agosto de 2015 19:41
Para: ListadeCiência
Assunto: [ciencialist] Massa e energia

 

 

 

    Estou preparando um texto sobre forças e energia e as maneiras pela qual a natureza se encarrega de preservar o equilíbrio sobre todos os aspectos. Acabei tendo um insight que deu um nó nos neurônios. Partindo do pressuposto que temos um amontoado de prótons, elétrons e nêutrons e desejamos construir um átomo. Para juntar todos os prótons até uma distância em que a força nuclear forte prevaleça sobre a força eletromagnética, devemos fornecer energia, através da força empregada para vencer a repulsão eletrostática entre eles. Depois, para "colocar" os elétrons em suas órbitas, fica mais fácil, mas nem tanto. Não obstante a força atrativa entre prótons e elétrons, teremos dificuldade para vencer a força repulsiva mútua entre os elétrons. Assim, novamente teremos que fornecer energia para finalizar a tarefa. com os nêutrons não haveria problema, haja vista a sua neutralidade elétrica. Resumindo, precisamos fornecer energia para "montar" um átomo. Essa energia agregada se manifesta no átomo em forma de um aumento da massa, se compararmos as massas individuais de cada partícula. Resumindo, a soma das massas de todas as partículas separadamente a serem empregadas para construir o átomo será menor do que a massa do átomo construído. Até aí tudo bem. Entretanto, empregando esse mesmo raciocínio, se dispusermos de um amontoado de átomos neutros a serem agregados para formar um bloco maciço de matéria, aí a porca torce o rabo (seja lá qual for a importância da porca torcer o rabo). O fato é que os átomos vão se atrair mutuamente por conta da gravidade e se quisermos impedir isso, temos que aplicar uma força contrária. Isso implica que uma "energia negativa" está sendo agregada ao conjunto. Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo. Isto faz sentido se lembrarmos que todos os sistemas tendem a um estado de menor energia. A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas. Isso levaria a uma conclusão apocalíptica: a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico. Sei que essa última parte não ficou muito clara, mas é muito complexo descrever em palavras algo com esse teor. Alguém já ouviu ou viu algo parecido?

 

     *BW*


SUBJECT: Help, digo, socoorro!
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2015 06:47

Olá,

 

Mais uma vez volto com a história das invasões de programas que se instalam automaticamente, sem você autorizar. Destes os mais chatos são aqueles de propaganda. Nos últimos dias meu Chrome encheu-se dessas  coisas, a ponto de atrapalhar a leitura, além de tornar tudo mais lento; sendo preciso, a todo instante, clicar no X de " xou, bicho, vaza!" Um deles realmente ultrapassou os limites, se é que há limites para essas desgraças:  a tela intrometida tem na aba o  nome  Empty, e a frequência de intrusões é enorme. É de um tal site http://ecpmrock.com/ADS seguido de um montão de códigos.  Procurei ajuda na internet, e um dos internautas disse que não tinha problema com essas coisas de gente pobre, pois não usava o Chrome ou I.E; usava uma versão, segundo ele,  aprimorada do primeiro - um tal de Psave Internet, que já tem proteções nativas para os esses chatos de galocha.  Como já havia usado tudo quanto é anti  coisas(adware cleaner, SuperRemover, Spybot, etc., além de meu anti-virus MS Secutrity), sem resultados, de pronto baixei a sugestão, instalei, configurei(parecido com o Chrome) e voilá..resolveu. Não mais apareceu propagandas, nazistas, certos políticos, pulgas e muriçocas!  Pronto, agora eu quero é ver se esses desgraçados vêm atrapalhar minhas leituras e os etc. pertinentes. Um dia de felicidade.

But, o que é good dura pouco, diz o ditado.  E não é que, hoje, abro este navegador e...surprise: duas das propagandas anteriores deram o ar da graça. Uma que fica do lado direito da tela, como um pop-up ofertando diversas coisas, inclusive livros ensinando a ter  paciência. E outro pequenino no meio da tela, ofertando sutiãs e "caçolas".  Eles pensam que eu sou quem, hein, hein?

 

Enfim, um copo de água gelada na cabeça;  só estou esperando, agora, que isto não evolua  para um balde.

 

O quê fazer, realmente?  Está muito ruim e enfadonho!   Será que outra plataforma, como o  Linux, breca essas coisas?

 

Ou com vocês nada dessas "besteiras" tem ocorrido? Se sim, o que fazem para viver no Nirvana?

 

Não é por nada não, mas gostaria de saber.

 

Sds,

 

Victor.

 

 


SUBJECT: Re: [ciencialist] Help, digo, socoorro!
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2015 07:03

Caro Victor.

Não tenho nem de longe a solução para seus problemas, que, de quando em vez também partilho. Mas não pude deixar de responder para lhe agradecer pelo farto farfalhar de risos de que fui acometido lendo sua mensagem. Não é rir da desgraça alheia e, se for, o God vai me castigar como ele sabe bem fazê-lo. É apenas pela forma como você colocou. Deveria tentar a carreira de humorista. Ainda é jovem.

Saudações,

*BW*



Em Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015 6:47, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Olá,
 
Mais uma vez volto com a história das invasões de programas que se instalam automaticamente, sem você autorizar. Destes os mais chatos são aqueles de propaganda. Nos últimos dias meu Chrome encheu-se dessas  coisas, a ponto de atrapalhar a leitura, além de tornar tudo mais lento; sendo preciso, a todo instante, clicar no X de " xou, bicho, vaza!" Um deles realmente ultrapassou os limites, se é que há limites para essas desgraças:  a tela intrometida tem na aba o  nome  Empty, e a frequência de intrusões é enorme. É de um tal site http://ecpmrock.com/ADS seguido de um montão de códigos.  Procurei ajuda na internet, e um dos internautas disse que não tinha problema com essas coisas de gente pobre, pois não usava o Chrome ou I.E; usava uma versão, segundo ele,  aprimorada do primeiro - um tal de Psave Internet, que já tem proteções nativas para os esses chatos de galocha.  Como já havia usado tudo quanto é anti  coisas(adware cleaner, SuperRemover, Spybot, etc., além de meu anti-virus MS Secutrity), sem resultados, de pronto baixei a sugestão, instalei, configurei(parecido com o Chrome) e voilá..resolveu. Não mais apareceu propagandas, nazistas, certos políticos, pulgas e muriçocas!  Pronto, agora eu quero é ver se esses desgraçados vêm atrapalhar minhas leituras e os etc. pertinentes. Um dia de felicidade.
But, o que é good dura pouco, diz o ditado.  E não é que, hoje, abro este navegador e...surprise: duas das propagandas anteriores deram o ar da graça. Uma que fica do lado direito da tela, como um pop-up ofertando diversas coisas, inclusive livros ensinando a ter  paciência. E outro pequenino no meio da tela, ofertando sutiãs e "caçolas".  Eles pensam que eu sou quem, hein, hein?
 
Enfim, um copo de água gelada na cabeça;  só estou esperando, agora, que isto não evolua  para um balde.
 
O quê fazer, realmente?  Está muito ruim e enfadonho!   Será que outra plataforma, como o  Linux, breca essas coisas?
 
Ou com vocês nada dessas "besteiras" tem ocorrido? Se sim, o que fazem para viver no Nirvana?
 
Não é por nada não, mas gostaria de saber.
 
Sds,
 
Victor.
 
 



SUBJECT: Re: [ciencialist] Help, digo, socoorro!
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2015 09:28

Olá Mestre Victor.

Experimente usar o Ubuntu (versão 15).
Para testar não precisa nem instalar no seu computador, é só copiar o sistema num pendrive e fazer o PC iniciar por ele.
Se gostar, a instalação pode ser feita ao lado do windows, podendo escolher qual sistema usar na inicialização do PC.

Abraços Tipoalgo.




Em 28 de agosto de 2015 06:47, 'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:
 

Olá,

 

Mais uma vez volto com a história das invasões de programas que se instalam automaticamente, sem você autorizar. Destes os mais chatos são aqueles de propaganda. Nos últimos dias meu Chrome encheu-se dessas  coisas, a ponto de atrapalhar a leitura, além de tornar tudo mais lento; sendo preciso, a todo instante, clicar no X de " xou, bicho, vaza!" Um deles realmente ultrapassou os limites, se é que há limites para essas desgraças:  a tela intrometida tem na aba o  nome  Empty, e a frequência de intrusões é enorme. É de um tal site http://ecpmrock.com/ADS seguido de um montão de códigos.  Procurei ajuda na internet, e um dos internautas disse que não tinha problema com essas coisas de gente pobre, pois não usava o Chrome ou I.E; usava uma versão, segundo ele,  aprimorada do primeiro - um tal de Psave Internet, que já tem proteções nativas para os esses chatos de galocha.  Como já havia usado tudo quanto é anti  coisas(adware cleaner, SuperRemover, Spybot, etc., além de meu anti-virus MS Secutrity), sem resultados, de pronto baixei a sugestão, instalei, configurei(parecido com o Chrome) e voilá..resolveu. Não mais apareceu propagandas, nazistas, certos políticos, pulgas e muriçocas!  Pronto, agora eu quero é ver se esses desgraçados vêm atrapalhar minhas leituras e os etc. pertinentes. Um dia de felicidade.

But, o que é good dura pouco, diz o ditado.  E não é que, hoje, abro este navegador e...surprise: duas das propagandas anteriores deram o ar da graça. Uma que fica do lado direito da tela, como um pop-up ofertando diversas coisas, inclusive livros ensinando a ter  paciência. E outro pequenino no meio da tela, ofertando sutiãs e "caçolas".  Eles pensam que eu sou quem, hein, hein?

 

Enfim, um copo de água gelada na cabeça;  só estou esperando, agora, que isto não evolua  para um balde.

 

O quê fazer, realmente?  Está muito ruim e enfadonho!   Será que outra plataforma, como o  Linux, breca essas coisas?

 

Ou com vocês nada dessas "besteiras" tem ocorrido? Se sim, o que fazem para viver no Nirvana?

 

Não é por nada não, mas gostaria de saber.

 

Sds,

 

Victor.

 

 



SUBJECT: Re: RES: [ciencialist] Massa e energia
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2015 11:07

      Para complementar a parte final, que ficou meio obscura:
 A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas.
     O que quis dizer é que nos aglomerados de massa, a energia contida é menor do que quando as partes estão separadas. Em nível molecular isso acontece com a energia de ligação. quando dois átomos se ligam para formar uma molécula, há uma sobra de energia no processo (processo endotérmico). E a energia de ligação tem caráter essencialmente elétrico. Como explanei na mensagem anterior, a ação da gravidade sobre a matéria também é um processo endotérmico, que leva a aglutinação dessa mesma matéria. Quando disse que a forma preferencial é a esférica, levei em conta os processos de formação de estrelas, mas não há necessidade da forma esférica. Qualquer que seja a forma, a energia de ligação, assim como acontece a nível molecular, é essencialmente elétrica. Se alguém se interessar poderei fazer esquemas para ilustrar isso. Assim, reconhecendo que a energia que mantém aglutinada a matéria é de origem elétrica e entendendo o processo como une as partes como sendo gravitacional, não há como não cogitar a correlação.
      Quanto a sua afirmação, Victor:
Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.
      Isso está me parecendo uma profissão de fé!

     *BW*



Em Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015 21:33, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Belmiro,
 
Até onde pude alcançar, seu racicocínio é lúcido e parece representar o que de fato acontece.  Esta, uma primeira impressão. Precisarei  aprofundar mais  o raciocínio empregado por você, de  modo a compreendê-lo. Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.
Contudo, parece-me  uma questão realmente complexa.  Teu texto merece um sério comentário praticamente para cada frase, como por exemplo, " Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo."
 
Assim, é preciso pensar muito, como disse acima.  Então, paciência, enquanto espera!...
 
Agora, a  respeito dessa dependência gravidade x eletromagnetismo, posso adiantar o comentário  seguinte.
 
Não há evidência experimental nenhuma de uma relação entre força elétrica e gravitacional, a não ser o fato de que a primeira é muitas vezes maior que a segunda.  Nada mais. Mas alguns estudiosos, como Fran de Aquino (http://www.pesquisa-unificada.com/pesquisas/anti-gravidade/antigravidade-por-fran-de-aquino-no-brasil/)  tentaram(e tentam) correlacionar gravidade, de alguma maneira,  com eletromagnetismo. Daí, surge todo tipo de efeito que  muitos sonham aconteçam. Cair para cima sendo um deles, velocidades a dar na canela, e assim por diante. Há uns anos até andei tentando entender o trabalho do Fran de Aquino, mais pela matemática que usava para apoiar seu raciocínio, que achei bastante avançada, e que é bastante avançada e complexa. Coisa parecida fez o JFimenko, sobre o que já postei algo a respeito. Este vai mais além completando ainda mas o rol. Também  faz uma pedra cair para cima, a terra repelir a lua, e estabelece uma baita analogia, com direito aos conformes matemáticos pertinentes, entre gravidade e eletromagnetismo. Já ví outras referências, mas sequer me interessei em ver, como aconteceu com esses dois.
Se ao menos alguma dessas coisas que revelam maematicamente pudesse ser remotamente observada...
 
Até o momento, e até onde conheço, não há espaço para uma união tal como  " a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico."  Ou eletromagnético, como afirma Aquino.
 
E não  lembro de ter lido nada nesse sentido.
 
Dito isto, vou pensar mais, ver se não estou errando o buraco da agulha, e voltaremos a conversar.
 
Mas gostei  muito de como elaborou a questão.
 
 
Sds,
Victor.
 
 
 
 
De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 27 de agosto de 2015 19:41
Para: ListadeCiência
Assunto: [ciencialist] Massa e energia
 
 
 
    Estou preparando um texto sobre forças e energia e as maneiras pela qual a natureza se encarrega de preservar o equilíbrio sobre todos os aspectos. Acabei tendo um insight que deu um nó nos neurônios. Partindo do pressuposto que temos um amontoado de prótons, elétrons e nêutrons e desejamos construir um átomo. Para juntar todos os prótons até uma distância em que a força nuclear forte prevaleça sobre a força eletromagnética, devemos fornecer energia, através da força empregada para vencer a repulsão eletrostática entre eles. Depois, para "colocar" os elétrons em suas órbitas, fica mais fácil, mas nem tanto. Não obstante a força atrativa entre prótons e elétrons, teremos dificuldade para vencer a força repulsiva mútua entre os elétrons. Assim, novamente teremos que fornecer energia para finalizar a tarefa. com os nêutrons não haveria problema, haja vista a sua neutralidade elétrica. Resumindo, precisamos fornecer energia para "montar" um átomo. Essa energia agregada se manifesta no átomo em forma de um aumento da massa, se compararmos as massas individuais de cada partícula. Resumindo, a soma das massas de todas as partículas separadamente a serem empregadas para construir o átomo será menor do que a massa do átomo construído. Até aí tudo bem. Entretanto, empregando esse mesmo raciocínio, se dispusermos de um amontoado de átomos neutros a serem agregados para formar um bloco maciço de matéria, aí a porca torce o rabo (seja lá qual for a importância da porca torcer o rabo). O fato é que os átomos vão se atrair mutuamente por conta da gravidade e se quisermos impedir isso, temos que aplicar uma força contrária. Isso implica que uma "energia negativa" está sendo agregada ao conjunto. Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo. Isto faz sentido se lembrarmos que todos os sistemas tendem a um estado de menor energia. A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas. Isso levaria a uma conclusão apocalíptica: a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico. Sei que essa última parte não ficou muito clara, mas é muito complexo descrever em palavras algo com esse teor. Alguém já ouviu ou viu algo parecido?
 
     *BW*



SUBJECT: Hipótese ou teoria?
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2015 11:33

Perda de pelos fez homem ser bípede, afirma física

FABIO CASTRO - O ESTADO DE S. PAULO

29 Agosto 2015 | 03h 00

Ideia foi concebida por Lia Amaral, docente aposentada do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP)

A biologia evolutiva tem poucas pistas sobre os fatos que levaram os ancestrais do ser humano a se tornar bípedes. Mas, da perspectiva da Física, a explicação para essa característica única do homem entre os demais primatas pode estar ligada a outro traço especialmente humano: a perda dos pelos.

Parente dos humanos, gorila carrega filhote agarrado nos pelos das costas

Parente dos humanos, gorila carrega filhote agarrado nos pelos das costas

A ideia de que a perda dos pelos provocou uma pressão seletiva, levando ao bipedalismo, foi concebida pela física Lia Amaral, docente aposentada do Instituto de Física da USP. Em paralelo a uma carreira brilhante na Física, ela tem estudado apaixonadamente o tema da evolução desde 1975, quando leu o livro A Origem do Homem e a Seleção Sexual, do inglês Charles Darwin. Desde 1985, passou a publicar uma série de artigos em revistas científicas.

“Tornar-se bípede é um esforço evolutivo imenso, que só pode ocorrer por forte pressão seletiva. Quando os ancestrais dos humanos perderam os pelos, os bebês não tinham mais onde se agarrar em suas mães, o que os forçou a abandonar o andar quadrúpede”, disse Lia. 

De acordo com Lia, todos os parentes mais próximos dos humanos - gibões, orangotangos, gorilas e chimpanzés - carregam filhotes agarrados nos pelos das costas. “Não há bípede peludo, não há quadrúpede pelado. Para uma física, é evidente que há correlação necessária entre nudez e bipedalismo”, disse.

Para comprovar sua hipótese, Lia se valeu de recursos da Física, como uma análise mecânica do processo dos primatas para carregar crias e sua correlação com a variação da densidade de pelos. Ela também fez uma análise teórica do equilíbrio mecânico na locomoção quadrúpede dos gorilas e concluiu que, para que o filhote não escorregue, o ângulo formado pela parte superior do seu corpo durante a locomoção tem de ser, no máximo, de 30°.

 




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: Pneu Maciço Alternativo versão 6.0
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2015 20:07

Olá a todos!

Esta é a versão de pneu maciço alternativo mais eficiente até agora.


Abraços Tipoalgo.








