SUBJECT: RE: [ciencialist] MP magnético (mais um..:-)
FROM: "murilo filo" <avalanchedrive@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 22/08/2006 21:26

Oráculo,
vc é tão bobinho...
Sinceramente,
Muliro SP 22/agt°


>From: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
>Reply-To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
>To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
>Subject: [ciencialist] MP magnético (mais um..:-)
>Date: Tue, 22 Aug 2006 14:28:45 -0300
>
>Olá pessoal
>
>Parece que passaram na frente do Murilo e dos demais criadores de moto
>perpétuo. Este engenheiro alega ter construido um MP magnético que
>funciona..:-)
>
>Um abraço
>
>Homero
>___________________________________
>Perpetual Motion Claim Probed
>By John Borland| Also by this reporter
>12:00 PM Aug, 21, 2006
>Sean McCarthy believes his small Irish high-tech company has overturned one
>of physics' most fundamental laws.
>
>It happened by accident, he says. His company Steorn was looking for an
>efficient way to power closed-circuit TVs that spy on ATMs, and instead
>stumbled on a technique they think produces more energy than it consumes.
>
>The company hasn't released specific details about the process, other than
>to say it involves magnetic fields configured in precisely the right way.
>Using the magnets results in a motor that's more than 100 percent efficient
>-- essentially creating energy, McCarthy says.
>
>For scientists and engineers, this is the equivalent of a perpetual motion
>machine, and is almost unanimously viewed as flat-out impossible. McCarthy,
>an affable former energy company engineer, knows just how preposterous his
>claims sound. So, he advertised in this week's Economist for a panel of the
>"most cynical possible" physicists to help validate them.
>
>"If we're right, that will come out in due course," McCarthy says. "If
>we're wrong, that will come out. It's such a big claim that it has to be
>validated by experts."
>
>A big claim it may be, but hardly original. The clamor of voices saying
>they've invented revolutionary new "free energy" technologies has grown
>tumultuous in recent years, driven perhaps by the internet's capacity to
>connect and inspire would-be tinkerers, or simply a that lay people are
>more fascinated with science.
>
>The American Physical Society was worried enough about the trend a few
>years ago that its executive board put out a statement in June 2002,
>warning against such claims.
>
>"(We are) concerned that in this period of unprecedented scientific
>advance, misguided or fraudulent claims of perpetual motion machines and
>other sources of unlimited free energy are proliferating," the group said.
>"Such devices directly violate the most fundamental laws of nature, laws
>that have guided the scientific progress that is transforming our world."
>
>McCarthy says he's not using his claims to raise money, at least not yet.
>Steorn is privately funded, but is not seeking new investment until after
>the tests have been done, he contends.
>
>The company has, however, filed patent applications on some of its work,
>and hopes to commercialize it by creating batteries for mobile phones and
>laptops, both markets that can respond quickly to new technologies. In the
>unlikely event it is borne out, it could also radically transform the
>automotive business and other industries.
>
>The drive to create an engine that powers itself, or a self-replenishing
>source of energy, has long been a holy grail for the tinkering class, with
>a history stretching back nearly a thousand years. Like alchemy, its
>medieval pseudo-scientific counterpart, it has attracted high names and
>low, scientists and faith-based researchers, believers and outright scam
>artists.
>
>Among the most notable investigators was Leonardo da Vinci, who included
>drawings of several self-driving devices inside his notebooks. However, he
>was publicly critical of such schemes, comparing them to the alchemical
>quest to transmute lead to gold.
>
>Documenters of such schemes nevertheless find an unbroken string of
>subsequent proposals, tests, and failures that stretch to the present day,
>occasionally crossing over lines where would-be inventors are accused of
>running out-and-out con operations.
>
>Perhaps the most famous recent claimant is a flamboyant only-in-America
>figure named Dennis Lee, who has spent much of the last decade churches and
>auditoriums across the United States promising "free electricity," among
>other inventions, and selling rights to open "dealerships" for thousands of
>dollars at a time. His efforts have led numerous state attorney generals
>offices to seek sanctions, including a recent string of fines and court
>orders in the state of Washington.
>
>The flaw with such claims lies in one of the most fundamental principles in
>basic physics, known as the first law of thermodynamics.
>
>In layman's terms, the first law states that energy is always conserved
>inside a closed system. It can be transformed into different forms inside
>the system, such as heat or work, but it can't be created or destroyed.
>
>"Thermodynamics is largely an empirical field, and everything we've
>observed is consistent with the first law," says Massachusetts Institute of
>Technology professor Ian Waitz. "When you make enough observations over a
>long period of time, things that start as hypotheses turn into things we
>call law. This would be not consistent with all other observations, which
>is a reason to be skeptical."
>
>In the past, most claimants haven't met a standard of ordinary proof, much
>less an extraordinary one required to overturn a fundamental pillar of
>modern science. In most cases, sincere claimants have found that they
>simply didn't calculate the energy produced and consumed correctly.
>
>Some of the most flamboyant inventors have found that their devices were
>coincidentally broken or burned out when testing time rolled around. Others
>have simply been exposed as obvious frauds, with batteries or a generator
>hidden out of sight.
>
>While outlandish, McCarthy's claims have stirred up enough interest to at
>least hope for a thorough vetting, if not confirmation.
>
>His Economist ad, quoting playwright George Bernard Shaw's dictum that "All
>great truths begin as blasphemies," is seeking a jury panel of 12
>physicists to perform public tests. Whatever the unorthodoxy of that
>approach, he says the researchers will have no constraints on their work.
>They will be given full access to the company's work, will be able to take
>the technology home to test in their own laboratories, or recreate the
>process themselves.
>
>According to the company's website, nearly 1500 scientists have "expressed
>interest" in testing the technology as of late Monday, and more than 17,000
>people had signed up to receive word of the results.
>
>"Ultimately the aim is so large, that the people involved, and the process
>that goes on, has to be purer than pure," McCarthy says.
>
>
>[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>
>
>
>##### ##### #####
>
>Página de apoio
>http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br
>
>
>##### ##### ##### #####
>Links do Yahoo! Grupos
>
>
>
>
>
>
>
>




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 10:15

Bem, na verdade eu sou engenheiro... mas tive a oportunidade de ser exposto
ao pensamento e conviver com físicos e matemáticos dos bons... o que me
salvou, eu acho....

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>




SUBJECT: Re: [ciencialist] Candidato a deus, com CGC e tudo o mais.
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 10:21

É claro que a máquina não vai funcionar, mas como plano de marketing talvez
funcione. Depois que eles tiverem conseguido espalhar o nome da empresa
pelos quatro cantos, é só dizer que o físico X descobriu um detalhe que eles
não haviam percebido, que vão começar a trabalhar na versão 2.0, preparar um
upgrade ou patch de correção, etc...

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 5:29 AM
Subject: [ciencialist] Candidato a deus, com CGC e tudo o mais.




Empresa que afirma ter criado moto-contínuo desafia cientistas


Lista,

Só quero ver, só quero ver. Ali tem discos, peças móveis, rotatórias; tudo
para não dar. Sei não, sei não. Aliás sei: tem furo.
Só resta encontrá-lo. E o será. O dinheiro é deles, que o gastem com
físicos, que têm salário incompatível.

Sds,

Victor.


23/08/2006
Estadão - Energia não pode ser gerada a partir do nada. Baseada nas leis da
Termodinâmica, esta é uma das verdades científicas sagradas, presente em
todos os livros-texto. Mas isto não tem impedido que milhares de inventores
do mundo todo, em todos os tempos, tentem criar máquinas que gerariam
energia gratuita - os chamado moto-contínuos, equipamentos que, uma vez
postos em movimento, ficariam nesse estado indefinidamente, sem necessidade
de nenhum combustível.

Agora a empresa irlandesa Steorn resolveu levar o desafio mais a sério.
Argumentando ter ela própria construído um moto-contínuo, a empresa está
convocando os 20 mais importantes físicos do mundo para contestar a sua
máquina perpétua de geração de energia.

O desafio está aberto, e físicos do mundo todo poderão se inscrever. A
empresa afirmou que irá selecionar os 20 profissionais mais conceituados
dentre os inscritos. O desafio é simples: testar a tecnologia de energia
livre da empresa e publicar seus resultados.

A empresa colocou um anúncio na conceituada revista de economia The
Economist, na tentativa de atrair os mais importantes cientistas no campo da
física experimental.

A tecnologia é baseada na interação de campos magnéticos e, segundo a
Steorn, produz energia limpa, sem poluentes e constante, podendo ser
utilizada em qualquer equipamento que precise dela, de telefones celulares a
carros.

"Durante os anos de seu desenvolvimento, nossa tecnologia foi validada por
vários cientistas e engenheiros independentes. Agora nós estamos procurando
vinte dos [membros] mais qualificados e mais céticos da comunidade
científica mundial para formar um júri independente, testar a tecnologia em
laboratórios independentes e publicar suas descobertas," disse Sean
McCarthy, fundador da empresa.

Segundo o princípio da conservação de energia, um dos princípios
fundamentais do entendimento atual de todo o universo, energia não pode ser
nem criada e nem destruída - ela apenas muda de forma.



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos












SUBJECT: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 10:58

Homero,

Trabalho em vários computadores e
com várias configurações. Algumas
vezes consigo mudá-las, outras não.
Este onde estou está configurado
especialmente para formatações
WAAP (de celulares) e não convém
mudá-lo agora. Lamento por isso.

Bom, continuando...

>Eduardo: "Basta olhar para revistas
>científicas como Galileu,
>New Scientist ou SuperInteressante
>para se perceber o que estou
>dizendo: eles sempre mostram
>reportagens sobre Buracos Negros,
>Big Bang ou Partículas sub-atômicas
>como ficção científica, pq não
>podemos aprimorar nem contestar
>conclusivamente nenhuma dessas
>questões. Não são verdadeiramente
>assuntos místicos?"
>
> Sim e não. Na Galileu, em reportagens
> para leigos, para vender revistas, sim,
> pode ser confundido e misturado com
> esses assuntos. O exemplo recente, que
> alguém postou na lista, foi a revista
> Isto É, com "provas cientificas" de
> conversa com espiritos, com base na
> "fisica quantica" e outras maluquices.
> Mas, dentro de revistas como Nature ou
> Scientific American, não é a mesma
> coisa. Se cientistas sérios e
> especialistas lidam com o assunto,
> não é sempre por estarem confusos ou
> confundidos pelo esoterismo de charlatães,
> mas por considerarem que é um campo
> legítimo a ser estudado, mesmo que
> futuramente possa ser abandonado por
> algo mais preciso ou correto.

Como comentei em e-mail para o
Takata, refiri-me à forma como
eles aludem os assuntos,
transcedendo os conceitos e
apresentando possibilidades
como se fossem reais. Se vc não
pode usar o método científico
sobre um evento, então não
podemos respaldá-lo
cientificamente.


> A ciência não liga de deixar coisas
> para trás, mas exige que todo rigor
> e esforço seja feito para garantir
> que essa foi uma ação legítima. A
> MQ não surgiu "do nada", mas foi
> construida a partir de muitos estudos
> e trabalhos. Refuta-la é algo a
> ser feito com o mesmo esforço e
> trabalho, não porque ela é
> "estranha" ou porque malucos da
> New Age a sequestraram de alguma
> forma para conversar com o
> "universo autoconsciênte".
>
> É apenas isso que se espera,
> de quem pretenda refutar a FQ,
> cuidado, evidências, esforço e
> trabalho duro.

>
>Eduardo: "Existem sim muitas alternativas
>mais sólidas do que a MQ e
>venho estudando e aprimorando
>muitas delas. "
>

> Existem alternativas a MQ. Não
> sei se muitas, pois, e você mesmo
> reconhece isso, há muitos "crackpots"
> a lidar com a estranheza da MQ e
> alegando term "alternativas".
> E também não tenho certeza de
> quão solidas são as alternativas
> reais a MQ, embora os que as
> defendam digam que são o suficiente.
> Em todo caso, nunca disse, e acho
> que ninguém aqui, que não se deve
> estudar essas alternativas, ou
> trabalhar sobre elas. Pelo contrário,
> é sempre importante para a ciência
> manter frentes de trabalho abertas.
> Mas, para substituir uma teoria,
> que é sólida e bem construida até
> certo ponto, é preciso mais que
> uma alternativa nova. É preciso
> uma alternativa melhor, mais capaz,
> e isso só pode ser decidido,
> avaliado, se ela sobreviver ao
> escrutineo de muitos cientistas e
> especislistas.

Não costumo esperar muito. Acho que
existe muita dialética e poucas
atividades de escrutiniação.

>
> Portanto, não é uma "perseguição"
> injusta as teorias altertnativas,
> nem uma proteção especial a FQ qua
> a mantém, mas o natural processo
> de investigação científica, o
> natural rigor do método, replicar,
> avaliar, criticar, contestar, etc,
> até que uma nova teoria se mostre capaz
> de resistir a tudo isso.
>
> Se for a teoria que você está estudando,
> ótimo, se for outra teoria, que mesmo
> você não considera correta, terá
> de aceita-la. E se a FQ resistir e
> sobreviver, apesar de sua estranheza,
> teremos de aceita-la e pronto. O
> Universo não liga para nossa
> estranheza com ele..:-)

Não tenho problemas de "Ego aguçado".
Sou extremamente plausível e concordarei
com a verdade de onde quer que ela parta,
seja minha ou não.

>
>Eduardo: "Se não fóssemos tão acomodados
>já teríamos deixados as concepções
>atuais e procurado outras mais
>consistentes em vez de "arrastar
>as incoerencias para debaixo do
>tapete". "
>

> Você chama de "acomodado". Eu chamo de
> justo cuidado e preocupação, rigor em
> aceitar novas alegações e extrema
> análise e verificação. A ciência é um
> equilibrio entre permitir novas
> alternativas, e impedir que conceitos
> erroneos sejam aceitos prematuramente.
> As vezes exagera para um lado, as vezes
> para outro. Veja a fusão à frio, por
> exemplo. Aceita cedo demais, teria
> confundido e atrasado por décadas as
> pesquisas em outras áreas. Veja a
> pesquisa de células tronco do Dr.
> coreano. Aceita cedo demais, e
> publicada, teve de ser desmentida e
> provocou danos a imagem da ciência,
> da pesquisa com células tronco, que
> ainda não podemos avaliar com clareza,
> mas que certamente serão extremamente
> daninhas para esta.

Concordo no que diz respeito às
Ciências Médicas e Biológicas.

Entretanto não concordo muito,
principalmente quando se gastam
bilhões e bilhões de dólares em
programas espaciais e ainda não
saímos do limite de 380.000 Km da
Terra.

E porque? Porque existem impecílhos
em estudar e avaliar seriamente
novas idéias, tais quais:
ego exacerbado, inveja, ponto de
vista limitado...

>
> Assim, não se estão arrastando
> incoerencias para debaixo do pano,
> mas comparando os argumentos dos
> que pensam ser incoerências, com
> os argumentos dos que pensam não
> ser incoerências. No momento, e
> se desejar pode chamar de
> conservadorismo, os argumentos do
> segundo grupo tem vencido o debate.
> E, é claro, os do primeiro grupo,
> como todo ser humano, não está
> gostando disso.
>
> Enquanto novas concepções não se
> mostrarem, para além do desejo
> dos que as defendem, confiáveis,
> abandonar a MQ será prematuro.

Ninguém aqui falou em abandonar
a MQ. Apenas devemos impedir que
ela se torne unânime artificialmente.

> Se as alternativas forem melhores,
> acabarão se impondo de toda forma.
> Se forem incorretas, não atrapalharão
> os novos estudos e pesquisas. Não se
> pode determinar o ensino apenas das
> novas teorias, ainda não comprovadas,
> com o argumento de manter a mente
> aberta. Da mesma forma, não se
> ensinam em escolas apenas os
> aspectos duvidosos de cada área
> de conhecimento, mas os que tem
> boa base de comprovação. Para as
> áres de fronteira, onde a inovação
> é importante, os especialistas devem
> se dirigir, e abrir seu caminho.

> Se você está estudando uma alternativa,
> acho excelente. Se puder demonstrar
> que é melhor que a que temos, fico
> extremamente contente (será nosso
> primeiro premio Nobel certamente).

O prêmio não será meu. E sim de quem
teve a coragem inicial de expor um
ponto de vista diferente. Estou apenas
contribuindo.

E tb não espero fazer isso sozinho, já
que todos serão beneficiados.

> Mas enquanto isso, a FQ é o que
> temos de melhor e devemos usar e
> sse conheciemnto, no lugar de listar
> todas as alternativas possiveis, e
> ainda incomprovadas, e ficar maluco
> tentando prosseguir nesse labirinto.

>Eduardo: "E estou me sentindo mal só de
>pensar que vc acha que estou
>procurando "ganhar pontos na
>frente de um buteco". Faça-me
>o favor, meu caro..."
>

> Eu espero que não. Mas a forma como
> apresentou seu ponto, a enfase, as
> acusações de plágio e de mente fechada,
> são por demais parecidas com crackpots
> e afins, e foi isso que deu a idéia de
> um boteco. Cientistas, mesmo os que
> lidam com áreas de fronteira, sabem
> que a ciência precisa, por segurança,
> ser conservadora em aceitar novas
> alegações, e que ele tem de fazer
> mais que reclamar para ver sua nova
> teoria aceita. Eu sinceramente espero
> que seja seu caso, e não o de
> frequentador de butecos revolucionarios
> da fisica moderna..:-)

Um dos males da civilização moderna é que
costumamos agir a partir da primeira impressão.
Não o culpo, mas devemos tomar cuidado.

>Eduardo:"Todos sabem que Einstein roubou
>idéias alheias e as transcreveu
>a seu bel prazer prejudicando
>Poincaré, Leinbiz e outros
>grandes cientistas que não
>contavam com meios de divulgar
>suas idéias... "
>

> Está, claro, redondamente enganado,
> e mesmo Poincaré não compartilha de
> suas acusações, e escreveu cartas
> onde reconhecia o brilhantismo de
> Einstein. Como eu disse, e repito,
> ciência é acumulo de conhecimentos,
> e Newton já reconhecia ter visto tão
> longe por ter "subido ao ombro de
> gigantes". Seria absurdo esperar
> que Einstein produzisse fisica
> avançada sem ser SOBRE o conhecimento
> produzido por outros cientistas.
> Foi o que ele fez com esses dados
> que o tornou reconhecido, não a
> capacidade de recriar a roda a cada
> passo em seu trabalho. Nem Poincaré
> fez seu trabalho sozinho, a partir
> do nada, nem Maxwell, nem nenhum
> cientista, ainda mais na física.

O problema não é esse. Explico: desde
que não foi Einstein quem primeiro
concebeu as idéias da relatividade, ele
não teve como ir adiante. Poincaré
sim poderia ter nos colocado em um
caminho mais adequado, se é que me
entende...

>
> E a acusação sobre "meios de divulgar
> suas idéias" é bem esquisita,
> considerando o modo como Einstein o
> fez. Na verdade, seus textos ficaram
> de lado por um bom tempo, sem que se
> prestasse atenção a eles. Inclusive,
> foi o efeito browniano e o efeito
> foto-elétrico os que inicialmente
> foram publicados e que renderão o
> Nobel a Einstein. Ele publica seus
> maiores trabalhos em 1905 e ganha
> o Nobel, pelo efeito foto-eletrico,
> em 1921 apenas. E tem de perceber
> que foram os trabalhos baseados nos
> artigos de Einstein que geraram sua
> fama, não marketing ou midia pessoal.
> Ele só se torna a celebridade muitos
> anos depois, ao ser insensado pela
> comunidade científica e por seus colegas.

Bom, já foi discutido aqui neste grupo
e dito que o Prêmio Nobel é apenas um
prêmio político. Einstein era Judeu. E
os Judeus precisavam desse tipo de
reconhecimento. Hoje, pelo que eles
estão aprontando no Oriente Médio,
duvido que conseguisse algum
reconhecimento...


> E nem todos aceitaram os trabalhos de
> Einstein no início, e muitos tentaram
> demonstrar que eram incorretos e mesmo
> uma tolice sem tamanho. Foi apenas os
> desdobramentos, as evidências, os
> frutos desse trabalho em outros
> trabalhos, que garantiram sua vigência.
> Se nada disso tivesse acontecido,
> se nada tivesse confirmado os artigos de
> Eisntein, nem estariamos discutindo aqui.
>
> Acho que andou lendo os vitupérios do
> Cesar Latees demais..:-)
>
> Ou bem um únioco sujeito "enganou"
> toda a comunidade científica por mais de
> um século (com uma Grande Conspiração
> Para Fazer Parecer que Eisntein é
> Genial), ou essas acusações são fruto
> de inveja, despeito (Cesar Lates achava
> que merecia um Nobel e que o boicotavam,
> voltando sua frustação contra Einstein)
> e a tradicional vontade humana de
> derrubar icones diversos.
>
> Eu voto pela segunda opção..:-)
>
> 1.. A relatividade se sustenta por um
> tripé, Planck-Einstein-Bohr. Mas, se um
> dos pés desse tripé fosse uma "farsa"
> como afirma, como ele ficaria equilibrado?
> Será que os outros dois participantes
> também foram "enganados", ou que toda
> comunidade científica nunca percebeu isso?

Sim. Da forma que foi colocado, inclusive
eles ficaram presos em um "labirinto de
hipóteses"

>
> Um abraço.
>
> Homero


>
>
>
>
>
>
> ----- Original Message -----
> From: Eduardo Sardeiro
> To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Sent: Tuesday, August 22, 2006 3:45 PM
> Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória
>
>
>
> Homero,
>
> Não sou tão pretencioso
> quanto vc está imaginando.
>
> Nem estou subestimando os
> problemas do dia-a-dia.
>
> Estou apenas dizendo que
> a Física atual - principalmente
> a MQ - abre espaço para que
> místicos de toda sorte se
> aproveitem dos pontos obscuros
> existentes atualmente no nosso
> legado científico.
>
> Basta olhar para revistas
> científicas como Galileu,
> New Scientist ou SuperInteressante
> para se perceber o que estou
> dizendo: eles sempre mostram
> reportagens sobre Buracos Negros,
> Big Bang ou Partículas sub-atômicas
> como ficção científica, pq não
> podemos aprimorar nem contestar
> conclusivamente nenhuma dessas
> questões. Não são verdadeiramente
> assuntos místicos?
>
> Existem sim muitas alternativas
> mais sólidas do que a MQ e
> venho estudando e aprimorando
> muitas delas.
>
> Se não fóssemos tão acomodados
> já teríamos deixados as concepções
> atuais e procurado outras mais
> consistentes em vez de "arrastar
> as incoerencias para debaixo do
> tapete".
>
> Não estou 'resmungando' como
> vc diz. Estou criticando o
> fato de estarmos tão atrasados
> em relação aos países que
> levam as Ciências a sério e
> não apenas como um meio de
> ganhar dinheiro.
>
> E estou me sentindo mal só de
> pensar que vc acha que estou
> procurando "ganhar pontos na
> frente de um buteco". Faça-me
> o favor, meu caro...
>
> Todos sabem que Einstein roubou
> idéias alheias e as transcreveu
> a seu bel prazer prejudicando
> Poincaré, Leinbiz e outros
> grandes cientistas que não
> contavam com meios de divulgar
> suas idéias...
>
> []s
>
> Sardeiro
>
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
> ________________________________________
> De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
> Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
> Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
>
> Olá Eduardo
>
> Eduardo: "Preciso continuar??"
>
> Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto
do
> periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
> laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de
dados e
> da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
> restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
> poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
> repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns,
ainda
> que muitas delas tenham sido grandes mentes.
>
> Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
> testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.
>
> O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem.
Se
> desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
> do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências
fortes
> de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
> dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
> dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
> prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar
porque
> há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.
>
> Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o
volume de
> conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço
de
> dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de
uma
> TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
> consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
> construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia,

> para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?
>
> Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
> construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
> TVs feitas com latas e papel aluminio?
>
> O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
> for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
> possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
> veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
> construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
> privilegiar os engenheiros, Eduardo?
>
> Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
> sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
> nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
> responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval".
É
> fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que
pudemos
> produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
> afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).
>
> E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
> buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
> o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
> alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
> ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
> conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
> de todas as épocas, o são igualmente.
>
> Este trecho é uma pérola:
>
> Eduardo: "*Período medieval* porque só
> através de cálculos rabuscados
> da Mecânica Quântica - o latim
> das antigas missas católicas -
> podemos encontrar a solução -
> salvação - de alguns problemas
> físicos."
>
> A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
> apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ,
e
> pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
> acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns
problemas,
> que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
> certamente.
>
> Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar
com
> mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
> conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
> satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
> "resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.
>
> Um abraço.
>
> Homero
>
>
>
>
> ----- Original Message -----
> From: Eduardo Sardeiro
> To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
> Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
>
>
>
> *Período medieval* porque as
> grandes hipóteses só são
> possíveis de serem testadas
> nos cíclotrons, laboratórios
> de primeira linha ou nos
> centros acadêmicos quase
> sempre inacessíveis, tais
> quais eram os grandes
> monsteiros religiosos da
> Idade Média.
>
> *Período medieval* porque se
> fala da 'Teoria Unificada' e
> do 'Big Bang' como dogmas que
> nunca serão desvendados por
> simples cientistas mortais.
>
> *Período medieval* porque só
> nos resta resolver problemas
> simples do dia-a-dia.
>
> *Período medieval* porque só
> plagiadores como Albert
> Einstein ganham notoriedade
> e tornam-se 'papas' .
>
> *Período medieval* porque só
> através de cálculos rabuscados
> da Mecânica Quântica - o latim
> das antigas missas católicas -
> podemos encontrar a solução -
> salvação - de alguns problemas
> físicos.
>
> Preciso continuar??
>
> []s
>
> Sardeiro
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
>



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 11:20

Victor,

Se vc acha que meus comentários
são equivocados, saiba que não
sou o único que compartilha deles.