SUBJECT: Coisas e coisas, não mais que coisas.
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2015 07:03

 

 

http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/bbc/2015/08/29/equipe-da-nasa-vivera-isolada-por-um-ano-para-simular-vida-em-marte.htm

 

Se fosse no Brasil e  o  TRT  descobrisse  iria  mandar fiscais para lá;  os donos seriam processados pelo uso de trabalho escravo e mais que péssimas condições de trabalho!  Além de uma multa do tamanho do buraco financeiro em que o nosso país se encontra.

 

Chistes à parte, deve ser  tremendo o sacrifício para aquelas pessoas que habitaram o domo. Se, ao menos, houver muié(como diria Pesky) bonita no grupo, então dará para ir levando...

 

Em chegando a Marte, pintá-lo de verde e fundar um novo ambiente de trabalho, transferir o povo daquí para lá;  antes que o porquinho nortecoereano e os deuses iranistas joguem uma daquelas bombinhas caseiras,  à base de plutônio,  sobre nós.

 

Enquanto, terrenos morrem de fome, sobretudo crianças, maus tratos, violências de todos os tipos, como se fosse ratos; e, para melhorar o menu, em cada esquina um canhão. E ninguém faz nada.  A não ser o que inglês quer ver.

 

Nesta manhã acordei com a macaca.

 

Sds,

Victor.

 

 


SUBJECT: Re: RES: [ciencialist] Massa e energia
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2015 11:47

Já que ninguém contestou o texto, eu mesmo o farei. Toda a análise está correta a não ser por um pequeno detalhe. Esqueci que a energia de ligação é fruto, desde o princípio, do campo elétrico, pois os átomos devem estar na forma de íons. A atração gravitacional é também um processo endotérmico, mas a aglutinação da matéria não é nem de longe comparada à da força elétrica. Assim, desfaço, portanto o suposto vínculo do campo elétrico com a gravitação. Entretanto, mantenho minha convicção de que estão de alguma forma relacionados. O meu texto sobre forças está gerando uma porção de questões que nunca me ocorreram antes. Futuramente postarei algo sobre.
 *BW*

Enviado do Yahoo Mail no Android


De:"Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Data:11:07 Sáb, 29 de ago de AM
Assunto:Re: RES: [ciencialist] Massa e energia

 

      Para complementar a parte final, que ficou meio obscura:
 A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas.
     O que quis dizer é que nos aglomerados de massa, a energia contida é menor do que quando as partes estão separadas. Em nível molecular isso acontece com a energia de ligação. quando dois átomos se ligam para formar uma molécula, há uma sobra de energia no processo (processo endotérmico). E a energia de ligação tem caráter essencialmente elétrico. Como explanei na mensagem anterior, a ação da gravidade sobre a matéria também é um processo endotérmico, que leva a aglutinação dessa mesma matéria. Quando disse que a forma preferencial é a esférica, levei em conta os processos de formação de estrelas, mas não há necessidade da forma esférica. Qualquer que seja a forma, a energia de ligação, assim como acontece a nível molecular, é essencialmente elétrica. Se alguém se interessar poderei fazer esquemas para ilustrar isso. Assim, reconhecendo que a energia que mantém aglutinada a matéria é de origem elétrica e entendendo o processo como une as partes como sendo gravitacional, não há como não cogitar a correlação.
      Quanto a sua afirmação, Victor:
Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.
      Isso está me parecendo uma profissão de fé!

     *BW*



Em Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015 21:33, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Belmiro,
 
Até onde pude alcançar, seu racicocínio é lúcido e parece representar o que de fato acontece.  Esta, uma primeira impressão. Precisarei  aprofundar mais  o raciocínio empregado por você, de  modo a compreendê-lo. Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.
Contudo, parece-me  uma questão realmente complexa.  Teu texto merece um sério comentário praticamente para cada frase, como por exemplo, " Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo."
 
Assim, é preciso pensar muito, como disse acima.  Então, paciência, enquanto espera!...
 
Agora, a  respeito dessa dependência gravidade x eletromagnetismo, posso adiantar o comentário  seguinte.
 
Não há evidência experimental nenhuma de uma relação entre força elétrica e gravitacional, a não ser o fato de que a primeira é muitas vezes maior que a segunda.  Nada mais. Mas alguns estudiosos, como Fran de Aquino (http://www.pesquisa-unificada.com/pesquisas/anti-gravidade/antigravidade-por-fran-de-aquino-no-brasil/)  tentaram(e tentam) correlacionar gravidade, de alguma maneira,  com eletromagnetismo. Daí, surge todo tipo de efeito que  muitos sonham aconteçam. Cair para cima sendo um deles, velocidades a dar na canela, e assim por diante. Há uns anos até andei tentando entender o trabalho do Fran de Aquino, mais pela matemática que usava para apoiar seu raciocínio, que achei bastante avançada, e que é bastante avançada e complexa. Coisa parecida fez o JFimenko, sobre o que já postei algo a respeito. Este vai mais além completando ainda mas o rol. Também  faz uma pedra cair para cima, a terra repelir a lua, e estabelece uma baita analogia, com direito aos conformes matemáticos pertinentes, entre gravidade e eletromagnetismo. Já ví outras referências, mas sequer me interessei em ver, como aconteceu com esses dois.
Se ao menos alguma dessas coisas que revelam maematicamente pudesse ser remotamente observada...
 
Até o momento, e até onde conheço, não há espaço para uma união tal como  " a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico."  Ou eletromagnético, como afirma Aquino.
 
E não  lembro de ter lido nada nesse sentido.
 
Dito isto, vou pensar mais, ver se não estou errando o buraco da agulha, e voltaremos a conversar.
 
Mas gostei  muito de como elaborou a questão.
 
 
Sds,
Victor.
 
 
 
 
De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 27 de agosto de 2015 19:41
Para: ListadeCiência
Assunto: [ciencialist] Massa e energia
 
 
 
    Estou preparando um texto sobre forças e energia e as maneiras pela qual a natureza se encarrega de preservar o equilíbrio sobre todos os aspectos. Acabei tendo um insight que deu um nó nos neurônios. Partindo do pressuposto que temos um amontoado de prótons, elétrons e nêutrons e desejamos construir um átomo. Para juntar todos os prótons até uma distância em que a força nuclear forte prevaleça sobre a força eletromagnética, devemos fornecer energia, através da força empregada para vencer a repulsão eletrostática entre eles. Depois, para "colocar" os elétrons em suas órbitas, fica mais fácil, mas nem tanto. Não obstante a força atrativa entre prótons e elétrons, teremos dificuldade para vencer a força repulsiva mútua entre os elétrons. Assim, novamente teremos que fornecer energia para finalizar a tarefa. com os nêutrons não haveria problema, haja vista a sua neutralidade elétrica. Resumindo, precisamos fornecer energia para "montar" um átomo. Essa energia agregada se manifesta no átomo em forma de um aumento da massa, se compararmos as massas individuais de cada partícula. Resumindo, a soma das massas de todas as partículas separadamente a serem empregadas para construir o átomo será menor do que a massa do átomo construído. Até aí tudo bem. Entretanto, empregando esse mesmo raciocínio, se dispusermos de um amontoado de átomos neutros a serem agregados para formar um bloco maciço de matéria, aí a porca torce o rabo (seja lá qual for a importância da porca torcer o rabo). O fato é que os átomos vão se atrair mutuamente por conta da gravidade e se quisermos impedir isso, temos que aplicar uma força contrária. Isso implica que uma "energia negativa" está sendo agregada ao conjunto. Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo. Isto faz sentido se lembrarmos que todos os sistemas tendem a um estado de menor energia. A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas. Isso levaria a uma conclusão apocalíptica: a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico. Sei que essa última parte não ficou muito clara, mas é muito complexo descrever em palavras algo com esse teor. Alguém já ouviu ou viu algo parecido?
 
     *BW*



SUBJECT: ENC: RES: [ciencialist] Massa e energia
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2015 17:17

 

Olá, Belmiro,

 

 

Belmiro: A atração gravitacional é também um processo endotérmico, mas a aglutinação da matéria não é nem de longe comparada à da força elétrica. Assim, desfaço, portanto o suposto vínculo do campo elétrico com a gravitação.

 

Victor:  Ok.  Foi neste último aspecto que centrei minha humilde critiquinha, no post anterior.  Pois, a força elétrica entre, por exemplo, dois protons e a força gravitacional entre eles, é, em termos concretos(matemáticos):

 

Fg/Fe =[ Gm2/r²] / (e² / r²)  é aprox. 10-40, ou seja, 1 precedido de 40 zerinhos(para quem não sabe)!

 

Então, se há outro tipo de relação, certamente será em outro nível, sobre o que não sei nem como opinar. A não ser com argumentos sobrenaturais e coisas que tais. Mas isso nada tem de ciência.

 

Até para ler tal número eu tenho preguiça; e não tenho idéia-acho que ninguém tem - da pequenez de algo assim. (Mas é bem maior que a mentalidade de certos ditadores e daqueles que ocupam cargos, onde se mantêm menores que os tais...).

 

Aquí, os parâmetros envolvidos:

 

G= Constante Gravitacional

e = carga elétrica do proton

r distância entre os protons.

m = massa do proton.

 

Julgo conveniente adicionar um  comentário que, de certa forma, tem relação com o comentário do outro post(e, também, para não perder a mania de conversar muito);   só quero te dizer uma coisa: estas estranheza, estes parecem que são, estas correlações que parecem existir em nossas mentes (e somente nelas, sem nada de concreto experimentalmente), muitas delas reveladas via aspectos matemáticos, povoaram a mente de inúmeros grandes cientistas. Sobretudo aqueles com pendores para o misticismo ou filosofia. Só para citar um exemplo, para não encher o saco daqueles que me acham pouco econômico nos escritos, escolho comentar um pouco sobre o "magico"   O Princípio Variacional;  princípio este, que permite a formulação de inúmeras leis físicas com vantagens elevados a n, em relação à outras formulações.  Se S é uma ação mecânica, então DeltaS=0 é a "equação de Deus", segundo alguns, que leva a ciência a descortinar os segredos da Natureza, em termos da descrição qualitativa e quantitativa de seu comportamento. Entre outras coisas, esse belo princípio permite fazer um link de extrema generalidade entre a as santas simetrias que ocorrem na Natureza e as leis de conservação que delas, inexoravelmente, decorrem. Com um bônus radicalmente desejável:  os resultados obtidos independem de qualquer sistema de coordenadas que seja usado.

Como deve ser.

Nivaldo A. Lemos, um dos físicos matemáticos mais competentes e importantes deste pais, autor do fundamental Mecânica Analítica(até já fiz uma mini resenha da obra, aquí, há alguns anos), diz: "Quanto ao aspecto, os princípios variacionais exprimem as leis físicas numa forma incomparavelmente concisa e elegante. Além disso, os princípios variacionais servem de base para cálculos aproximados muito eficientes em problemas que não se consegue resolver completamente."   O que é verdadeiramente o caso.

Quem viver, digo, quem estudá-lo, verá.

 

É o meu porto seguro para essas coisas.

 

Mas o papo acima é para enfatizar que esse princípio variacional, e por causa do formato exposto acima por Nivaldo, ao longo das centenas de décadas em que vem sendo aplicado na ciência, tem suscitado na mente de alguns cientístas bolhas de conotação mística ou filosófica. E muitos deles têm usado o princípio para provar a existência de Deus! Entre eles, nada menos que um  Max Planck!   Mas há outras curiosidades sobre o pensamento de muitos dessas mentes gigantes. Este é só um café pequeno.

 

Belmiro:Entretanto, mantenho minha convicção de que estão de alguma forma relacionados. O meu texto sobre forças está gerando uma porção de questões que nunca me ocorreram antes. Futuramente postarei algo sobre."

 

Victor: Relí o teu post e apenas mantenho o que disse sobre a tal relação, que novamente voltei a  comentar. E espero que chegue a algo interessante, com tuas lúcidas inculcações. Acho que você engloba todos os requesitos para um profícuo pensador científico; domina a teoria fundamental, relativista por natureza, sabe escever sobre o que pensa, de maneira bastante didática e, para completar, vai adquirir outro ingrediente igualmente importante:  a aposentadoria que já vem por aí, cantando, dançando e pintando.

Prova disso é tua declaração: " O meu texto sobre forças está gerando uma porção de questões que nunca me ocorreram antes."

 

É assim que a física evolui ao longo do tempo.

 

 

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: domingo, 30 de agosto de 2015 11:48
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: RES: [ciencialist] Massa e energia

 

 

Já que ninguém contestou o texto, eu mesmo o farei. Toda a análise está correta a não ser por um pequeno detalhe. Esqueci que a energia de ligação é fruto, desde o princípio, do campo elétrico, pois os átomos devem estar na forma de íons. A atração gravitacional é também um processo endotérmico, mas a aglutinação da matéria não é nem de longe comparada à da força elétrica. Assim, desfaço, portanto o suposto vínculo do campo elétrico com a gravitação. Entretanto, mantenho minha convicção de que estão de alguma forma relacionados. O meu texto sobre forças está gerando uma porção de questões que nunca me ocorreram antes. Futuramente postarei algo sobre.
 *BW*

Enviado do Yahoo Mail no Android


De:"Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Data:11:07 Sáb, 29 de ago de AM
Assunto:Re: RES: [ciencialist] Massa e energia

 

      Para complementar a parte final, que ficou meio obscura:

 A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas.

     O que quis dizer é que nos aglomerados de massa, a energia contida é menor do que quando as partes estão separadas. Em nível molecular isso acontece com a energia de ligação. quando dois átomos se ligam para formar uma molécula, há uma sobra de energia no processo (processo endotérmico). E a energia de ligação tem caráter essencialmente elétrico. Como explanei na mensagem anterior, a ação da gravidade sobre a matéria também é um processo endotérmico, que leva a aglutinação dessa mesma matéria. Quando disse que a forma preferencial é a esférica, levei em conta os processos de formação de estrelas, mas não há necessidade da forma esférica. Qualquer que seja a forma, a energia de ligação, assim como acontece a nível molecular, é essencialmente elétrica. Se alguém se interessar poderei fazer esquemas para ilustrar isso. Assim, reconhecendo que a energia que mantém aglutinada a matéria é de origem elétrica e entendendo o processo como une as partes como sendo gravitacional, não há como não cogitar a correlação.

      Quanto a sua afirmação, Victor:

Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.

      Isso está me parecendo uma profissão de fé!

 

     *BW*

 

 

Em Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015 21:33, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

Belmiro,

 

Até onde pude alcançar, seu racicocínio é lúcido e parece representar o que de fato acontece.  Esta, uma primeira impressão. Precisarei  aprofundar mais  o raciocínio empregado por você, de  modo a compreendê-lo. Mas, algo já posso adiantar, segundo o que conheço:    conclusão é que não bate.

Contudo, parece-me  uma questão realmente complexa.  Teu texto merece um sério comentário praticamente para cada frase, como por exemplo, " Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo."

 

Assim, é preciso pensar muito, como disse acima.  Então, paciência, enquanto espera!...

 

Agora, a  respeito dessa dependência gravidade x eletromagnetismo, posso adiantar o comentário  seguinte.

 

Não há evidência experimental nenhuma de uma relação entre força elétrica e gravitacional, a não ser o fato de que a primeira é muitas vezes maior que a segunda.  Nada mais. Mas alguns estudiosos, como Fran de Aquino (http://www.pesquisa-unificada.com/pesquisas/anti-gravidade/antigravidade-por-fran-de-aquino-no-brasil/)  tentaram(e tentam) correlacionar gravidade, de alguma maneira,  com eletromagnetismo. Daí, surge todo tipo de efeito que  muitos sonham aconteçam. Cair para cima sendo um deles, velocidades a dar na canela, e assim por diante. Há uns anos até andei tentando entender o trabalho do Fran de Aquino, mais pela matemática que usava para apoiar seu raciocínio, que achei bastante avançada, e que é bastante avançada e complexa. Coisa parecida fez o JFimenko, sobre o que já postei algo a respeito. Este vai mais além completando ainda mas o rol. Também  faz uma pedra cair para cima, a terra repelir a lua, e estabelece uma baita analogia, com direito aos conformes matemáticos pertinentes, entre gravidade e eletromagnetismo. Já ví outras referências, mas sequer me interessei em ver, como aconteceu com esses dois.

Se ao menos alguma dessas coisas que revelam maematicamente pudesse ser remotamente observada...

 

Até o momento, e até onde conheço, não há espaço para uma união tal como  " a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico."  Ou eletromagnético, como afirma Aquino.

 

E não  lembro de ter lido nada nesse sentido.

 

Dito isto, vou pensar mais, ver se não estou errando o buraco da agulha, e voltaremos a conversar.

 

Mas gostei  muito de como elaborou a questão.

 

 

Sds,

Victor.

 

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 27 de agosto de 2015 19:41
Para: ListadeCiência
Assunto: [ciencialist] Massa e energia

 

 

 

    Estou preparando um texto sobre forças e energia e as maneiras pela qual a natureza se encarrega de preservar o equilíbrio sobre todos os aspectos. Acabei tendo um insight que deu um nó nos neurônios. Partindo do pressuposto que temos um amontoado de prótons, elétrons e nêutrons e desejamos construir um átomo. Para juntar todos os prótons até uma distância em que a força nuclear forte prevaleça sobre a força eletromagnética, devemos fornecer energia, através da força empregada para vencer a repulsão eletrostática entre eles. Depois, para "colocar" os elétrons em suas órbitas, fica mais fácil, mas nem tanto. Não obstante a força atrativa entre prótons e elétrons, teremos dificuldade para vencer a força repulsiva mútua entre os elétrons. Assim, novamente teremos que fornecer energia para finalizar a tarefa. com os nêutrons não haveria problema, haja vista a sua neutralidade elétrica. Resumindo, precisamos fornecer energia para "montar" um átomo. Essa energia agregada se manifesta no átomo em forma de um aumento da massa, se compararmos as massas individuais de cada partícula. Resumindo, a soma das massas de todas as partículas separadamente a serem empregadas para construir o átomo será menor do que a massa do átomo construído. Até aí tudo bem. Entretanto, empregando esse mesmo raciocínio, se dispusermos de um amontoado de átomos neutros a serem agregados para formar um bloco maciço de matéria, aí a porca torce o rabo (seja lá qual for a importância da porca torcer o rabo). O fato é que os átomos vão se atrair mutuamente por conta da gravidade e se quisermos impedir isso, temos que aplicar uma força contrária. Isso implica que uma "energia negativa" está sendo agregada ao conjunto. Implica também, que a massa final do agregado de átomos será menor do que a soma das massas individuais de cada átomo. Isto faz sentido se lembrarmos que todos os sistemas tendem a um estado de menor energia. A gravidade, por esse aspecto, seria um mecanismo da natureza para levar os sistemas ao estado de energia mínima. Neste caso, se levarmos em conta a forma preferencial de qualquer objeto massivo como sendo o esférico e, olhando a combinação de átomos para formar um objeto com essa forma (esférica), podemos decompor as forças elétricas individuais dos átomos nessa formação e chegar à conclusão que o decréscimo de energia do aglomerado se deve à diminuição das interações elétricas. Isso levaria a uma conclusão apocalíptica: a de que a gravidade é uma forma de expressão do campo elétrico. Sei que essa última parte não ficou muito clara, mas é muito complexo descrever em palavras algo com esse teor. Alguém já ouviu ou viu algo parecido?

 

     *BW*


SUBJECT: Aquecimento global, a bomba anunciada.
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 01/09/2015 09:40

Nada como uma dessas evidencias de que as coisas vão de mal a pior:

 

http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2015/09/01/fotografa-encontra-ursos-polares-raquiticos-no-artico.htm

 

E ninguém faz nada.

Ou querem fazer e não podem?

 

Eis a questão, to be or not to bimba.

 

Sds,

 

Victor.


SUBJECT: Qual a maneira de resolver essa terrivel encrenca?
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 01/09/2015 09:48

A resposta para a pergunta do tópico Assunto é:

 

Vergonha na cara e educação; respeito pela Natureza e mais atenção das otoridades.

 

http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2015/08/31/ate-2050-quase-todas-as-aves-marinhas-terao-ingerido-plastico.htm

 

Sds,

Victor


SUBJECT: ENC: physicsworld.com eventswire (Week 36)
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 01/09/2015 18:34

physicsworld.com eventswire

 

Conferências sobre física de ponta.  Se não resistir e clicar nos vermelhos, saberá os detalhes.

Aproveitem. Levem 3 e paguem 2.

Sds,

Victor.

 

De: physicsworld.com [mailto:events@physicsworld.com]
Enviada em: terça-feira, 1 de setembro de 2015 18:13
Para: j.victor.neto@uol.com.br
Assunto: physicsworld.com eventswire (Week 36)

 

Can't see this email properly? View it online.

physicsworld.com

Advertisement

New events

The latest events posted by organizers on physicsworld.com. Add your events to physicsworld.com for them to appear in an upcoming eventswire

Large Scale Structure and Galaxy Flows
Conference: 3 Jul 2016 - 9 Jul 2016, Quy Nhon, Binh Dinh Province, Viet Nam.

DEE roll forming machine
Workshop: 28 Aug 2015 - 28 Dec 2015, hangzhou, -- Non US --, China. Organized by Hangzhou Dee Technology Co.,Ltd..

BIR Annual Congress 2015
Conference: 4 Nov 2015 - 5 Nov 2015, London, United Kingdom. Organized by The British Institute of Radiology.

SIMULATION OF STRUCTURES, STRUCTURE OF MATTER NANOTECHNOLOGIES (MSN III)
Conference: 18 Apr 2016 - 21 Apr 2016, Tula, Russian Federation. Organized by IRE of RAS, Moscow, TSPU, Tula (Russia).

Large Scale Structure and Galaxy Flows
Conference: 3 Jul 2016 - 9 Jul 2016, Quy Nhon, Binh Dinh Province, Viet Nam.

Global Conference on Materials Science and Nanotechnology 2016 CHINA
Conference: 28 Jul 2016 - 29 Jul 2016, Beijing, China, China. Organized by GCConferences.

THIRD INFINITY 2015 - 2nd Conference on Physics of Biological and Complex Systems
Conference: 14 Oct 2015 - 16 Oct 2015, Goettingen, Germany. Organized by https://www.uni-goettingen.de/en/58718.html.

Light and the quantum
Lecture/talk: 25 Sep 2015, London, United Kingdom. Organized by Royal Institution of Great Britain.

MEIbioeng15
Conference: 7 Sep 2015 - 8 Sep 2015, Leeds, United Kingdom.

 

Register for the upcoming Physics Connect webinar

Electronic recordkeeping in radiation oncology

23 September 2015, 4.00 p.m. BST

Supported by an educational grant from IBA Dosimetry

Presented by James P Nunn, senior medical physicist at Lewis Gale Regional Cancer Center in the US, this webinar looks at why electronic recordkeeping is readily and routinely used in radiology and nuclear medicine, but strangely absent in oncology, along with the electronic solution implemented at Lewis Gale.

Register for this webinar.

Out and about

The latest coverage of key people and events from our editorial team

video

Inside the particle pyramid
25 Aug, 2015
Podcast Using muons to hunt for hidden burial chambers inside Mexico's Pyramid of the Sun

How to treat your inner geek
20 Aug, 2015
Matin Durrani spots a shop full of geekdom in the Mexican city of Puebla

Coming soon

Pick up a free copy of Physics World at any of these upcoming events

12th European Conference on Applied Superconductivity (EUCAS)
6–10 Sep, France

Physical Aspects of Polymer Science
8 Sep, UK

CPS Fall Meeting 2015
10–13 Sep, China

JSAP Fall Meeting 2015
13–16 Sep, Japan

E-MRS Fall 2015
14–18 Sep, Poland

Laser World of Photonics India 2015
23–25 Sep, India

 

Key suppliers

Advertisement

Corporate Partners

White papers

Degradation studies of a VECSEL gain structure using a stable green pump laser

The long-term power stability of the Opus 532 laser allows accurate monitoring of performance over several tens of hours. A white paper from Laser Quantum. Get your free download here.

Separating digital acquisition and processing from local computing via PCIe expansion

A PCIe expansion solution can be a very effective tool to separate the functions of a computer system. A white paper from Vadatech. Get your free download here.

Advertisement

IOP Institute of Physics

Your physicsworld.com eventswire has been sent to VictorNeto at j.victor.neto@uol.com.br. If your e-mail address has changed or you wish to unsubscribe from this eventswire, please update your details at http://physicsworld.com/cws/my-profile

IOP Publishing Limited Registered in England under Registration No 467514. Registered Office: Temple Circus, Temple Way, Bristol BS1 6HG England Vat No GB 461 6000 84.
Please consider the environment before printing this e-mail

View our Privacy and Cookies Policy


SUBJECT: Re: [ciencialist] Aquecimento global, a bomba anunciada.
FROM: luiz silva <luizfelipecsrj@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 00:16

Ué, 

E o fato dele estar raquitico significa que a culpa é do aquecimento global? Ele não pode ser um urso velho ou doente, ou os dois, ou com algum tipo de restrição que o impeça de se alimentar adequadamente?

Abs
Felipe



Em Terça-feira, 1 de Setembro de 2015 9:40, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Nada como uma dessas evidencias de que as coisas vão de mal a pior:
 
 
E ninguém faz nada.
Ou querem fazer e não podem?
 
Eis a questão, to be or not to bimba.
 
Sds,
 
Victor.



SUBJECT: Re: [ciencialist] Qual a maneira de resolver essa terrivel encrenca?
FROM: luiz silva <luizfelipecsrj@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 00:18

Victor, 

Eu sinceramente perdi a confiança nessas pesquisas. Não que isso não seja o problema, mas para o cara falar que até 2050 TODAS as aves marinhas terão ingerido plastico.......



Em Terça-feira, 1 de Setembro de 2015 9:48, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
A resposta para a pergunta do tópico Assunto é:
 
Vergonha na cara e educação; respeito pela Natureza e mais atenção das otoridades.
 
 
Sds,
Victor



SUBJECT: RES: [ciencialist] Qual a maneira de resolver essa terrivel encrenca?
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 06:35

Olá,

 

Você não deixa de ter razão. 

 

Deixe-me dar uma de advogado, desses de porta de cadeia, sem outra base argumentativa que não seja o eu penso e eu acho e outras pequenas leituras na mídia.  Quem expõe uma tal informação, deve ter feito algumas pesquisas, como um  mínimo que alguém honesto deve fazer.  Do tipo:  coleta de dados durante algum tempo, repetição durante outros períodos iguais.   E, pelo estudo das relações entre os dados, certamente fazer uma extrapolação; mas deve ter sido mais difícil do que resolver uma carrada  equações diferenciais que surgem em alguns estudos da RG, por excemplo,  envolvendo energia e sua conservação na presença de c.grav!... Sobretudo  considerando a população atual das aves, taxa de reprodução, reflexo disso em novas gerações, and so on.  Putz!  Mas imaginação e açodamento ficaram para isso mesmo.

 

Meu atalho genial  para isso: chute de bico. É é uma fórmula mais simples...

 

Quanto às porcarias acumuladas, conforme as fotos,  que se estendem  praias afora, valem as "chicotadas"  " Vergonha na cara e educação; respeito pela Natureza e mais atenção das otoridades."

 

Sds,

Victor.

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 2 de setembro de 2015 00:18
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Qual a maneira de resolver essa terrivel encrenca?

 

 

Victor, 

 

Eu sinceramente perdi a confiança nessas pesquisas. Não que isso não seja o problema, mas para o cara falar que até 2050 TODAS as aves marinhas terão ingerido plastico.......

 

 

Em Terça-feira, 1 de Setembro de 2015 9:48, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

A resposta para a pergunta do tópico Assunto é:

 

Vergonha na cara e educação; respeito pela Natureza e mais atenção das otoridades.

 

 

Sds,

Victor

 


SUBJECT: ENC: [ciencialist] Aquecimento global, a bomba anunciada.
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 06:39

 

 

Olá,

 

Realmente, seu argumento é "inargumentável".

 

Também pensei nisso. Mas, para dar a "bronca",  assumí que a coisa está ficando mesmo tão feia por lá - e não sei se o motivo é só o AG -  que não sobra  nem um peixinho para o café da manhã. E o aspecto do urso pode  dever-se a essa escassez.  Como a população desses animais é de baixa densidade,  pode-se justificar o "argumento" - amareladamente -  pela amostra. Mas poderia ser, também, devido a alguma doença, claro. Aliás, mais provável, até.  Talvez se a foto houvesse capturado algum rastro amarronzado no caminho do bichinho...

 

Um pouco de terrorrismo "saudável" não faz mal a ninguém...

 

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 2 de setembro de 2015 00:17
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Aquecimento global, a bomba anunciada.

 

 

Ué, 

 

E o fato dele estar raquitico significa que a culpa é do aquecimento global? Ele não pode ser um urso velho ou doente, ou os dois, ou com algum tipo de restrição que o impeça de se alimentar adequadamente?

 

Abs

Felipe

 

 

Em Terça-feira, 1 de Setembro de 2015 9:40, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

Nada como uma dessas evidencias de que as coisas vão de mal a pior:

 

 

E ninguém faz nada.

Ou querem fazer e não podem?

 

Eis a questão, to be or not to bimba.

 

Sds,

 

Victor.

 


SUBJECT: Re: [ciencialist] Aquecimento global, a bomba anunciada.
FROM: Gilberto Morelli <gilmorelli@yahoo.com>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 08:25

Ao que consta, a tal fotógrafa diz sobre "inúmeros ursos". Dependendo do quanto seja isso talvez haja sentido...





From: "luiz silva luizfelipecsrj@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
To: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, September 2, 2015 12:16 AM
Subject: Re: [ciencialist] Aquecimento global, a bomba anunciada.

 
Ué, 

E o fato dele estar raquitico significa que a culpa é do aquecimento global? Ele não pode ser um urso velho ou doente, ou os dois, ou com algum tipo de restrição que o impeça de se alimentar adequadamente?

Abs
Felipe



Em Terça-feira, 1 de Setembro de 2015 9:40, "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Nada como uma dessas evidencias de que as coisas vão de mal a pior:
 
 
E ninguém faz nada.
Ou querem fazer e não podem?
 
Eis a questão, to be or not to bimba.
 
Sds,
 
Victor.





SUBJECT: Mona Lisa
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 02/09/2015 18:51

 

Que celeuma para encontrar o local, sô!

 

Eu sei o local exato onde foi pintado:  na tela, ora!

 

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/41514/com+tecnica+3d+pesquisadora+diz+ter+encontrado+local+exato+onde+da+vinci+pintou+mona+lisa.shtml

Em minha análise " altamente qualificada", artisticamente falando, o sorriso da Mona não alisa mesmo:  está é debochando. Debochando de quem, é que é a questão.

 

Que falem os experts no mister.

 

Sds,

Victor.


SUBJECT: Holocausto do século XXI ?
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <maoslimpasbrasil@yahoogrupos.com.br>, <indianotransparencia@yahoogrupos.com.br>, <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 03/09/2015 15:12

O espírito de Hitler está presente? Na verdade o nazismo não foi uma invenção do século XX. A crueldade da espécie humana foi apenas potencializada por Hitler, Stalin e outros. Essa crueldade é um dos elementos da natureza humana. E a natureza humana é constituída por uma estrutura genética onde o mal, em suas diversas formas de manifestação, está enraizado. Sendo membros da mais cruel das espécies, assistimos a esse genocídio dos sírios lamentando o ocorrido por alguns ou minutos. É tudo que podemos fazer. Não podemos abrigar as crianças e seus pais porque a presença deles em nossos países vai aumentar o nosso número de desempregados. Somos portanto muito frágeis para resolver este problema. Não temos culpa, somos humanos, demasiadamente humanos. A culpa não é nossa. É dos nos genes que nos impuseram essa fórmula de sobrevivência – “faça tudo que puder para garantir a sua sobrevivência, mesmo quando for necessário matar uma parte dos seus colegas de espécie; mas como você precisa deles para sobreviver deve unir-se a eles quando for do seu interesse; o egoísmo é essencial para a sua sobrevivência”

 

Mtnos Calil , um filho de sírios, consciente do próprio egoísmo genético

 

Ps1. Porque a ciência e a tecnologia que evoluíram tanto não conseguem resolver este problema? Pela mesma razão genética: os cientistas não têm nada a ver com os problemas sociais, os quais segundo eles, são de responsabilidade dos políticos. Ora os cientistas também são humanos e infelizmente, os políticos também são muito humanos.

Ps2. Tudo que o ser humano precisa é humanizar-se, ou seja: tornar-se verdadeiramente humano.

 

Para brasileiro na ONU, mundo 'fracassou' em dar proteção a refugiados sírios

JAMIL CHADE - O ESTADO DE S. PAULO

03 Setembro 2015 | 07h 08

 

Um dia depois das imagens de um garoto de 3 anos boiando numa praia, comissão indica que 2 mil sírios já morreram afogados

 

GENEBRA – O mundo está "fracassando em dar proteção" aos refugiados sírios e países estão fechando suas portas à tentativa dessa população de fugir da morte. O alerta é da Comissão de Inquérito da ONU para o Crimes na Síria, liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro. Em seu novo informe publicado hoje, um dia depois da publicação de fotos de um garoto de 3 anos encontrado numa praia que criou um mal estar internacional, Pinheiro alerta que as crianças sírias vivem um "terror" e que 2 mil pessoas já morreram afogadas tentando escapar da guerra.

Segundo ele, mais de 4 milhões de sírios já deixaram o país, além de 7,5 milhões de pessoas que foram deslocadas internamente. Para Pinheiro, não há sinais de que a guerra va terminar e tanto o governo como a oposição tem cometido "crimes de guerra e crimes contra a humanidade". Na prática, o cenário leva a ONU a acreditar que o número de refugiados também vai aumentar nos próximos meses. 

 

O brasileiro admite que o fluxo « ininterrupto » de refugiados para os países vizinhos à Síria está "desestabilizando a região e afetando de forma severa os serviços públicos e disponibilidade de commodities", além de criar "desafios sociais e econômicos". 

 

Policial recupera corpo de bebê afogado na costa da Turquia.

Policial recupera corpo de bebê afogado na costa da Turquia.

Mas o resultado tem sido o fechamento de fronteiras dos países vizinhos, "limitando a chance de refugiados de chegar a um local seguro". 

"O espaço de proteção para sírios escapando o conflito está encolhendo", alertou o brasileiro, que ainda indicou que a falta de dinheiro para programas humanitários está "ameaçando a vida dos mais vulneráveis". 

O resultado dessas barreiras tem sido a proliferação do recurso aos traficantes. "Milhares de sírios colocam suas vidas nas mãos de traficantes, tentando viagens perigosas em barcos pelo Mediterrâneo. Mais de 2 mil sírios se afogaram em seu desesperado esforço por atingir segurança na Europa desde 2011", disse. 

Em sua avaliação, o "fracasso global por proteger os síríos está se traduzindo em uma crise no sul da Europa". Para ele, a responsabilidade de dar proteção não está sendo apoiada. "Uma cooperação internacional genuína e uma divisão do peso é imperativo", alerta, indicando que países não podem deportar essas pessoas.

"Precisamos fazer mais pelas vítimas do conflito que foram forçadas a fugir de suas casas e pedir proteção", disse Pinheiro. "É imperativo que a comunidade mundial atue com humanidade e compaixão, desenvolvimento canais legais de migração que aumentem o espaço de proteção para refugiados".

Crianças. Segundo a comissão, a realidade que o garoto de 3 anos sofreu para fugir de seu país é a mesma de milhares de menores. "Crianças na Síria estão demonstrando sintomas de trauma e desordens psicológicas por conta da exposição à violência", indicou.  