Mas não o culpo. Nós, cientistas
brasileiros, vivemos 30 ou 50
anos atrasados em termos de
conhecimentos físicos mundiais.

Não se duvida mais - e eu tb não
duvido - das idéias básicas da
MQ ou da Relatividade.

Isso já deveria estar enraizado
na base dos conhecimentos de
qualquer físico, cientista ou
tecnólogo. Não se pode mais viver
sem essas teorias: desde quando
usamos o telefone ou assistimos
televisão, elas são usadas
frequentemente...
Por isso dispenso os detalhes.

Irei trocar mais e-mails aqui
nesta lista até me tornar claro.
Isso não é possível de ser feito
em apenas umas poucas dezenas
de e-mails, mas tenha calma:
chegaremos lá.

Por enquanto, segue uma lista
dos principais teoristas da WSM
que não são exatamente opositores
da MQ ou da Relatividade, mas
estão contribuindo para mudá-las
*radicalmente* :

http://www.spaceandmotion.com/wave-structure-matter-theorists.htm

Observe principalmente as
acusações do físico canadense
Gabriel LaFreniere. Ele é
extremamente implacável, muito
mais do que eu.

Um forte abraço,

Eduardo Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 20:15
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Eduardo,
Não irei tecer comentários sobre suas posturas a respeito da MQ, que são,
evidentemente, equivocadas. E da maneira como você se posiciona, com a
convicção que parece ter a respeito (pelo que, desde já, eu lhe digo:
sinto muito! ), não há como discutir nada a espeito. Além disso o Takata,
de maneira brilhante, em diversos instantes, já mostrou que a trilha que
você adotou não vai dar em lugar nenhum. Álvaro e Homero também já disseram
tudo que se poderia dizer a respeito. De maneira bem clara.
Mas há algo que eu não consigo deixar que passe em branco. Trata-se da
tremenda asneira, que transcrevo abaixo. Não é meu estilo emitir frases
como a última. Mas não há outra maneira de dizer. Esta é a mais elegante.
Arrisco-me, portantanto a tomar porrada, mas a mantenho. Até por que é
facílimo provar que ela não é demais, para o caso em foco.
Não entendo como alguém como você, apesar de todas as informações que há
sobre o assunto, consegue sair-se com algo assim, evidentemente fora de qq
mínimo razoável.

Eduardo disse:

"Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar."

A informação acima demonstra, a qq um, mesmo levemente iniciado em física
relativística e sua gênese, e de maneira clara, que você desconhece os
aspectos relevantes da relatividade, bem como a sua história, a sua gênese.
Do contrário jamais se exporia a esse ponto.
Ou, então, se tem, mostre que tudo que se levantou a respeito, toda a
farta documentação disponível, está errada, e deve ir para a fogueira.
Ou então, ainda, mostre que a própria TR está totalmente errada, caso em
que qualquer cidadão estará no direito de proferir coisas como as que estão
lá em cima.

Mas, eu lhe pergunto:

Quem são os "todos" que sabem dessa tolice, fruto da ignorância brutal de
certos "teorizadores" e "historiadores" da ciência?

Roubou o quê?

Que idéias ele roubou?

Qual ou quais delas? (Pois as idéias de Einstein foram tantas, e tão
variadas, basicamente englobando toda a física!)

Plagiou o quê?

De quem?

E o que tem o Leibnitz a ver com Einstein? (Leibnitz é um pouquinho mais
antigo; é da época de Newton e viviam arengando
por causa da paternidade do cálculo, que um dizia que inventou, e que
outro dizia que foi ele. Mas, em verdade, fizeram um fantástico trabalho
independente. Cada um dando um enfoque pessoal. Ninguém roubou de ninguém.
Ou roubou?)

Einstein plagiou o quê, de Leibnitz? Com certeza Leibnitz nada plagiou de
Einstein!

Responda as perguntas acima, com dados técnicos, históricos, ou que seja!
Não valem opiniões pessoais, tipo eu penso e eu acho, quando há fartos
dados, tanto históricos quanto técnicos(vide bibliografia indicada abaixo,
para uma pálida idéia). E estes são os únicos elementos que devem ancorar
uma informação. Fora isso, são falácias, não menos que falácias.

Queira me desculpar, mas o erro que você comete ao escrever o que acima
está, é tão grande, e exibe tanta desinformação, que sugiro,sinceramente,
que estude, busque conhecer a realidade dos fatos. Nem sei qual sua formação
- que até nem importa muito. Você pode - e deve ser - expert em muitas
outras coisas de física.
Agora, neste assunto específico, não. Prova: você mesmo o prova quando
emite informações como a acima e conceitos como os emitidos em relação à MQ
e seu contexto no meio científico e tecnológico.
E repito: não é preciso aprofundar-se na história desses desenvolvimentos
em si. Basta fazer uma coisa: estudar com a devida atenção a relatividade,
à luz dos postulados e dos princípios básicos. Logo, logo, antes de se
chegar tão fundo, ao comparar os resultados com as idéias
pré-relativísticas, descobrem-se as profundas diferenças. São sutis, como
sutis são os princípios e os postulados. Que, até hoje, muita gente não
compreendeu. Exatamente. Não compreendeu!. Todos os que desancam a
relatividade, ou seu autor, dela, sabem isso: NADA!
É verdade que muitos podem até saber fazer as contas. Trabalhar bem as
equações, ser mestre no trato dos formalismos pertinentes.
Mas e o que é isso? Nada demais. Um computador faz tudo, do mais simples
ao mais complexo cálculo. Não é inteligente, não tem consciência, e está se
lixando para mim, usuário, sobre o que penso ou deixo de pensar. Mas faz!
Tem os MatLab e os MathCad da vida, que fazem tudo isso. Basta saber como
alimentar. Até um cavalo também sabe contar! (Isso circulou por aquí mesmo,
neste fórum!) A questão não é essa. É outra, um pouco maiiiiis danadinha
de sutil !
A questão basilar é a "tradução" da simplicidade conceitual dos postulados
e dos princípios da equivalência e da covariância. Só isso, meu caro! Só
isso. E, parece-me,esta é realmente A questão! O resto virá reboque. De
maneira compulsória.
Sugiro que leia, estudando como convém, ao menos, o seguintes livros:
Sutil é o Senhor, de A.Pais; A gênese da Relatividade, escrita por
A.lberto Villani, do Instituo de Física da USP, em 4 excelentes artigos
publicados pela Revista Brasileira do Ensino de Física;
Einstein, Michelson an the crucial experiment, de G.Holton(edição de
1973);
O Princípio da Relatividade, da Fundação Calouste Gulbencian;
E não posso deixar de indicar esses dois, meus preferidos: Relativity e
Physics Contemp. I, de W.G.Rosser e Relativity, Terrmodynimcs and Cosmology,
de R.C.Tolman entre outros.
Não posso deixar de citar também o Lextures on Phisycs, Vol. I, do
Feynman, ao menos os capítulos 15, 16 e 17. Estes, os mais básicos. Parece
acintoso fazer essas indicações. Mas a intenção é outra. Não de agredir nem
nada parecido.

Ah, ia esquecendo: veja também o Capítulo 37 do mesmo Vol.I do
Feynman(Comportamento Quântico - Quantum Behavior) e o item 38-6(Implicações
filosóficas) do mesmo volume.

E se alguém partir para me acusar de recorrer a autoridades científicas,
como se isso fosse um pecado, algo deplorável, que faça o seguinte: prove
que essas "autoridades" estão mentindo e que discorrem sobre metáforas,
inutilidades. Seja, pois melhor que elas, as "autoridades". E terá o apoio
e o reconhecimento do mundo científico. Mas saiba o que está dizendo.

As obras acima são um mixto de detalhamento histórico e bastante técnico
de todo o processo referente à relatividade. Quem quer que se disponha a
"legislar" sobre esse assunto, tem que conhecer adequadamente ao menos
algumas delas. Em geral, aquilo que a gente pensa que é, não é, a natureza
não reconhece isso, de eu pensar assim e assado. Está é ...... no meu bom
senso. Sem remorsos, numa boa.

No endereço abaixo você encontrará um extrato do que há em algumas das
fontes acima. a respeito do assunto.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Discuss%C3%A3o:Albert_Einstein#Duvido

Lá você encontrará também as impressões dos DOIS PRETENSOS PLAGIADOS por
Einstein, conforme apontou o Homero em um de seus e-mails, nos quais
contesta, de maneira clara e lógicas, sua idéias. Há também um apanhado de
suas principais realizações.
A menos que você prove que é tudo mentira, manterei tudo que escreví ali.
É isso. O artigo é de minha autoria.
Há idéias pessoais que devem ser comentadas e analisadas, sem problemas.
Infelizmente, a respeito do tópico ora comentado, não é esse, de jeito
nenhum, o caso. Não se trata em absoluto de idéias, mas de coisas
concretas: fatos, dados, registros, de acesso não muito difícil.
Accessíveis a todos.

Desculpe-me o açodamento. Mas, apesar de meus esforços, não conseguí ser
mais educado.
Não estou indo contra sua inteligência, como reclamou do Takata, se não me
engano. Não estou contra você, mas contra o que você
próprio demonstrou, em suas muitas bem traçadas e claras linhas.

Mas voltarei a esse assunto tantas vezes quantas sejam necessárias.

Plagiando o Elton: com meus profundos votos de estima e consideração,
Sds,

Victor.





"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1718 (20060821) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 11:32

Caro Sardeiro,

Seu argumento é falacioso. Quantidade de adeptos nunca foi indicativo da
validade de uma teoria.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 11:20 AM
Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Victor,

Se vc acha que meus comentários
são equivocados, saiba que não
sou o único que compartilha deles.

Mas não o culpo. Nós, cientistas
brasileiros, vivemos 30 ou 50
anos atrasados em termos de
conhecimentos físicos mundiais.

Não se duvida mais - e eu tb não
duvido - das idéias básicas da
MQ ou da Relatividade.

Isso já deveria estar enraizado
na base dos conhecimentos de
qualquer físico, cientista ou
tecnólogo. Não se pode mais viver
sem essas teorias: desde quando
usamos o telefone ou assistimos
televisão, elas são usadas
frequentemente...
Por isso dispenso os detalhes.

Irei trocar mais e-mails aqui
nesta lista até me tornar claro.
Isso não é possível de ser feito
em apenas umas poucas dezenas
de e-mails, mas tenha calma:
chegaremos lá.

Por enquanto, segue uma lista
dos principais teoristas da WSM
que não são exatamente opositores
da MQ ou da Relatividade, mas
estão contribuindo para mudá-las
*radicalmente* :

http://www.spaceandmotion.com/wave-structure-matter-theorists.htm

Observe principalmente as
acusações do físico canadense
Gabriel LaFreniere. Ele é
extremamente implacável, muito
mais do que eu.

Um forte abraço,

Eduardo Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 20:15
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Eduardo,
Não irei tecer comentários sobre suas posturas a respeito da MQ, que são,
evidentemente, equivocadas. E da maneira como você se posiciona, com a
convicção que parece ter a respeito (pelo que, desde já, eu lhe digo:
sinto muito! ), não há como discutir nada a espeito. Além disso o Takata,
de maneira brilhante, em diversos instantes, já mostrou que a trilha que
você adotou não vai dar em lugar nenhum. Álvaro e Homero também já disseram
tudo que se poderia dizer a respeito. De maneira bem clara.
Mas há algo que eu não consigo deixar que passe em branco. Trata-se da
tremenda asneira, que transcrevo abaixo. Não é meu estilo emitir frases
como a última. Mas não há outra maneira de dizer. Esta é a mais elegante.
Arrisco-me, portantanto a tomar porrada, mas a mantenho. Até por que é
facílimo provar que ela não é demais, para o caso em foco.
Não entendo como alguém como você, apesar de todas as informações que há
sobre o assunto, consegue sair-se com algo assim, evidentemente fora de qq
mínimo razoável.

Eduardo disse:

"Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar."

A informação acima demonstra, a qq um, mesmo levemente iniciado em física
relativística e sua gênese, e de maneira clara, que você desconhece os
aspectos relevantes da relatividade, bem como a sua história, a sua gênese.
Do contrário jamais se exporia a esse ponto.
Ou, então, se tem, mostre que tudo que se levantou a respeito, toda a
farta documentação disponível, está errada, e deve ir para a fogueira.
Ou então, ainda, mostre que a própria TR está totalmente errada, caso em
que qualquer cidadão estará no direito de proferir coisas como as que estão
lá em cima.

Mas, eu lhe pergunto:

Quem são os "todos" que sabem dessa tolice, fruto da ignorância brutal de
certos "teorizadores" e "historiadores" da ciência?

Roubou o quê?

Que idéias ele roubou?

Qual ou quais delas? (Pois as idéias de Einstein foram tantas, e tão
variadas, basicamente englobando toda a física!)

Plagiou o quê?

De quem?

E o que tem o Leibnitz a ver com Einstein? (Leibnitz é um pouquinho mais
antigo; é da época de Newton e viviam arengando
por causa da paternidade do cálculo, que um dizia que inventou, e que
outro dizia que foi ele. Mas, em verdade, fizeram um fantástico trabalho
independente. Cada um dando um enfoque pessoal. Ninguém roubou de ninguém.
Ou roubou?)

Einstein plagiou o quê, de Leibnitz? Com certeza Leibnitz nada plagiou de
Einstein!

Responda as perguntas acima, com dados técnicos, históricos, ou que seja!
Não valem opiniões pessoais, tipo eu penso e eu acho, quando há fartos
dados, tanto históricos quanto técnicos(vide bibliografia indicada abaixo,
para uma pálida idéia). E estes são os únicos elementos que devem ancorar
uma informação. Fora isso, são falácias, não menos que falácias.

Queira me desculpar, mas o erro que você comete ao escrever o que acima
está, é tão grande, e exibe tanta desinformação, que sugiro,sinceramente,
que estude, busque conhecer a realidade dos fatos. Nem sei qual sua formação
- que até nem importa muito. Você pode - e deve ser - expert em muitas
outras coisas de física.
Agora, neste assunto específico, não. Prova: você mesmo o prova quando
emite informações como a acima e conceitos como os emitidos em relação à MQ
e seu contexto no meio científico e tecnológico.
E repito: não é preciso aprofundar-se na história desses desenvolvimentos
em si. Basta fazer uma coisa: estudar com a devida atenção a relatividade,
à luz dos postulados e dos princípios básicos. Logo, logo, antes de se
chegar tão fundo, ao comparar os resultados com as idéias
pré-relativísticas, descobrem-se as profundas diferenças. São sutis, como
sutis são os princípios e os postulados. Que, até hoje, muita gente não
compreendeu. Exatamente. Não compreendeu!. Todos os que desancam a
relatividade, ou seu autor, dela, sabem isso: NADA!
É verdade que muitos podem até saber fazer as contas. Trabalhar bem as
equações, ser mestre no trato dos formalismos pertinentes.
Mas e o que é isso? Nada demais. Um computador faz tudo, do mais simples
ao mais complexo cálculo. Não é inteligente, não tem consciência, e está se
lixando para mim, usuário, sobre o que penso ou deixo de pensar. Mas faz!
Tem os MatLab e os MathCad da vida, que fazem tudo isso. Basta saber como
alimentar. Até um cavalo também sabe contar! (Isso circulou por aquí mesmo,
neste fórum!) A questão não é essa. É outra, um pouco maiiiiis danadinha
de sutil !
A questão basilar é a "tradução" da simplicidade conceitual dos postulados
e dos princípios da equivalência e da covariância. Só isso, meu caro! Só
isso. E, parece-me,esta é realmente A questão! O resto virá reboque. De
maneira compulsória.
Sugiro que leia, estudando como convém, ao menos, o seguintes livros:
Sutil é o Senhor, de A.Pais; A gênese da Relatividade, escrita por
A.lberto Villani, do Instituo de Física da USP, em 4 excelentes artigos
publicados pela Revista Brasileira do Ensino de Física;
Einstein, Michelson an the crucial experiment, de G.Holton(edição de
1973);
O Princípio da Relatividade, da Fundação Calouste Gulbencian;
E não posso deixar de indicar esses dois, meus preferidos: Relativity e
Physics Contemp. I, de W.G.Rosser e Relativity, Terrmodynimcs and Cosmology,
de R.C.Tolman entre outros.
Não posso deixar de citar também o Lextures on Phisycs, Vol. I, do
Feynman, ao menos os capítulos 15, 16 e 17. Estes, os mais básicos. Parece
acintoso fazer essas indicações. Mas a intenção é outra. Não de agredir nem
nada parecido.

Ah, ia esquecendo: veja também o Capítulo 37 do mesmo Vol.I do
Feynman(Comportamento Quântico - Quantum Behavior) e o item 38-6(Implicações
filosóficas) do mesmo volume.

E se alguém partir para me acusar de recorrer a autoridades científicas,
como se isso fosse um pecado, algo deplorável, que faça o seguinte: prove
que essas "autoridades" estão mentindo e que discorrem sobre metáforas,
inutilidades. Seja, pois melhor que elas, as "autoridades". E terá o apoio
e o reconhecimento do mundo científico. Mas saiba o que está dizendo.

As obras acima são um mixto de detalhamento histórico e bastante técnico
de todo o processo referente à relatividade. Quem quer que se disponha a
"legislar" sobre esse assunto, tem que conhecer adequadamente ao menos
algumas delas. Em geral, aquilo que a gente pensa que é, não é, a natureza
não reconhece isso, de eu pensar assim e assado. Está é ...... no meu bom
senso. Sem remorsos, numa boa.

No endereço abaixo você encontrará um extrato do que há em algumas das
fontes acima. a respeito do assunto.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Discuss%C3%A3o:Albert_Einstein#Duvido

Lá você encontrará também as impressões dos DOIS PRETENSOS PLAGIADOS por
Einstein, conforme apontou o Homero em um de seus e-mails, nos quais
contesta, de maneira clara e lógicas, sua idéias. Há também um apanhado de
suas principais realizações.
A menos que você prove que é tudo mentira, manterei tudo que escreví ali.
É isso. O artigo é de minha autoria.
Há idéias pessoais que devem ser comentadas e analisadas, sem problemas.
Infelizmente, a respeito do tópico ora comentado, não é esse, de jeito
nenhum, o caso. Não se trata em absoluto de idéias, mas de coisas
concretas: fatos, dados, registros, de acesso não muito difícil.
Accessíveis a todos.

Desculpe-me o açodamento. Mas, apesar de meus esforços, não conseguí ser
mais educado.
Não estou indo contra sua inteligência, como reclamou do Takata, se não me
engano. Não estou contra você, mas contra o que você
próprio demonstrou, em suas muitas bem traçadas e claras linhas.

Mas voltarei a esse assunto tantas vezes quantas sejam necessárias.

Plagiando o Elton: com meus profundos votos de estima e consideração,
Sds,

Victor.





"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)







SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "andré.w.h." <andrew.hirano@yahoo.co.uk>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 12:38

Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo assim, ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da Escola Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no Instituto de Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se vc quiser trabalhar conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos nos limites da MQ..." então pensei, será que ciência precisa ter tanta distinção assim, a ponto de ter que separar (demais) fundamentalistas e tericos dos supostos "aplicados". Em um campo de atuação em ciências dos materiais, tudo que usa-se é resultado direto dos estudos da MQ, por meio de MEV, difr de Raios X, Força Atômica,...nas caracterização dos materiais.... Bom, mas cada um tem sua visão...
andre

----- Original Message ----
From: Alvaro Augusto <alvaro@daelt.sh06.com>
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, 24 August, 2006 10:15:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Bem, na verdade eu sou engenheiro... mas tive a oportunidade de ser exposto
ao pensamento e conviver com físicos e matemáticos dos bons... o que me
salvou, eu acho....

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>







[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 13:41

Caro André,

Essa rixa causaria acessos de riso na Renascença e mesmo muito tempo depois.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "andré.w.h." <andrew.hirano@yahoo.co.uk>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 12:38 PM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro
eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo assim,
ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da Escola
Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no Instituto de
Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se vc quiser trabalhar
conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos nos limites da MQ..." então
pensei, será que ciência precisa ter tanta distinção assim, a ponto de ter
que separar (demais) fundamentalistas e tericos dos supostos "aplicados". Em
um campo de atuação em ciências dos materiais, tudo que usa-se é resultado
direto dos estudos da MQ, por meio de MEV, difr de Raios X, Força
Atômica,...nas caracterização dos materiais.... Bom, mas cada um tem sua
visão...
andre

----- Original Message ----
From: Alvaro Augusto <alvaro@daelt.sh06.com>
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, 24 August, 2006 10:15:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória

Bem, na verdade eu sou engenheiro... mas tive a oportunidade de ser
exposto
ao pensamento e conviver com físicos e matemáticos dos bons... o que me
salvou, eu acho....

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com



SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:09

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
> Essa rixa causaria acessos de riso na Renascença e mesmo muito tempo
> depois.

Q o diga Leonardo. Pintor, engenheiro militar, escultor, arquiteto,
fisico, geologo, anatomista... Pena q nao existam mais polimatas hj em
dia. Claro, nao da estirpe de Leonardo, q aih eh jah eh pedir demais -
um soh na historia eh mais do q o esperado.

[]s,

Roberto Takata





SUBJECT: Re: A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:21

André,

O que é mais engraçado aqui na C-List é que a maioria dos que
defendem o "status quo" da Física são engenheiros e
outros "não-físicos" e a maioria dos que apresentam algum
questionamento neste "status quo" são os físicos.

Durma-se com um barulho deste.
:-)
:-)

[ ]'s
Hélio.






--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "andré.w.h."
<andrew.hirano@y...> escreveu
>
> Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro
eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo
assim, ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da
Escola Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no
Instituto de Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se
vc quiser trabalhar conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos
nos limites da MQ..." então pensei, será que ciência precisa ter
tanta distinção assim, a ponto de ter que separar (demais)
fundamentalistas e tericos dos supostos "aplicados". Em um campo de
atuação em ciências dos materiais, tudo que usa-se é resultado direto
dos estudos da MQ, por meio de MEV, difr de Raios X, Força
Atômica,...nas caracterização dos materiais.... Bom, mas cada um tem
sua visão...
> andre
>
> ----- Original Message ----
> From: Alvaro Augusto <alvaro@d...>
> To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Sent: Thursday, 24 August, 2006 10:15:24 AM
> Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória
>
> Bem, na verdade eu sou engenheiro... mas tive a oportunidade de
ser exposto
> ao pensamento e conviver com físicos e matemáticos dos bons... o
que me
> salvou, eu acho....
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>
>
>
> ----- Original Message -----
> From: "junior_br2001" <junior_br2001@y...>
> To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
> Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
> Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória
>
>
> Alvaro,
>
> Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
> engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
> passagem, é compreeensível :-)
>
> O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes
como um
> certo descobridor do méson pi
> http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM
>
> Abraços,
> Junior
>
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto"
<alvaro@d...>
> escreveu
> >
> > Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
> realmente de
> > lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas
épocas, não
> > tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
> recém-chegado
> > na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade
cientificamente
> > obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
> Leibnitz, cujas
> > idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
> relatividade) já
> > estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o
novato-pobre-judeu,
> conseguiu
> > plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma
teoria de
> > conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
> >
> > [ ]s
> >
> > Alvaro Augusto de Almeida
> > alvaug@d...
> > http://alvaug.multiply.com
> > http://alvaroaugusto.blogspot.com
> >
>
>
>
>
>
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>







SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:23

Eduardo e Alvaro,

Quero corrigir meu pensamento. Na verdade, eu não disse que
engenheiros não entendem de fisica. Basta ler as mensagens do Victor ,
do proprio Alvaro , do desaparecido Sérgio, e até mesmo as do médico
Alberto, que é fisico amador para se ter uma idéia do conhecimentos
científicos que eles possuem

Eu apenas me referi a maioria dos que defendem o moto-perpetuo, são
na esmagadora engenheiros e até mesmos leigos em física

Tb não consultei nenhuma estatistica, foi apenas uma visão minha.
E ela pode estar equivocada

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "andré.w.h."
<andrew.hirano@y...> escreveu
>
> Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro
eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo
assim, ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da
Escola Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no
Instituto de Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se vc
quiser trabalhar conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos nos
limites da MQ..." então pensei, será que ciência precisa ter tanta
distinção assim, a ponto de ter que separar (demais) fundamentalistas
e tericos dos supostos "aplicados". Em um campo de atuação em ciências
dos materiais, tudo que usa-se é resultado direto dos estudos da MQ,
por meio de MEV, difr de Raios X, Força Atômica,...nas caracterização
dos materiais.... Bom, mas cada um tem sua visão...
> andre
>







SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:24

Existe sim,

Conheço um, se chama Roberto Takata. Devem existir outros, mas só
conheço voce....pelo menos pela rede

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata"
<roberto.takata@b...> escreveu
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
> > Essa rixa causaria acessos de riso na Renascença e mesmo muito tempo
> > depois.
>
> Q o diga Leonardo. Pintor, engenheiro militar, escultor, arquiteto,
> fisico, geologo, anatomista... Pena q nao existam mais polimatas hj em
> dia. Claro, nao da estirpe de Leonardo, q aih eh jah eh pedir demais -
> um soh na historia eh mais do q o esperado.
>
> []s,
>
> Roberto Takata
>






SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:28

Victor,

Pelo menos eu concordo com o Cesar Lattes numa coisa, não troco minha
vitrola antiga dos anos 70 e meus discos de vinil pelos de CD, embora
eu tenha toca Cds tb....prefiro mil vezes minha vitrola. Sem dúvida o
som é bem melhor


Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "jvictor" <jvoneto@u...> escreveu
>
> Júnior,
>
> Não é um problema. É deplorável e triste incomprensível que tais
idiotices venham de alguém como ele. Isso é o que é.
>
> Sds,
>






SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:39

Na verdade, existiram muitos polímatas na história. Antigamente o
conhecimentos era pouco, e dava pra encarar muito bem. Basta dar uma
lida a biografia de muitos filósofos, mecanicos, alquimistas,
cientistas de todas as eras

Hoje em dia tem muitos tb....só que o polímata tá arriscado a ficar
limitado a conhecer superficialmente cada área do conhecimento, se não
se especializar numa área

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata"
<roberto.takata@b...> escreveu
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
> > Essa rixa causaria acessos de riso na Renascença e mesmo muito tempo
> > depois.
>
> Q o diga Leonardo. Pintor, engenheiro militar, escultor, arquiteto,
> fisico, geologo, anatomista... Pena q nao existam mais polimatas hj em
> dia. Claro, nao da estirpe de Leonardo, q aih eh jah eh pedir demais -
> um soh na historia eh mais do q o esperado.
>
> []s,
>
> Roberto Takata
>







SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:43


Paulo,

O Princípio do menor tempo de
Fermat é tão contraditório
como é o próprio conceito de
"tempo".