 

Entre os meninos, as violações ocorrem tanto pelo governo como pelos grupos jihadistas. "A vida das crianças sírios foi destruída pela brutalidade da guerra", disse. "Os atores no conflito estão recrutando e usando crianças nas hostilidades". 

Segundo Pinheiro, o Estado Islâmico passou a exigir na região de Dayr Az-Zawr que cada família mandasse um garoto para a guerra. As execuções de crianças pelo grupo também são frequentes, como em Hasakah, Raqqah e Dayr Az-Zawr, enquanto os pais e outros menores são obrigados a assistir aos atos. O EI ainda força criança a executar as mortes e coloca menores a partir de seis anos de idade para carregar armas. 

De acordo com o informe, "milhares de crianças tem sido mortas e feridas pelos ataques aéreos do governo em Aleppo, Damasco, Dara’a, Idlib e Dayr Az-Zawr". Em maio, uma dessas bombas atingiu o colégio de Al-Rajaa, sem qualquer presença de bases militares. Cinco crianças e vários professores morreram. Algumas escolas em Damasco passaram a dar aulas nos porões. 

Pinheiro também indica que "garotos considerados como tendo idade para lutar" são detidos e torturados com adultos em prisões "desumanas". Em Damasco, algumas prisões chegam a ter crianças de onze anos, torturadas e abusadas sexualmente.  

Entre as meninas, os relatos apontam que o EI "transformou em escravas sexuais a milhares de meninas de menos de 18 anos" e centenas delas foram forçadas a se casar com combatentes.

 

 




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: J.M.Bassalo, um grande físico matemáticoengenheiro civil); um grande escritor. Um prêmio.
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 03/09/2015 21:18

Olá,

 

Professor José M.Bassalo viveu( e vive) para ensinar física, divulgar física, nadar em física. Em suma: fisicar, como se isto fosse uma segunda identidade!

 

Vejam a extensão de seu trabalho de divulgação científica. (Infelizmente, pelo link que estou informando, não dá para pegar os trabalhos. mas, pelo google, sim).

 

Estou entre os sortudos que recebeu, de grátis, um de  seus mais importantes trabalhos. Ingrato, só vim agradecer uns 2 anos depois...

 

http://www.bassalo.com.br/academia/divulgacao-cientifica/

 

Sds,

Victor.


SUBJECT: ENC: [ciencialist] J.M.Bassalo, um grande físico matemáticoengenheiro civil); um grande escritor. Um prêmio.
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 04/09/2015 20:14

 

 

Adendo ao post anterior.

 

Com eu sei que perguntarão, e " que obra é esta?", dir-vos-ei do que se trata. (A mesóclise é para parecer que sou sabido).

Trata, de uma maneira bastante técnica, dos aspectos contemporâneos da física, enfocando os seguintes tópicos:

 

Termodinâmica;

 

Mecânica Estatística (espetacular ramo da análise do comportamento da Natureza, ao qual Einstein deu uma contribuíção originalíssima);

 

Eletrodinâmica Clássica (Também escreveu um livro destinado à graduação e pós graduação, com técnicas de solução de problemas nessa área, abrangendo praticamente toda a teoria. Este, mim comprou.);

 

Mecânica Quântica, expondo de uma maneira simples porém rigorosa o formalismo matemático usado nas análises;

 

E, finalmente, a Teoria da Gravitação.

 

O trabalho foi feito em parceira com os notáveis físicos brasileiros Mauro Sérgio Dorsa Cattani e Antonio Boulhosa Nassar.

 

Além do diferencial  bassálico na abordagem dos assuntos listados, o outro diferencial é que, na maioria deles usa o formalismo das contidas, belas e desafiadoras formas diferenciais.  No apêndice, contudo, ele expõe os aspectos das formas que usa em seus desenvolvimentos.  Que é para deixar o freguês mais à vontade.

 

Uma observação sobre o tópico  Aspectos contemporâneos da Teoria da Gravitação:

 

Este aritgo foi escrito por Mario S.D. Cattani e segue os passos de um artigo  que o  astrofísico indiano Subramanyan escreveu, onde descreve, de maneira objetiva  mas muito compacta - destinada a especialistas -  como deduzir as equações  básicas da RG. E segue a trilha do indiano, adaptando-a  a um contexto onde um aluno brasileiro, não petista,  de graduação em física,  possa entender, passo a passo, as deduções. A matemática necessária é exposta no mesmo contexto. Basta saber aquele cálculo básico dos primeiros anos de graduação.  Sem dor ou pesadelos... Aquí não é usado o  formalismo das formas diferenciais, mas a canônica, tensorial. Embora formas diferenciais possam ser usadas para descrever a RG, também.

 

Mas, no conjunto,  a grande deixa mesmo  são as aplicações do formalismo das formas diferenciais, em toda sua plenitude.

 

Sds,

Victor.

 

 

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 3 de setembro de 2015 21:19
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] J.M.Bassalo, um grande físico matemáticoengenheiro civil); um grande escritor. Um prêmio.

 

 

Olá,

 

Professor José M.Bassalo viveu( e vive) para ensinar física, divulgar física, nadar em física. Em suma: fisicar, como se isto fosse uma segunda identidade!

 

Vejam a extensão de seu trabalho de divulgação científica. (Infelizmente, pelo link que estou informando, não dá para pegar os trabalhos. mas, pelo google, sim).

 

Estou entre os sortudos que recebeu, de grátis, um de  seus mais importantes trabalhos. Ingrato, só vim agradecer uns 2 anos depois...

 

http://www.bassalo.com.br/academia/divulgacao-cientifica/

 

Sds,

Victor.


SUBJECT: Câncer
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 05/09/2015 11:43

Olá a todos.
Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?
E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

SUBJECT: Forças
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: ListadeCiência <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 05/09/2015 15:38


      Segue meu ensaio sobre forças e equilíbrio. Será que falei muita bobagem? Sujeito a críticas.

      *BW*

SUBJECT: ENC: [ciencialist] Forças
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 05/09/2015 20:11

 

Belmiro,

 

Belo texto.

Parabéns. Talvez você, nessa mesma linha, pudesse produzir outros textos enfocando, por exemplo:

Princípios fundamentais da  Natureza(conceitos primitivos que não exigem explicação ou demonstração,e que são a base para  tudo o mais em ciência),   conservação da energia e as simetrias associadas.  Pois tudo quanto você alinhou está intimamente ligado a estes tópicos.

 

           

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: sábado, 5 de setembro de 2015 15:39
Para: ListadeCiência
Assunto: [ciencialist] Forças

 

 

 

      Segue meu ensaio sobre forças e equilíbrio. Será que falei muita bobagem? Sujeito a críticas.

 

      *BW*


SUBJECT: 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 06/09/2015 11:39

Nao sei se ja' foi discutida aqui essa surpreendente demonstracao:


1+2+3+4+... = -1/12


Isto e', a soma da serie divergente correspondente aa adicao de todos os numeros inteiros e' -1/12.


Demonstracoes:


http://math.arizona.edu/~cais/Papers/Expos/div.pdf


e


https://www.youtube.com/watch?v=w-I6XTVZXww


e


https://en.wikipedia.org/wiki/1_%2B_2_%2B_3_%2B_4_%2B_%E2%8B%AF


E esse resultado e' confirmado e faz sentido e efetivamente e' usado em fisica teorica, principalmente na teoria das cordas bosonica, em osciladores harmonicos quanticos e no calculo do efeito Casimir em campos escalares.


E existem varios modos de demonstrar essa soma, todos levando ao mesmo resultado.


E' altamente contraintuitivo, mas nao ha' duvida que a soma de todos os numeros inteiros e' -1/12!


:-O


Abs,

Eduardo Torres


SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 06/09/2015 18:07

Eduardo,

Sim já esteve aqui! Em abril de 2014.

Começou com uma msg do Álvaro


Eu respondi no mesmo dia com as seguintes MSGs:
e
E tenho dito!

Helio


De: "dudutorres@yahoo.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Domingo, 6 de Setembro de 2015 11:39
Assunto: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Nao sei se ja' foi discutida aqui essa surpreendente demonstracao:

1+2+3+4+... = -1/12

Isto e', a soma da serie divergente correspondente aa adicao de todos os numeros inteiros e' -1/12.

Demonstracoes:


e


e


E esse resultado e' confirmado e faz sentido e efetivamente e' usado em fisica teorica, principalmente na teoria das cordas bosonica, em osciladores harmonicos quanticos e no calculo do efeito Casimir em campos escalares.

E existem varios modos de demonstrar essa soma, todos levando ao mesmo resultado.

E' altamente contraintuitivo, mas nao ha' duvida que a soma de todos os numeros inteiros e' -1/12!

:-O

Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: luiz silva <luizfelipecsrj@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 00:43

Acho que esse vídeo explicar melhor o resultado (apesar de deixar claro que ainda existem gaps no nosso entendimento)





Em Domingo, 6 de Setembro de 2015 18:07, "Hélio Carvalho helicar_br@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Eduardo,

Sim já esteve aqui! Em abril de 2014.

Começou com uma msg do Álvaro


Eu respondi no mesmo dia com as seguintes MSGs:
e
E tenho dito!

Helio


De: "dudutorres@yahoo.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Domingo, 6 de Setembro de 2015 11:39
Assunto: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Nao sei se ja' foi discutida aqui essa surpreendente demonstracao:

1+2+3+4+... = -1/12

Isto e', a soma da serie divergente correspondente aa adicao de todos os numeros inteiros e' -1/12.

Demonstracoes:


e


e


E esse resultado e' confirmado e faz sentido e efetivamente e' usado em fisica teorica, principalmente na teoria das cordas bosonica, em osciladores harmonicos quanticos e no calculo do efeito Casimir em campos escalares.

E existem varios modos de demonstrar essa soma, todos levando ao mesmo resultado.

E' altamente contraintuitivo, mas nao ha' duvida que a soma de todos os numeros inteiros e' -1/12!

:-O

Abs,
Eduardo Torres





SUBJECT: Pneu Maciço Alternativo versão 6.1
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 07/09/2015 09:49

Olá a todos.

Pneus de carros usados existem em maior quantidade que chinelas, vejam então esta versão de pneu maciço alternativo: 

Abraços Tipoalgo.





SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 11:45

Existem gaps em termos de determinacao de series divergentes em geral.

Mas sobre essa serie divergente em especial 1+2+3+4+... = -1/12 o resultado e' pacifico e sobre ele nao ha' qq debate na matematica mainstream.

E' assunto encerrado.

E ate' velho.

E confirmado em varios campos da fisica;

Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 12:00

Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.

Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.

Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.

Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.

1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.

2-A baseada na funcao zeta de Riemann.

3-A baseada na soma de Ramanujan.

Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.

Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).

Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.

Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] Pneu Maciço Alternativo versão 6.1
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 13:05

Muito legal.
Mas creio que o pneu deve deslizar para os lados com os solavancos. Já testou off-road?

*BW*



Em Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 9:50, "Tipoalgo tipoalgo@gmail.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Olá a todos.

Pneus de carros usados existem em maior quantidade que chinelas, vejam então esta versão de pneu maciço alternativo: 

Abraços Tipoalgo.







SUBJECT: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 14:00

 

 

Caro Eduardo,

 

A teoria dos números é realmente um ramo da matemática bem interessante e...dificílimo(ao menos em minha opinião).  Próprio para os matemáticos - de raciocínio mais abstrato - ditos puros.

Encontrei, há algum tempo, o artigo abaixo, de um  matemático  brasileiro, que também é autor de livros de matemática,

 

http://www.ime.usp.br/~pleite/pub/artigos/avila/rpm31.pdf

 

que trata do assunto de maneira até accessível aos meros mortais, como eu..

 

Para a Zeta de Riemann tem este:

 

http://www.mat.uc.pt/~mat0615/FolhasDelfos/FZRiemann.pdf

 

Os artigos expõem os processos envolvidos na soma de séries infinitas de maneira bastante lógica.  Vale a pena uma leitura.

 

 

 

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 12:00
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 

 

Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.

 

Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.

 

Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.

 

Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.

 

1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.

 

2-A baseada na funcao zeta de Riemann.

 

3-A baseada na soma de Ramanujan.

 

Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.

 

Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).

 

Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.

 

Abs,

Eduardo Torres


SUBJECT: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 14:15

Eduardo,

 

Relendo o artigo do Geraldo Ávila, deparei-me com uma saudável interrogação;  no tópico onde ele calcula 3 resultados para a série de Grandi: 0, 1/2 e 1, o que aponta para algum procedimento não permitido pelas leis da matemática, não achei - nesta última leitura -  que ele esclareceu adequadamente a razão para os três resultados.

Quem teria uma resposta melhor, mais lógica, do ponto de vista matemático?

 

Sds,

Victor.

 

 

 

De: JVictor [mailto:j.victor.neto@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 14:01
Para: 'ciencialist@yahoogrupos.com.br'
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 

 

 

Caro Eduardo,

 

A teoria dos números é realmente um ramo da matemática bem interessante e...dificílimo(ao menos em minha opinião).  Próprio para os matemáticos - de raciocínio mais abstrato - ditos puros.

Encontrei, há algum tempo, o artigo abaixo, de um  matemático  brasileiro, que também é autor de livros de matemática,

 

http://www.ime.usp.br/~pleite/pub/artigos/avila/rpm31.pdf

 

que trata do assunto de maneira até accessível aos meros mortais, como eu..

 

Para a Zeta de Riemann tem este:

 

http://www.mat.uc.pt/~mat0615/FolhasDelfos/FZRiemann.pdf

 

Os artigos expõem os processos envolvidos na soma de séries infinitas de maneira bastante lógica.  Vale a pena uma leitura.

 

 

 

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 12:00
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 

 

Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.

 

Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.

 

Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.

 

Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.

 

1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.

 

2-A baseada na funcao zeta de Riemann.

 

3-A baseada na soma de Ramanujan.

 

Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.

 

Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).

 

Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.

 

Abs,

Eduardo Torres


SUBJECT: Re: [ciencialist] Pneu Maciço Alternativo versão 6.1
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 07/09/2015 15:47

Pode confiar Mestre Belmiro, pneu furado agora não é mais motivo pra ficar no prego...
Ainda não testei off-road, só no asfalto, mas pelo trabalho que deu pra embeiçar o pneu, creio que só se o pneu rasgar para ficar no prego.
A borrachas internas, mesmo em repouso, comprimem as laterais do pneu contra o aro. O peso do ciclista acrescenta compressão extra.
Como a ideia já está em produção, vamos aguardar os resultados, até agora são animadores.
A versão 7.0 está no forno, é ainda mais alternativa.

Abraços Tipoalgo.


2015-09-07 13:05 GMT-03:00 Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br>:
 

Muito legal.
Mas creio que o pneu deve deslizar para os lados com os solavancos. Já testou off-road?

*BW*

SUBJECT: Re: [ciencialist] Pneu Maciço Alternativo versão 6.1
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 15:54

Fico imaginando como você montou esse borogodó! E como fica para andar? Mais macio que o pneu com câmera? A propósito, onde isso vai parar? Já tem nova versão? 

*BW*

P.S. Lembranças ao Lampadinha.




Em Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 15:47, "Tipoalgo tipoalgo@gmail.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Pode confiar Mestre Belmiro, pneu furado agora não é mais motivo pra ficar no prego...
Ainda não testei off-road, só no asfalto, mas pelo trabalho que deu pra embeiçar o pneu, creio que só se o pneu rasgar para ficar no prego.
A borrachas internas, mesmo em repouso, comprimem as laterais do pneu contra o aro. O peso do ciclista acrescenta compressão extra.
Como a ideia já está em produção, vamos aguardar os resultados, até agora são animadores.
A versão 7.0 está no forno, é ainda mais alternativa.

Abraços Tipoalgo.


2015-09-07 13:05 GMT-03:00 Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br>:
 
Muito legal.
Mas creio que o pneu deve deslizar para os lados com os solavancos. Já testou off-road?

*BW*



SUBJECT: Re: [ciencialist] Pneu Maciço Alternativo versão 6.1
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 07/09/2015 16:45

De fato, o pneu maciço alternativo fica um pouco mais pesado que com câmara de ar.
A versão 6.0 ficou mais macia que a 6.1 e em ambas não notei diferença ao andar, são como pneus com câmara de ar comuns. Em suma, a engenhoca é "da hora"!
As engenhocas param quando atingem os objetivos e/ou passam pelo Controle Tipoalgo de Qualidade, rsrsrsrs.
Sim, a versão 7.0 pretende tornar desnecessário o pneu de bicicleta comum, ou seja, serão apenas os anéis de borracha.
O Lampadinha agradeceu, rsrsrsrs.

Abraços Tipoalgo.




2015-09-07 15:54 GMT-03:00 Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br>:
 

Fico imaginando como você montou esse borogodó! E como fica para andar? Mais macio que o pneu com câmera? A propósito, onde isso vai parar? Já tem nova versão? 

*BW*

P.S. Lembranças ao Lampadinha.




Em Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 15:47, "Tipoalgo tipoalgo@gmail.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Pode confiar Mestre Belmiro, pneu furado agora não é mais motivo pra ficar no prego...
Ainda não testei off-road, só no asfalto, mas pelo trabalho que deu pra embeiçar o pneu, creio que só se o pneu rasgar para ficar no prego.
A borrachas internas, mesmo em repouso, comprimem as laterais do pneu contra o aro. O peso do ciclista acrescenta compressão extra.
Como a ideia já está em produção, vamos aguardar os resultados, até agora são animadores.
A versão 7.0 está no forno, é ainda mais alternativa.

Abraços Tipoalgo.


2015-09-07 13:05 GMT-03:00 Belmiro Wolski belmirow@yahoo.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br>:
 
Muito legal.
Mas creio que o pneu deve deslizar para os lados com os solavancos. Já testou off-road?

*BW*




SUBJECT: Re: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 19:42

O artigo do Avila trata essencialmente de series convergentes.

Apenas se refere brevemente a series divergentes, entre as quais se encontra a serie de Grandi, que ele cita como aparentemente tendo tres possiveis resultados, mas entendo q ele disse isso so' como exemplo, pra mostrar como series divergentes sao uma coisa mais complexa, provavelmente se referindo ao debate que houve na primeira metade do seculo 18 entre os defensores de cada um dos tres resultados.

Mas o debate se encerrou em meados daquele seculo, com a definitiva demonstracao de Euler q o resultado e' mesmo 1/2, e demonstrando ainda por que os resultados de 1 ou zero eram inconsistentes, pois se baseavam em manipulacoes de termos so' permitidas em series convergentes.

A interessante historia da serie de Grandi pode ser vista em:


e

Quanto aa serie 1+2+3+4+...=-1/12, as diversas formas de demonstrar esse resultado (inclusive o metodo usado no video do Numberphile) podem ser vistas em:

Qto ao video do Numberphile, realmente houve criticas por causa da forma simplificada como foi exposta a demonstracao. O apresentador, o fisico Tony Padilla, posteriormente colocou uma explicacao mais detalhada em seu blog na Universidade de Nottingham:


Pra quem prefere fontes fora do Wikipedia, nesse artigo Padilla cita outros quatro links com explicacoes complementares e/ou ainda mais detalhadas sobre essas demonstracoes:



E' definitivo e nao ha' duvida ou debate: 1+2+3+4+...=-1/12.

Abs,
Eduardo Torres


SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 19:46

Eduardo,

Pegando carona nesta última msg do Victor, eu te te digo:

1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+... poderia dar vários resultados dependendo de como se arruma estes números.

A melhor forma (mais fiel a uma matemática cuidadosa) de arrumá-los, para mim, é a seguinte:

(1+1+1+1+1+1+1+1+1+....)-(1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+...)=
infinito - infinito.

Uma indeterminação clássica!!!

Uma indeterminação é por definição UMA INDETERMINAÇÃO.

E pode ser usada como um truque para iludir os não iniciados.

E é isto que fazem. Um matemágico bem treinado é capaz de, nos iludindo, transformar qualquer indeterminação em qualquer número que ele queira e precise no momento.

Partir do princípio que 1+2+3+4+... = infinito é mais lógico do que partir do princípio que esta série pode não o ser.

Vou destrinchar os ilusionismos envolvidos em um dos métodos:
Primeiramente ele faz

 s = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 +...
4s =4+8+12+16+20+...

aí ele faz a subtração s-4s esta subtração poderia ser feita de várias formas dependendo de como se arruma os números.
Dependendo de como se arruma a conta s-4s posso encontrar qualquer coisa que eu queira pois se trata de uma indeterminação.

s-4s =
=(1-4)+(2-8)+(3-12)+(4-16)+...= -3-6-8-12-... (para mim isto seria -inf mas não sei se seria isto para estes #@$%&)

Mas vamos arrumar de outra forma:
=1+(2-4)+3+(4-8)+5+(6-12)+...= 1-2+3-4+5-6+... (que foi a manipulação usada neste passo por eles, os matemágicos #@$%&)

Outra arrumação:
=1+2+3+(4-4)+5+6+7+(8-8)+9+...= 1+2+3+5+6+7+9+...  (=+inf (ou não?))

A resposta certa é "nenhuma das anteriores".  A resposta certa, para mim, é não se pode resolver contas do tipo s-4s pois se trata de indeterminação do tipo inf-inf. Indeterminações deste tipo envolvendo séries produzem esta dependência da arrumação.

Este foi apenas o primeiro truque destes matemágicos #@$%&. se quiser eu mostro os outros.

Assinado Mr M.

Helio

PS.:
Um dia eu falei aqui nesta c-list que Taylor (da série de Taylor) era o santo padroeiro dos matemágicos. E alguns não perceberam que eu escrevi matemágicos no lugar de matemáticos. (PS2 do link abaixo)
 








Não precisa nem dizer o que eu acho né? ( s=infinito e 4s =infinito também então se trata de inf-inf --> indeterminação)



 



De: "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 14:15
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Eduardo,
 
Relendo o artigo do Geraldo Ávila, deparei-me com uma saudável interrogação;  no tópico onde ele calcula 3 resultados para a série de Grandi: 0, 1/2 e 1, o que aponta para algum procedimento não permitido pelas leis da matemática, não achei - nesta última leitura -  que ele esclareceu adequadamente a razão para os três resultados.
Quem teria uma resposta melhor, mais lógica, do ponto de vista matemático?
 
Sds,
Victor.
 
 
 
De: JVictor [mailto:j.victor.neto@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 14:01
Para: 'ciencialist@yahoogrupos.com.br'
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
 
Caro Eduardo,
 
A teoria dos números é realmente um ramo da matemática bem interessante e...dificílimo(ao menos em minha opinião).  Próprio para os matemáticos - de raciocínio mais abstrato - ditos puros.
Encontrei, há algum tempo, o artigo abaixo, de um  matemático  brasileiro, que também é autor de livros de matemática,
 
 
que trata do assunto de maneira até accessível aos meros mortais, como eu..
 
Para a Zeta de Riemann tem este:
 
http://www.mat.uc.pt/~mat0615/FolhasDelfos/FZRiemann.pdf
 
Os artigos expõem os processos envolvidos na soma de séries infinitas de maneira bastante lógica.  Vale a pena uma leitura.
 
 
 
Sds,
Victor.
 


De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 12:00
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.
 
Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.
 
Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.
 
Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.
 
1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.
 
2-A baseada na funcao zeta de Riemann.
 
3-A baseada na soma de Ramanujan.
 
Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.
 
Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).
 
Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.
 
Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: RES: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 21:17

Eduardo,

 

"..., e demonstrando ainda por que os resultados de 1 ou zero eram inconsistentes, pois se baseavam em manipulacoes de termos so' permitidas em series convergentes."

 

O que destaquei foi precisamente a falta de um esclarecimento complementar  - que,  entendo,   é desnecessário para o grupo a quem seus artigos se destinam - que é o que você indicou acima:   certas operações que são válidas para somas finitas não o são para as infinitas.  Daí as inevitáveis inconsistências.  No caso, o vilão foi a operação associativa entre os elementos da soma. Claramente, a maneira como justificou a inconsistência está  correta, é bastante interessante e sugestiva, dando o que pensar. .

 

Quanto a 1+2+3+4+...=-1/12, creio que, nos dias de hoje,  não restam quaisquer dúvidas de que a igualdade é verdadeira ou quanto  a aplicação desse procedimento matemático  nas teorias de vanguarda, como a das cordas. Quanto à teoria das cordas, baseio-me  no que informam os matemáticos que trabalham pulando-as...

Contudo, como não sou ligado nesse viés da matemática, confesso que, na primeira vez que o assunto foi apresentado,  dei uma torcida de nariz, coisa bem própria de quem não conhece o assunto, devido ao resultado no segundo membro da igualdade, que realmente  parece bem esquesito. E também por, num primeiro momento, imaginar que o expositor estava brincando... Bem, poucos dias depois, um pouco de estudo e pesquisa,  num instante me fez distorcê-lo...

É isso aí.

 

Sds,

Victor

 

 

 

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 19:43
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 

 

O artigo do Avila trata essencialmente de series convergentes.

 

Apenas se refere brevemente a series divergentes, entre as quais se encontra a serie de Grandi, que ele cita como aparentemente tendo tres possiveis resultados, mas entendo q ele disse isso so' como exemplo, pra mostrar como series divergentes sao uma coisa mais complexa, provavelmente se referindo ao debate que houve na primeira metade do seculo 18 entre os defensores de cada um dos tres resultados.

 

Mas o debate se encerrou em meados daquele seculo, com a definitiva demonstracao de Euler q o resultado e' mesmo 1/2, e demonstrando ainda por que os resultados de 1 ou zero eram inconsistentes, pois se baseavam em manipulacoes de termos so' permitidas em series convergentes.

 

A interessante historia da serie de Grandi pode ser vista em:

 

 

e

 

Quanto aa serie 1+2+3+4+...=-1/12, as diversas formas de demonstrar esse resultado (inclusive o metodo usado no video do Numberphile) podem ser vistas em:



Qto ao video do Numberphile, realmente houve criticas por causa da forma simplificada como foi exposta a demonstracao. O apresentador, o fisico Tony Padilla, posteriormente colocou uma explicacao mais detalhada em seu blog na Universidade de Nottingham:

 

 

Pra quem prefere fontes fora do Wikipedia, nesse artigo Padilla cita outros quatro links com explicacoes complementares e/ou ainda mais detalhadas sobre essas demonstracoes:

 

 

 

E' definitivo e nao ha' duvida ou debate: 1+2+3+4+...=-1/12.

 

Abs,

Eduardo Torres

 


SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 22:06

Eduardo,

Só um pequeno adendo à minha msg anterior.

Eu disse:
Partir do princípio que 1+2+3+4+... = infinito é mais lógico do que partir do princípio que esta série pode não o ser.

Eles fazem pior do que isto.
Eles partem do princípio que esta soma é com certeza diferente de infinito.

Pois se eles levassem em conta a possibilidade dela ser igual a infinito, não podiam fazer a álgebra envolvendo s:
s-4s=-3s
2.(-3s)=1-1+1-1+...=1/2
s=-1/12
Usar s nesta equação só daria um resultado de fato se e somente se s fosse a princípio diferente de +inf ou -inf.

Outro exemplo:
a.b=5.b

Logo a=5 se e somente se b for a princípio diferente de zero ou +inf ou -inf.
Se b for igual a zero ou +inf ou -inf, não saberei o valor de a.

Helio


De: "Hélio Carvalho helicar_br@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviadas: Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 19:46
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Eduardo,

Pegando carona nesta última msg do Victor, eu te te digo:

1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+... poderia dar vários resultados dependendo de como se arruma estes números.

A melhor forma (mais fiel a uma matemática cuidadosa) de arrumá-los, para mim, é a seguinte:

(1+1+1+1+1+1+1+1+1+....)-(1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+...)=
infinito - infinito.

Uma indeterminação clássica!!!

Uma indeterminação é por definição UMA INDETERMINAÇÃO.

E pode ser usada como um truque para iludir os não iniciados.

E é isto que fazem. Um matemágico bem treinado é capaz de, nos iludindo, transformar qualquer indeterminação em qualquer número que ele queira e precise no momento.

Partir do princípio que 1+2+3+4+... = infinito é mais lógico do que partir do princípio que esta série pode não o ser.

Vou destrinchar os ilusionismos envolvidos em um dos métodos:
Primeiramente ele faz

 s = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 +...
4s =4+8+12+16+20+...

aí ele faz a subtração s-4s esta subtração poderia ser feita de várias formas dependendo de como se arruma os números.
Dependendo de como se arruma a conta s-4s posso encontrar qualquer coisa que eu queira pois se trata de uma indeterminação.

s-4s =
=(1-4)+(2-8)+(3-12)+(4-16)+...= -3-6-8-12-... (para mim isto seria -inf mas não sei se seria isto para estes #@$%&)

Mas vamos arrumar de outra forma:
=1+(2-4)+3+(4-8)+5+(6-12)+...= 1-2+3-4+5-6+... (que foi a manipulação usada neste passo por eles, os matemágicos #@$%&)

Outra arrumação:
=1+2+3+(4-4)+5+6+7+(8-8)+9+...= 1+2+3+5+6+7+9+...  (=+inf (ou não?))

A resposta certa é "nenhuma das anteriores".  A resposta certa, para mim, é não se pode resolver contas do tipo s-4s pois se trata de indeterminação do tipo inf-inf. Indeterminações deste tipo envolvendo séries produzem esta dependência da arrumação.

Este foi apenas o primeiro truque destes matemágicos #@$%&. se quiser eu mostro os outros.

Assinado Mr M.

Helio

PS.:
Um dia eu falei aqui nesta c-list que Taylor (da série de Taylor) era o santo padroeiro dos matemágicos. E alguns não perceberam que eu escrevi matemágicos no lugar de matemáticos. (PS2 do link abaixo)
 








Não precisa nem dizer o que eu acho né? ( s=infinito e 4s =infinito também então se trata de inf-inf --> indeterminação)



 



De: "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 14:15
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Eduardo,
 
Relendo o artigo do Geraldo Ávila, deparei-me com uma saudável interrogação;  no tópico onde ele calcula 3 resultados para a série de Grandi: 0, 1/2 e 1, o que aponta para algum procedimento não permitido pelas leis da matemática, não achei - nesta última leitura -  que ele esclareceu adequadamente a razão para os três resultados.
Quem teria uma resposta melhor, mais lógica, do ponto de vista matemático?
 
Sds,
Victor.
 
 
 
De: JVictor [mailto:j.victor.neto@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 14:01
Para: 'ciencialist@yahoogrupos.com.br'
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
 
Caro Eduardo,
 
A teoria dos números é realmente um ramo da matemática bem interessante e...dificílimo(ao menos em minha opinião).  Próprio para os matemáticos - de raciocínio mais abstrato - ditos puros.
Encontrei, há algum tempo, o artigo abaixo, de um  matemático  brasileiro, que também é autor de livros de matemática,
 
 
que trata do assunto de maneira até accessível aos meros mortais, como eu..
 
Para a Zeta de Riemann tem este:
 
http://www.mat.uc.pt/~mat0615/FolhasDelfos/FZRiemann.pdf
 
Os artigos expõem os processos envolvidos na soma de séries infinitas de maneira bastante lógica.  Vale a pena uma leitura.
 
 
 
Sds,
Victor.
 


De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 12:00
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.
 
Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.
 
Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.
 
Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.
 
1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.
 
2-A baseada na funcao zeta de Riemann.
 
3-A baseada na soma de Ramanujan.
 
Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.
 
Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).
 
Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.
 
Abs,
Eduardo Torres





SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Belmiro Wolski <belmirow@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 07/09/2015 22:23

Outro detalhe. O último número a ser somado é infinito. Logo, o resultado da soma é infinito mais todos os números anteriores, cujo resultado é infinito. Isto pelo raciocínio lógico. Mas quem sou eu para discutir com os mestres da matemática...

*BW*



Em Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 22:08, "Hélio Carvalho helicar_br@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:


 
Eduardo,

Só um pequeno adendo à minha msg anterior.

Eu disse:
Partir do princípio que 1+2+3+4+... = infinito é mais lógico do que partir do princípio que esta série pode não o ser.

Eles fazem pior do que isto.
Eles partem do princípio que esta soma é com certeza diferente de infinito.

Pois se eles levassem em conta a possibilidade dela ser igual a infinito, não podiam fazer a álgebra envolvendo s:
s-4s=-3s
2.(-3s)=1-1+1-1+...=1/2
s=-1/12
Usar s nesta equação só daria um resultado de fato se e somente se s fosse a princípio diferente de +inf ou -inf.

Outro exemplo:
a.b=5.b

Logo a=5 se e somente se b for a princípio diferente de zero ou +inf ou -inf.
Se b for igual a zero ou +inf ou -inf, não saberei o valor de a.

Helio


De: "Hélio Carvalho helicar_br@yahoo.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviadas: Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 19:46
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Eduardo,

Pegando carona nesta última msg do Victor, eu te te digo:

1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+1-1+... poderia dar vários resultados dependendo de como se arruma estes números.

A melhor forma (mais fiel a uma matemática cuidadosa) de arrumá-los, para mim, é a seguinte:

(1+1+1+1+1+1+1+1+1+....)-(1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+...)=
infinito - infinito.

Uma indeterminação clássica!!!

Uma indeterminação é por definição UMA INDETERMINAÇÃO.

E pode ser usada como um truque para iludir os não iniciados.

E é isto que fazem. Um matemágico bem treinado é capaz de, nos iludindo, transformar qualquer indeterminação em qualquer número que ele queira e precise no momento.

Partir do princípio que 1+2+3+4+... = infinito é mais lógico do que partir do princípio que esta série pode não o ser.

Vou destrinchar os ilusionismos envolvidos em um dos métodos:
Primeiramente ele faz

 s = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 +...
4s =4+8+12+16+20+...

aí ele faz a subtração s-4s esta subtração poderia ser feita de várias formas dependendo de como se arruma os números.
Dependendo de como se arruma a conta s-4s posso encontrar qualquer coisa que eu queira pois se trata de uma indeterminação.

s-4s =
=(1-4)+(2-8)+(3-12)+(4-16)+...= -3-6-8-12-... (para mim isto seria -inf mas não sei se seria isto para estes #@$%&)

Mas vamos arrumar de outra forma:
=1+(2-4)+3+(4-8)+5+(6-12)+...= 1-2+3-4+5-6+... (que foi a manipulação usada neste passo por eles, os matemágicos #@$%&)

Outra arrumação:
=1+2+3+(4-4)+5+6+7+(8-8)+9+...= 1+2+3+5+6+7+9+...  (=+inf (ou não?))

A resposta certa é "nenhuma das anteriores".  A resposta certa, para mim, é não se pode resolver contas do tipo s-4s pois se trata de indeterminação do tipo inf-inf. Indeterminações deste tipo envolvendo séries produzem esta dependência da arrumação.

Este foi apenas o primeiro truque destes matemágicos #@$%&. se quiser eu mostro os outros.

Assinado Mr M.

Helio

PS.:
Um dia eu falei aqui nesta c-list que Taylor (da série de Taylor) era o santo padroeiro dos matemágicos. E alguns não perceberam que eu escrevi matemágicos no lugar de matemáticos. (PS2 do link abaixo)
 








Não precisa nem dizer o que eu acho né? ( s=infinito e 4s =infinito também então se trata de inf-inf --> indeterminação)



 



De: "'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015 14:15
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Eduardo,
 
Relendo o artigo do Geraldo Ávila, deparei-me com uma saudável interrogação;  no tópico onde ele calcula 3 resultados para a série de Grandi: 0, 1/2 e 1, o que aponta para algum procedimento não permitido pelas leis da matemática, não achei - nesta última leitura -  que ele esclareceu adequadamente a razão para os três resultados.
Quem teria uma resposta melhor, mais lógica, do ponto de vista matemático?
 
Sds,
Victor.
 