Este está mais para uma
Consequência Matemática do
que para um Princípio Físico.

O mesmo acontece com o conceito
de Entropia da Termodinâmica: a
entropia é uma consequência
probabilística da matemática
que se reflete como um evento
físico.

[]s

Sardeiro

Referência:
Why You Don't Believe
Fermat's Principle:
http://www.21stcenturysciencetech.com/articles/fall01/fermat/Fermat.html


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Paulo Sérgio Dias [mailto:psdlistdisc@terra.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 07:27
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua, etc.)
segue a trajetoria de tempo minimo ?

Os livros demonstram isso geometricamente, calculam a derivada
de uma funcao, chegam matematicamente na lei de Snell, etc., etc.

Mas existe alguma teoria do tipo "a luz percorre a trajetoria do menor tempo
porque os fotons, ao interagir com os atomos das substancias [...]"

Ou o "principio do menor tempo" e' apenas uma constatacao (descricao ?)
do "comportamento" da luz, sem nenhuma teoria que detalhe esse fenomeno ?

Grato pela atencao de todos
Paulo




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: A Fórmula é de Bhaskara?
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:45

Achei este texto na internet Alguém discorda?

A FÓRMULA É DE BHASKARA?

O hábito de dar o nome de Bhaskara para a formula de resolução da
equação do segundo grau se estabeleceu no brasil por volta de 1960.
Esse costume, aparentemente só brasileiro ( não se encontra o nome
Bhaskara para essa fórmula na literatura internacional), não é
adequado, pois:

* Problemas que recaem numa equação do segundo grau já apareciam,
há quase quatro mil anos atrás, em textos escritos pelos babilônios.
Nesses textos o que se tinha era uma receita ( escrita em prosa, sem
uso de símbolos) que ensinava como proceder para determinar as raízes
em exemplos concretos coeficientes numéricos.
* Bhaskara que nasceu na Índia em 1114 e viveu até cerca de 1185
foi um dos mais importantes matemáticos do século 12. As duas coleções
mais conhecidas são Lilavati ("bela") e Vijaganita ("extração de
raízes")de seus trabalhos que tratam de aritmética e álgebra
respectivamente , e contem numerosos problemas sobre equações lineares
e quadráticas (resolvidas também como receitas em prosa), progressões
aritméticas e geométricas, radicais, tríadas pitagóricas e outros.
* Até o fim do século 16 não se usava uma fórmula para obter as
raízes de uma equação do segundo grau, simplesmente porque não se
representavam por letras os coeficientes de uma equação . Isso começou
a ser feito a partir de François Viete, matemático francês que viveu
de 1540 a 1603.

Logo, embora não se deva negar a importância e a riqueza da obra de
Bhaskara, não é correto atribuir a ele a conhecida formula de
resolução da equação do 2ºgrau.

Fontes:

Boyer, C.B. História da matemática. São Paulo, Edgar Blucher, 1974.

Eves, H. Introdução à história da matemática. São Paulo, Editora da
Unicamp, 1995.

A matemática do Ensino Médio. Coleção do Professor de matemática, SBM,
1996






SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 14:46

Caro Junior,

Eu entendi o que você quis dizer. Não precisa se desculpar ... :-)

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:23 PM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Eduardo e Alvaro,

Quero corrigir meu pensamento. Na verdade, eu não disse que
engenheiros não entendem de fisica. Basta ler as mensagens do Victor ,
do proprio Alvaro , do desaparecido Sérgio, e até mesmo as do médico
Alberto, que é fisico amador para se ter uma idéia do conhecimentos
científicos que eles possuem

Eu apenas me referi a maioria dos que defendem o moto-perpetuo, são
na esmagadora engenheiros e até mesmos leigos em física

Tb não consultei nenhuma estatistica, foi apenas uma visão minha.
E ela pode estar equivocada

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "andré.w.h."
<andrew.hirano@y...> escreveu
>
> Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro
eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo
assim, ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da
Escola Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no
Instituto de Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se vc
quiser trabalhar conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos nos
limites da MQ..." então pensei, será que ciência precisa ter tanta
distinção assim, a ponto de ter que separar (demais) fundamentalistas
e tericos dos supostos "aplicados". Em um campo de atuação em ciências
dos materiais, tudo que usa-se é resultado direto dos estudos da MQ,
por meio de MEV, difr de Raios X, Força Atômica,...nas caracterização
dos materiais.... Bom, mas cada um tem sua visão...
> andre
>







SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 14:47

Concordo. O Takata deve ter nascido dentro de uma biblioteca!

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:24 PM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Existe sim,

Conheço um, se chama Roberto Takata. Devem existir outros, mas só
conheço voce....pelo menos pela rede

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata"
<roberto.takata@b...> escreveu
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
> > Essa rixa causaria acessos de riso na Renascença e mesmo muito tempo
> > depois.
>
> Q o diga Leonardo. Pintor, engenheiro militar, escultor, arquiteto,
> fisico, geologo, anatomista... Pena q nao existam mais polimatas hj em
> dia. Claro, nao da estirpe de Leonardo, q aih eh jah eh pedir demais -
> um soh na historia eh mais do q o esperado.
>
> []s,
>
> Roberto Takata
>




SUBJECT: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:59

Alvaro,

Que seja assim apenas para vc.

Eu falo para os que entendem,
não para os que tentam deturpar.

Jamais me considerei falacioso...

[]s

Sardeiro

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Alvaro Augusto [mailto:alvaro@daelt.sh06.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 11:32
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Caro Sardeiro,

Seu argumento é falacioso. Quantidade de adeptos nunca foi indicativo da
validade de uma teoria.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 11:20 AM
Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Victor,

Se vc acha que meus comentários
são equivocados, saiba que não
sou o único que compartilha deles.

Mas não o culpo. Nós, cientistas
brasileiros, vivemos 30 ou 50
anos atrasados em termos de
conhecimentos físicos mundiais.

Não se duvida mais - e eu tb não
duvido - das idéias básicas da
MQ ou da Relatividade.

Isso já deveria estar enraizado
na base dos conhecimentos de
qualquer físico, cientista ou
tecnólogo. Não se pode mais viver
sem essas teorias: desde quando
usamos o telefone ou assistimos
televisão, elas são usadas
frequentemente...
Por isso dispenso os detalhes.

Irei trocar mais e-mails aqui
nesta lista até me tornar claro.
Isso não é possível de ser feito
em apenas umas poucas dezenas
de e-mails, mas tenha calma:
chegaremos lá.

Por enquanto, segue uma lista
dos principais teoristas da WSM
que não são exatamente opositores
da MQ ou da Relatividade, mas
estão contribuindo para mudá-las
*radicalmente* :

http://www.spaceandmotion.com/wave-structure-matter-theorists.htm

Observe principalmente as
acusações do físico canadense
Gabriel LaFreniere. Ele é
extremamente implacável, muito
mais do que eu.

Um forte abraço,

Eduardo Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 20:15
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Eduardo,
Não irei tecer comentários sobre suas posturas a respeito da MQ, que são,
evidentemente, equivocadas. E da maneira como você se posiciona, com a
convicção que parece ter a respeito (pelo que, desde já, eu lhe digo:
sinto muito! ), não há como discutir nada a espeito. Além disso o Takata,
de maneira brilhante, em diversos instantes, já mostrou que a trilha que
você adotou não vai dar em lugar nenhum. Álvaro e Homero também já disseram
tudo que se poderia dizer a respeito. De maneira bem clara.
Mas há algo que eu não consigo deixar que passe em branco. Trata-se da
tremenda asneira, que transcrevo abaixo. Não é meu estilo emitir frases
como a última. Mas não há outra maneira de dizer. Esta é a mais elegante.
Arrisco-me, portantanto a tomar porrada, mas a mantenho. Até por que é
facílimo provar que ela não é demais, para o caso em foco.
Não entendo como alguém como você, apesar de todas as informações que há
sobre o assunto, consegue sair-se com algo assim, evidentemente fora de qq
mínimo razoável.

Eduardo disse:

"Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar."

A informação acima demonstra, a qq um, mesmo levemente iniciado em física
relativística e sua gênese, e de maneira clara, que você desconhece os
aspectos relevantes da relatividade, bem como a sua história, a sua gênese.
Do contrário jamais se exporia a esse ponto.
Ou, então, se tem, mostre que tudo que se levantou a respeito, toda a
farta documentação disponível, está errada, e deve ir para a fogueira.
Ou então, ainda, mostre que a própria TR está totalmente errada, caso em
que qualquer cidadão estará no direito de proferir coisas como as que estão
lá em cima.

Mas, eu lhe pergunto:

Quem são os "todos" que sabem dessa tolice, fruto da ignorância brutal de
certos "teorizadores" e "historiadores" da ciência?

Roubou o quê?

Que idéias ele roubou?

Qual ou quais delas? (Pois as idéias de Einstein foram tantas, e tão
variadas, basicamente englobando toda a física!)

Plagiou o quê?

De quem?

E o que tem o Leibnitz a ver com Einstein? (Leibnitz é um pouquinho mais
antigo; é da época de Newton e viviam arengando
por causa da paternidade do cálculo, que um dizia que inventou, e que
outro dizia que foi ele. Mas, em verdade, fizeram um fantástico trabalho
independente. Cada um dando um enfoque pessoal. Ninguém roubou de ninguém.
Ou roubou?)

Einstein plagiou o quê, de Leibnitz? Com certeza Leibnitz nada plagiou de
Einstein!

Responda as perguntas acima, com dados técnicos, históricos, ou que seja!
Não valem opiniões pessoais, tipo eu penso e eu acho, quando há fartos
dados, tanto históricos quanto técnicos(vide bibliografia indicada abaixo,
para uma pálida idéia). E estes são os únicos elementos que devem ancorar
uma informação. Fora isso, são falácias, não menos que falácias.

Queira me desculpar, mas o erro que você comete ao escrever o que acima
está, é tão grande, e exibe tanta desinformação, que sugiro,sinceramente,
que estude, busque conhecer a realidade dos fatos. Nem sei qual sua formação
- que até nem importa muito. Você pode - e deve ser - expert em muitas
outras coisas de física.
Agora, neste assunto específico, não. Prova: você mesmo o prova quando
emite informações como a acima e conceitos como os emitidos em relação à MQ
e seu contexto no meio científico e tecnológico.
E repito: não é preciso aprofundar-se na história desses desenvolvimentos
em si. Basta fazer uma coisa: estudar com a devida atenção a relatividade,
à luz dos postulados e dos princípios básicos. Logo, logo, antes de se
chegar tão fundo, ao comparar os resultados com as idéias
pré-relativísticas, descobrem-se as profundas diferenças. São sutis, como
sutis são os princípios e os postulados. Que, até hoje, muita gente não
compreendeu. Exatamente. Não compreendeu!. Todos os que desancam a
relatividade, ou seu autor, dela, sabem isso: NADA!
É verdade que muitos podem até saber fazer as contas. Trabalhar bem as
equações, ser mestre no trato dos formalismos pertinentes.
Mas e o que é isso? Nada demais. Um computador faz tudo, do mais simples
ao mais complexo cálculo. Não é inteligente, não tem consciência, e está se
lixando para mim, usuário, sobre o que penso ou deixo de pensar. Mas faz!
Tem os MatLab e os MathCad da vida, que fazem tudo isso. Basta saber como
alimentar. Até um cavalo também sabe contar! (Isso circulou por aquí mesmo,
neste fórum!) A questão não é essa. É outra, um pouco maiiiiis danadinha
de sutil !
A questão basilar é a "tradução" da simplicidade conceitual dos postulados
e dos princípios da equivalência e da covariância. Só isso, meu caro! Só
isso. E, parece-me,esta é realmente A questão! O resto virá reboque. De
maneira compulsória.
Sugiro que leia, estudando como convém, ao menos, o seguintes livros:
Sutil é o Senhor, de A.Pais; A gênese da Relatividade, escrita por
A.lberto Villani, do Instituo de Física da USP, em 4 excelentes artigos
publicados pela Revista Brasileira do Ensino de Física;
Einstein, Michelson an the crucial experiment, de G.Holton(edição de
1973);
O Princípio da Relatividade, da Fundação Calouste Gulbencian;
E não posso deixar de indicar esses dois, meus preferidos: Relativity e
Physics Contemp. I, de W.G.Rosser e Relativity, Terrmodynimcs and Cosmology,
de R.C.Tolman entre outros.
Não posso deixar de citar também o Lextures on Phisycs, Vol. I, do
Feynman, ao menos os capítulos 15, 16 e 17. Estes, os mais básicos. Parece
acintoso fazer essas indicações. Mas a intenção é outra. Não de agredir nem
nada parecido.

Ah, ia esquecendo: veja também o Capítulo 37 do mesmo Vol.I do
Feynman(Comportamento Quântico - Quantum Behavior) e o item 38-6(Implicações
filosóficas) do mesmo volume.

E se alguém partir para me acusar de recorrer a autoridades científicas,
como se isso fosse um pecado, algo deplorável, que faça o seguinte: prove
que essas "autoridades" estão mentindo e que discorrem sobre metáforas,
inutilidades. Seja, pois melhor que elas, as "autoridades". E terá o apoio
e o reconhecimento do mundo científico. Mas saiba o que está dizendo.

As obras acima são um mixto de detalhamento histórico e bastante técnico
de todo o processo referente à relatividade. Quem quer que se disponha a
"legislar" sobre esse assunto, tem que conhecer adequadamente ao menos
algumas delas. Em geral, aquilo que a gente pensa que é, não é, a natureza
não reconhece isso, de eu pensar assim e assado. Está é ...... no meu bom
senso. Sem remorsos, numa boa.

No endereço abaixo você encontrará um extrato do que há em algumas das
fontes acima. a respeito do assunto.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Discuss%C3%A3o:Albert_Einstein#Duvido

Lá você encontrará também as impressões dos DOIS PRETENSOS PLAGIADOS por
Einstein, conforme apontou o Homero em um de seus e-mails, nos quais
contesta, de maneira clara e lógicas, sua idéias. Há também um apanhado de
suas principais realizações.
A menos que você prove que é tudo mentira, manterei tudo que escreví ali.
É isso. O artigo é de minha autoria.
Há idéias pessoais que devem ser comentadas e analisadas, sem problemas.
Infelizmente, a respeito do tópico ora comentado, não é esse, de jeito
nenhum, o caso. Não se trata em absoluto de idéias, mas de coisas
concretas: fatos, dados, registros, de acesso não muito difícil.
Accessíveis a todos.

Desculpe-me o açodamento. Mas, apesar de meus esforços, não conseguí ser
mais educado.
Não estou indo contra sua inteligência, como reclamou do Takata, se não me
engano. Não estou contra você, mas contra o que você
próprio demonstrou, em suas muitas bem traçadas e claras linhas.

Mas voltarei a esse assunto tantas vezes quantas sejam necessárias.

Plagiando o Elton: com meus profundos votos de estima e consideração,
Sds,

Victor.





"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 14:59

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Paulo Sérgio Dias
> Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
> meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua,
> etc.) segue a trajetoria de tempo minimo ?

Sim, a teoria ondulatoria. Eh possivel se derivar o principio de
Fermat a partir do principio de Huygens-Fresnel.

Em termos quanticos isso se dah pela somatoria das trajetorias -
integral de caminho.

[]s,

Roberto Takata





SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:01

Preferi fazer assim, antes que meu arqui-rival Oráculo venha lançar-me
impropérios insidiosos obessessivos -compulsivos, de natureza
esquizonóides-TOCáticas neuróticas midíáticas cronicas

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Caro Junior,
>
> Eu entendi o que você quis dizer. Não precisa se desculpar ... :-)
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com







SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:16

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> O Princípio do menor tempo de
> Fermat é tão contraditório
> como é o próprio conceito de
> "tempo".

O conceito de "tempo" é tão contraditório quanto o conceito de
"espaço", ou seja, não contraditório em absoluto. Espaço e tempo são
conceitos sobre os quais o nosso cérebro funciona. Qual é a
contradição disso?

> Este está mais para uma
> Consequência Matemática do
> que para um Princípio Físico.

Correto. O princípio de Fermat é o que os cientistas chamam de
"coincidência feliz". Pode-se, no entanto, deduzir as trajetórias que
a luz segue ao ser refratada por princípios puramente físicos: as
equações de Maxwell. O resultado é exatamente o mesmo.

> O mesmo acontece com o conceito
> de Entropia da Termodinâmica: a
> entropia é uma consequência
> probabilística da matemática
> que se reflete como um evento
> físico.

Não, não é. A entropia foi definida como sendo uma função
termodinâmica que depende das variáveis extensivas de um gás, e que
também é extensiva (extensiva: S(N*V) = N*S(V)). Ela foi introduzida
para quantificar o Segundo Princípio da Termodinâmica: "É impossível
injetar calor em um sistema de forma que a única conseqüência seja a
realização de trabalho". A conseqüência desse princípio, juntamente
com a necessidade da extensividade, é que a entropia sempre é máxima
no equilíbrio. Nada de estatística.

A Mecânica estatística foi construída de maneira que houvesse um
ANÁLOGO estatístico para a entropia, que, no limite termodinâmico,
fosse identificado a ela: o logaritmo dos estados acessíveis ao
sistema. Nada de probabilidade.

Não ponha a carroça na frente dos burros.

Sugestão de leitura para esse pessoal que resolveu do nada criticar os
fundamentos da física contemporânea:
http://insti.physics.sunysb.edu/~siegel/quack.html
--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho

/"\ CAMPANHA DA FITA ASCII - CONTRA MAIL HTML
\ / ASCII RIBBON CAMPAIGN - AGAINST HTML MAIL
X http://www.eltonfc.no-ip.org/~eltonfc/htmlmail/htmlmail.html
/ \


SUBJECT: Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:17

A ultima foto que vi do Takata foi essa!

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/imagens/020180060627-bci_3.jpg

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=020180060627

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Concordo. O Takata deve ter nascido dentro de uma biblioteca!
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com






SUBJECT: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 15:18

Sardeiro,

Não leve para o lado pessoal, pois todos estamos sujeitos a cair em
falácias.Essa falácia da popularidade, em particular, é clássica. Mais
detalhes em http://www.fallacyfiles.org/bandwagn.html

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:59 PM
Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Alvaro,

Que seja assim apenas para vc.

Eu falo para os que entendem,
não para os que tentam deturpar.

Jamais me considerei falacioso...

[]s

Sardeiro

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Alvaro Augusto [mailto:alvaro@daelt.sh06.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 11:32
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Caro Sardeiro,

Seu argumento é falacioso. Quantidade de adeptos nunca foi indicativo da
validade de uma teoria.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 11:20 AM
Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Victor,

Se vc acha que meus comentários
são equivocados, saiba que não
sou o único que compartilha deles.

Mas não o culpo. Nós, cientistas
brasileiros, vivemos 30 ou 50
anos atrasados em termos de
conhecimentos físicos mundiais.

Não se duvida mais - e eu tb não
duvido - das idéias básicas da
MQ ou da Relatividade.

Isso já deveria estar enraizado
na base dos conhecimentos de
qualquer físico, cientista ou
tecnólogo. Não se pode mais viver
sem essas teorias: desde quando
usamos o telefone ou assistimos
televisão, elas são usadas
frequentemente...
Por isso dispenso os detalhes.

Irei trocar mais e-mails aqui
nesta lista até me tornar claro.
Isso não é possível de ser feito
em apenas umas poucas dezenas
de e-mails, mas tenha calma:
chegaremos lá.

Por enquanto, segue uma lista
dos principais teoristas da WSM
que não são exatamente opositores
da MQ ou da Relatividade, mas
estão contribuindo para mudá-las
*radicalmente* :

http://www.spaceandmotion.com/wave-structure-matter-theorists.htm

Observe principalmente as
acusações do físico canadense
Gabriel LaFreniere. Ele é
extremamente implacável, muito
mais do que eu.

Um forte abraço,

Eduardo Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 20:15
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Eduardo,
Não irei tecer comentários sobre suas posturas a respeito da MQ, que são,
evidentemente, equivocadas. E da maneira como você se posiciona, com a
convicção que parece ter a respeito (pelo que, desde já, eu lhe digo:
sinto muito! ), não há como discutir nada a espeito. Além disso o Takata,
de maneira brilhante, em diversos instantes, já mostrou que a trilha que
você adotou não vai dar em lugar nenhum. Álvaro e Homero também já disseram
tudo que se poderia dizer a respeito. De maneira bem clara.
Mas há algo que eu não consigo deixar que passe em branco. Trata-se da
tremenda asneira, que transcrevo abaixo. Não é meu estilo emitir frases
como a última. Mas não há outra maneira de dizer. Esta é a mais elegante.
Arrisco-me, portantanto a tomar porrada, mas a mantenho. Até por que é
facílimo provar que ela não é demais, para o caso em foco.
Não entendo como alguém como você, apesar de todas as informações que há
sobre o assunto, consegue sair-se com algo assim, evidentemente fora de qq
mínimo razoável.

Eduardo disse:

"Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar."

A informação acima demonstra, a qq um, mesmo levemente iniciado em física
relativística e sua gênese, e de maneira clara, que você desconhece os
aspectos relevantes da relatividade, bem como a sua história, a sua gênese.
Do contrário jamais se exporia a esse ponto.
Ou, então, se tem, mostre que tudo que se levantou a respeito, toda a
farta documentação disponível, está errada, e deve ir para a fogueira.
Ou então, ainda, mostre que a própria TR está totalmente errada, caso em
que qualquer cidadão estará no direito de proferir coisas como as que estão
lá em cima.

Mas, eu lhe pergunto:

Quem são os "todos" que sabem dessa tolice, fruto da ignorância brutal de
certos "teorizadores" e "historiadores" da ciência?

Roubou o quê?

Que idéias ele roubou?

Qual ou quais delas? (Pois as idéias de Einstein foram tantas, e tão
variadas, basicamente englobando toda a física!)

Plagiou o quê?

De quem?

E o que tem o Leibnitz a ver com Einstein? (Leibnitz é um pouquinho mais
antigo; é da época de Newton e viviam arengando
por causa da paternidade do cálculo, que um dizia que inventou, e que
outro dizia que foi ele. Mas, em verdade, fizeram um fantástico trabalho
independente. Cada um dando um enfoque pessoal. Ninguém roubou de ninguém.
Ou roubou?)

Einstein plagiou o quê, de Leibnitz? Com certeza Leibnitz nada plagiou de
Einstein!

Responda as perguntas acima, com dados técnicos, históricos, ou que seja!
Não valem opiniões pessoais, tipo eu penso e eu acho, quando há fartos
dados, tanto históricos quanto técnicos(vide bibliografia indicada abaixo,
para uma pálida idéia). E estes são os únicos elementos que devem ancorar
uma informação. Fora isso, são falácias, não menos que falácias.