 
 
De: JVictor [mailto:j.victor.neto@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 14:01
Para: 'ciencialist@yahoogrupos.com.br'
Assunto: ENC: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
 
Caro Eduardo,
 
A teoria dos números é realmente um ramo da matemática bem interessante e...dificílimo(ao menos em minha opinião).  Próprio para os matemáticos - de raciocínio mais abstrato - ditos puros.
Encontrei, há algum tempo, o artigo abaixo, de um  matemático  brasileiro, que também é autor de livros de matemática,
 
 
que trata do assunto de maneira até accessível aos meros mortais, como eu..
 
Para a Zeta de Riemann tem este:
 
http://www.mat.uc.pt/~mat0615/FolhasDelfos/FZRiemann.pdf
 
Os artigos expõem os processos envolvidos na soma de séries infinitas de maneira bastante lógica.  Vale a pena uma leitura.
 
 
 
Sds,
Victor.
 


De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de setembro de 2015 12:00
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
 
 
Apesar de vc 'ter dito', toda a matematica mainstream parece dizer outra coisa.
 
Nao ha' qq debate ou duvida na matematica enquanto ciencia estabelecida d q a serie 1+2+3+4+...=-1/12, nem ha' qq questionamento serio da validade das diferentes demonstracoes que levam a esse resultado.
 
Minha impressao e' q seu questionamento sobre uma das demonstracoes (a mostrada no primeiro filme da Numberphile, baseada na serie de Grandi) tem um argumento possivelmente falho: Vc pressupoe que o resultado e' infinito, e portanto as manipulacoes feitas seriam proibidas por levarem a operacoes com infinito (e nao sei se a rigor e' o caso). Mas o ponto da demonstracao e' justamente que o resultado nao e' infinito.
 
Alem disso, ha' pelo menos tres demonstracoes diferentes para se chegar a esse mesmo resultado.
 
1-A mostrada, baseada na serie de Grandi.
 
2-A baseada na funcao zeta de Riemann.
 
3-A baseada na soma de Ramanujan.
 
Entendo q realmente nao ha' o q se questionar.
 
Sem falar q o resultado esta' consistente com a fisica (em diversos campos).
 
Gostemos ou nao, aparentemente 1+2+3+4+...=-1/12.
 
Abs,
Eduardo Torres







SUBJECT: Re: Câncer
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 08/09/2015 02:47

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.



Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais



Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:
Olá a todos.
Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?
E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?


SUBJECT: ENC: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 06:38

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência.  

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

 

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.   

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

 

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

 

Sds,

Victor.

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Outra matéria sobre este assunto:

 

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

 

 

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de 
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

 

 

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 

 

Abraços Tipoalgo.

 

 


SUBJECT: Planilha INSTALAÇÕES.xls
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 08:34

Edesio,

 

Ainda estão faltando estes, além da outra planilha que te mandei.

 

Victor.


SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 10:50

Nao, nao pode.
Em matematica existem manipulacoes q sao permitidas e manipulacoes q nao sao permitidas em series nao convergentes/divergentes, embora algumas nao permitidas nessas series sejam permitidas em series convergentes.
Essas q vc fez na serie de Grandi, q levaram aos resultados de 1 ou 0, embora parecam logicas e possam ser feitas em series convergentes, nao podem ser feitas em series nao convergentes como a serie de Grandi.
Sugiro a leitura dos artigos cujos links citei.
De novo: Esse assunto (tanto da serie de Grandi como da serie dos inteiros positivos) nao esta' em aberto na matematica. E' considerado assunto encerrado. Demonstracoes aceitas pacificamente pela matematica mainstream. Os resultados sao esses mesmos.
Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 11:11

Eduardo,

"Este recado foi pra mim ou pro senhô" Belmiro?

De qualquer forma, você diz: "Este assunto não está aberto na matemática".

Acho que está aberto sim, em matemática e está fechado em matemágica.

Mas o mais importante é que eu tenho certeza que este assunto está bem aberto aqui na c-list. Isto é o mais importante.

Helio


De: "dudutorres@yahoo.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Terça-feira, 8 de Setembro de 2015 10:50
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Nao, nao pode.
Em matematica existem manipulacoes q sao permitidas e manipulacoes q nao sao permitidas em series nao convergentes/divergentes, embora algumas nao permitidas nessas series sejam permitidas em series convergentes.
Essas q vc fez na serie de Grandi, q levaram aos resultados de 1 ou 0, embora parecam logicas e possam ser feitas em series convergentes, nao podem ser feitas em series nao convergentes como a serie de Grandi.
Sugiro a leitura dos artigos cujos links citei.
De novo: Esse assunto (tanto da serie de Grandi como da serie dos inteiros positivos) nao esta' em aberto na matematica. E' considerado assunto encerrado. Demonstracoes aceitas pacificamente pela matematica mainstream. Os resultados sao esses mesmos.
Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 12:24

Helio,

Realmente de modo geral vc *nao* pode fazer isso.

Sugiro a leitura do blog do Padilla q citei em


Ele explica que fez essa simplificacao (esse algebrismo de series) no video do Numberphile porque *antes* confirmou que *para esse caso* eram possiveis e matematicamente consistentes essas operacoes, sem geracao de indeterminacoes.

E ele confirmou isso fazendo antes a expressao das 3 series usadas na demonstracao como funcoes zeta de Riemann, e as tres se tornaram convergentes qdo expressas desse modo para Re(z)>1.

(Nem toda serie aparentemente divergente se torna convergente ao ser expressa em forma de funcao zeta - essas tres, sim).

(De fato, como ele tb esclarece no blog, se quisesse fazer a demonstracao via funcao zeta nao precisava fazer nenhum algebrismo, o resultado de -1/12 ja' surgiria como o resultado da nova serie equivalente obtida, mas ele achou que seria uma explicacao algo complicada para um video de publico mais geral, sendo o algebrismo considerado mais compreensivel - ele explica tudo isso no blog).

Ele faz todo o algebrismo dentro do limite de Re(z)>1.

E, como disse, esse algebrismo e' apenas *uma* das diversas maneiras de demonstrar que a serie dos inteiros positivos tem de fato, fora de qq duvida, um resultado -1/12.

Como disse, sugiro uma leitura dos links q citei.

Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 12:30

Sim, como Padilla explica em seu blog em


de modo geral vc *nao* pode fazer esse 'algebrismo de series divergentes'.

Mas, nesse caso, pode.

E ele explica por que^.

As diversas maneiras 'sem algebrismo' de demonstrar que a serie de todos os inteiros positivos tem o resultado -1/12, como disse, podem ser vistas em:

E' um resultado pacificamente aceito pela matematica mainstream. Nao ha' nem duvida nem debate sobre ele.

Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: <oraculo@atibaia.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 12:31

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:
 
Talidomida
 
E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:
 
 
As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (
 
Homero
 
 
Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM
Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer
 
 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 12:40

Ja' nao lembro.
Sim, claro q o assunto esta' aberto na c-list.
Todo o debate com base cientifica e' valido aqui.
Mais que valido, interessante.
Quis dizer q o assunto nao e' considerado em debate na matematica mainstream.
Nao ha' divergencias matematicas sobre isso.
Trata-se de um resultado, ao melhor do meu conhecimento, aceito pacificamente pela comunidade matematica internacional e usado de modo consistente pela comunidade fisica internacional.
Isso pode ser facilmente verificado.
Portanto, entendo q o debate na c-list seria em principio mais focado no entendimento da consistencia das demonstracoes, e/ou em qual e' mais didaticamente acessivel, e/ou de esclarecimento de duvidas sobre as demonstracoes, e nao sobre o questionamento da validade desse resultado de -1/12 para a serie dos inteiros positivos.
Minha opiniao.

Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 13:24

Eduardo,

Eu sei que você aceita esta coisa como verdade absoluta!!
Eu compreendo isto e respeito tua opinião.

Mas eu não vou focar a discussão aqui no "entendimento da consistencia das demonstracoes", como você sugere.

Eu vou tentar (sei que vai ser em vão) te convencer que esta soma dá infinito.

O objetivo real não é te convencer (espero que o seu também não seja me convencer), mas é ter um debate interessante aqui.

Como prova de que você está certo, você cita o link do tal de  Padilla. Então vamos usa-lo como base para esta discussão.

Vou tentar mostrar os erros no texto dele, não mais no teu. OK?

Helio

PS.:
Quando eu falo "... o tal de Padilla", não o estou desprezando.
(Eu sei o que passa no coração do Victor quando eu falo "um tal de Einstein")
É só uma recurso de linguagem para dizer que o cara não é um Deus.
E, também, se "uma tal de 'matematica mainstream' " sacramentou este dogma, não devemos nos sentir obrigado a segui-lo.





De: "dudutorres@yahoo.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Terça-feira, 8 de Setembro de 2015 12:40
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Ja' nao lembro.
Sim, claro q o assunto esta' aberto na c-list.
Todo o debate com base cientifica e' valido aqui.
Mais que valido, interessante.
Quis dizer q o assunto nao e' considerado em debate na matematica mainstream.
Nao ha' divergencias matematicas sobre isso.
Trata-se de um resultado, ao melhor do meu conhecimento, aceito pacificamente pela comunidade matematica internacional e usado de modo consistente pela comunidade fisica internacional.
Isso pode ser facilmente verificado.
Portanto, entendo q o debate na c-list seria em principio mais focado no entendimento da consistencia das demonstracoes, e/ou em qual e' mais didaticamente acessivel, e/ou de esclarecimento de duvidas sobre as demonstracoes, e nao sobre o questionamento da validade desse resultado de -1/12 para a serie dos inteiros positivos.
Minha opiniao.

Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: Ransonware
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 15:13

Olha aí a que nível os sabidões chegaram, visando atingir a privacidade alheia.   Não é muito difícil de acreditar.

 

Alguém tem conhecimento de tais investidas?   Nem cabe perguntar se algo assim é possível...

 

 

http://tecnologia.uol.com.br/noticias/bbc/2015/09/08/app-de-pornografia-e-acusado-de-fotografar-usuarios-secretamente-para-chantagem.htm

 

Informação é uma arma poderosa. Verdadeiramente.

 

Vou é embora para Parsárgada, que lá tem disso não.

 

Sds,

Victor.

 

 


SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 17:57

Olha, eu nao costumo dar murro em ponta de faca.
Tenho um certo senso realista nessa hora.
Quando a comunidade matematica internacional diz uma coisa, e essa coisa ainda por cima e' confirmada pela comunidade fisica internacional, respeitosamente, a probabilidade de um membro dessa lista estar certo ao questionar essa coisa, enquanto todo o resto do mundo cientifico estaria errado, pode ser considerada algo remota.
;-)
Claro que cada um pode ter sua opiniao na discussao, ate' mesmo nesse sentido, mas do meu lado do debate devo dizer que o foco estara' na busca de melhores compreensao e entendimento das demonstracoes, nao em questionar sua validade.
Abs,
Eduardo Torres

SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: Hélio Carvalho <helicar_br@yahoo.com.br>
TO: "ciencialist@yahoogrupos.com.br" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 08/09/2015 23:52

Eduardo,

Vou começar com o início do texto do Padilla:
"What do we get if we sum all the natural numbers? This was the question we asked in our recent Numberphile video. The answer we gave was, to the surprise of many I'm sure, -1/12. It's by no means obvious, but this is the only sensible value one can attach to this divergent sum. Infinity is not a sensible value".

Se você lê nas entrelinhas percebe que ele confessa que o resultado é infinito mas, como infinito não é um número "sensível", os matemáticos resolveram convencionar um valor "sensível" (compatível com a natureza - "mensurável") para ele.

Logo depois ele fala:
"In my opinion, as a physicist, infinity has no place in physical observables, and therefore no place in Nature.

Na minha opinião, como físico, também (a primeira parte). Mas note, estamos falando de 1+2+3+4+... que por sua vez, também não é um somatório observado (ou observável) na natureza. Logo, o resultado dele também não deve ser um observável.

Note que um pouco acima eu falei "matemáticos resolveram convencionar". Não falei matemágicos.
Nada contra se convencionar valores para ser usual em certas situações. Mas tem que deixar claro que é uma convenção.

Primeiro se convenciona que infinito não pode ser resposta, depois se procura e se convenciona uma outra resposta mais adequada.

Depois de começar a analisar, não este texto do Padilla mas outras referências, eu comecei a entender esta história destas convenções arbitrárias.

Uma ótima explicação está no link 1 do texto do Padilla para a página do tal de Terence Tao [ :-) ].
É muito grande e claro que só li uma parte, mas foi muito esclarecedora.
Depois eu fui ver quem era o cara e lembrei que já falamos dele aqui: o garoto prodígio chinês que já é professor na UCLA e ganhou a medalha de matemática (que dizem que corresponde ao nobel).

O link é:

[OBS.: As informações que estão na página do Terence Tao também estão na página da wikipedia que você recomendou (1 + 2 + 3 + 4 + ⋯ - Wikipedia, the free encyclopedia) mas eu entendi melhor as explicações dele.]

Ele já começa bem:
"The Riemann zeta function Z(s) is defined in the region Re(s) > 1 by the absolutely convergent series

\displaystyle  \zeta(s) = \sum_{n=1}^\infty \frac{1}{n^s} = 1 + \frac{1}{2^s} + \frac{1}{3^s} + \ldots. \ \ \ \ \ (1)
Ou seja, para s>1 esta série converge. Isto é ponto pacífico na matemática. (Não estou levando em conta aqui, números imaginários pois seria uma outra thread. E também porque não é necessário para esta discussão. E ele também, para simplificar, elimina isto no decorrer do texto)

Ele continua dizendo:
For Re(s)<=1, the series on the right-hand side of (1) is no longer absolutely convergent, or even conditionally convergent. Nevertheless, the  zeta function can be extended to this region (with a pole at s=1) by analytic continuation.

Sobre esta técnica temos

É um estender o domínio de uma função para fazê-la (forçadamente) convergir onde ela realmente não converge.

Isto é o mundo matemático, não o real.

Veja o texto depois da eq (7) e veja que a eq (8) e (9) são as mesmas com resultados diferentes.

Como a (8) e (9) são frutos de manipulações com as outras já aceitas, temos que não é possível encontrar este valores desta forma (aquilo que o Padilla fez foi matemágica e poderia ter sido feita de outra forma para encontrar outros valores para a mesma série).

Logo depois disto ele passa a mostrar uma outra forma de encontrar estes valores sem apelar para esta matemágica.
Se chama "soma suavizada" e "teorema da convergência dominada".
"However, these issues can be resolved by replacing the abruptly truncated partial sums with smoothed sums."


Já vou adiantando aqui minha conclusão ao final desta leitura (até onde eu li e que foi suficiente para minimamente entender um pouco da coisa). O valor -1/12 não é e nem jamais será a soma dos termos desta série (a soma real dá infinito), mas é um número característico que representa esta série de alguma forma (não é meramente uma arbitrariedade como disse acima). É uma assinatura.
Tem relação com o gráfico que está na página da wikipedia que você recomendou:


Alinhar imagem

O ponto em que o gráfico suavizado (verde) corta o eixo y é y=-1/12.
E isto, com certeza, não é a soma.

Chega por hoje.
Estou cansado desta matemática. Mas eu prefiro assim que uma matemágica.

Hélio


De: "dudutorres@yahoo.com [ciencialist]" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Enviadas: Terça-feira, 8 de Setembro de 2015 17:57
Assunto: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12

 
Olha, eu nao costumo dar murro em ponta de faca.
Tenho um certo senso realista nessa hora.
Quando a comunidade matematica internacional diz uma coisa, e essa coisa ainda por cima e' confirmada pela comunidade fisica internacional, respeitosamente, a probabilidade de um membro dessa lista estar certo ao questionar essa coisa, enquanto todo o resto do mundo cientifico estaria errado, pode ser considerada algo remota.
;-)
Claro que cada um pode ter sua opiniao na discussao, ate' mesmo nesse sentido, mas do meu lado do debate devo dizer que o foco estara' na busca de melhores compreensao e entendimento das demonstracoes, nao em questionar sua validade.
Abs,
Eduardo Torres



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 09/09/2015 04:03

Olá Mestre Homero.

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

Abraços Tipoalgo.




Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:
 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:
 
Talidomida
 
E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:
 
 
As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (
 
Homero
 
 
Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM
Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer
 
 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com




SUBJECT: Re: [ciencialist] 1+2+3+4+... = -1/12
FROM: dudutorres@yahoo.com
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 09/09/2015 17:48

Com 'sensible' ele quis dizer 'sensato'.

As [8] e [9] ela ja' explicou que fez uma simplificacao no video, no blog ele faz uma demonstracao mais rigorosa via funcao zeta.

A continuacao analitica nao e' uma 'matemagica', e' uma tecnica consagrada e considerada consistente pela matematica mainstream.

O uso de reexpressao de series divergentes como funcoes zeta e o uso de continuacao analitica para obter resultados com significado em series divergentes e' valido e correto em matematica.

Alem disso, existem pelo menos mais duas tecnicas matematicas diferentes da reexpressao zeta q permitem demonstrar q a serie de inteiros positivos de fato tem o resultado -1/12.

Finalmente, como disse, a fisica confirma esse resultado. Se vc usar esse resultado de -1/12 no calculo da intensidade do efeito Casimir em campos escalares (q gera essa serie) vai encontrar um valor que e' confirmado experimentalmente (e nao, evidentemente, infinito). O mesmo com o calculo de osciladores quanticos. Se essa serie tem resultado infinito em vez de -1/12 como demonstrado, a teoria das cordas deixa de ser consistente e aparecem contradicoes. Esse resultado e' o que permite calcular q a teoria das cordas implica num universo de 26 dimensoes. E essas 26 dimensoes sao o q faz todo o resto do arcabouco teorico ficar consistente (OK, nao e' uma prova experimental, mas outro argumento de peso a se somar).

Eu realmente nao tenho duvidas sobre esse resultado.

Concordo que de fato e' mais logico e intuitivo pensar que e' +infinito.

Mas vamos pensar:

A Relatividade e a Mecanica Quantica ja' demonstraram que os chamados bom senso, logica e intuicao nao necessariamente se aplicam qdo se trata de explicar como o Universo funciona.

Como uma soma infinita de numeros positivos crescentes pode dar outra coisa senao + infinito? Como pode dar um numero especifico? Fracionario? E ainda por cima, negativo?

Mas tambem como uma soma infinita de numeros racionais pode dar um numero nao so' irracional, mas transcendente?

E isso ocorre!

Pi = 4(1 - 1/3 + 1/5 - 1/7 + 1/9 - ...)

E como um numero transcendente elevado a um produto de outro numero transcendente por um numero imaginario pode dar o prosaico resultado de -1?

Mas isso tb ocorre!

e^(Pi*i) = -1

O fato e' que so' se pode saber o resultado de uma soma infinita... somando ate' o infinito! Por mais q a intuicao sugira que vai dar infinito, pois, se pararmos a soma em qq lugar, o valor sera' menor do que se pararmos num ponto posterior, isso sempre significaria parar a soma em algum lugar, o q nao e' igual a somarmos ate' o infinito. Para fazer a 'soma ate' o infinito' temos q usar algum metodo matematicamente consistente que de^ esse resultado. 

Para muitas series divergentes o resultado realmente da + infinito, - infinito, ou indeterminado, mas para algumas, se obtem um resultado 'sensato'.

A serie dos inteiros positivos parece ser uma delas...

;-)

Abs,
Eduardo Torres


SUBJECT: ENC: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: "JVictor" <j.victor.neto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 11/09/2015 07:19

 

Grande Tipo

 

" A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo".

 

Poderia esclarecer Algo sobre o Cloreto de Magnésio, em vista de sua experiência?

 

Sds,

Victor

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 04:03
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Homero.

 

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

 

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

 

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

 

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

 

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:

 

Talidomida

 

E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:

 

 

As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (

 

Homero

 

 

Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM

Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 

 


SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 11/09/2015 09:59

Olá Mestre Victor.
Após uma dor ciática perdi os movimentos do tornozelo esquerdo.
Fui ao ortopedista e ele solicitou um exame do capeta chamado eletroneuromiografia, enfiam agulhas nos seus músculos e mandam você retesá-los, doe muito. 
Voltei com o laudo do exame ao ortopedista e ele nem o leu, de bate pronto me encaminhou ao neurocirurgião e disse-me para mostrar o laudo pra ele.  
O neurocirurgião disse que nem solicitam mais esse tipo de exame porque é pouco conclusivo, e solicitou uma ressonância magnética da coluna.
Fui diagnosticado com duas hérnias de disco na lombar.
O neurocirurgião disse que meu caso ainda não era cirúrgico e receitou sessões de fisioterapia.
Eu só sentia alívio nas dores durante a fisioterapia, depois voltavam as dores e a falta de movimentos, inclusive ficando torto e travado, levantar só bem devagar.
Acessando o facebook, vi um comentário falando do cloreto de magnésio.
Fui pesquisar mais na Internet e li que os benefícios deste sal, bem como os malefícios que faz a sua falta, são conhecidos a séculos.
Comprei por R$ 6,00 na farmácia o pacotinho com 33g e diluí em 1 litro d´água e tomei todo dia 50 ml. Hoje prefiro fazer uso do cloreto de magnésio em cápsulas de 450 mg, uma por dia.
Na primeira vez que tomei, em menos de uma hora depois, eu já percebi que a minha coluna tinha movimentos mais livres.
Acabaram as dores na coluna e até nos meus rins, ao que tudo indica as calcificações dissolveram e as hérnias de disco se recolheram.
Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.
Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.
Acabaram as constantes gripes e/ou resfriados e também as alergias.
Aos 49 anos minha saúde está melhor que aos 30, e garanto que não é embuste.
Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?
A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las.
É como se dissessem: - Continuem se "estuprando", nós médicos fazemos de forma segura, e com remédios bem seguros, os "abortos"!

Abraços Tipoalgo.

  








Em 11 de setembro de 2015 07:19, 'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:
 

 

Grande Tipo

 

" A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo".

 

Poderia esclarecer Algo sobre o Cloreto de Magnésio, em vista de sua experiência?

 

Sds,

Victor

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 04:03
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Homero.

 

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

 

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

 

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

 

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

 

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:

 

Talidomida

 

E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:

 

 

As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (

 

Homero

 

 

Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM

Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 

 



SUBJECT: Cloreto de magnésio
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 11/09/2015 11:00

Obrigado por esta explanação.

Mtnos Calil

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: sexta-feira, 11 de setembro de 2015 09:59
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Victor.

Após uma dor ciática perdi os movimentos do tornozelo esquerdo.

Fui ao ortopedista e ele solicitou um exame do capeta chamado eletroneuromiografia, enfiam agulhas nos seus músculos e mandam você retesá-los, doe muito. 

Voltei com o laudo do exame ao ortopedista e ele nem o leu, de bate pronto me encaminhou ao neurocirurgião e disse-me para mostrar o laudo pra ele.  

O neurocirurgião disse que nem solicitam mais esse tipo de exame porque é pouco conclusivo, e solicitou uma ressonância magnética da coluna.

Fui diagnosticado com duas hérnias de disco na lombar.

O neurocirurgião disse que meu caso ainda não era cirúrgico e receitou sessões de fisioterapia.

Eu só sentia alívio nas dores durante a fisioterapia, depois voltavam as dores e a falta de movimentos, inclusive ficando torto e travado, levantar só bem devagar.

Acessando o facebook, vi um comentário falando do cloreto de magnésio.

Fui pesquisar mais na Internet e li que os benefícios deste sal, bem como os malefícios que faz a sua falta, são conhecidos a séculos.

Comprei por R$ 6,00 na farmácia o pacotinho com 33g e diluí em 1 litro d´água e tomei todo dia 50 ml. Hoje prefiro fazer uso do cloreto de magnésio em cápsulas de 450 mg, uma por dia.

Na primeira vez que tomei, em menos de uma hora depois, eu já percebi que a minha coluna tinha movimentos mais livres.

Acabaram as dores na coluna e até nos meus rins, ao que tudo indica as calcificações dissolveram e as hérnias de disco se recolheram.

Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.

Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.

Acabaram as constantes gripes e/ou resfriados e também as alergias.

Aos 49 anos minha saúde está melhor que aos 30, e garanto que não é embuste.

Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?

A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las.

É como se dissessem: - Continuem se "estuprando", nós médicos fazemos de forma segura, e com remédios bem seguros, os "abortos"!

 

Abraços Tipoalgo.

 

  

 

 

 




 

Em 11 de setembro de 2015 07:19, 'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

Grande Tipo

 

" A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo".

 

Poderia esclarecer Algo sobre o Cloreto de Magnésio, em vista de sua experiência?

 

Sds,

Victor

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 04:03
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Homero.

 

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

 

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

 

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

 

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

 

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:

 

Talidomida

 

E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:

 

 

As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (

 

Homero

 

 

Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM

Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 

 

 




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: Cloreto de magnésio (Re: [ciencialist] Re: Câncer)
FROM: <oraculo@atibaia.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 11/09/2015 12:35

Tipoalgo: “Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?
A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las. “
 
Na verdade existem outras respostas. Diversas, e decidir qual delas é a correta é o problema. É “O” problema.:- )

Veja, em seu próprio relato anedótico (mais uma vez, por favor, relato anedótico NÃO é uma piada, mas um caso pessoal, o contrário de relato estatístico) temos outras variáveis a considerar:
 
Tipoalgo: “Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.”
 
E com a melhora temos ainda:
 
Tipoalgo: “Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.”
 
Então, o que ajudou você realmente? Alguns de seus sintomas podem ser creditados a falta de vitamina D, pouco exposição ao Sol. Quando voltou a tomar Sol, produziu mais vitamina D e melhorou. O cloreto de magnésio pode ter entrado de gaiato no navio, ou nos processos metabólicos de seu organismo. Também a produção de endorfinas em exercícios causa bem estar e melhoras no organismo. Menos açúcar pode acelerar seu metabolismo. Andar de bicicleta, ajuda a recuperar lesões como a de tornozelo. O que acha que aconteceria se tivesse feito tudo isso mas NÃO tomado o cloreto de magnésio?
 
Veja por exemplo os “medicamentos alternativos” para emagrecer, como florais e sheikes, que costumam vir com um “acréscimo” de planilhas alimetnares, e recomendações de exercícios “complementares”. Se seguir as planilhas alimentares, e fizer exercícios, o floral ou sheike ou qualquer óleo de cobra certamente vai fazer a pessoa emagrecer.:- )

Recomendações médicas vem, precisam vir, de tratamentos testados, e não de relatos pessoais em que não se controlam as variáveis. Por isso médicos não recomendam coisas que “lemos na Internet que é bom e cura isso e aquilo”. Não é maldade ou ganância, é cuidado, extremo e rigoroso cuidado.
 
Gluten, por exemplo, o “vilão da vez” (já foi o sal, o açucar – Sugar Blues nos anos 70 espalhou o terror – o ovo, etc, etc), não tem nenhum efeito daninho em pessoas que não tem intolerância a ele (e são poucas, muito poucas as que tem), e tem sido uma fonte valiosa de energia para nossa espécie por milênios. Mas se tem intolerância, isso realmente pode atrapalhar a absorção de nutrientes, e causar outros de seus sintomas.
 
O que estou tentando dizer é que, não é que o cloreto de magnésio não possa ter feito algum efeito em seu caso, é que NÃO dá para saber com certeza e NÃO se pode sair por ai a receitar isso para todo mundo que tem sintomas parecidos, apenas por que na Internet tem um monte de gente falando das maravilhas que esse óleo de cobra, ops, medicament, traz.:- )

Não mais que para TODOS os outros óleos de cobra, ops, “tratamentos milagrosos e simples e baratos que curam tudo e seus médicos não querem que você saiba”.:- )

Não funciona assim, biologia e metabolismo não funcionam assim. É muito mais complexo e difícil que “tome isto, que ninguém testou, e se cure daquilo”.

Tenho um amigo médido que tem ficado espantado com as coisas que seus pacientes tentam antes de procura-lo, qualquer maluquice, qualquer coisa lida na Internet, qualquer tratamento recomendado pelo “amigo”, uma coisa doida. Um paciente recente com pressão alta perigosa tentava “baixar a pressão” com novalgina porque, segundo ele, “todo mundo sabe que novalgina baixa a pressão”. Se fosse assim os caríssimos medicamentos que realmente controlam a pressão seriam substituidos por esse “tratamento” barato e simples.:- )

Claro que pode ser apenas a ganância das empresas farmaceuticas e dos médicos, mas se fosse assim pelo menos meu amigo médico, também com pressão alta, tomaria novalgina e não gastaria com os medicamentos “de verdade”.:- )
 
Posso dar uma topada na calçada da lotérica, e jogar na megasena e ganhar. Mas não posso ligar a topada a isso, e dizer que “topadas causam ganho na megasena”. Estar com dor de cabeça e tomar algo e melhorar, não garante causa e efeito. Post hoc, ergo propter hoc NÃO é uma forma segura ou confiável de avaliar relações de causa e efeito.
 
Controlar as variáveis, dentro de protocolos rigorosos, foi algo que aprendemos a fazer a duras penas, com enorme esforço, para evitar sermos enganados pelo acaso, percepção seletiva, e por nossa mente alucinada por encontrar “padrões” neste universo caótico.
 
Se um médico notar uma recorrente melhora em seus pacientes, com o cloreto de magnésio, ele deve criar ou propor um estudo, uma pesquisa, dentro de protocolos de rigor, para verificar a realidade dessa melhora, e principalmente sua relação com o cloreto de magnésio. Ele não pode apenas supor que há relação, e passar a receitar para outros pacientes. Seria um curandeiro, não um médico, e não seria nem ético, nem eficiente para seus pacientes.

Um abraço.
 
Homero
 
 
 
 
Sent: Friday, September 11, 2015 9:59 AM
Subject: Re: [ciencialist] Re: Câncer
 
 

Olá Mestre Victor.
Após uma dor ciática perdi os movimentos do tornozelo esquerdo.
Fui ao ortopedista e ele solicitou um exame do capeta chamado eletroneuromiografia, enfiam agulhas nos seus músculos e mandam você retesá-los, doe muito.
Voltei com o laudo do exame ao ortopedista e ele nem o leu, de bate pronto me encaminhou ao neurocirurgião e disse-me para mostrar o laudo pra ele. 
O neurocirurgião disse que nem solicitam mais esse tipo de exame porque é pouco conclusivo, e solicitou uma ressonância magnética da coluna.
Fui diagnosticado com duas hérnias de disco na lombar.
O neurocirurgião disse que meu caso ainda não era cirúrgico e receitou sessões de fisioterapia.
Eu só sentia alívio nas dores durante a fisioterapia, depois voltavam as dores e a falta de movimentos, inclusive ficando torto e travado, levantar só bem devagar.
Acessando o facebook, vi um comentário falando do cloreto de magnésio.
Fui pesquisar mais na Internet e li que os benefícios deste sal, bem como os malefícios que faz a sua falta, são conhecidos a séculos.
Comprei por R$ 6,00 na farmácia o pacotinho com 33g e diluí em 1 litro d´água e tomei todo dia 50 ml. Hoje prefiro fazer uso do cloreto de magnésio em cápsulas de 450 mg, uma por dia.
Na primeira vez que tomei, em menos de uma hora depois, eu já percebi que a minha coluna tinha movimentos mais livres.
Acabaram as dores na coluna e até nos meus rins, ao que tudo indica as calcificações dissolveram e as hérnias de disco se recolheram.
Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.
Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.
Acabaram as constantes gripes e/ou resfriados e também as alergias.
Aos 49 anos minha saúde está melhor que aos 30, e garanto que não é embuste.
Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?
A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las.
É como se dissessem: - Continuem se "estuprando", nós médicos fazemos de forma segura, e com remédios bem seguros, os "abortos"!
 
Abraços Tipoalgo.
 
 
 
 




 
Em 11 de setembro de 2015 07:19, 'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:
 

 

Grande Tipo

 

" A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo".

 

Poderia esclarecer Algo sobre o Cloreto de Magnésio, em vista de sua experiência?

 

Sds,

Victor

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 04:03
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Homero.

 

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

 

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

 

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

 

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

 

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:

 

Talidomida

 

E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:

 

 

As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (

 

Homero

 

 

Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM

Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 

 

 



Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: RES: Cloreto de magnésio (Re: [ciencialist] Re: Câncer)
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 11/09/2015 13:44

Também essa exposição merece um agradecimento

Trata-se de um tema da máxima importância para todos os humanos.

Eu por exemplo, tenho sido vitima, ao longo dos anos,  de várias recomendações desencontradas, feitas por diferentes ortopedistas.

Mtnos Calil

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: sexta-feira, 11 de setembro de 2015 12:35
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Cloreto de magnésio (Re: [ciencialist] Re: Câncer)

 

 

Tipoalgo: “Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?

A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las. “

 

Na verdade existem outras respostas. Diversas, e decidir qual delas é a correta é o problema. É “O” problema.:- )

Veja, em seu próprio relato anedótico (mais uma vez, por favor, relato anedótico NÃO é uma piada, mas um caso pessoal, o contrário de relato estatístico) temos outras variáveis a considerar:

 

Tipoalgo: “Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.”

 

E com a melhora temos ainda:

 

Tipoalgo: “Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.”

 

Então, o que ajudou você realmente? Alguns de seus sintomas podem ser creditados a falta de vitamina D, pouco exposição ao Sol. Quando voltou a tomar Sol, produziu mais vitamina D e melhorou. O cloreto de magnésio pode ter entrado de gaiato no navio, ou nos processos metabólicos de seu organismo. Também a produção de endorfinas em exercícios causa bem estar e melhoras no organismo. Menos açúcar pode acelerar seu metabolismo. Andar de bicicleta, ajuda a recuperar lesões como a de tornozelo. O que acha que aconteceria se tivesse feito tudo isso mas NÃO tomado o cloreto de magnésio?

 

Veja por exemplo os “medicamentos alternativos” para emagrecer, como florais e sheikes, que costumam vir com um “acréscimo” de planilhas alimetnares, e recomendações de exercícios “complementares”. Se seguir as planilhas alimentares, e fizer exercícios, o floral ou sheike ou qualquer óleo de cobra certamente vai fazer a pessoa emagrecer.:- )

Recomendações médicas vem, precisam vir, de tratamentos testados, e não de relatos pessoais em que não se controlam as variáveis. Por isso médicos não recomendam coisas que “lemos na Internet que é bom e cura isso e aquilo”. Não é maldade ou ganância, é cuidado, extremo e rigoroso cuidado.

 

Gluten, por exemplo, o “vilão da vez” (já foi o sal, o açucar – Sugar Blues nos anos 70 espalhou o terror – o ovo, etc, etc), não tem nenhum efeito daninho em pessoas que não tem intolerância a ele (e são poucas, muito poucas as que tem), e tem sido uma fonte valiosa de energia para nossa espécie por milênios. Mas se tem intolerância, isso realmente pode atrapalhar a absorção de nutrientes, e causar outros de seus sintomas.

 

O que estou tentando dizer é que, não é que o cloreto de magnésio não possa ter feito algum efeito em seu caso, é que NÃO dá para saber com certeza e NÃO se pode sair por ai a receitar isso para todo mundo que tem sintomas parecidos, apenas por que na Internet tem um monte de gente falando das maravilhas que esse óleo de cobra, ops, medicament, traz.:- )

Não mais que para TODOS os outros óleos de cobra, ops, “tratamentos milagrosos e simples e baratos que curam tudo e seus médicos não querem que você saiba”.:- )

Não funciona assim, biologia e metabolismo não funcionam assim. É muito mais complexo e difícil que “tome isto, que ninguém testou, e se cure daquilo”.