Queira me desculpar, mas o erro que você comete ao escrever o que acima
está, é tão grande, e exibe tanta desinformação, que sugiro,sinceramente,
que estude, busque conhecer a realidade dos fatos. Nem sei qual sua formação
- que até nem importa muito. Você pode - e deve ser - expert em muitas
outras coisas de física.
Agora, neste assunto específico, não. Prova: você mesmo o prova quando
emite informações como a acima e conceitos como os emitidos em relação à MQ
e seu contexto no meio científico e tecnológico.
E repito: não é preciso aprofundar-se na história desses desenvolvimentos
em si. Basta fazer uma coisa: estudar com a devida atenção a relatividade,
à luz dos postulados e dos princípios básicos. Logo, logo, antes de se
chegar tão fundo, ao comparar os resultados com as idéias
pré-relativísticas, descobrem-se as profundas diferenças. São sutis, como
sutis são os princípios e os postulados. Que, até hoje, muita gente não
compreendeu. Exatamente. Não compreendeu!. Todos os que desancam a
relatividade, ou seu autor, dela, sabem isso: NADA!
É verdade que muitos podem até saber fazer as contas. Trabalhar bem as
equações, ser mestre no trato dos formalismos pertinentes.
Mas e o que é isso? Nada demais. Um computador faz tudo, do mais simples
ao mais complexo cálculo. Não é inteligente, não tem consciência, e está se
lixando para mim, usuário, sobre o que penso ou deixo de pensar. Mas faz!
Tem os MatLab e os MathCad da vida, que fazem tudo isso. Basta saber como
alimentar. Até um cavalo também sabe contar! (Isso circulou por aquí mesmo,
neste fórum!) A questão não é essa. É outra, um pouco maiiiiis danadinha
de sutil !
A questão basilar é a "tradução" da simplicidade conceitual dos postulados
e dos princípios da equivalência e da covariância. Só isso, meu caro! Só
isso. E, parece-me,esta é realmente A questão! O resto virá reboque. De
maneira compulsória.
Sugiro que leia, estudando como convém, ao menos, o seguintes livros:
Sutil é o Senhor, de A.Pais; A gênese da Relatividade, escrita por
A.lberto Villani, do Instituo de Física da USP, em 4 excelentes artigos
publicados pela Revista Brasileira do Ensino de Física;
Einstein, Michelson an the crucial experiment, de G.Holton(edição de
1973);
O Princípio da Relatividade, da Fundação Calouste Gulbencian;
E não posso deixar de indicar esses dois, meus preferidos: Relativity e
Physics Contemp. I, de W.G.Rosser e Relativity, Terrmodynimcs and Cosmology,
de R.C.Tolman entre outros.
Não posso deixar de citar também o Lextures on Phisycs, Vol. I, do
Feynman, ao menos os capítulos 15, 16 e 17. Estes, os mais básicos. Parece
acintoso fazer essas indicações. Mas a intenção é outra. Não de agredir nem
nada parecido.

Ah, ia esquecendo: veja também o Capítulo 37 do mesmo Vol.I do
Feynman(Comportamento Quântico - Quantum Behavior) e o item 38-6(Implicações
filosóficas) do mesmo volume.

E se alguém partir para me acusar de recorrer a autoridades científicas,
como se isso fosse um pecado, algo deplorável, que faça o seguinte: prove
que essas "autoridades" estão mentindo e que discorrem sobre metáforas,
inutilidades. Seja, pois melhor que elas, as "autoridades". E terá o apoio
e o reconhecimento do mundo científico. Mas saiba o que está dizendo.

As obras acima são um mixto de detalhamento histórico e bastante técnico
de todo o processo referente à relatividade. Quem quer que se disponha a
"legislar" sobre esse assunto, tem que conhecer adequadamente ao menos
algumas delas. Em geral, aquilo que a gente pensa que é, não é, a natureza
não reconhece isso, de eu pensar assim e assado. Está é ...... no meu bom
senso. Sem remorsos, numa boa.

No endereço abaixo você encontrará um extrato do que há em algumas das
fontes acima. a respeito do assunto.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Discuss%C3%A3o:Albert_Einstein#Duvido

Lá você encontrará também as impressões dos DOIS PRETENSOS PLAGIADOS por
Einstein, conforme apontou o Homero em um de seus e-mails, nos quais
contesta, de maneira clara e lógicas, sua idéias. Há também um apanhado de
suas principais realizações.
A menos que você prove que é tudo mentira, manterei tudo que escreví ali.
É isso. O artigo é de minha autoria.
Há idéias pessoais que devem ser comentadas e analisadas, sem problemas.
Infelizmente, a respeito do tópico ora comentado, não é esse, de jeito
nenhum, o caso. Não se trata em absoluto de idéias, mas de coisas
concretas: fatos, dados, registros, de acesso não muito difícil.
Accessíveis a todos.

Desculpe-me o açodamento. Mas, apesar de meus esforços, não conseguí ser
mais educado.
Não estou indo contra sua inteligência, como reclamou do Takata, se não me
engano. Não estou contra você, mas contra o que você
próprio demonstrou, em suas muitas bem traçadas e claras linhas.

Mas voltarei a esse assunto tantas vezes quantas sejam necessárias.

Plagiando o Elton: com meus profundos votos de estima e consideração,
Sds,

Victor.





"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:35

Elton,

O Espaço como entidade tem
propriedades próprias que
são constatada pelos nossos
5 sentidos. Já o tempo não.

O tempo está vinculado ao
conceito de energia. Nosso
cérebro o percebe devido
às modificações de frequência
entre os neurônios dos lobos
temporais.

Quanto mais se estressa mais
percebemos o tempo andar
rápido. O inverso tb é verdade.

Vc pode constatar isso passando
um bom período no campo, longe
da agitação da cidade. Vc
perceberá que uma semana pode
ser tão longa quanto um mês,
figurativamente falando.

* * *

A Termodinâmica estuda fenômenos
estatísticos. Ela não entra no
mérito atômico. A Entropia é um
fenômeno estatístico que pode
facilmente ser deduzido por
modelos matemáticos. Não precisa
ser feito nenhum experimento
físico para se constatar isso.

Abraços,

Sardeiro
"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 15:16
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> O Princípio do menor tempo de
> Fermat é tão contraditório
> como é o próprio conceito de
> "tempo".

O conceito de "tempo" é tão contraditório quanto o conceito de
"espaço", ou seja, não contraditório em absoluto. Espaço e tempo são
conceitos sobre os quais o nosso cérebro funciona. Qual é a
contradição disso?

> Este está mais para uma
> Consequência Matemática do
> que para um Princípio Físico.

Correto. O princípio de Fermat é o que os cientistas chamam de
"coincidência feliz". Pode-se, no entanto, deduzir as trajetórias que
a luz segue ao ser refratada por princípios puramente físicos: as
equações de Maxwell. O resultado é exatamente o mesmo.

> O mesmo acontece com o conceito
> de Entropia da Termodinâmica: a
> entropia é uma consequência
> probabilística da matemática
> que se reflete como um evento
> físico.

Não, não é. A entropia foi definida como sendo uma função
termodinâmica que depende das variáveis extensivas de um gás, e que
também é extensiva (extensiva: S(N*V) = N*S(V)). Ela foi introduzida
para quantificar o Segundo Princípio da Termodinâmica: "É impossível
injetar calor em um sistema de forma que a única conseqüência seja a
realização de trabalho". A conseqüência desse princípio, juntamente
com a necessidade da extensividade, é que a entropia sempre é máxima
no equilíbrio. Nada de estatística.

A Mecânica estatística foi construída de maneira que houvesse um
ANÁLOGO estatístico para a entropia, que, no limite termodinâmico,
fosse identificado a ela: o logaritmo dos estados acessíveis ao
sistema. Nada de probabilidade.

Não ponha a carroça na frente dos burros.

Sugestão de leitura para esse pessoal que resolveu do nada criticar os
fundamentos da física contemporânea:
http://insti.physics.sunysb.edu/~siegel/quack.html
--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:36

Poh Takata, isso é verdade?



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)

_____

De: junior_br2001 [mailto:junior_br2001@yahoo.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 15:18
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória



A ultima foto que vi do Takata foi essa!

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/imagens/020180060627-bci_3.jp
g
<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/imagens/020180060627-bci_3.j
pg>

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=0201800606
27
<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=020180060
627>

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Concordo. O Takata deve ter nascido dentro de uma biblioteca!
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com <http://alvaug.multiply.com>
> http://alvaroaugusto.blogspot.com <http://alvaroaugusto.blogspot.com>








[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Ricardo Soares Vieira" <rickrsv@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 15:40

Maiores detalhes pode ser conferidos no texto

http://www.sbfisica.org.br/rbef/Vol21/Num1/v21_172.pdf

Até mais,

Ricardo.


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata"
<roberto.takata@b...> escreveu
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Paulo Sérgio Dias
> > Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
> > meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua,
> > etc.) segue a trajetoria de tempo minimo ?
>
> Sim, a teoria ondulatoria. Eh possivel se derivar o principio de
> Fermat a partir do principio de Huygens-Fresnel.
>
> Em termos quanticos isso se dah pela somatoria das trajetorias -
> integral de caminho.
>
> []s,
>
> Roberto Takata
>







SUBJECT: RES: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 16:25

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Eduardo Sardeiro
> Poh Takata, isso é verdade?

Claro q nao. Minha foto:

http://tinyurl.com/pha3k

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: RES: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 16:49

Hua hua hua hua hua!!!



Vou ter pesadelos...



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)

_____

De: rmtakata [mailto:roberto.takata@bol.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 16:26
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: RES: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Eduardo Sardeiro
> Poh Takata, isso é verdade?

Claro q nao. Minha foto:

http://tinyurl.com/pha3k <http://tinyurl.com/pha3k>

[]s,

Roberto Takata









[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 17:03

Elton,

O Espaço como entidade tem
propriedades próprias que
são constatada pelos nossos
5 sentidos. Já o tempo não.

O tempo está vinculado ao
conceito de energia. Nosso
cérebro o percebe devido
às modificações de frequência
entre os neurônios dos lobos
temporais.

Quanto mais se estressa mais
percebemos o tempo andar
rápido. O inverso tb é verdade.

Vc pode constatar isso passando
um bom período no campo, longe
da agitação da cidade. Vc
perceberá que uma semana pode
ser tão longa quanto um mês,
figurativamente falando.

* * *

A Termodinâmica estuda fenômenos
estatísticos. Ela não entra no
mérito atômico. A Entropia é um
fenômeno estatístico que pode
facilmente ser deduzido por
modelos matemáticos. Não precisa
ser feito nenhum experimento
físico para se constatar isso.

Abraços,

Sardeiro
"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 15:16
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> O Princípio do menor tempo de
> Fermat é tão contraditório
> como é o próprio conceito de
> "tempo".

O conceito de "tempo" é tão contraditório quanto o conceito de
"espaço", ou seja, não contraditório em absoluto. Espaço e tempo são
conceitos sobre os quais o nosso cérebro funciona. Qual é a
contradição disso?

> Este está mais para uma
> Consequência Matemática do
> que para um Princípio Físico.

Correto. O princípio de Fermat é o que os cientistas chamam de
"coincidência feliz". Pode-se, no entanto, deduzir as trajetórias que
a luz segue ao ser refratada por princípios puramente físicos: as
equações de Maxwell. O resultado é exatamente o mesmo.

> O mesmo acontece com o conceito
> de Entropia da Termodinâmica: a
> entropia é uma consequência
> probabilística da matemática
> que se reflete como um evento
> físico.

Não, não é. A entropia foi definida como sendo uma função
termodinâmica que depende das variáveis extensivas de um gás, e que
também é extensiva (extensiva: S(N*V) = N*S(V)). Ela foi introduzida
para quantificar o Segundo Princípio da Termodinâmica: "É impossível
injetar calor em um sistema de forma que a única conseqüência seja a
realização de trabalho". A conseqüência desse princípio, juntamente
com a necessidade da extensividade, é que a entropia sempre é máxima
no equilíbrio. Nada de estatística.

A Mecânica estatística foi construída de maneira que houvesse um
ANÁLOGO estatístico para a entropia, que, no limite termodinâmico,
fosse identificado a ela: o logaritmo dos estados acessíveis ao
sistema. Nada de probabilidade.

Não ponha a carroça na frente dos burros.

Sugestão de leitura para esse pessoal que resolveu do nada criticar os
fundamentos da física contemporânea:
http://insti.physics.sunysb.edu/~siegel/quack.html
--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 18:08

> O Espaço como entidade tem
> propriedades próprias que
> são constatada pelos nossos
> 5 sentidos. Já o tempo não.

Ok. Não me fiz entender direito. Se você quiser discutir a relação
entre o conceito físico de espaço e tempo com a nossa percepção deles,
isso já não tem mais a ver com a pergunta original.

> O tempo está vinculado ao
> conceito de energia. Nosso
> cérebro o percebe devido
> às modificações de frequência
> entre os neurônios dos lobos
> temporais.

O tempo está mais do que vinculado ao conceito de energia: a mecânica
estabelece uma relação biunívoca entre os dois, devido ao Teorema de
Noether. O espaço, da mesma forma, está vinculado ao momento.

> A Termodinâmica estuda fenômenos
> estatísticos. Ela não entra no
> mérito atômico. A Entropia é um
> fenômeno estatístico que pode
> facilmente ser deduzido por
> modelos matemáticos. Não precisa
> ser feito nenhum experimento
> físico para se constatar isso.

Errado.

A Termodinâmica estuda sistemas que trocam calor entre si e realizam
trabalho. A sua formulação é totalmente independente da estatística, e
existe desde antes dela. A entropia é definida como uma função
termodinâmica, não estatística. Há modelos de física estatística em
que se define uma função entropia (como a entropia de Boltzmann) de
forma que ela seja equivalente à função termodinâmica para um limite
de muitas partículas, mas a entropia da termodinâmica (a chamada
entropia de Clausius) é que precede todas elas. Como os modelos de
física estatística são teóricos, eles obviamente não precisam de
experimentos para que as entropias se igualem à de Clausius. Você
simplesmente joga fora os que dão errado.

De novo: a entropia de Clausius é a que se maximiza quando um sistema
físico atinge o equilíbrio.

Analise essa frase: eu estou falando de estatística? Eu estou falando
de tempo? EU ESTOU FALANDO DE CÉREBROS?!


SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 18:58

Elton,

Estou trocando e-mails em um

grupo de discusões científicas.

E vc?

Pense nisso!

[]'s

Sardeiro

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)

_____

De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 18:09
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



> O Espaço como entidade tem
> propriedades próprias que
> são constatada pelos nossos
> 5 sentidos. Já o tempo não.

Ok. Não me fiz entender direito. Se você quiser discutir a relação
entre o conceito físico de espaço e tempo com a nossa percepção deles,
isso já não tem mais a ver com a pergunta original.

> O tempo está vinculado ao
> conceito de energia. Nosso
> cérebro o percebe devido
> às modificações de frequência
> entre os neurônios dos lobos
> temporais.

O tempo está mais do que vinculado ao conceito de energia: a mecânica
estabelece uma relação biunívoca entre os dois, devido ao Teorema de
Noether. O espaço, da mesma forma, está vinculado ao momento.

> A Termodinâmica estuda fenômenos
> estatísticos. Ela não entra no
> mérito atômico. A Entropia é um
> fenômeno estatístico que pode
> facilmente ser deduzido por
> modelos matemáticos. Não precisa
> ser feito nenhum experimento
> físico para se constatar isso.

Errado.

A Termodinâmica estuda sistemas que trocam calor entre si e realizam
trabalho. A sua formulação é totalmente independente da estatística, e
existe desde antes dela. A entropia é definida como uma função
termodinâmica, não estatística. Há modelos de física estatística em
que se define uma função entropia (como a entropia de Boltzmann) de
forma que ela seja equivalente à função termodinâmica para um limite
de muitas partículas, mas a entropia da termodinâmica (a chamada
entropia de Clausius) é que precede todas elas. Como os modelos de
física estatística são teóricos, eles obviamente não precisam de
experimentos para que as entropias se igualem à de Clausius. Você
simplesmente joga fora os que dão errado.

De novo: a entropia de Clausius é a que se maximiza quando um sistema
físico atinge o equilíbrio.

Analise essa frase: eu estou falando de estatística? Eu estou falando
de tempo? EU ESTOU FALANDO DE CÉREBROS?!




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: TOC, TOC: TEM ALGUÉM EM CASA?
FROM: Alessandro Loiola <alessandroloiola@yahoo.com.br>
TO: alessandroloiola@yahoo.com.br
DATE: 24/08/2006 20:34

___________________________________________________________________
DR. ALESSANDRO LOIOLA – SAÚDE PARA TODOS - 24/08/2006 - No.024

http://br.groups.yahoo.com/group/saudeparatodos
© Dr. Alessandro Loiola - mailto: alessandroloiola@yahoo.com.br

Convide seus amigos para uma dose diária de saúde (assinar ou cancelar no final).

___________________________________________________________________

Olá,

Você conhece alguém que possui tics ou superstições irritantes? Todo mundo conhece. Mas você sabia que algumas dessas pessoas podem estar sofrendo mais do que simples acessos de mania?

Os casos mais extremos podem caracterizar o que os médicos chamam de Transtorno Obsessivo-Compulsivo ou TOC. Na crônica de hoje, você verá mais sobre o que é TOC e como identificar este distúrbio tão comum quanto incapacitante.

Nos vemos adiante. Um abraço,


Dr. Alessandro Loiola.

_________________________________________________________________


TOC, TOC: TEM ALGUÉM EM CASA?

© Dr. Alessandro Loiola


Recentemente, um grupo de cientistas da USP procurava voluntários para um estudo sobre Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Devido à dificuldade para atingir o número suficiente de pacientes para a pesquisa, publicaram um anúncio no jornal local. A estratégia foi um sucesso: uma hora e meia após a publicação, já haviam recebido 2.875 ligações.

Todas da mesma pessoa.

Apesar de engraçado à primeira vista, o Transtorno Obsessivo-Compulsivo – ou TOC, como é chamado pelos mais íntimos - pode tornar o dia-a-dia tão frustrante quanto o horário eleitoral gratuito. De tão comum, ele já foi até tema de filme: em Melhor Impossível, o sempre excelente Jack Nicholson sofre de um TOC de causar inveja. Especialmente pela Helen Hunt que vem de bônus...

Bom, mas o que seria o TOC?

O TOC é a manifestação de um mau funcionamento de certas partes do cérebro.
Inicialmente, o curto-circuito resulta no desenvolvimento de uma Obsessão, um pensamento fixo. Os mais comuns são receio de representar um perigo para si mesmo ou para terceiros, medo exagerado de contaminação, necessidade de exatidão ou ordem em tudo, e fantasias de cunho sexual freqüentes envolvendo praticamente qualquer situação ou objeto, entre outros.

Com o tempo, para se ver livre da Obsessão, a vítima desenvolve uma Compulsão, uma mania que ela acredita ser capaz de “apagar” o pensamento obsessivo. Algumas compulsões são bastante típicas: tornar-se fixado em um determinado número (p.ex.: estalar os dedos 3 vezes antes de começar a falar), checar repetidamente se fez algo (p.ex.: o sujeito volta várias vezes do meio da rua para ver se travou mesmo a porta do carro), usar luvas e lavar exageradamente as mãos o tempo todo, arrumar as coisas sobre a mesa até que elas estejam em uma disposição “perfeita”, etc.

O diagnóstico de Transtorno Obsessivo-Compulsivo vem se tornando mais freqüente a cada dia: estima-se que uma em cada 50 pessoas sofra do distúrbio. Seria um reflexo dos altos níveis de estresse da sociedade moderna? Vivemos entre tantas cobranças de qualidade no trabalho, insegurança na rua, salários apertados, pesadelos com o cheque especial, SPC e SERASA, que é possível – e provável - que vez ou outra o cérebro chute o balde, grite “Chega!” e vá para a galera.

Entretanto, apesar dos cientistas ainda não terem descoberto exatamente a causa, eles são unânimes em afirmar que o TOC não ocorre porque a pessoa é fraca ou possui distúrbios de personalidade. Infelizmente, devido aos preconceitos que ainda cercam as doenças mentais, muitas vítimas do TOC se sentem embaraçadas demais para admitir o problema, e isto só piora as coisas. Sem tratamento adequado, os sintomas tendem se agravar com o tempo.

Pessoas perfeccionistas, excessivamente devotadas ao trabalho, pouco generosas e incapazes de jogar algo fora (mesmo quando aquele objeto não possui mais qualquer valor sentimental ou financeiro), podem apresentar um risco maior para desenvolver TOC. O mais aconselhável, nestes casos, é reduzir o nível geral de estresse procurando atividades e hobbies que diminuam a ansiedade.

Não é qualquer maniazinha à toa que pode ser classificada de Transtorno Obsessivo-Compulsivo, mas, se você perceber que um tic nervoso está prejudicando sua vida pessoal ou social, ligue a luz de alerta, procure ajuda profissional.

A Informação é maior arma contra a doença. Se você recebeu o diagnóstico de TOC, leia, informe-se, e não tenha vergonha de procurar acompanhamento profissional. O tratamento correto é capaz de eliminar os sintomas em mais de 90% dos casos.

Finalmente, caso conheça alguém com TOC, ofereça apoio, não julgamento - comentários e críticas pouco construtivas não ajudam muito. Se você tem um parente com TOC, saiba que problemas familiares não causam a doença, mas o modo como os familiares reagem pode afetar a intensidade dos sintomas. Em todos os casos, seja paciente: o Mundo foi feito em 7 dias. A solução do problema certamente levará um pouco mais que isso. Mas ela existe.

---
Dr. Alessandro Loiola é médico, escritor, palestrante, autor de “Vida e Saúde da Criança” e “Crianças em forma: saúde na balança” (www.editoranatureza.com.br). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

___________________________________________________________________
Q U E R P U B L I C A R ?

Informação livre. Copia, imprima e distribua no seu local de trabalho, dê de presente, envie por e-mail, carta, fax, rádio, TV, pombo-correio ou telepatia. Os direitos permanecem com o autor.
MANTENHA O TEXTO E OS CRÉDITOS NA ÍNTEGRA.


___________________________________________________________________
P A R T I C I P E !

Contribua com idéias, matérias, dúvidas, comentários, bata palmas ou jogue um tomate vencido... Sua opinião é sempre valiosa e muito bem vinda!
Entre em nosso Blog e mande seu recado:
http://www.dralessandroloiola.blogspot.com


___________________________________________________________________
P A R A A S S I N A R & C A N C E L A R

Para ASSINAR ou CANCELAR "SAÚDE PARA TODOS":
Visite http://br.groups.yahoo.com/group/saudeparatodos ou mande um e-mail para:
ASSINAR: saudeparatodos-subscribe@yahoogrupos.com.br
CANCELAR: saudeparatodos-unsubscribe@yahoogrupos.com.br


© Dr. Alessandro Loiola MSN:alessandroloiola@yahoo.com.br

Fones +55 (31) 3432-7555 ___________________________________________________________________

VIVER É A MAIOR AVENTURA. VIVA COM SAÚDE.


Dr. Alessandro Loiola, M.D.
CRMMG 30.278
Hospital: +55 (31) 3432 1222
Consultório: +55 (31) 3432 7555

---------------------------------
O Yahoo! está de cara nova. Venha conferir!

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 22:04

Esqueceu Opções. Pelo menos no meu outlouco, encontrei do item 2) paraq baixo:


1) Clicar em Ferramentas/Opções
2) Clicar em Envio
3) Clicar em Config. de texto sem formatação
4) Escrever "70 caracteres" no quadro adequado.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 15:53
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


Olá Eduardo

Antes de continuar, gostaria de fazer um pedido. Há algo em seu cliente de email que está colocando as mensagens em um formato muito incomodo de leitura, como se fosse uma coluna única de poucos caracteres. Assim, as frases são "quebradas" e fica bem dificil de manter uma leitura fluida.

Poderia, por favor, verificar que configuração de seu sistema pode estar causando isso e corrigir? De uma olhada na mensagem que enviou, que está abaixo, para verificar o problema da coluna.

Um abraço.

Homero

Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória



Homero,

Não sou tão pretencioso
quanto vc está imaginando.

Nem estou subestimando os
problemas do dia-a-dia.

Estou apenas dizendo que
a Física atual - principalmente
a MQ - abre espaço para que
místicos de toda sorte se
aproveitem dos pontos obscuros
existentes atualmente no nosso
legado científico.

Basta olhar para revistas
científicas como Galileu,
New Scientist ou SuperInteressante
para se perceber o que estou
dizendo: eles sempre mostram
reportagens sobre Buracos Negros,
Big Bang ou Partículas sub-atômicas
como ficção científica, pq não
podemos aprimorar nem contestar
conclusivamente nenhuma dessas
questões. Não são verdadeiramente
assuntos místicos?

Existem sim muitas alternativas
mais sólidas do que a MQ e
venho estudando e aprimorando
muitas delas.

Se não fóssemos tão acomodados
já teríamos deixados as concepções
atuais e procurado outras mais
consistentes em vez de "arrastar
as incoerencias para debaixo do
tapete".

Não estou 'resmungando' como
vc diz. Estou criticando o
fato de estarmos tão atrasados
em relação aos países que
levam as Ciências a sério e
não apenas como um meio de
ganhar dinheiro.

E estou me sentindo mal só de
pensar que vc acha que estou
procurando "ganhar pontos na
frente de um buteco". Faça-me
o favor, meu caro...

Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar
suas idéias...

[]s

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros, embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só. Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1722 (20060823) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 22:10

Em tempo:

Qual a razão do número 70? Refere-se à quantidade de caracteres, incluindo-se os espaços que existirá numa linha.