Tenho um amigo médido que tem ficado espantado com as coisas que seus pacientes tentam antes de procura-lo, qualquer maluquice, qualquer coisa lida na Internet, qualquer tratamento recomendado pelo “amigo”, uma coisa doida. Um paciente recente com pressão alta perigosa tentava “baixar a pressão” com novalgina porque, segundo ele, “todo mundo sabe que novalgina baixa a pressão”. Se fosse assim os caríssimos medicamentos que realmente controlam a pressão seriam substituidos por esse “tratamento” barato e simples.:- )

Claro que pode ser apenas a ganância das empresas farmaceuticas e dos médicos, mas se fosse assim pelo menos meu amigo médico, também com pressão alta, tomaria novalgina e não gastaria com os medicamentos “de verdade”.:- )

 

Posso dar uma topada na calçada da lotérica, e jogar na megasena e ganhar. Mas não posso ligar a topada a isso, e dizer que “topadas causam ganho na megasena”. Estar com dor de cabeça e tomar algo e melhorar, não garante causa e efeito. Post hoc, ergo propter hoc NÃO é uma forma segura ou confiável de avaliar relações de causa e efeito.

 

Controlar as variáveis, dentro de protocolos rigorosos, foi algo que aprendemos a fazer a duras penas, com enorme esforço, para evitar sermos enganados pelo acaso, percepção seletiva, e por nossa mente alucinada por encontrar “padrões” neste universo caótico.

 

Se um médico notar uma recorrente melhora em seus pacientes, com o cloreto de magnésio, ele deve criar ou propor um estudo, uma pesquisa, dentro de protocolos de rigor, para verificar a realidade dessa melhora, e principalmente sua relação com o cloreto de magnésio. Ele não pode apenas supor que há relação, e passar a receitar para outros pacientes. Seria um curandeiro, não um médico, e não seria nem ético, nem eficiente para seus pacientes.

Um abraço.

 

Homero

 

 

 

 

Sent: Friday, September 11, 2015 9:59 AM

Subject: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Victor.

Após uma dor ciática perdi os movimentos do tornozelo esquerdo.

Fui ao ortopedista e ele solicitou um exame do capeta chamado eletroneuromiografia, enfiam agulhas nos seus músculos e mandam você retesá-los, doe muito.

Voltei com o laudo do exame ao ortopedista e ele nem o leu, de bate pronto me encaminhou ao neurocirurgião e disse-me para mostrar o laudo pra ele. 

O neurocirurgião disse que nem solicitam mais esse tipo de exame porque é pouco conclusivo, e solicitou uma ressonância magnética da coluna.

Fui diagnosticado com duas hérnias de disco na lombar.

O neurocirurgião disse que meu caso ainda não era cirúrgico e receitou sessões de fisioterapia.

Eu só sentia alívio nas dores durante a fisioterapia, depois voltavam as dores e a falta de movimentos, inclusive ficando torto e travado, levantar só bem devagar.

Acessando o facebook, vi um comentário falando do cloreto de magnésio.

Fui pesquisar mais na Internet e li que os benefícios deste sal, bem como os malefícios que faz a sua falta, são conhecidos a séculos.

Comprei por R$ 6,00 na farmácia o pacotinho com 33g e diluí em 1 litro d´água e tomei todo dia 50 ml. Hoje prefiro fazer uso do cloreto de magnésio em cápsulas de 450 mg, uma por dia.

Na primeira vez que tomei, em menos de uma hora depois, eu já percebi que a minha coluna tinha movimentos mais livres.

Acabaram as dores na coluna e até nos meus rins, ao que tudo indica as calcificações dissolveram e as hérnias de disco se recolheram.

Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.

Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.

Acabaram as constantes gripes e/ou resfriados e também as alergias.

Aos 49 anos minha saúde está melhor que aos 30, e garanto que não é embuste.

Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?

A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las.

É como se dissessem: - Continuem se "estuprando", nós médicos fazemos de forma segura, e com remédios bem seguros, os "abortos"!

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

 

 




 

Em 11 de setembro de 2015 07:19, 'JVictor' j.victor.neto@uol.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

 

Grande Tipo

 

" A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo".

 

Poderia esclarecer Algo sobre o Cloreto de Magnésio, em vista de sua experiência?

 

Sds,

Victor

 

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 04:03
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Olá Mestre Homero.

 

Entendo que da mesma forma que este remédio possa assemelhar-se em seus efeitos maléficos à talidomida, ou algo mais grave, existe a possibilidade dele não apresentar tais sintomas tão adversos.

 

Para pacientes que em breve sua hora de morte chegará, é como o Mestre Victor falou, mal não fará.

 

Entre a morte certa e uma possibilidade de cura com dúvidas, a escolha ainda é pela vida.

 

Pelo que entendi, a Fiocruz parou os estudos por questões de liberação de patente, algo que não deveria ser impeditivo diante de resultados benéficos tão expressivos.

 

A experiência que tenho com o Cloreto de Magnésio me faz pensar muito neste modelo "econômico" que envolve a medicina atual.

 

Abraços Tipoalgo.

 

 

Em 8 de setembro de 2015 12:31, oraculo@atibaia.com.br [ciencialist] <ciencialist@yahoogrupos.com.br> escreveu:

 

Eu só tenho uma palavra a dizer sobre o assunto:

 

Talidomida

 

E caso os mais novos tenham se esquecido, imagens que valem mil palavras:

 

 

As pessoas, elas não aprendem nam a força.:- (

 

Homero

 

 

Sent: Tuesday, September 08, 2015 6:38 AM

Subject: ENC: [ciencialist] Re: Câncer

 

 

Eu compreendo a posição do pesquisador e da USP. Existem leis, que devem ser cumpridas. E se a droga produzida produz efeitos colaterais não descobertos, ainda? Que possam, inclusive, adiantar-se ao câncer, acelerando a morte?   Os juizes dão ganho de causa, por  motivos meramente humanitários, sem a contrapartida técnica no que diz respeito à segurança. Devem julgar que nada é pior que o câncer.  Então... Se alguma inquisiqueira surgir por conta do uso do produto, paciência. 

Mas acho, também, que esses orgãos regulamentadores bem que poderiam apressar o processo de análise, se isto é possível).

Eu, brado aos quatro ventos, se viesse a ser atingido por  uma desgraça dessas, não hesitaria em  usar o novo produto... exceto se tivesse a certeza de que um  tal efeito colateral fosse um  desgraçado de um brochamento!   Ai, não, amigo. "tô forra", como diria meu amigo alemão aquí do 5º andar.  

Ficaria no sofrimento mesmo,  até o último suspiro.

Se o remédio faz o que o pesquisador diz que faz, então parabéns a ele.

Sds,

Victor.

De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Enviada em: terça-feira, 8 de setembro de 2015 02:47
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Câncer

 

Outra matéria sobre este assunto:

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/09/cresce-o-n-de-pessoas-que-entram-na-justica-em-busca-de-capsula-da-usp.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

Cresce o nº de pessoas que entram na Justiça em busca de cápsula da USP

Fosfoetanolamina sintética é usada por pacientes para combater o câncer.
Pesquisador de São Carlos recebeu propostas para produção no exterior.

Cresceu o número de pessoas que entram na Justiça em busca das cápsulas para tratamento de câncer produzidas no campus da Universidade de São Paulo (USP) em São Carlos. Desde a divulgação da primeira reportagem sobre o assunto, a universidade recebeu 20 novas decisões judiciais e tem produzido pílulas para cumprir 200 liminares.

Gilberto Chierice, professor aposentado que durante mais de 20 anos coordenou as pesquisas com a fosfoetanolamina sintética na USP, não para de receber mensagens e ligações de pessoas em busca da substância experimental.

"Todas as pessoas que me ligam ou que me pedem o remédio, não posso fazer mais nada porque não sou mais eu quem tem a posse desse remédio. Esse remédio só pode ser conseguido por via judicial, interpelado junto à universidade. Eu não tenho como fazer", explicou.

Ele também tem recebido e-mails com propostas de empresas e instituições interessadas em produzir a cápsula. Apenas nesta semana, recebeu mensagens de uma empresa de Portugal e de uma professora da University of Houston, nos Estados Unidos.

"A minha maior preocupação é que isso fuja das nossas mãos. Não que exista uma sentido de posse, mas é um trabalho desenvolvido no país", disse o pesquisador, que ressaltou que a substância não é eficaz em pacientes que estão fazendo quimioterapia ou radioterapia. Isso porque a fosfoetanolamina sintética ajuda o sistema imunológico a combater o câncer, mas, quando a pessoa passa por um desses tratamentos, a defesa do organismo fica comprometida.

Repercussão
A repercussão está interferindo na rotina dos pesquisadores do Instituto de Química da USP, que publicou um comunicado em seu site por conta da grande quantidade de pedidos. No texto, a instituição afirma que"lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa", mas "não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira", em referência à necessidade de registro da substância junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com tantos pacientes interessados, é justamente essa regulamentação que o pesquisador anseia. "A nossa parte a gente já fez, que era colocar esse medicamento de pé", disse Chierice, que espera que as cápsulas sejam analisadas por médicos e aprovadas como remédio.

Entenda o caso
No último dia 17, o G1 divulgou a existência de
processos envolvendo pacientes com câncer e a USP. Eles pedem que a universidade continue fornecendo as cápsulas da substância, mas uma nova norma da instituição impede a distribuição sem o registro na Anvisa.

Segundo a agência, o registro de um novo medicamento só pode ser solicitado após testes clínicos e os pesquisadores da USP afirmam que a substância foi testada em um hospital em Jaú, mas a parceria acabou eeles precisam que uma nova unidade de saúde aceite concluir o estudo.

A droga, cuja cápsula é produzida por menos de R$ 0,10, levou ao surgimento de discussões na internet e um morador de Santa Catarina que a distribuía gratuitamente foi preso.

saiba mais

Em 5 de setembro de 2015 11:43, Tipoalgo <tipoalgo@gmail.com> escreveu:

Olá a todos.

Alguém conhece os Pesquisadores Salvador Neto e Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP ou o senhor Carlos, de Blumenau-SC?

E sobre a fórmula deste medicamento, algo a compartilhar?

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 

 

 

 


Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com

 




Avast logo

Este email foi escaneado pelo Avast antivírus.
www.avast.com



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: "Pesky Bee" <peskybee2@gmail.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 11/09/2015 15:53

Tipoalgo, seu relato é importantíssimo, e acredito que
muita gente por aí possa ter experiências similares.
Ocorre que a medicina tradicional atual está completamente
distorcida por interesses econômicos escusos e maléficos.
 
E é fácil ver isso: quantos estudos científicos existem
aferindo a eficácia do magnésio em diversas enfermidades?
Pouquíssimos. E porque? Oras, porque não dá para tirar
dinheiro disso! Ninguém quer custear esses caros estudos porque
não há interesse humanitário na cabeça dessa cambada! Só custeiam
quando existem
interesses econômicos! É o urro do capiroto fanho!
 
O fato inexorável é que a imensa maioria dos médicos
atuais (e, obviamente, das indústrias farmacêuticas)
se esmeram em atacar os EFEITOS relatados pelos pacientes,
e não as CAUSAS. Ninguém está interessado nas causas
(descobrir as causas não gera negócios para as cias
farmacêuticas).
 
Se o sujeito tem pressão alta, o que
fazem os médicos?
Prescrevem imediatamente anti-hipertensivos. Cheios de
efeitos colaterais,
e que depois de algum tempo de uso
(via efeito rebote)
irá requerer medicamentos mais potentes
(e muito mais
caros e mais ainda fodedores do organismo).
E agora me digam: qual é o médico que tenta
descobrir a
CAUSA da pressão alta de um específico paciente? Eu não
conheço nem
umzinho. Eles querem atender o sujeito em
10 minutos, escrever uma receitinha e partir para o
próximo paciente.
 
É por isso que nos EUA um grande movimento de médicos
e pesquisadores está surgindo
agrupado sob nome "Functional
and Integrative Medicine" cuja principal
ocupação é buscar
pelas causas
essenciais das enfermidades,
e não receitar
remedinhos
miseráveis (cheios de efeitos
colaterais, que só
podem ser
corrigidos via mais medicamentos,
enchendo o RABO
de dinheiro
dessas empresas farmacêuticas).
 
Claro que mesmo dentro desse movimento do Functional Medicine
várias tem porcariadas grotescamente pseudo-científicas. Mas
isso
não pode desmerecer o objetivo básico desse pessoal, que é
buscar pelas causas essenciais das enfermidades, e não suprimir
os
efeitos delas com remédinhos desgraçados.
 
E o particular caso do Magnésio (via Cloreto, principalmente)
é dramático: a falta de magnésio no corpo humano é causadora
de inúmeras enfermidades. Coisa que a PUTADA das cias
farmacêuticas não quer nem ouvir falar, por óbvios
motivos....
 
E mais um detalhinho: vá até uma farmácia e veja o preço do
Óxido de Magnésio. É acima de 40 reais. O Cloreto de Magnésio
é sempre abaixo de 10 reais. Só que o Óxido de Magnésio é
MUITO PIOR do que o cloreto, inclusive tendo diversos efeitos
maléficos no corpo. Mais uma demonstração de que dinheiro é
tudo na vida dessa cambada de médicos da porra.
 
*PB*
 

From: Tipoalgo tipoalgo@gmail.com [ciencialist]
Sent: Friday, September 11, 2015 9:59 AM
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Subject: Re: [ciencialist] Re: Câncer
 
 
 

Olá Mestre Victor.
Após uma dor ciática perdi os movimentos do tornozelo esquerdo.
Fui ao ortopedista e ele solicitou um exame do capeta chamado eletroneuromiografia, enfiam agulhas nos seus músculos e mandam você retesá-los, doe muito.
Voltei com o laudo do exame ao ortopedista e ele nem o leu, de bate pronto me encaminhou ao neurocirurgião e disse-me para mostrar o laudo pra ele. 
O neurocirurgião disse que nem solicitam mais esse tipo de exame porque é pouco conclusivo, e solicitou uma ressonância magnética da coluna.
 
Fui diagnosticado com duas hérnias de disco na lombar.
 
O neurocirurgião disse que meu caso ainda não era cirúrgico e receitou sessões de fisioterapia.
Eu só sentia alívio nas dores durante a fisioterapia, depois voltavam as dores e a falta de movimentos, inclusive ficando torto e travado, levantar só bem devagar.
Acessando o facebook, vi um comentário falando do cloreto de magnésio.
Fui pesquisar mais na Internet e li que os benefícios deste sal, bem como os malefícios que faz a sua falta, são conhecidos a séculos.
Comprei por R$ 6,00 na farmácia o pacotinho com 33g e diluí em 1 litro d´água e tomei todo dia 50 ml. Hoje prefiro fazer uso do cloreto de magnésio em cápsulas de 450 mg, uma por dia.
Na primeira vez que tomei, em menos de uma hora depois, eu já percebi que a minha coluna tinha movimentos mais livres.
Acabaram as dores na coluna e até nos meus rins, ao que tudo indica as calcificações dissolveram e as hérnias de disco se recolheram.
Os movimentos do tornozelo voltaram à normalidade e voltei a realizar corridas de 5 e 10 Km, andar de bicicleta, e a coluna continua "comportada", sem falar da boa disposição geral que sinto, até durmo melhor.
Paralelo à ingestão do cloreto de magnésio, reduzi o consumo de açúcar, retirei o glúten e a lactose e procuro exposição diária ao sol.
Acabaram as constantes gripes e/ou resfriados e também as alergias.
Aos 49 anos minha saúde está melhor que aos 30, e garanto que não é embuste.
Por tudo isso me pergunto: por que os médicos não receitam o cloreto de magnésio mais largamente?
A única resposta que me vem à mente é porque o ganho financeiro em curar doenças é bem maior que evitá-las.
É como se dissessem: - Continuem se "estuprando", nós médicos fazemos de forma segura, e com remédios bem seguros, os "abortos"!
 
Abraços Tipoalgo.
 
 
 
 
 
 

SUBJECT: RES: [ciencialist] Re: Câncer
FROM: "Mtnos Calil" <mtnoscalil@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
CC: <maoslimpasbrasil@yahoogrupos.com.br>, "'Joao Gabriel Felippe'" <joaogabriel.felippe@gmail.com>
DATE: 11/09/2015 16:53

Se existisse uma verdadeira “ciência social” este tema seria um dos prioritários desta ciência.

Outra onda mercadológica de mitos e receitas pré-fabricadas está na área de nutrição.

A respeito desta onda, estou montando uma “dieta cientifica” que como o nome diz, é baseada inteiramente em conceito e procedimentos científicos.

 

O conceito elementar  desta dieta é o que todos os nutricionistas sabem, mas não gostam de aplicar por ser muito simples – “controle da quantidade de calorias consumidas”, que permite inclusive que os obesos continuem tendo o prazer de consumir coisas doces, como eu tenho feito. Afinal nem todos os obesos viciados em doces são vitimados pelo diabetes. Eu pensei que não tinha bom paladar porque não gosto de coisas amargas. Mas recentemente li um artigo em que diziam o contrário, ou seja: que quem gosta de doce tem bom paladar. Que sorte... mas é bom esclarecer que segundo esta tabela da OMS, baseada na fórmula do Indice de Massa Corporal: IMC = peso / (altura x altura), estou apenas no grau 1 de obesidade, e em breve serei promovido ao sobrepeso e logo a seguir ao peso normal, ingerindo um veneno chamado açúcar.  Apavorado que estou, nesta. 2ª. irei correndo fazer o exame de glicemia, rezando para que o resultado se situe nesta faixa:  100 -125 mg/dl 

 

Abaixo do peso

Abaixo de 18.4

Peso normal

18.5 - 24.9

Sobrepeso

25.0 - 29.9

Obesidade Grau I

30.0 - 34.9

Obesidade Grau II

35.0 - 39.9

Obesidade Grau III

Acima de 40

 

 

Abraços

Mtnos Calil

 

Ps1. E por falar em câncer, o lobby da industria farmacêutica americano comprou os congressistas para não aprovarem uma campanha de prevenção contra o câncer que teve sucesso na Europa.

Ps2. A critica aos médicos é procedente, mas temos que, como sempre, tomar o cuidado para não generalizarmos. Por exemplo, o Dr. João Gabriel, médico do Paraná tem participado de nossas discussões sem nenhum interesse, exceto o de ajudar.