Em geral adotam-se 66 careacteres. Porquê?
Os experts dizem que uma linha maior que isso cansa os olhos e dificulta o entendimento, pois os olhos têm que "andar" mais para a direita. O número adotado, dizem, dá a medida certa para uma leitura cômoda. A vista "quase" pega tudo de uma vez.
Parece que é assim mesmo. Linhas mais curtas são mais fáceis de serem apreendidas pelo cérebro.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 6:50 PM
Subject: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


1) Clicar em Ferramentas,
2) Clicar em Envio
3) Clicar em Config. de texto sem formatação
4) Escrever "70 caracteres" no quadro adequado.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 15:53
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


Olá Eduardo

Antes de continuar, gostaria de fazer um pedido. Há algo em seu cliente de email que está colocando as mensagens em um formato muito incomodo de leitura, como se fosse uma coluna única de poucos caracteres. Assim, as frases são "quebradas" e fica bem dificil de manter uma leitura fluida.

Poderia, por favor, verificar que configuração de seu sistema pode estar causando isso e corrigir? De uma olhada na mensagem que enviou, que está abaixo, para verificar o problema da coluna.

Um abraço.

Homero

Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória



Homero,

Não sou tão pretencioso
quanto vc está imaginando.

Nem estou subestimando os
problemas do dia-a-dia.

Estou apenas dizendo que
a Física atual - principalmente
a MQ - abre espaço para que
místicos de toda sorte se
aproveitem dos pontos obscuros
existentes atualmente no nosso
legado científico.

Basta olhar para revistas
científicas como Galileu,
New Scientist ou SuperInteressante
para se perceber o que estou
dizendo: eles sempre mostram
reportagens sobre Buracos Negros,
Big Bang ou Partículas sub-atômicas
como ficção científica, pq não
podemos aprimorar nem contestar
conclusivamente nenhuma dessas
questões. Não são verdadeiramente
assuntos místicos?

Existem sim muitas alternativas
mais sólidas do que a MQ e
venho estudando e aprimorando
muitas delas.

Se não fóssemos tão acomodados
já teríamos deixados as concepções
atuais e procurado outras mais
consistentes em vez de "arrastar
as incoerencias para debaixo do
tapete".

Não estou 'resmungando' como
vc diz. Estou criticando o
fato de estarmos tão atrasados
em relação aos países que
levam as Ciências a sério e
não apenas como um meio de
ganhar dinheiro.

E estou me sentindo mal só de
pensar que vc acha que estou
procurando "ganhar pontos na
frente de um buteco". Faça-me
o favor, meu caro...

Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar
suas idéias...

[]s

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros, embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só. Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1722 (20060823) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 24/08/2006 23:13

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> Elton,
>
> Estou trocando e-mails em um
> grupo de discusões científicas.
>
> E vc?

Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
científicas precisas sobre o que eu falo.


--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho

/"\ CAMPANHA DA FITA ASCII - CONTRA MAIL HTML
\ / ASCII RIBBON CAMPAIGN - AGAINST HTML MAIL
X http://www.eltonfc.no-ip.org/~eltonfc/htmlmail/htmlmail.html
/ \


SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 23:42

Junior,

Como há poucos engenheiros neste fórum que se pronunciam sobre física, mais frequentemente, Álvaro e eu incluídos (também não identifiquei outros. Sei que o Mesquita é Médico, e sei também que ele não finge ser físico, filósofo, escritor, teorizador), entendo que sua mensagem refira-se especifícamente a nós, engenheiros.
Após refletir um pouco resolví fugir um ao meu estilo e dirigir-lhe algumas palavras, mais para expressar minha estranheza a respeito dessa sua postura, do que mesmo para me defender, que disso não preciso. Honestamente, não entendí essa sua avaliação.
Considero até que este meu retorno é off-topic.
Sou engenheiro eletrônico.
Mas sou um engenheiro eletrônico que não esqueceu ou se desinteressou pelas bases de seu curso.
Particularmente, não finjo que sou físico, ou finjo entender de física, ou de outra coisa qualquer. E mais: a física que sei é o mínimo que alguém medianamente informado em ciências físicas deve saber.
Não há como fingir que se sabe e se domina uma área qualquer do conhecimento.
Isto logo, logo, é descoberto. Nesse mister ninguém engana todos durante todo o tempo!. Quem nada sabe, não tem como mostrar que sabe. A não ser para ignorantes e idiotas ou pessoas bem intencionados, mas mal informadas. Esse grupo, sim, jamais vai descobrir quem finge isso ou aquilo. Razão: não tem os conhecimentos para aferir coisa alguma.
Se algum médico, biólogo, enólogo, químico, por exemplo, começar a falar sobre suas especialidades, simplesmente lerei apenas aquilo que me interessa, mas, com certeza, nunca irei dar opiniões a respeito. Se o fizer, será nada mais nada menos que isto: leviandade, desonestidade. Se algum disser besteira, vai passar. E mesmo que eu ache que é besteira deverei ficar na minha insignificância, pois não terei a proficiência adequada para rebater. Fazer o contrário é desonesto. Desonesto com todas as palavras. E minha tendência é não respeitar desonestos intelectuais.
No que compete à física, especifícamente, se alguém falar besteira ou fingir, como você diz, dá para saber, pois os que têm alguns conhecimentos, engenheiros ou não, têm condições aferir. No meu pobre caso, se for sobre alguma área da física que eu não conheça tão bem, tenha certeza de que ou ficarei calado, ou irei pesquisar, se o assunto me interessar. E se eu próprio disser alguma besteira, e descobrir isso mais tarde, não tenho nenhum constrangimento em admitir. Nenhum mesmo. Essa é a única atitude que alguém adotar, a respeito de qualquer área.
Mas jamais serei leviano de opinar sobre qualquer coisa sobre o que não tenha conhecimento adequado.
Os melhores físico são, em geral, engenheiros; e podem ser tão bons quanto físicos que não são engenheiros. Não tem nada a ver. Os grandes homens, dito universalistas, não tinham todas as formações legais sobre as quais discorriam(ou discorrem na atualidade) com maestria, perfeito e completo domínio do mister. Alguém pode até não ter qualquer formação específica e no entanto ser capaz de entender e dominar completamente qualquer ciência, ou qualquer área do conhecimento humano. Tem só que ser inteligente e honesto intelectualmente, e estar sempre disposto a desdizer um eventual equívoco que cometeu.
Basta ter alguma inteligência, ler, pesquisar, buscar informações e, sobretudo, ser intelectualmente honesto. Principalmente este último atributo.
Quando alguém discerne sobre qualquer assunto, dá para saber, mesmo que não se seja expert naquilo, se aquele alguém domina ou não aquilo sobre o que fala.
E nem precisa ser muito inteligente para descobrir!
Dar opiniões sobre algo do que não se tem conhecimento, à base do eu penso e do eu acho, sem pesquisar, sem buscar os fatos nas fontes, sem refelexões adicionais, isto sim, é deplorável. Aliás, é desonesto. Eu, conscientemente não faço isso. Nem o Álvaro, cujo equilíbrio e síntese de suas respostas mostram que ele tem tudo para ser um bom físico.
E é engenheiro, como eu. Creio que há outros assim, embora não se pronunciem neste fórum.
Se você olhar na história, vai descobrir que os grandes arquitetos da física eram ou engenheiros, ou médicos, muitos deles até filólogos, ou tinham alguma outra formação. É verdade também que alguns eram físicos ou matemáticos de formação. Mas isso não é regra geral.
Um engenheiro tem tudo para ser um bom físico. A recíproca também é verdadeira. Se não o são, deve-se essa condição às prioridades e interêsses com suas formações originais. E isto é normal, e até desejável. Enfatizo: têm tudo e mais alguma coisa.

Não precisa retornar.

Victor.





----- Original Message -----
From: junior_br2001
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>






__________ Informação do NOD32 IMON 1.1722 (20060823) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 24/08/2006 23:48

Não existe rixa alguma entre físicos e engenheiros, vice-versa. Pelo contrário.
ainda há pouco postei um msg a respeito.

sds,
Victor.
----- Original Message -----
From: andré.w.h.
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 12:38 PM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Engraçado essa rixa entre engenheiros e físicos, sou um futuro eng.metalurgista amante da física em toda sua forma ampla e mesmo assim, ainda me deparo com essa situação. Certa vez, eu aluno aqui da Escola Politécnica em São Paulo, quiz fazer iniciação cientifica no Instituto de Física e meu interesse foi recebido de forma que : "Se vc quiser trabalhar conosco então mude de curso, pq nós trabalhamos nos limites da MQ..." então pensei, será que ciência precisa ter tanta distinção assim, a ponto de ter que separar (demais) fundamentalistas e tericos dos supostos "aplicados". Em um campo de atuação em ciências dos materiais, tudo que usa-se é resultado direto dos estudos da MQ, por meio de MEV, difr de Raios X, Força Atômica,...nas caracterização dos materiais.... Bom, mas cada um tem sua visão...
andre

----- Original Message ----
From: Alvaro Augusto <alvaro@daelt.sh06.com>
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, 24 August, 2006 10:15:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Bem, na verdade eu sou engenheiro... mas tive a oportunidade de ser exposto
ao pensamento e conviver com físicos e matemáticos dos bons... o que me
salvou, eu acho....

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>







[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1724 (20060824) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Pesquisa de CORTs em Publicações Cientificas
FROM: mauricio@bec.com.br
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 08:06

Olá Todos,

Em recente debate, discutiamos sobre a possibilidade de pesquisas do tipo
CORT (Casos que Sugerem Ocorrencia de Reencarmação) serem genuinamente (ou
minimamente) cientificas. Ficou claro, parece-me, que apesar do alto grau de
dificuldade, e aindas da deficiencia metodologica, mostrar-se um campo
promissor. Longe, ainda poder-se afirmar que tais pesquisas 'PROVAM' a
existencia de algo que reencarna na consciencia humana, mas a meu ver é uma
linha de pesquisa que não deve ser menosprezada.

Alegam alguns, que esse tipo de pesquisa é puramente anedotica (ou conto de
"causos"), mas fosse assim, será que teriam sido divulgados em resvista com
a Nature ou <http://ajp.psychiatryonline.org/misc/terms.shtml> American
Psychiatric Association (Impact Factor de 8.286)?


Nature 227, 1293-1293 (26 Sep 1970) New World
<<Reencarnação: Karma Revelado, ou Quase>>
Uma menina inglesa pode achar felicidade verdadeira como uma indiana na
próxima vida? O Dr Jamuna Prasad, que tem investigado este e cinco outros
casos de reencarnação, acredita que ela não pode. Numa palestra à Sociedade
Americana para Pesquisa Psíquica em Nova Iorque na semana passada,...
http://br.geocities.com/existem_espiritos/reencarnacao_nature
<http://br.geocities.com/existem_espiritos/reencarnacao_nature>



American Journal of Psychiatry, 2005

(Revisão do Livro: Casos Europeus do Tipo Reencarnação)


REMI J. CADORET, M.D.<?xml:namespace prefix = o ns =
"urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Iowa City, Iowa
Este é um livro incomum para ser revisado-incomum por ser essencialmente uma
monografia que apresenta alguns resultados das eternas pesquisas do Dr.
Stevenson quanto à evidência para a reencarnação, e incomum ao lidar com um
tema-reencarnação-que é um muito raro foco nas discussões psiquiátricas,
especialmente nestes dias de aumentado interesse em abordagens
neuropsicológicas e genética molecular para os complexos comportamentos
humanos, incluindo psicopatologia....
http://br.geocities.com/existem_espiritos/revisao_casos_europeus
<http://br.geocities.com/existem_espiritos/revisao_casos_europeus>


Abraços Fraternos
Mauricio Mendonça



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2006 10:21


JVictor escreve:
>Em tempo:
Qual a razão do número 70? Refere-se à quantidade de caracteres, incluindo-se os espaços que existirá numa linha.
Em geral adotam-se 66 careacteres. Porquê?<

É por causa do 2 que me persegue; veja: 70 - 66 = 4 = 2 + 2

Mas o motivo dessa mensagem é lembrá-lo que "cortar" o excedente das mensagens enviadas. Observe o tamanho da mensagem onde vc colocou o texto acima.
[]'
Léo



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2006 10:58

Oi Victor,

apreciei deveras essa mensagem.
Vi, no reverso da mensagem, uma parte de mim. Depois de Físico gostaria de ter sido Engenheiro Eletrônico (EE); as agruras da vida não permitiram um curso regular para tornar-me EE. Assim, ralei por conta própria e me tornei um razoável auto-didata em eletrônica. Escrevi artigos aos rodos para a Revista Saber Eletrônica. Continuo auto-didata em eletrônica. Aliás, o início de minha 'vida científica', antes da Física, foi Eletrônica. Sem ter a mínima idéia das leis de Newton, já montava meus galenas, meus super-regenerativos e depois meus transmissores. Conheci os capacitores bem antes de saber qqer coisa sobre as bases da eletrostática! Depois mexi com campainhas e bobinas de Runkorff mesmo ser ter o conceito de corrente elétrica. Usava o 'nome', 'entendia porque funcionava' (a ponto de fazer modificações apreciáveis) e ainda estava fazendo o 'Curso Científico' (hoje Ensino Médio).

Isso me deu, mais tarde, uma satisfação que marcou, durante o Curso de Física, no Laboratório de Eletricidade, os professores passavam apertado comigo. Lembro que, quando uma das fontes de alimentação da Leybol (ou Phyve, já não tenho tanta lembrança) pifou, a classe toda (inclusive o teacher) me rodeou enquanto eu consertei a dita cuja em poucos minutos. Ninguém teve a ousadia de abrir "aquela caixa preta" cheia de chaves e botões na face frontal! Teoria versus Prática! Por isso fiz mestrado em Física Experimental --- dai o "Manual das feiras de Ciências" em 3 volumes e depois o "Feira de Ciências --- O Imperdível!".
Ah! Meu primeiro livro de Física foi "Oscilações Mecânicas e Eletromagnéticas" que hoje nem tenho um exemplar sequer (talvez alguns manuscritos do original eu ainda ache por aqui).

A 'briga' Engenheiro X Físico é antiga, muito antiga. Assisti a algumas aulas do Dr. Luis Orsini na Politécnica (sempre acompanhado pelo Tore-Johnson) e, como estudante de Física, era algo de pedradas sutis.

Minha impressão final (he he): É mais fácil um Físico tornar-se Engenheiro do que vice-versa, do mesmo modo que é mais fácil um Médico tornar-se Enfermeiro do que vice-versa. :-)))))))).

aquele abraço,

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:42
Assunto: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Junior,

Como há poucos engenheiros neste fórum que se pronunciam sobre física, mais frequentemente, Álvaro e eu incluídos (também não identifiquei outros. Sei que o Mesquita é Médico, e sei também que ele não finge ser físico, filósofo, escritor, teorizador), entendo que sua mensagem refira-se especifícamente a nós, engenheiros.
Após refletir um pouco resolví fugir um ao meu estilo e dirigir-lhe algumas palavras, mais para expressar minha estranheza a respeito dessa sua postura, do que mesmo para me defender, que disso não preciso. Honestamente, não entendí essa sua avaliação.
Considero até que este meu retorno é off-topic.
Sou engenheiro eletrônico.
Mas sou um engenheiro eletrônico que não esqueceu ou se desinteressou pelas bases de seu curso.
Particularmente, não finjo que sou físico, ou finjo entender de física, ou de outra coisa qualquer. E mais: a física que sei é o mínimo que alguém medianamente informado em ciências físicas deve saber.
Não há como fingir que se sabe e se domina uma área qualquer do conhecimento.
Isto logo, logo, é descoberto. Nesse mister ninguém engana todos durante todo o tempo!. Quem nada sabe, não tem como mostrar que sabe. A não ser para ignorantes e idiotas ou pessoas bem intencionados, mas mal informadas. Esse grupo, sim, jamais vai descobrir quem finge isso ou aquilo. Razão: não tem os conhecimentos para aferir coisa alguma.
Se algum médico, biólogo, enólogo, químico, por exemplo, começar a falar sobre suas especialidades, simplesmente lerei apenas aquilo que me interessa, mas, com certeza, nunca irei dar opiniões a respeito. Se o fizer, será nada mais nada menos que isto: leviandade, desonestidade. Se algum disser besteira, vai passar. E mesmo que eu ache que é besteira deverei ficar na minha insignificância, pois não terei a proficiência adequada para rebater. Fazer o contrário é desonesto. Desonesto com todas as palavras. E minha tendência é não respeitar desonestos intelectuais.
No que compete à física, especifícamente, se alguém falar besteira ou fingir, como você diz, dá para saber, pois os que têm alguns conhecimentos, engenheiros ou não, têm condições aferir. No meu pobre caso, se for sobre alguma área da física que eu não conheça tão bem, tenha certeza de que ou ficarei calado, ou irei pesquisar, se o assunto me interessar. E se eu próprio disser alguma besteira, e descobrir isso mais tarde, não tenho nenhum constrangimento em admitir. Nenhum mesmo. Essa é a única atitude que alguém adotar, a respeito de qualquer área.
Mas jamais serei leviano de opinar sobre qualquer coisa sobre o que não tenha conhecimento adequado.
Os melhores físico são, em geral, engenheiros; e podem ser tão bons quanto físicos que não são engenheiros. Não tem nada a ver. Os grandes homens, dito universalistas, não tinham todas as formações legais sobre as quais discorriam(ou discorrem na atualidade) com maestria, perfeito e completo domínio do mister. Alguém pode até não ter qualquer formação específica e no entanto ser capaz de entender e dominar completamente qualquer ciência, ou qualquer área do conhecimento humano. Tem só que ser inteligente e honesto intelectualmente, e estar sempre disposto a desdizer um eventual equívoco que cometeu.
Basta ter alguma inteligência, ler, pesquisar, buscar informações e, sobretudo, ser intelectualmente honesto. Principalmente este último atributo.
Quando alguém discerne sobre qualquer assunto, dá para saber, mesmo que não se seja expert naquilo, se aquele alguém domina ou não aquilo sobre o que fala.
E nem precisa ser muito inteligente para descobrir!
Dar opiniões sobre algo do que não se tem conhecimento, à base do eu penso e do eu acho, sem pesquisar, sem buscar os fatos nas fontes, sem refelexões adicionais, isto sim, é deplorável. Aliás, é desonesto. Eu, conscientemente não faço isso. Nem o Álvaro, cujo equilíbrio e síntese de suas respostas mostram que ele tem tudo para ser um bom físico.
E é engenheiro, como eu. Creio que há outros assim, embora não se pronunciem neste fórum.
Se você olhar na história, vai descobrir que os grandes arquitetos da física eram ou engenheiros, ou médicos, muitos deles até filólogos, ou tinham alguma outra formação. É verdade também que alguns eram físicos ou matemáticos de formação. Mas isso não é regra geral.
Um engenheiro tem tudo para ser um bom físico. A recíproca também é verdadeira. Se não o são, deve-se essa condição às prioridades e interêsses com suas formações originais. E isto é normal, e até desejável. Enfatizo: têm tudo e mais alguma coisa.

Não precisa retornar.

Victor.





SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2006 12:18

Caro Victor,

Obrigado pela parte a meu respeito, mas eu não sabia que você era é
engenheiro. Sempre pensei que você fosse físico...:-)

Há um aspecto curioso nessa relação entre físicos e engenheiros,
particularmente engenheiros elétricos (trifásicos ou não). No Brasil, os
primeiros cursos de engenharia tinham as aulas de física dadas por
engenheiros, por uma razão bem simples: não existiam físicos formados em
território nacional. Até mesmo Einstein, quando aqui esteve, falou apenas
com matemáticos e, se não me engano, advogados. Já nos EUA a situação foi
inversa, pois os primeiros cursos de engenharia elétrica foram criados por
físicos e até mesmo disciplinas profissionalizantes, como máquinas elétricas
e linhas de transmissão, eram lecionadas por físicos. Com o tempo, e com o
aumento dos graduados em engenharia, a situação se inverteu, mas durante
certo tempo houve um conflito entre físicos e alunos de engenharia, que
preferiam ser instruídos por "colegas".

Esse conflito permanece até hoje. Na UTFPR, onde leciono, há o caso de duas
disciplinas que se sobrepõem. A primeira é Física III, que trata de
eletricidade e magnetismo, e é lecionada por professores do departaento de
Física. A segunda é Eletromagnetismo, que trata também de eletricidade e
magnetismo, além de campos e ondas, mas um enfoque mais aprofundado e
vetorial, e é lecionada por professores do departamento de Eletrotécnica
(engenheiros). Sempre que nos reunimos para discutir o assunto, os
engenheiros argumentam que Física IV deveria ser lecionada pelo departamento
de Eletrotécnica, e os físicos argumentam que Eletromagnetismo deveria ser
lecionado pelo departamento de física. Essa discussão tem mais de 15 anos.
Os professores entram e saem, e a discussão persiste, mesmo que seja no
horário do cafezinho. Imagino que jamais chegaremos a uma conclusão, pois
somos todos muito parecidos. A diferença não é nem mesmo a linguagem, mas só
o sotaque.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Thursday, August 24, 2006 11:42 PM
Subject: Re: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória


Junior,

Como há poucos engenheiros neste fórum que se pronunciam sobre física, mais
frequentemente, Álvaro e eu incluídos (também não identifiquei outros. Sei
que o Mesquita é Médico, e sei também que ele não finge ser físico,
filósofo, escritor, teorizador), entendo que sua mensagem refira-se
especifícamente a nós, engenheiros.
Após refletir um pouco resolví fugir um ao meu estilo e dirigir-lhe algumas
palavras, mais para expressar minha estranheza a respeito dessa sua postura,
do que mesmo para me defender, que disso não preciso. Honestamente, não
entendí essa sua avaliação.
Considero até que este meu retorno é off-topic.
Sou engenheiro eletrônico.
Mas sou um engenheiro eletrônico que não esqueceu ou se desinteressou pelas
bases de seu curso.
Particularmente, não finjo que sou físico, ou finjo entender de física, ou
de outra coisa qualquer. E mais: a física que sei é o mínimo que alguém
medianamente informado em ciências físicas deve saber.
Não há como fingir que se sabe e se domina uma área qualquer do
conhecimento.
Isto logo, logo, é descoberto. Nesse mister ninguém engana todos durante
todo o tempo!. Quem nada sabe, não tem como mostrar que sabe. A não ser para
ignorantes e idiotas ou pessoas bem intencionados, mas mal informadas.
Esse grupo, sim, jamais vai descobrir quem finge isso ou aquilo. Razão: não
tem os conhecimentos para aferir coisa alguma.
Se algum médico, biólogo, enólogo, químico, por exemplo, começar a falar
sobre suas especialidades, simplesmente lerei apenas aquilo que me
interessa, mas, com certeza, nunca irei dar opiniões a respeito. Se o fizer,
será nada mais nada menos que isto: leviandade, desonestidade. Se algum
disser besteira, vai passar. E mesmo que eu ache que é besteira deverei
ficar na minha insignificância, pois não terei a proficiência adequada para
rebater. Fazer o contrário é desonesto. Desonesto com todas as palavras. E
minha tendência é não respeitar desonestos intelectuais.
No que compete à física, especifícamente, se alguém falar besteira ou
fingir, como você diz, dá para saber, pois os que têm alguns conhecimentos,
engenheiros ou não, têm condições aferir. No meu pobre caso, se for sobre
alguma área da física que eu não conheça tão bem, tenha certeza de que ou
ficarei calado, ou irei pesquisar, se o assunto me interessar. E se eu
próprio disser alguma besteira, e descobrir isso mais tarde, não tenho
nenhum constrangimento em admitir. Nenhum mesmo. Essa é a única atitude que
alguém adotar, a respeito de qualquer área.
Mas jamais serei leviano de opinar sobre qualquer coisa sobre o que não
tenha conhecimento adequado.
Os melhores físico são, em geral, engenheiros; e podem ser tão bons quanto
físicos que não são engenheiros. Não tem nada a ver. Os grandes homens,
dito universalistas, não tinham todas as formações legais sobre as quais
discorriam(ou discorrem na atualidade) com maestria, perfeito e completo
domínio do mister. Alguém pode até não ter qualquer formação específica e no
entanto ser capaz de entender e dominar completamente qualquer ciência, ou
qualquer área do conhecimento humano. Tem só que ser inteligente e honesto
intelectualmente, e estar sempre disposto a desdizer um eventual equívoco
que cometeu.
Basta ter alguma inteligência, ler, pesquisar, buscar informações e,
sobretudo, ser intelectualmente honesto. Principalmente este último
atributo.
Quando alguém discerne sobre qualquer assunto, dá para saber, mesmo que não
se seja expert naquilo, se aquele alguém domina ou não aquilo sobre o que
fala.
E nem precisa ser muito inteligente para descobrir!
Dar opiniões sobre algo do que não se tem conhecimento, à base do eu penso e
do eu acho, sem pesquisar, sem buscar os fatos nas fontes, sem refelexões
adicionais, isto sim, é deplorável. Aliás, é desonesto. Eu, conscientemente
não faço isso. Nem o Álvaro, cujo equilíbrio e síntese de suas respostas
mostram que ele tem tudo para ser um bom físico.
E é engenheiro, como eu. Creio que há outros assim, embora não se pronunciem
neste fórum.
Se você olhar na história, vai descobrir que os grandes arquitetos da física
eram ou engenheiros, ou médicos, muitos deles até filólogos, ou tinham
alguma outra formação. É verdade também que alguns eram físicos ou
matemáticos de formação. Mas isso não é regra geral.
Um engenheiro tem tudo para ser um bom físico. A recíproca também é
verdadeira. Se não o são, deve-se essa condição às prioridades e interêsses
com suas formações originais. E isto é normal, e até desejável. Enfatizo:
têm tudo e mais alguma coisa.

Não precisa retornar.

Victor.





----- Original Message -----
From: junior_br2001
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:06 AM
Subject: [ciencialist] Re: P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória


Alvaro,

Estas sandices que são veiculadas por aí , com frequencia, por
engenheiros que fingem entender de física, até que, diga-se de
passagem, é compreeensível :-)

O problema é quando elas são provenientes de mentes brilhantes como um
certo descobridor do méson pi
http://www.geocities.com/Athens/Agora/9443/C6.HTM

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Alvaro Augusto" <alvaro@d...>
escreveu
>
> Essa citação sobre Einstein ter plagiado Poincaré e Leibnitz é
realmente de
> lascar, mas dizer que eles, os maiores matemáticos de suas épocas, não
> tinham meios de divulgação é de chorar. Quando Einstein era um
recém-chegado
> na física, um mero inspetor de patentes de uma cidade cientificamente
> obscura, Poincaré já era o maior matemático de sua época. E
Leibnitz, cujas
> idéias são conhecidíssimas (e que não têm nada a ver com
relatividade) já
> estava morto há séculos! Dizer que Einstein, o novato-pobre-judeu,
conseguiu
> plagiar Poincaré, o decano-polímato-famoso, não é somente uma teoria de
> conspiração; é também uma ofensa ao bom senso.
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>



SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 12:59


Olá Elton! Bom dia!

Vc está sugerindo que estou
usando conceitos e definições
científicas imprecisas?

Bom, embora esteja sem minhas
referências em mãos, tentarei
ser mais preciso.


* Sobre o tempo:

Várias pesquisas neuro-científicas
tem demonstrado que o cérebro é
uma máquina comparativa em todos
os sentidos.

Um experimento bastante interessante
que é usado como exemplo pode ser
feito da seguinte forma:

(1) coloque em três recipientes
água morna, água gelada e água
em temperatura ambiente.

(2) coloque o dedo indicador direito
na água morna, o esquerdo na água
gelada e espere 5 minutos.

(3) em seguida coloque os dois na
água em temperatura ambiente.

Se seguir as intruções verá que,
embora os dois dedos estejam na
mesma temperatura, vc sentirá
a água fria no dedo direito e
morna, no dedo esquerdo.

Esse é um bom exemplo de como
o Sistema nervoso age.

De igual forma, o conceito de
tempo é apenas comparativo.

Intuitivamente comparamos o tempo
com o nosso relógio interno - ou
bio-ritmo. Racionalmente comparamos
o tempo com relógios.

Em ambos os casos, o tempo
pode ser colocado em evidência
e anulado nos dois lados de
uma equação que envolva um
evento físico real qualquer
e o evento de funcionamento
de um relógio.

Em suma: o tempo não é necessário,
ou se preferi, o tempo não existe.
Ele é apenas uma entidade
onírica comparativa.



* Sobre a Termodinâmica:

A Termodinâmica estuda o calor,
um fenômeno macroscópico que
poderia ser melhor estudado
pela Mecânica, se fosse possível
determinar a posição, a velocidade
e a massa de cada molécula ou
átomo delimitados em um recipiente.

A Entropia, por tratar-se de
fenômenos em escala macroscópica,
deixa de ter respaldo físico e
passa a ser puramente matemática.

O experimento clássico que
demonstra a Entropia pode ser
realizado da seguinte forma:

(1) Em um recipiente com duas
câmaras interligadas por
um cano com uma torneira
coloque oxigênio (O2) em
uma das câmara e nitrogênio
(N2) na outra.

(2) Abra a torneira.

Em pouquíssimo tempo poderá
ser verificado a existência
da mesma quantidade da mistura
gasosa (O2 + N2) nas duas
câmaras.

A Entropia diz que isso deve-se
ao equilíbrio termodinâmico.

Já a Matemática diz que mistura
final tem probabilidade maior de
conter uma média das duas substância.

A Entropia diz que é impossível
que ambos os gases não misturem-se.

Já a Matemática diz que a probabilidade
de que ambos os gases não misturem-se
é muito pequena, mas não impossível.

Simulações demonstram que a visão
matemática é a mais correta.

* * *

Espero ter sido mais coerente
desta vez.

De qualquer forma, poderei
Fornecer as referências
biográficas necessárias
logo mais.

Abrs,

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:14
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> Elton,
>
> Estou trocando e-mails em um
> grupo de discusões científicas.
>
> E vc?

Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
científicas precisas sobre o que eu falo.





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitur a.
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 13:01

Pessoal,

Desculpe-me por estar usando
essa configuração de texto
colunado.

Não posso mudá-la por enquanto.

Na semana que vem meu
PC já terá sido restaurado.

Abrs,

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 22:10
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Fw: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.

Em tempo:

Qual a razão do número 70? Refere-se à quantidade de caracteres,
incluindo-se os espaços que existirá numa linha.

Em geral adotam-se 66 careacteres. Porquê?
Os experts dizem que uma linha maior que isso cansa os olhos e dificulta o
entendimento, pois os olhos têm que "andar" mais para a direita. O número
adotado, dizem, dá a medida certa para uma leitura cômoda. A vista "quase"
pega tudo de uma vez.
Parece que é assim mesmo. Linhas mais curtas são mais fáceis de serem
apreendidas pelo cérebro.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 6:50 PM
Subject: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


1) Clicar em Ferramentas,
2) Clicar em Envio
3) Clicar em Config. de texto sem formatação
4) Escrever "70 caracteres" no quadro adequado.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 15:53
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


Olá Eduardo

Antes de continuar, gostaria de fazer um pedido. Há algo em seu cliente de
email que está colocando as mensagens em um formato muito incomodo de
leitura, como se fosse uma coluna única de poucos caracteres. Assim, as
frases são "quebradas" e fica bem dificil de manter uma leitura fluida.

Poderia, por favor, verificar que configuração de seu sistema pode estar
causando isso e corrigir? De uma olhada na mensagem que enviou, que está
abaixo, para verificar o problema da coluna.

Um abraço.

Homero

Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória



Homero,

Não sou tão pretencioso
quanto vc está imaginando.

Nem estou subestimando os
problemas do dia-a-dia.

Estou apenas dizendo que
a Física atual - principalmente
a MQ - abre espaço para que
místicos de toda sorte se
aproveitem dos pontos obscuros
existentes atualmente no nosso
legado científico.

Basta olhar para revistas
científicas como Galileu,
New Scientist ou SuperInteressante
para se perceber o que estou
dizendo: eles sempre mostram
reportagens sobre Buracos Negros,
Big Bang ou Partículas sub-atômicas
como ficção científica, pq não
podemos aprimorar nem contestar
conclusivamente nenhuma dessas
questões. Não são verdadeiramente
assuntos místicos?

Existem sim muitas alternativas
mais sólidas do que a MQ e
venho estudando e aprimorando
muitas delas.

Se não fóssemos tão acomodados
já teríamos deixados as concepções
atuais e procurado outras mais
consistentes em vez de "arrastar
as incoerencias para debaixo do
tapete".

Não estou 'resmungando' como
vc diz. Estou criticando o
fato de estarmos tão atrasados
em relação aos países que
levam as Ciências a sério e
não apenas como um meio de
ganhar dinheiro.

E estou me sentindo mal só de
pensar que vc acha que estou
procurando "ganhar pontos na
frente de um buteco". Faça-me
o favor, meu caro...

Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar
suas idéias...

[]s

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1722 (20060823) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2006 13:18

Caro Sardeiro,

O texto colunado não me incomoda de forma alguma. Se você tem essa
restrição, então que seja. Prefiro que você continue enviando suas mensagens
desse jeito, as quais me permitem pegar no seu pé, do que parar de
enviá-las, e me privrar dessa oportunidade...:-)

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Friday, August 25, 2006 1:01 PM
Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


Pessoal,

Desculpe-me por estar usando
essa configuração de texto
colunado.

Não posso mudá-la por enquanto.

Na semana que vem meu
PC já terá sido restaurado.

Abrs,

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 22:10
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Fw: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.

Em tempo:

Qual a razão do número 70? Refere-se à quantidade de caracteres,
incluindo-se os espaços que existirá numa linha.

Em geral adotam-se 66 careacteres. Porquê?
Os experts dizem que uma linha maior que isso cansa os olhos e dificulta o
entendimento, pois os olhos têm que "andar" mais para a direita. O número
adotado, dizem, dá a medida certa para uma leitura cômoda. A vista "quase"
pega tudo de uma vez.
Parece que é assim mesmo. Linhas mais curtas são mais fáceis de serem
apreendidas pelo cérebro.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 6:50 PM
Subject: Re: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


1) Clicar em Ferramentas,
2) Clicar em Envio
3) Clicar em Config. de texto sem formatação
4) Escrever "70 caracteres" no quadro adequado.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 15:53
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitura.


Olá Eduardo

Antes de continuar, gostaria de fazer um pedido. Há algo em seu cliente de
email que está colocando as mensagens em um formato muito incomodo de
leitura, como se fosse uma coluna única de poucos caracteres. Assim, as
frases são "quebradas" e fica bem dificil de manter uma leitura fluida.

Poderia, por favor, verificar que configuração de seu sistema pode estar
causando isso e corrigir? De uma olhada na mensagem que enviou, que está
abaixo, para verificar o problema da coluna.

Um abraço.

Homero

Subject: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é
insatisfatória



Homero,

Não sou tão pretencioso
quanto vc está imaginando.

Nem estou subestimando os
problemas do dia-a-dia.

Estou apenas dizendo que
a Física atual - principalmente
a MQ - abre espaço para que
místicos de toda sorte se
aproveitem dos pontos obscuros
existentes atualmente no nosso
legado científico.

Basta olhar para revistas
científicas como Galileu,
New Scientist ou SuperInteressante
para se perceber o que estou
dizendo: eles sempre mostram
reportagens sobre Buracos Negros,
Big Bang ou Partículas sub-atômicas
como ficção científica, pq não
podemos aprimorar nem contestar
conclusivamente nenhuma dessas
questões. Não são verdadeiramente
assuntos místicos?

Existem sim muitas alternativas
mais sólidas do que a MQ e
venho estudando e aprimorando
muitas delas.

Se não fóssemos tão acomodados
já teríamos deixados as concepções
atuais e procurado outras mais
consistentes em vez de "arrastar
as incoerencias para debaixo do
tapete".

Não estou 'resmungando' como
vc diz. Estou criticando o
fato de estarmos tão atrasados
em relação aos países que
levam as Ciências a sério e
não apenas como um meio de
ganhar dinheiro.

E estou me sentindo mal só de
pensar que vc acha que estou
procurando "ganhar pontos na
frente de um buteco". Faça-me
o favor, meu caro...

Todos sabem que Einstein roubou
idéias alheias e as transcreveu
a seu bel prazer prejudicando
Poincaré, Leinbiz e outros
grandes cientistas que não
contavam com meios de divulgar
suas idéias...

[]s

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Oraculo [mailto:oraculo@atibaia.com.br]
Enviada em: terça-feira, 22 de agosto de 2006 14:53
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] P/ Eduardo - A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Eduardo

Eduardo: "Preciso continuar??"

Na verdade, precisa começar, já que nada disso chega minimamente perto do
periodo medieval. Se grandes hipóteses precisam ser testadas em grandes
laboratorios, e com alta tecnologia, é responsabilidade do volume de dados
e
da complexidade do universo, não da ciência moderna. E os mosteiros,
embora
restritos, produziam experimentos que, se fossem abertos ao público,
poderiam ser repetidos e refeitos por qualquer pessoa. Aliás, eles forma
repetidos, quando do renascentismo, exatamente pelas pessoas comuns, ainda
que muitas delas tenham sido grandes mentes.

Comparar a idade média, e seu obscuratismo religioso, a dificuldade de
testar o conhecimento acumulado por séculso, é bobagem.

O resto segue o mesmo caminho, forçando coincidencias que não existem. Se
desejar refutar o Big Bang fique à vontade, mas deve fazer isso com o
rigor
do método, não acusando uma teoria bem estruturada e com evidências fortes
de ser um "dogma" e pronto. Na verdade, refute o BB e ganhe um Premio
Nobel,
dado por aqueles que acusa de serem os responsáveis pela manutenção do
dogma. Mas precisa explicar, por exemplo, o que é a radiação de fundo ,
prevista na teoria, e encontrada em todo universo. Precisa explciar porque
há um desvio para o vermelho nas galaxais, etc, etc, etc.

Mas, o que um leigo, mortal, e não especializado, pode fazer com o volume
de
conhecimento atual? Você "acusa" a ciência de construir esse arcabouço de
dados apenas para evitar ser produzida por leigos? Mas o que me diz de uma
TV, o aparelho de TV, que só pode ser compreendido ou consertado ou
consturido por especialistas e cientistas engenheiros? Acha que eles são
construidos assim, complexos e dificeis, com o uso de alta tecnologia, só
para impedir que leigos construam sua própria TV em casa?

Ou a complexidade da TV é inerente ao conhecimento que permite sua
construção, e não uma conspiração da ciência e dos engenehiros para
impedir
TVs feitas com latas e papel aluminio?

O mesmo para o problemas do dia a dia. Seu carro para na estrada, e, se
não
for um "problema do dia a dia" como falta de gasolina, não há nada que
você
possa fazer. Qualquer defeito ou problema em alguma parte complexa do
veículo, e terá de chamar um especialista. Acha que os automóveis são
construidos assim, complexos, para prejudicar as pessaos comuns e
privilegiar os engenheiros, Eduardo?

Sua alegação, seu resmungo, sobre "só nos restar os problemas do dia a
dia",
sobre só alta tecnologia e grandes laboratorios serem capazes de ampliar
nosso conhecimento do universo é ilógico. E certamente não é culpa ou
responsabilidade dos cientístas, da ciência ou deste "periodo medieval". É
fruto da própria complexidade do universo, do volume de dados que pudemos
produzir a respeito dessa complexidade e não uma conspiração cientifica
para
afastar o "homem comum" (o que quer que isso signifique).

E chamar de "plagiador" Albert Einstein pode contar alguns pontos em um
buteco, na frente de moças bonitas, pela rebeldia e ousadia. Mas é só.
Mesmo
o pretenso plagiado muitas vezes escreveu reconhecendo o trabalho e o
alcance de Einstein, a partir de quase nada de seu prórpio trabalho. Em
ciência, não se constroi a partir de nada, mas sempre com base no
conhecimento anterior. Se Einstein é "plagiador", então TODOS os
cientistas,
de todas as épocas, o são igualmente.

Este trecho é uma pérola:

Eduardo: "*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos."

A solução para este seu problema, a implicancia cega contra a MQ, é
simples:
apresente outro tipo de cálculo que faça o mesmo, com a precisão da MQ, e
pronto, ganha outro Nobel (para guardar junto a aquele que já recebeu
acima..:-). Basta que apresente outra forma de resolver alguns problemas,
que não use a MQ. É tão simples, que você não terá a menor dificuldade,
certamente.

Assim, não tem de continuar, tem de começar, abrir os olhos, e julgar com
mais razão e menos ressentimento o conhecimento moderno, o mesmo
conhecimento que permite que você use uma rede mundial de computadores,
satelites geo-estacionarios, sistemas de comunicação global, para
"resmungar" contra a ciência moderna, que construiu tudo isso.

Um abraço.

Homero




----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 22, 2006 9:44 AM
Subject: RES: RES: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória



*Período medieval* porque as
grandes hipóteses só são
possíveis de serem testadas
nos cíclotrons, laboratórios
de primeira linha ou nos
centros acadêmicos quase
sempre inacessíveis, tais
quais eram os grandes
monsteiros religiosos da
Idade Média.

*Período medieval* porque se
fala da 'Teoria Unificada' e
do 'Big Bang' como dogmas que
nunca serão desvendados por
simples cientistas mortais.

*Período medieval* porque só
nos resta resolver problemas
simples do dia-a-dia.

*Período medieval* porque só
plagiadores como Albert
Einstein ganham notoriedade
e tornam-se 'papas' .

*Período medieval* porque só
através de cálculos rabuscados
da Mecânica Quântica - o latim
das antigas missas católicas -
podemos encontrar a solução -
salvação - de alguns problemas
físicos.

Preciso continuar??

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1722 (20060823) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 25/08/2006 13:20

Caro Sardeiro,

Parece-me que você está dando ao tempo um caráter antropomórfico demais. O
tempo não existe independente de nós? Não é possível medí-lo com
equipamentos desprovidos de neurônios?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Friday, August 25, 2006 12:59 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Olá Elton! Bom dia!

Vc está sugerindo que estou
usando conceitos e definições
científicas imprecisas?

Bom, embora esteja sem minhas
referências em mãos, tentarei
ser mais preciso.


* Sobre o tempo:

Várias pesquisas neuro-científicas
tem demonstrado que o cérebro é
uma máquina comparativa em todos
os sentidos.

Um experimento bastante interessante
que é usado como exemplo pode ser
feito da seguinte forma:

(1) coloque em três recipientes
água morna, água gelada e água
em temperatura ambiente.

(2) coloque o dedo indicador direito
na água morna, o esquerdo na água
gelada e espere 5 minutos.

(3) em seguida coloque os dois na
água em temperatura ambiente.

Se seguir as intruções verá que,
embora os dois dedos estejam na
mesma temperatura, vc sentirá
a água fria no dedo direito e
morna, no dedo esquerdo.

Esse é um bom exemplo de como
o Sistema nervoso age.

De igual forma, o conceito de
tempo é apenas comparativo.

Intuitivamente comparamos o tempo
com o nosso relógio interno - ou
bio-ritmo. Racionalmente comparamos
o tempo com relógios.

Em ambos os casos, o tempo
pode ser colocado em evidência
e anulado nos dois lados de
uma equação que envolva um
evento físico real qualquer
e o evento de funcionamento
de um relógio.

Em suma: o tempo não é necessário,
ou se preferi, o tempo não existe.
Ele é apenas uma entidade
onírica comparativa.



* Sobre a Termodinâmica:

A Termodinâmica estuda o calor,
um fenômeno macroscópico que
poderia ser melhor estudado
pela Mecânica, se fosse possível
determinar a posição, a velocidade
e a massa de cada molécula ou
átomo delimitados em um recipiente.

A Entropia, por tratar-se de
fenômenos em escala macroscópica,
deixa de ter respaldo físico e
passa a ser puramente matemática.

O experimento clássico que
demonstra a Entropia pode ser
realizado da seguinte forma:

(1) Em um recipiente com duas
câmaras interligadas por
um cano com uma torneira
coloque oxigênio (O2) em
uma das câmara e nitrogênio
(N2) na outra.

(2) Abra a torneira.

Em pouquíssimo tempo poderá
ser verificado a existência
da mesma quantidade da mistura
gasosa (O2 + N2) nas duas
câmaras.

A Entropia diz que isso deve-se
ao equilíbrio termodinâmico.

Já a Matemática diz que mistura
final tem probabilidade maior de
conter uma média das duas substância.

A Entropia diz que é impossível
que ambos os gases não misturem-se.

Já a Matemática diz que a probabilidade
de que ambos os gases não misturem-se
é muito pequena, mas não impossível.

Simulações demonstram que a visão
matemática é a mais correta.

* * *

Espero ter sido mais coerente
desta vez.

De qualquer forma, poderei
Fornecer as referências
biográficas necessárias
logo mais.

Abrs,

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:14
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> Elton,
>
> Estou trocando e-mails em um
> grupo de discusões científicas.
>
> E vc?

Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
científicas precisas sobre o que eu falo.





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos












SUBJECT: Re: RES: [ciencialist] P/ Eduardo - Texto colunado dificulta a leitur a.
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 14:10

Não vejo problema algum em ler suas mensagens como se fossem poesias :-)

Sobre a existencia do tempo, só citar a referencia do Banco
Bamerindus: O O tempo passa, o tempo voa....caderneta Bamerindus numa
boa, isto é, to ficando cada vez mais velho sem minha caderneta
Bamerindus :-)

Abraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Eduardo Sardeiro
<esardeiro@g...> escreveu
>
> Pessoal,
>
> Desculpe-me por estar usando
> essa configuração de texto
> colunado.
>
> Não posso mudá-la por enquanto.
>
> Na semana que vem meu
> PC já terá sido restaurado.
>
> Abrs,
>
> Sardeiro







SUBJECT: Re: Pesquisa de CORTs em Publicações Cientificas
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 14:23

Caro Marcelo,

Seria muito mais fácil se provar a existencia de espiritos do que de
reecarnação! Aliás, pela lógica , a existencia de espíritos deveria
vir na frente.

Esses caras, não desvendaram nem a existencia de um plano espiritual,
querem desvendar reencarnação através de causos contados, aí é demais.

Esse Stevenson passa em cima de todos os conhecimentos genéticos ao
afirmar que sinais corpóreos são evidencias de reecarnação, sem nenhum
experimento controlado e repetido que corrobore suas pesquisas. Aí
vale, então, acreditar nos causos de qualquer Chico bento da
vida....já que é assim!

Abraços,
Junior




--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, mauricio@b... escreveu
>
> Olá Todos,
>
> Em recente debate, discutiamos sobre a possibilidade de pesquisas do
tipo
> CORT (Casos que Sugerem Ocorrencia de Reencarmação) serem
genuinamente (ou
> minimamente) cientificas. Ficou claro, parece-me, que apesar do alto
grau de
> dificuldade, e aindas da deficiencia metodologica, mostrar-se um campo
> promissor. Longe, ainda poder-se afirmar que tais pesquisas 'PROVAM' a
> existencia de algo que reencarna na consciencia humana, mas a meu
ver é uma
> linha de pesquisa que não deve ser menosprezada.
>
> Alegam alguns, que esse tipo de pesquisa é puramente anedotica (ou
conto de
> "causos"), mas fosse assim, será que teriam sido divulgados em
resvista com
> a Nature ou <http://ajp.psychiatryonline.org/misc/terms.shtml> American
> Psychiatric Association (Impact Factor de 8.286)?
>
>







SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 25/08/2006 18:45

Prezado Álvaro,

O tempo não existe, exceto
nas nossas convenções
gramaticais.

Quando comparamos o decorrer
de um evento físico com o
decorrer dos ponteiros de um
relógio, estamos na verdade
comparando transformações de
energia.

Explicando:

Nossa unidade de tempo é
definida pelo SI (Sistema
Internacional de Medidas) da
seguinte forma:

"O segundo é a duração de
9.192.631.770 períodos da
radiação correspondente à
transição entre dois níveis
hiperfinos do estado fundamental
do átomo de césio 133, em
repouso, a uma temperatura
de 0 K".

Ou seja, esse padrão baseia-se
numa variação de energia
do átomo de césio 133.

A partir deste padrão pode-se
conferir todos os relógios
mecânicos ou digitais.

Supondo que consigamos
racionalizar todos os
eventos físicos teríamos
algo do tipo:

_ _
| k * /\E * m |
| ------------- | = /\t
|_ /\v _|

_ _
| k * /\Er * mr |
| --------------- | = /\t
|_ /\vr _ |

Ou

_ _
| k * /\E * m |
| ------------- | =
|_ /\v _|

_ _
| k * /\Er * mr |
| --------------- |
|_ /\vr _ |


Leia-se:

"Se houver uma equação em
que seja possível evidenciar
o tempo de um evento físico,
ela poderá ser igualada
à equação de um relógio
corretamente aferido e
o tempo poderá ser
dispensado".

Onde,

/\E: variação da energia
/\v: variação da velocidade
do corpo
m: massa do corpo

/\t: variação do tempo

/\Er: variação da energia do
relógio
/\vr: variação da velocidade
do relógio
mr: massa do relógio

Se bem me lembro, Torriceli
tb conseguiu dispensar o
tempo na sua equação
envolvendo posição,
aceleração e velocidade.

Ou seja, não precisaríamos
do tempo.

Mas - sempre tem um "mas" -
como assinamos uma acordo
antropomórfico logo que
nascemos, o tempo é usado
para facilitar as explicações.

O dinheiro tb é usado desta
forma.

Espero ter sido mais claro
dessa vez.

Abrs,

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Alvaro Augusto [mailto:alvaro@daelt.sh06.com]
Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 13:21
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Caro Sardeiro,

Parece-me que você está dando ao tempo um caráter antropomórfico demais. O
tempo não existe independente de nós? Não é possível medí-lo com
equipamentos desprovidos de neurônios?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Friday, August 25, 2006 12:59 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Olá Elton! Bom dia!

Vc está sugerindo que estou
usando conceitos e definições
científicas imprecisas?

Bom, embora esteja sem minhas
referências em mãos, tentarei
ser mais preciso.


* Sobre o tempo:

Várias pesquisas neuro-científicas
tem demonstrado que o cérebro é
uma máquina comparativa em todos
os sentidos.

Um experimento bastante interessante
que é usado como exemplo pode ser
feito da seguinte forma:

(1) coloque em três recipientes
água morna, água gelada e água
em temperatura ambiente.

(2) coloque o dedo indicador direito
na água morna, o esquerdo na água
gelada e espere 5 minutos.

(3) em seguida coloque os dois na
água em temperatura ambiente.

Se seguir as intruções verá que,
embora os dois dedos estejam na
mesma temperatura, vc sentirá
a água fria no dedo direito e
morna, no dedo esquerdo.

Esse é um bom exemplo de como
o Sistema nervoso age.

De igual forma, o conceito de
tempo é apenas comparativo.

Intuitivamente comparamos o tempo
com o nosso relógio interno - ou
bio-ritmo. Racionalmente comparamos
o tempo com relógios.

Em ambos os casos, o tempo
pode ser colocado em evidência
e anulado nos dois lados de
uma equação que envolva um
evento físico real qualquer
e o evento de funcionamento
de um relógio.

Em suma: o tempo não é necessário,
ou se preferi, o tempo não existe.
Ele é apenas uma entidade
onírica comparativa.



* Sobre a Termodinâmica:

A Termodinâmica estuda o calor,
um fenômeno macroscópico que
poderia ser melhor estudado
pela Mecânica, se fosse possível
determinar a posição, a velocidade
e a massa de cada molécula ou
átomo delimitados em um recipiente.

A Entropia, por tratar-se de
fenômenos em escala macroscópica,
deixa de ter respaldo físico e
passa a ser puramente matemática.

O experimento clássico que
demonstra a Entropia pode ser
realizado da seguinte forma:

(1) Em um recipiente com duas
câmaras interligadas por
um cano com uma torneira
coloque oxigênio (O2) em
uma das câmara e nitrogênio
(N2) na outra.

(2) Abra a torneira.

Em pouquíssimo tempo poderá
ser verificado a existência
da mesma quantidade da mistura
gasosa (O2 + N2) nas duas
câmaras.

A Entropia diz que isso deve-se
ao equilíbrio termodinâmico.

Já a Matemática diz que mistura
final tem probabilidade maior de
conter uma média das duas substância.

A Entropia diz que é impossível
que ambos os gases não misturem-se.

Já a Matemática diz que a probabilidade
de que ambos os gases não misturem-se
é muito pequena, mas não impossível.

Simulações demonstram que a visão
matemática é a mais correta.

* * *

Espero ter sido mais coerente
desta vez.

De qualquer forma, poderei
Fornecer as referências
biográficas necessárias
logo mais.

Abrs,

Sardeiro



"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:14
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
> Elton,
>
> Estou trocando e-mails em um
> grupo de discusões científicas.
>
> E vc?

Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
científicas precisas sobre o que eu falo.





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Sobre a refração da luz
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 00:34

Oi Alberto,

Estou te devendo (entre outras coisas) uma resposta a sua MSG 56072
sobre a refração da luz.
O assunto de outra forma voltou agora com a thread começada pela
mensagem:
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56737
"Princípio do menor tempo de Fermat" colocada por Paulo Sérgio Dias.

Aqui vou responder à tua
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072

Quem quiser ver as duas precedentes deste ramo de thread aí estão os
links:
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56057 (Alberto)
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56070 (Hélio)


Na 56072 você disse:

>Em outras palavras, para se utilizar o
>princípio de Huyghens na explicação
>da refração da luz, leva-se em conta
>o fato de que a velocidade da luz muda
>exatamente no instante que a mesma
>atravessa a superfície de separação entre
>os dois meios. Do contrário, e pelo
>princípio de Huyghens, a luz
>prosseguiria com a mesma velocidade
>em módulo, direção e sentido, ou seja,
>não haveria refração.

Certo!
Era c antes desta interface e c/n depois.
Apesar do princípio de Huyghens ser próprio da teoria ondulatória,
existe uma forma de usa-lo numa teoria 100% corpuscular (depois eu
detalho isto).

Mas como eu disse antes (e você também) não é este o motivo da
velocidade ser diferente.
O motivo da velocidade ser diferente você já disse de uma forma bem
didática na mensagem 56057. Neste trecho que reproduzo abaixo:

>Seja um automóvel que percorre
>a distância de 80 km numa estrada
>e numa velocidade constante e igual
>a 80 km/h mas, de tempos em tempos,
>o motorista estaciona o automóvel,
>ora para colocar combustível, ora para
>observar a paisagem, ora para tomar
>um café etc. A sua velocidade,
>*quando está em movimento*, é
>sempre de 80 km/h e, não obstante,
>o automóvel atinge a distância de 80 km
>num tempo superior a uma hora.

Então vamos partir deste ponto para explicar como uma teoria 100%
corpuscular, pela configuração dos corpúsculos, pode fazer uso do
princípio de Huyghens para explicar a deflexão do feixe de luz só na
interface (eu prefiro falar feixe do que raio, depois ficará claro o
porquê).
Claro que muito da explicação que vem a seguir foi usada pelos
"ondulatórios" do século XVIII para "provar" que a luz é ondas. Eles
usavam o "fato" do meio ser contínuo e a velocidade da luz num meio
ser uma propriedade deste meio sem se preocuparem em saber porque esta
diferença.
[Você sabe mais de História da Ciência do que eu. É bem provável que o
relato que fiz acima esteja errado. Se for isto, considere como um
erro com objetivos didáticos]. :-)

O que atrapalhou a "visão" do corpúsculo como ele deveria ser "visto"
foi a invenção desta monstruosidade chamada fóton. Para ter as
propriedades que cabem dentro desta coisa chamada fóton seriam
necessários vários trilhões de corpúsculos. (os números são chutes,
podem ser muito mais).
:-)

Vamos voltar ao assunto.

Vou só destacar mais uma parte da sua MSG
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072

Antes eu tinha dito:
>>Para mim são todos materiais
>>(são todos iguais - "UNIFICAÇÃO").
>>As sucessivas paradas nos átomos do
>>meio já fornece explicação tanto para
>>a menor velocidade média como para
>>a mudança de ângulo na refração.

Aí você disse:
> Mas em condições ocorreria essa
>mudança no ângulo? Na primeira parada?
>Na segunda? Na última? Em todas (seria
>uma somatória?) Mas se em cada
>parada o raio sofrer uma mudança de
>direção, a refração deveria depender da
>espessura do meio, o que não ocorre.
>Além do que a trajetória seria visivelmente
>curva, o que também não ocorre. Concluo
>então que seria na primeira parada.
> Mas porque esta deveria ser diferente
>das outras? Bem, são apenas
>encucações que estou colocando,
>não estou esperando por uma
>resposta pois como teorizador que sou
>sei que essas coisas (respostas) não
>surgem do dia pra noite.

Na verdade a "explicação" na minha cabeça já existia o difícil para
mim é ter tempo (do dia para noite) de digita-la.
:-)

O princípio de Huyghens original dizia que os pontos de
re-espalhamento eram matemáticos (num meio contínuo isto seria
possível), ou seja, por menor que fosse a distância entre dois pontos
neste meio, haveria sempre infinitos pontos de re-espalhamento da onda
entre estes dois pontos.

Num meio discreto (como são TODOS os meios exceto o vácuo absoluto)
formado por átomos o princípio de Huyghens começa a colocar os pés no
chão. Os pontos de re-espalhamento da "onda" agora são os próprios
átomos (ou os elétrons destes átomos). Estes átomos funcionam como as
paradas (para combustível e para ver paisagem na analogia acima). MAS,
IMPORTANTE, pelo princípio de Huyghens, ao sair do ponto de cada
parada, o carro é dividido em milhões de pedacinhos (uma explosão?)
que se espalham para TODOS os lados. Quando cada pedacinho chega na
próxima parada encontra os outros pedacinhos das outras explosões.
com todos estes pedacinhos um novo carro (fóton?) é construído mas
este novo carro não chaga a sair inteiro da parada. Uma nova explosão
acontece!!!

Não sei se você percebeu, mas no meio do parágrafo anterior já mudei
de "onda" para corpúsculos. Eu posso mudar para corpúsculos e ainda
usar o princípio de Huyghens na sua forma "pé no chão" pois meus
corpúsculos se movimentam com uma distribuição de densidade no espaço
que se assemelha a uma nuvem de gafanhotos com densidade periódica.

Mas ainda estou te devendo a explicação de porque o princípio de
Huyghens associado a diferença de velocidades entre os meios dá a
deflexão só na interface.

Para isto são necessários algumas condições:

1- A distância média entre os átomos deve ser muiiiiiiito menor que o
comprimento de onda da luz no meio em questão. Isto de fato acontece
para o espectro visível. ( No caso corpuscular este comprimento de
onda é a distância entre dois pontos de máxima densidade de corpúsculos).

2- A luz incidente não pode ser um raio de luz, deve ser um feixe. No
fundo, no fundo, tudo que denominamos "raio de luz" é na verdade é um
feixe. Mesmo que fosse uma luz de uma fonte pontual.

3- Cada re-emissão se dá em todas as direções.

Com tudo isto em mente, veja o link abaixo. Apesar de ter sido feito
por "ondulatórios", se aplicam muito bem aos meus corpúsculos.
http://www.geocities.com/CapeCanaveral/Hall/6645/propagation/propagation.html

Os "carros" são remontados e explodem em cada átomo mas as explosões
acontecem simultaneamente em átomos que estão aproximadamente em linha
(frentes de "onda"). A inclinação destas linhas dependem da velocidade
média desta "onda" neste meio. Ou melhor, depende da habilidade dos
construtores em montar os carros e do número de paradas.
Se o carro tem muitas peças (exemplo: luz violeta) os construtores
demoram mais a construção, a velocidade média no meio diminui e a luz
se encurva mais na interface. Se o carro tem poucas peças (exemplo:
luz vermelha) os construtores são mais rápidos, a velocidade média no
meio aumenta e a luz se encurva menos na interface.

Para você entender melhor como isto acontece veja novamente o "applet"
do link que te passei acima.
Quando a frente de "onda" incidente estiver próxima da interface,
aperte várias vezes o botão "Slower" e veja este evento em "câmara lenta".


Muito do que coloquei aqui sei que você já está careca de saber.
Talvez, para você, fosse apenas necessário mostrar meu modelo de
configuração (arranjo) dos corpúsculos no espaço. Mas, aprendendo com
o Victor [:-)], coloquei tudo isto para que outros aprendam "o que vai
pela natureza".
:-)
:-)
:-)

[ ]'s
Hélio

PS.:
Quem quiser ver mais sobre este assunto veja a Thread "Brilho
Metálico" ocorrida entre janeiro e março de 2005 que começou com a MSG:
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/43642 (Pedro Lázaro)

Eu entrei em fevereiro com:
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44596 (Hélio)

Esquentou quando o Takata respondeu em:
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44598 (Takata)







SUBJECT: Re: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 00:50

Eduardo,

O Tempo E-X-I-S-T-E ........

Para saber minha opinião veja a thread "Uma questão de tempo"

Que "travei" com José Renato que tinha uma opinião pacecida com a tua.

A thread começou com
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/49790 (José Renato)

Eu entrei na
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/49964 (Hélio)

E daí começou uma looooooooooooonga discussão que levou
muiiiiiiiiiiiiiito TEMPO !!!!!!!!

:-)
:-)



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Eduardo Sardeiro
<esardeiro@g...> escreveu
>
> Prezado Álvaro,
>
> O tempo não existe, exceto
> nas nossas convenções
> gramaticais.
>
> Quando comparamos o decorrer
> de um evento físico com o
> decorrer dos ponteiros de um
> relógio, estamos na verdade
> comparando transformações de
> energia.
>
> Explicando:
>
> Nossa unidade de tempo é
> definida pelo SI (Sistema
> Internacional de Medidas) da
> seguinte forma:
>
> "O segundo é a duração de
> 9.192.631.770 períodos da
> radiação correspondente à
> transição entre dois níveis
> hiperfinos do estado fundamental
> do átomo de césio 133, em
> repouso, a uma temperatura
> de 0 K".
>
> Ou seja, esse padrão baseia-se
> numa variação de energia
> do átomo de césio 133.
>
> A partir deste padrão pode-se
> conferir todos os relógios
> mecânicos ou digitais.
>
> Supondo que consigamos
> racionalizar todos os
> eventos físicos teríamos
> algo do tipo:
>
> _ _
> | k * /\E * m |
> | ------------- | = /\t
> |_ /\v _|
>
> _ _
> | k * /\Er * mr |
> | --------------- | = /\t
> |_ /\vr _ |
>
> Ou
>
> _ _
> | k * /\E * m |
> | ------------- | =
> |_ /\v _|
>
> _ _
> | k * /\Er * mr |
> | --------------- |
> |_ /\vr _ |
>
>
> Leia-se:
>
> "Se houver uma equação em
> que seja possível evidenciar
> o tempo de um evento físico,
> ela poderá ser igualada
> à equação de um relógio
> corretamente aferido e
> o tempo poderá ser
> dispensado".
>
> Onde,
>
> /\E: variação da energia
> /\v: variação da velocidade
> do corpo
> m: massa do corpo
>
> /\t: variação do tempo
>
> /\Er: variação da energia do
> relógio
> /\vr: variação da velocidade
> do relógio
> mr: massa do relógio
>
> Se bem me lembro, Torriceli
> tb conseguiu dispensar o
> tempo na sua equação
> envolvendo posição,
> aceleração e velocidade.
>
> Ou seja, não precisaríamos
> do tempo.
>
> Mas - sempre tem um "mas" -
> como assinamos uma acordo
> antropomórfico logo que
> nascemos, o tempo é usado
> para facilitar as explicações.
>
> O dinheiro tb é usado desta
> forma.
>
> Espero ter sido mais claro
> dessa vez.
>
> Abrs,
>
> Sardeiro
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
> ________________________________________
> De: Alvaro Augusto [mailto:alvaro@d...]
> Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 13:21
> Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
> Caro Sardeiro,
>
> Parece-me que você está dando ao tempo um caráter antropomórfico
demais. O
> tempo não existe independente de nós? Não é possível medí-lo com
> equipamentos desprovidos de neurônios?
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>
>
>
> ----- Original Message -----
> From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@g...>
> To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
> Sent: Friday, August 25, 2006 12:59 PM
> Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
>
>
> Olá Elton! Bom dia!
>
> Vc está sugerindo que estou
> usando conceitos e definições
> científicas imprecisas?
>
> Bom, embora esteja sem minhas
> referências em mãos, tentarei
> ser mais preciso.
>
>
> * Sobre o tempo:
>
> Várias pesquisas neuro-científicas
> tem demonstrado que o cérebro é
> uma máquina comparativa em todos
> os sentidos.
>
> Um experimento bastante interessante
> que é usado como exemplo pode ser
> feito da seguinte forma:
>
> (1) coloque em três recipientes
> água morna, água gelada e água
> em temperatura ambiente.
>
> (2) coloque o dedo indicador direito
> na água morna, o esquerdo na água
> gelada e espere 5 minutos.
>
> (3) em seguida coloque os dois na
> água em temperatura ambiente.
>
> Se seguir as intruções verá que,
> embora os dois dedos estejam na
> mesma temperatura, vc sentirá
> a água fria no dedo direito e
> morna, no dedo esquerdo.
>
> Esse é um bom exemplo de como
> o Sistema nervoso age.
>
> De igual forma, o conceito de
> tempo é apenas comparativo.
>
> Intuitivamente comparamos o tempo
> com o nosso relógio interno - ou
> bio-ritmo. Racionalmente comparamos
> o tempo com relógios.
>
> Em ambos os casos, o tempo
> pode ser colocado em evidência
> e anulado nos dois lados de
> uma equação que envolva um
> evento físico real qualquer
> e o evento de funcionamento
> de um relógio.
>
> Em suma: o tempo não é necessário,
> ou se preferi, o tempo não existe.
> Ele é apenas uma entidade
> onírica comparativa.
>
>
>
> * Sobre a Termodinâmica:
>
> A Termodinâmica estuda o calor,
> um fenômeno macroscópico que
> poderia ser melhor estudado
> pela Mecânica, se fosse possível
> determinar a posição, a velocidade
> e a massa de cada molécula ou
> átomo delimitados em um recipiente.
>
> A Entropia, por tratar-se de
> fenômenos em escala macroscópica,
> deixa de ter respaldo físico e
> passa a ser puramente matemática.
>
> O experimento clássico que
> demonstra a Entropia pode ser
> realizado da seguinte forma:
>
> (1) Em um recipiente com duas
> câmaras interligadas por
> um cano com uma torneira
> coloque oxigênio (O2) em
> uma das câmara e nitrogênio
> (N2) na outra.
>
> (2) Abra a torneira.
>
> Em pouquíssimo tempo poderá
> ser verificado a existência
> da mesma quantidade da mistura
> gasosa (O2 + N2) nas duas
> câmaras.
>
> A Entropia diz que isso deve-se
> ao equilíbrio termodinâmico.
>
> Já a Matemática diz que mistura
> final tem probabilidade maior de
> conter uma média das duas substância.
>
> A Entropia diz que é impossível
> que ambos os gases não misturem-se.
>
> Já a Matemática diz que a probabilidade
> de que ambos os gases não misturem-se
> é muito pequena, mas não impossível.
>
> Simulações demonstram que a visão
> matemática é a mais correta.
>
> * * *
>
> Espero ter sido mais coerente
> desta vez.
>
> De qualquer forma, poderei
> Fornecer as referências
> biográficas necessárias
> logo mais.
>
> Abrs,
>
> Sardeiro
>
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
> ________________________________________
> De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@g...]
> Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:14
> Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
> On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@g...> wrote:
> > Elton,
> >
> > Estou trocando e-mails em um
> > grupo de discusões científicas.
> >
> > E vc?
>
> Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
> científicas precisas sobre o que eu falo.
>
>
>
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>







SUBJECT: Re: Uma questão de tempo - José Renato M. de Almeida
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 03:07

Bobagem Hélio,

São Paulo não existe
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=61161

Essa comunidade visa divulgar a verdade científica de que o estado de
São Paulo não existe, e que tudo isso não passa de uma conspiração da
CIA, do FBI e da Elma Chips com objetivos escusos.

Abraços,
Junior



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
<hrc@f...> escreveu
>
> --- Em ciencialist José Renato escreveu
>
> > O homo-sapiens criou o conceito de tempo ...
>
> Assim como criou o conceito de massa, sólido, líquido, pedra ...
> Mas isto não significa que ele criou o tempo, a massa, o sólido, o
> líquido, a pedra ...
>
> Minha opinião sobre o tempo eu já falei aqui.
> Não estou encontrando mas é resumidamente assim:
>
> O TEMPO é um essencial da natureza. Ele NÃO flui, ele NÃO avança.
> Mas tudo que flui e tudo que avança só o faz por que existe o TEMPO.
> O TEMPO NÃO passa, o TEMPO simplesmente É.
> (Ao caminhar você não diz que o ESPAÇO está avançando.)
> Ao falar do tempo não podemos usar verbos de ação pois a ação
> depende da pre existência do TEMPO.
>
> "Para o TEMPO" você É uma linha e não um ponto andante.
>
> Explico: digamos que você nasceu em SP com 15 anos foi para a Bahia
> e com 40 foi morar na Alemanha, voltou para SP com 70 onde ficou até
> a sua morte com 150 anos :-).
>
> Podemos fazer um gráfico de toda sua vida onde o eixo horizontal
> representa o tempo e o vertical a distância de SP.
>
> Esta linha É você no TEMPO e no ESPAÇO.
>
> [ ]'s
> Hélio
>







SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: "Alberto Mesquita Filho" <albmesq@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 04:24

----- Original Message -----
From: "Hélio Ricardo Carvalho"
Sent: Saturday, August 26, 2006 12:34 AM
Subject: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz

Olá Hélio

Achei bastante interessantes as suas idéias, mas alguns pontos deixaram-me
muito encucado. O primeiro é essa história da emissão de corpúsculos para
todos os lados. Nada contra, apenas acho estranha. Aliás, eu já acho isso
estranho até mesmo na teoria ondulatória (para a luz, bem entendido), que
dirá na corpuscular. Não consigo entender o que mantém o feixe sem que
espirre nada para fora do mesmo (na luz ondulatória existe o que eles chamam
interferência destrutiva, mas na luz corpuscular soaria bastante estranho
uma destruição de corpúsculos seguida da conservação da matéria -- quiçá
compensada por uma criação de corpúsculos a substituir a interferência
construtiva da luz ondulatória). A imagem que você indicou é bastante
interessante, mas as encucações persistem.

Outra encucação relaciona-se àquela história da luz não poder ser
individualizada em raios, mas tão somente em feixes. Que dizer da
experiência de Geoffrey Taylor, onde ele mostra a difração ocorrendo "ponto
a ponto", com luz extremamente fraca e longuíssimos intervalos de exposição
da chapa fotográfica? E aquela história dos fotomultiplicadores com os quais
adeptos da QED julgam provar a existência do fóton?

Eu acredito na existência dos fótons, apenas acho que ele não é exatamente
aquilo que dizem os físicos "modernos". Também não acho que ele seja
indivisível nem que não possa andar acoplado com outros (ou emendados) num
único raio de luz. O fóton é apenas uma cordinha e de extensão ilimitada.
Pode ser grande e pode ser pequeno. Se divido uma cordinha, passarei a ter
duas cordinhas (se insistirmos em chamar a primeira de fóton, poderia até
mesmo dizer que temos agora duas metades do fóton). Se eu junto duas
cordinhas, passarei a ter apenas uma cordinha, agora maior. Cada cordinha
dessas deve ser formada por milhares de corpúsculos, mas qual seria o
problema? Ora, se uma cordinha dessas incidir num átomo a ponto de um
elétron saltar de órbita, o elétron recebe apenas a parte necessária para o
salto, o resto permanece como cordinha e continua a se propagar. Se a
cordinha for menor que um fóton, o elétron não consegue atingir a
estabilidade, e devolve toda a cordinha. Não sei se deu para entender, mas é
assim que eu vejo os raios de luz.

Se um fóton estiver escapando de um átomo e a sua extremidade distal for
capturada por outro átomo, o máximo que pode acontecer é isso explicar uma
reflexão, quando em outras condições (fóton já liberado do primeiro átomo)
iria ocorrer a transmissão. Eu diria que os átomos estariam "brincando de
pular corda". ;-) Isso, de certa maneira, pode ser utilizado para explicar o
que Newton chama estados de fácil transmissão e estados de fácil reflexão. O
Feynmann diz que isso não tem explicação clássica. Concordo com ele que a
explicação dada por Newton é bastante esquisita, mas daí a dizer que não
existe explicação clássica é outra história. O que não existe é explicação
através da teoria ondulatória classica (e aqui tanto faz pensar em onda
mecânica quanto em onda eletromagnética). A "explicação" não clássica, por
outro lado, é aquela loucura que só mesmo o Feynman conseguiria imaginar,
ainda que ele reconheça e garanta que ninguém conseguirá nunca vir a
entender essa "explicação".

De qualquer forma, achei interessante você ter conseguido compatibilizar a
mudança de direção com a redução na velocidade (em média). Mas no caso da
teoria ondulatória clássica (luz como onda mecânica) creio que os adeptos
estão a nos dever uma explicação similar. Os livros atuais misturam muito as
coisas e nem se dão conta de que uma explicação torna a outra não só
desnecessária e redundante, mas terrivelmente incômoda, para não dizer
falseadora. Ou a luz é onda mecânica, ou a luz é onda eletromagnética (na
minha opinião não é nenhuma das duas coisas), e os livros didáticos usam as
duas idéias que, a rigor, seriam incompatíveis, e um dos pontos de
incompatibilidade é exatamente esse que estamos discutindo.

A esse respeito eu já não estou tão favorável à idéia de Newton com respeito
à atração antes da refração. Tenho chamado a isso por teoria do campo
refrator, uma teoria secundária no seio da teoria corpuscular. O termo campo
é pós-newtoniano (creio que a palavra foi cunhada em física por Faraday),
mas a teoria do campo refrator é dele, assim como a teoria do "campo"
gravitacional. Creio que a teoria do campo refrator torna-se desnecessária
justamente quando passamos a imaginar o efeito dos átomos dos meios densos e
trasparentes, não apenas na refração mas também na transmissão e na reflexão
da luz, assim como em processos a simularem interferência ondulatória. Eu
estou escrevendo um trabalho a respeito, mas ainda vou levar bastante tempo
(isso é coisa para um ano ou mais, a menos que eu consiga transformar cada
capítulo em artigos independentes). ´Também não estou com todos os trunfos,
ainda estou estudando muito, logo não sei se concluirei o trabalho a
contento, mas creio que vale a pena tentar. Atualmente eu estou propenso a
acreditar que a velocidade real da luz em todos os meios é a mesma e igual a
c, ao contrário do que afirmei em msg anterior e em concordância com a
teoria do campo refrator (neste caso a velocidade real, ou seja, entre dois
átomos, seria maior do que c). Vou expor abaixo apenas um item que escrevi
logo após ter apresentado ao leitor a teoria do campo refrator.

******** início da citação ************
A Estrutura da Luz e a Interação Luz-Matéria

1.8 - Críticas à teoria do campo refrator

Pela teoria do campo refrator a luz deveria viajar nos meios densos e
transparentes a uma velocidade mais rápida do que no vácuo, e dada pela
expressão 5 (item 1.2). A partir de Foucault (século XIX) demonstrou-se que
a realidade era outra. Hoje existem muitas evidências a demonstrarem que a
redução da velocidade se dá no interior do meio denso, entre uma molécula e
outra. O retardo da luz se daria em nível atômico ou molecular[1] e não como
efeito de uma ação à distância ou como algo a ocorrer na fronteira dos
sistemas. Isso seria terrivelmente incômodo para os adeptos da teoria
ondulatória clássica[2] de meados do século XIX (onda mecânica) mas não vai
contra a aceitação da luz corpuscular. Não obstante, cria um problema
importante para a teoria do campo refrator. Esta teoria prevê que a relação
entre as velocidades reais da luz entre os meios 1 e 2 seria dada por:

vr/vi = seni/senr = n (5)

onde vr é a velocidade real no meio 2 e vi é a velocidade real no meio 1. A
experiência, por outro lado, mede as velocidades aparentes ou médias, quais
sejam, aquelas que consideram o tempo de latência em que a luz permanece
como que incorporada às moléculas dos meios. Seria de se esperar que essas
velocidades aparentes v2 e v1 fossem diferentes de vr e vi, mas como
explicar que a relação seria agora exatamente a mesma, apenas que invertida
em termos de numerador e denominador, como mostra a expressão abaixo?

v2/v1 = senr/seni = 1/n (6)

A igualdade à esquerda, na equação 6, é o que tem sido observado a partir
das medidas efetuadas por Foucault e corresponde à expectativa ondulatória
clássica. A igualdade à direita, por outro lado, corresponde à lei empírica
de Snell-Descartes (de veracidade incontestável) escrita de maneira
conveniente para que possamos compará-la com a equação anterior. Ao que tudo
indica, a teoria do campo refrator não explica esta fantástica coincidência
para o valor numérico dos n's nas duas equações. Por que razão os tempos de
latência teriam que se relacionar com os ângulos r e i se os fenômenos que
produzem os dois efeitos (latência e curvatura da luz) são distintos e
relacionados a teorias diversas? Coincidências muitas vezes são úteis no
sentido de nos guiarem a uma possível unificação de teorias[3], ou então a
nos chamarem a atenção para a existência de princípios ainda não
evidenciados de outra maneira[4]. Outras vezes, não obstante, essas mesmas
coincidências prestam-se a abalar teorias aparentemente bem fundamentadas,
caso a teoria não consiga explicar a identidade observada e, ao que tudo
indica, parece ser este o caso da teoria do campo refrator.

Uma segunda dificuldade relaciona-se à comparação entre o espectro de
refração e o espectro de difração. Este último será objeto de discussão
quando formos estudar a interação tipo II. No item 1.7 mostramos que, pelo
menos em teoria, é possível acreditar na existência de uma estrutura
secundária para a luz compatível com a separação da luz num espectro de
cores (o que acontece, por exemplo, quando a luz branca atravessa um
prisma). Não obstante, os raios vermelhos, que sofrem a menor curvatura pela
refração, são exatamente aqueles que sofrem a maior curvatura pela
difração[5]. Como conceber uma estrutura que, ao sofrer uma determinada
ação, acusa uma resposta mínima e, não obstante, ao sofrer outra ação,
diversa porém de mesmo tipo, acusa uma resposta máxima?

Creio que estes desafios são bem difíceis de serem solucionados. Não digo
que a solução seja impossível nem desanimadora. Estou apenas chamando a
atenção para algumas dificuldades à primeira vista intransponíveis, se bem
que ainda não caracterizadas como falseadoras. Deixemos então a teoria do
campo refrator de quarentena até concluirmos o estudo dos outros tipos de
interação luz-matéria. Quem sabe consigamos sair do impasse ao analisarmos
as outras teorias secundárias (a teoria primária, no caso, é a da luz
corpuscular).
--------------------------------------------------------------------------------
Notas:

[1] Na atualidade utiliza-se esta propriedade no sentido de se criar meios
densos onde a luz viajaria em velocidades baixíssimas, e as experiências
assim propostas têm correspondido às expectativas, ainda que seus autores
atribuam explicações eminentemente quânticas e adaptadas ao misterioso
dualismo da física moderna.

[2] Ao se utilizar o princípio de Huyghens, na explicação da refração da
luz, leva-se em conta o fato de que a velocidade da luz muda exatamente no
instante que a mesma atravessa a superfície de separação entre os dois
meios. Do contrário, e pelo princípio de Huyghens, a luz prosseguiria com a
mesma velocidade em módulo, direção e sentido, ou seja, não haveria
refração.

[3] Maxwell, por exemplo, propôs a unificação do Eletromagnetismo com a
Óptica após notar uma coincidência fantástica entre a velocidade da luz e
uma dada relação obtida com o produto de duas constantes eletromagnéticas.
Mais importante do que isso foi ter percebido que esta relação associava-se
teoricamente com a velocidade de propagação de campos eletromagnéticos
variáveis no tempo.

[4] Einstein visualizou o princípio da equivalência ao se questionar sobre a
coincidência entre as massas inercial e gravitacional.

[5] Newton, I, 1730, op. cit., Obs. 11, p. 337.

******** final da citação ************

[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 07:28

On 8/25/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
>
> Olá Elton! Bom dia!
>
> Vc está sugerindo que estou
> usando conceitos e definições
> científicas imprecisas?
>

Na verdade, está tentando modificar esses conceitos, dando a eles uma
fundamentaçào homocentrista. E isto não só é impreciso como errado.

> Várias pesquisas neuro-científicas
> tem demonstrado que o cérebro é
> uma máquina comparativa em todos
> os sentidos.

Neuro-científicas? Isso sim é imprecisão.

>
> Um experimento bastante interessante
> que é usado como exemplo pode ser
> feito da seguinte forma:
> [...]
> Se seguir as intruções verá que,
> embora os dois dedos estejam na
> mesma temperatura, vc sentirá
> a água fria no dedo direito e
> morna, no dedo esquerdo.
>
> Esse é um bom exemplo de como
> o Sistema nervoso age.
>
> De igual forma, o conceito de
> tempo é apenas comparativo.
>
> Intuitivamente comparamos o tempo
> com o nosso relógio interno - ou
> bio-ritmo. Racionalmente comparamos
> o tempo com relógios.
>
> Em ambos os casos, o tempo
> pode ser colocado em evidência
> e anulado nos dois lados de
> uma equação que envolva um
> evento físico real qualquer
> e o evento de funcionamento
> de um relógio.
>
> Em suma: o tempo não é necessário,
> ou se preferi, o tempo não existe.
> Ele é apenas uma entidade
> onírica comparativa.

Você está e não está certo. Andei pesquisando e, como eu esperava,
realmente não há uma definição clara do que seja tempo e ele é tratado
de forma comparativa, comparando a simultaneidade entre eventos a
medir e um evento que temos como "periódico". Entretanto, isso não
significa que ele não exista ou que possa ser cancelado do jeito que
você mencionou. Pelo contrário, há muitos casos em que se
"cancelarmos" o tempo, o resultado dá completamente errado, como em
Relatividade (onde o tempo é tratado como medida de tempo, mesmo).


> * Sobre a Termodinâmica:
>
> A Termodinâmica estuda o calor,
> um fenômeno macroscópico que
> poderia ser melhor estudado
> pela Mecânica, se fosse possível
> determinar a posição, a velocidade
> e a massa de cada molécula ou
> átomo delimitados em um recipiente.
>
> A Entropia, por tratar-se de
> fenômenos em escala macroscópica,
> deixa de ter respaldo físico e
> passa a ser puramente matemática.

A Termodinâmica estuda o calor, um fenômen macroscópico que é melhor
estudado pela Mecânica Estatística, em que se conhece a velocidade
média e a massa de cada partícula no recipiente e cujos resultados,
quando levados em conta para números muito grandes (moles) de
partículas, reproduzem exatamente os resultados da Termodinâmica que,
assim, ganha completo "respaldo físico", pois pode ser deduzida de
primeiros princípios.

Vejo que você tem problemas em encontrar conseqüências de suas premissas.

> O experimento clássico que
> demonstra a Entropia pode ser
> realizado da seguinte forma:
> [...]
> Em pouquíssimo tempo poderá
> ser verificado a existência
> da mesma quantidade da mistura
> gasosa (O2 + N2) nas duas
> câmaras.
>
> A Entropia diz que isso deve-se
> ao equilíbrio termodinâmico.

Não ocorre em pouquíssimo tempo coisa nenhuma. Você só vai ter uma
mistura equilibrada de gases depois de atingido o equilíbrio
termodinâmico, condição que, de acordo com a Segunda Lei, é a de
máxima entropia. Não é a entropia que diz que isso se deve ao
equilíbrio, mas sim o equilíbrio que "força" a entropia a se
maximizar, e esse máximo se dá quando a proporção de gases é
homogênea.

>
> Já a Matemática diz que mistura
> final tem probabilidade maior de
> conter uma média das duas substância.
>
> A Entropia diz que é impossível
> que ambos os gases não misturem-se.
>
> Já a Matemática diz que a probabilidade
> de que ambos os gases não misturem-se
> é muito pequena, mas não impossível.
>
> Simulações demonstram que a visão
> matemática é a mais correta.

Como eu disse anteriormente, a entropia de Clausius e a termodinâmica
são resultados de limites da Mecânica estatística para sistemas muito
grandes. Em sistemas limite como esse, para dizemos que ium fenômeno é
impossível, basta que para o evento ocorrer, é necessário um intervalo
de tempo muito grande ("grande" depende da escala que estudamos.
Milhões de anos para eventos na nossa escala é razoável). Isso
significa que as duas idéias sào, sim, equivalententes.


>
> Espero ter sido mais coerente
> desta vez.

Infelizmente, não foi. Muito non sequitur.

--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho

/"\ CAMPANHA DA FITA ASCII - CONTRA MAIL HTML
\ / ASCII RIBBON CAMPAIGN - AGAINST HTML MAIL
X http://www.eltonfc.no-ip.org/~eltonfc/htmlmail/htmlmail.html
/ \


SUBJECT: Profundidade das Holografia
FROM: "Salomão Barros" <salo.barros@gmail.com>
TO: ciencialist <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 09:42

Olá Grupo,

Não tenho participado devido a intensa carga horária de meus estudos
ultimamente, é trabalho que não acaba mais, mas existe 1 em particular em
que gostaria de toda a ajuda disponivel desse grupo. Já citei-o uma vez,
tenho como tema a Luz, estudando nos ultimos dias me deparei com o fenomeno
da Holografia. Entendi apenas em parte, contudo não gostei das explicações
sobre profundidade com tantos detalhes, enquanto em uma fotografia isso nem
existe. Gostaria de saber dos experts Mesquita, Hélio, Prof.Ferraz e de quem
se achar apto a me escrever o seguinte :

A) Como se da a formação realmente de uma imagem Holografica ?

B)Que teorias justifica esse fenomeno a ondulatoria, a corpuscular ou as
duas ?



Aguardo atenciosamente,

Salomão Barros


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Profundidade das Holografia
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 10:35

Olá Salomão,

comecemos com uma olhadinha no b.a.bá da coisa,em:
http://www.feiradeciencias.com.br/sala09/09_22.asp

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Salomão Barros" <salo.barros@gmail.com>
Para: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 09:42
Assunto: [ciencialist] Profundidade das Holografia


Olá Grupo,

Não tenho participado devido a intensa carga horária de meus estudos
ultimamente, é trabalho que não acaba mais, mas existe 1 em particular em
que gostaria de toda a ajuda disponivel desse grupo. Já citei-o uma vez,
tenho como tema a Luz, estudando nos ultimos dias me deparei com o fenomeno
da Holografia. Entendi apenas em parte, contudo não gostei das explicações
sobre profundidade com tantos detalhes, enquanto em uma fotografia isso nem
existe. Gostaria de saber dos experts Mesquita, Hélio, Prof.Ferraz e de quem
se achar apto a me escrever o seguinte :

A) Como se da a formação realmente de uma imagem Holografica ?

B)Que teorias justifica esse fenomeno a ondulatoria, a corpuscular ou as
duas ?



Aguardo atenciosamente,

Salomão Barros


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




SUBJECT: OT - trad.
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 11:45

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================


SUBJECT: Uma questão de tempo - José Renato M. de Almeida
FROM: "Silvio" <scordeiro@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 13:48

TEMPO é apenas uma unidade de medida criada pelos humanos para marcara diferença entre dois eventos.
a) ordem mensurável do movimento,
b) movimento intuido e
c) estrutura de possibilidades, citada por Heidegger in "Ser e Tempo".

silvio
----- Original Message -----
From: junior_br2001
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 3:07 AM
Subject: [ciencialist] Re: Uma questão de tempo - José Renato M. de Almeida


Bobagem Hélio,

São Paulo não existe
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=61161

Essa comunidade visa divulgar a verdade científica de que o estado de
São Paulo não existe, e que tudo isso não passa de uma conspiração da
CIA, do FBI e da Elma Chips com objetivos escusos.

Abraços,
Junior



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
<hrc@f...> escreveu
>
> --- Em ciencialist José Renato escreveu
>
> > O homo-sapiens criou o conceito de tempo ...
>
> Assim como criou o conceito de massa, sólido, líquido, pedra ...
> Mas isto não significa que ele criou o tempo, a massa, o sólido, o
> líquido, a pedra ...
>
> Minha opinião sobre o tempo eu já falei aqui.
> Não estou encontrando mas é resumidamente assim:
>
> O TEMPO é um essencial da natureza. Ele NÃO flui, ele NÃO avança.
> Mas tudo que flui e tudo que avança só o faz por que existe o TEMPO.
> O TEMPO NÃO passa, o TEMPO simplesmente É.
> (Ao caminhar você não diz que o ESPAÇO está avançando.)
> Ao falar do tempo não podemos usar verbos de ação pois a ação
> depende da pre existência do TEMPO.
>
> "Para o TEMPO" você É uma linha e não um ponto andante.
>
> Explico: digamos que você nasceu em SP com 15 anos foi para a Bahia
> e com 40 foi morar na Alemanha, voltou para SP com 70 onde ficou até
> a sua morte com 150 anos :-).
>
> Podemos fazer um gráfico de toda sua vida onde o eixo horizontal
> representa o tempo e o vertical a distância de SP.
>
> Esta linha É você no TEMPO e no ESPAÇO.
>
> [ ]'s
> Hélio
>








------------------------------------------------------------------------------
Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão: 4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/



------------------------------------------------------------------------------


Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/8/2006


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 15:09

Caro Alberto,

Pensei em iniciar outra trhead com esses mesmos assuntos, talvez umas 3 ou 4. Mas isso mais à frente. Mas relendo as suas muitas e bem traçadas linhas, gostaria de tecer comentários sobre uns poucos tópicos abaixo, para explicitar meu entendimento, dos assuntos ali mencionadas. Sobre os outros, comentarei noutra oportunidade. Então cortarei os itens sobre os quais by-passarei.

Lá vai.

----- Original Message -----
From: Alberto Mesquita Filho
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Monday, August 21, 2006 1:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


----- Original Message -----
From: "jvictor"
Sent: Sunday, August 20, 2006 10:13 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


Mesquita: Com respeito ainda a Newton, costumo fazer uma distinção que normalmente não
é aceita pelos que me lêem, mas que Newton por mais de uma vez tentou passar
(existem 48 escólios nos Principia e 31 questões na Óptica III onde ele
deixa isso bastante claro). O problema é que existe uma Física Newtoniana e
um Modelo Newtoniano. A Física Newtoniana pretende ser a sua teoria
definitiva, ainda que ele não tenha completado. O Modelo Newtoniano nada
mais representava para Newton senão um modelo que dava certo, ainda que com
grande chance de não corresponder a realidade. Num de seus textos (não me
lembro exatamente onde, mas creio que está na Óptica III) ele diz mais ou
menos isto: "E portanto não tenho escrúpulos em propor os princípios do
movimento e esperar que suas causas sejam descobertas". Ora, o que significa
escrúpulo? Segundo o Houaiss seria: "estado de hesitação da consciência;
dúvida ou inquietação espiritual." Ou seja, ele tinha muitas dúvidas sobre
os princípios de seu Modelo, mas apesar disso utilizava-os, pois verificou
que nas condições experimentais que dispunha em sua época funcionavam. Essa
não é a Física do Newton, esse é apenas um Modelo que ele utilizava. A
Física era aquela que ele estava procurando, e era bem diferente daquela
aceita por seus seguidores e que descambou na física "moderna".

Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância é com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs. matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim: meu mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio tudo, e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí, resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento de tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ?
Com relação à MQ quântica, minha concepção é também simples, sem stress, fico com os 99% que são relevantes,
deixando os miseráveis 1% para os filósofos, e os experts das inutilidades:
1) para mim, a diferença brutal entre a MQ e a Clássica resulta apenas do seguinte:

A clássica considera que os processos são contínuos, com o formalismo matemático para tratar esses mesmos processos
estruturado para dar conta deles;
A moderna, em vista de dados experimentais irrefututáveis, tomou consciência de que esses processos, em escalas atômicas, são descontínuos.
Pelo que o formalismo matemático usado teve que ser adaptado a esses fatos.

Enquanto numa absorção, troca ou emissão de energia, o processo é considerado ocorrer de maneira contínua; na outra, isto é feito
de maneira descontínua, através de "pacotes", ou quanta, que é uma palavra chique para dizer a mesma coisa. O culpado por descobrir isso foi o Planck!
E foi a própria experimentação que o conduziu a tais resultados. Coube a Einstein, naturalmente devido á sua poderosa intuição, retomar os achados
de Planck e aplicá-los a fenômenos conhecidos, mas que não tinha ainda qualquer explicação.
Esses, dois os autores do delito.
Processamentos contínuos ou quantizados, eis a diferença. Essa diferença, naturalmente, conduziu a uma reformulação de conceitos, limites, áreas de atuação, etc. . Foi necessário, em face dos dados, a estruturação de formalismos matemáticos mais adequados para dar conta da nova ordem.
Mas tudo saiu da experimentação, de dados obtidos. Nada caiu do céu.
Nada mais que isso.
Agora, o problema sério que surgiu foi o seguinte: a interpretação que foi dada ao novo escopo conceitual! Isso sim, é o que incomoda e azucrina.
Mas não há nada demais com toda a teoria, com os conceitos, com o formalismo matemático, enfim.
Já que tudo se ajusta ao que se obtém na prática e permite previsões como convém a qualquer boa teoria.
Deixe as interpretações de lado, que cada um pode ter, de modo a ajustar-se à necessidades pessoais,
e atenha-se à parte objetiva da teoria, e o nivarna estará mais próximo.
Eu lí, não lembro onde, que o A.Ferrão falou estar desenvolvendo uma teoria quântica
que leva em consideração precisamente aspectos não-lineares envolvidos, com resultados melhores e mais
sossegados que o que se tem atualmente. Segundo ele, esse pode ser um caminho mais espinhento do ponto de
vista operacional, é óbvio, mas certamente com resultados mais próximos do que sonha a nossa vã filosofia.
Se ele se encontrar por aí, gostaria de ler algo a respeito.

Mesquita: A Física de Newton apóia-se em três conceitos básicos (isso fica
perfeitamente claro para quem leu boa parte de sua obra): 1) movimento
absoluto; 2) luz corpuscular; 3) agente dos campos de natureza não material
(logo sem massa e sem energia).

Victor: 1) O problema sério está principalmente na idéia de um movimento absoluto, item 1), retro.
No que se refere a uma luz corpuscular(item, 2, retro), particularmente, não vejo um pingo sequer de problema.
Pelo contrário, vejo uma solução na dualidade onda-corpúsculo; que sabemos prevalecer
hoje, graças à intuição e à genialidade de Einstein, que resgatou a idéia de Newton, repondo
tudo nos devidos trilhos. Eu não tenho dúvidas a respeito. É para onde apontam todos os dados experimentais, e não vale aquí
indicar um ou outro, para uma discussão particularizada. O que estou dizendo é geral e verdadeiro
e tudo pode ser encontrado na vasta literatura existente.
Ao menos do jeito que sabemos fazer os experimentos, usando os procedimentos canônicos
e aperfiçoadas de hoje, os resultados não podem ser diferentes. Como não o são, mesmo.

2) Para não deixar este comentário longo demais, voltarei apenas ao mais complexo, difícil e pouco entendido de todos
os conceitos, qual seja: existência, no esquema newtoniano, de um movimento absoluto, de um espaço absoluto.
E vou perder, aquí, algum tempo tentando justificar a maneira como eu entendo isso.
Meu mundinho, aquí, também é simples e satisfatório, ao menos para mim; o que é fundamental
para o entendimento das coisas que estudo e procuro aprofundar e compreender.

Vamos tomar como verdadeiro o seguinte:
Princípio da Relatividade(de Newton): dois observadores animados de um movimento retilíneo
obtêm resultados experimentais idênticos; ou seja, eles podem usar as mesmas leis da física para explicar
os resultados de suas experiências. Esta percepção empírica e genial, inclui claramente o princípio da inércia:
"Todo corpo persevera em seu estado de repouso ou de movimento retilíneo uniforme, a menos que alguma força
que atue sobre ele o force a mudar de estado".

Valem aqui das Transformações de Galileu/Newton.

É na observação acima que reside todo o segredo do tesouro.

Quero mostrar, a partir do que enunciado acima, que não pode existir espaço absoluto.

O Princípio da Relatividade inclui o significativo fato de que não é possível encontrar qualquer experimento
capaz de mostrar um movimento absoluto.
É unicamente possível demonstrar a existência de movimentos não absolutos, ditos relativos, usando essa ferramenta.
Movo-me em relação à terra em MRU, mas a terra move-se em relação ao sol, este, em relação à galáxia, esta, em relação...
e assim por diante, sem limites.
Seria possível encontrar algum ponto no espaço em relação ao qual eu, em MRU, estivesse em movimento, independentemente
de outros referenciais, de outros observadores inerciais? Claramente, a resposta é não.
Ninguém até hoje conseguiu definir de maneira irrefutável algo assim. Mas não o conseguiu em razão de limitações de limitações pessoais;
não o conseguiu por causa de algo mais grave um pouquinho: pela impossbilidade absoluta de que isto aconteçca!.

Então, o espaço existe de tal forma a que os movimentos retilíneos uniformes em relação a ele sejam relativos. O espaço é,
assim, relativo! Não há como vislumbrar um espaço absoluto que defina os MRU como absolutos! Se há um sistema de referencial inercial,
então será possível encontrar infinitos outros também inerciais, dizem os princípios básicos acima.

Agora, Newton e muitos newtonianos antigos e atuais não aceitaram isso. E provam a existência de uma aceleração
absoluta. Tudo bem, é fácil encontrar algo assim, experimentalmente. Só que generalizam errada e equivocamente a existência de um espaço
absoluto a partir dos resultados obtidos. Vejamos, então, um argumento em favor do raciocínio acima.
Na famosa experiência proposta por Newton, do balde, isto fica claro. A análise dessa experiência( feita, entre outros,
por A.K . Assis, em o seu Mecânica Relacional), que é também é fácil de ser feita, sem mistérios algum, conduz precisamente a uma
aceleração absoluta!. Ora, isto implica num espaço absoluto! Não há como correr disso. Mas tais acelerações ocorrem sempre que houver movimento
acelerados, e sempre do ponto de vista de um observador em repouso em relação ao próprio sistema acelerado!.
São aquelas forças "fictícias" sobre o que já discutimos aquí. Seja num trem que arranca ou freia ou num carrossel, observadores solidários a
tais sistemas dão conta da existência dessas forças e, portanto, dessas acelerações que, para melhor clarificar, lembro que não guardam
qualquer relação com corpos de referência presentes e não obedecem às sagradas leis do Homem(Newton)!
São os rebeldes sem causa, mas causando estragos também. Mach foi um dos poucos que enxergou coisas do tipo.

Então, temos, assim, um espaço Newtoniano que:
1) para sistemas inerciais(MRU), ele não quer nem saber: não permite que o movimento seja absoluto, e seja apenas relativo em relação
aos MRU; é esta uma realidade física do mais alto quilate!. Não há espaço absoluto que dê guarida a movimentos retilíneos uniformes.
Não há como encontrar coisa diferente.
2) já para sistsemas acelerados, muda o figurino, a realidade física subjacente indica que o movimento é absoluto, aceleração é absoluta, portanto existe o espaço absoluto.

E como é que pode?
Na natureza, uma coisa ou é ou não é. Um espaço não pode ser absoluto e relativo ao mesmo tempo, como
mostra claramente a modesta discussão acima.

Logo, diante desta incoerência, deste conflito, desta contradição, só pode haver uma resposta: não existe espaço absoluto.

Já disse em outras mensagens que as leis de Newton funcionam, mas são extremamente problemáticas, conceitualmente.
Eis aí uma prova! Contradição das feias! Infelizmente há muitos estudiosos que vêm isso de maneira diferente.
Só não sei como, se isso é um consequência das próprias hipóteses de Newton!
E não é apenas em relação ao princípio da relatividade, e suas consequências mais nobres: o princípio da inércia e o da inexsitência de espaço absoluto, que contradições surgem e dão, como resultado desses mesmos princípios, uma negação daquilo que lhe serviu de base.
Já vimos, aquí também, uma discussão enfocando alguns aspectos, até começada pelo Prof. Léo..

Einstein, com sua TR, restaurou a verdade dos fatos. A física relativística pôs os pontos nos i`s. De maneira simples, apenas
reformulando os então Princípios de Galileu/Newton, de forma a livrá-los das gorduras prejudiciais, que se mantiveram invisíveis durante tanto tempo;
a isso tudo, só fez acrescentar só mais umas coisinhas, e pronto.
Infelizmente, para muitos, a visibilidade destas coisas ainda está prejudicada. Mas, com fé em deus e na santíssima trindade isso mudará, um dia...

Confesso que fiquei estagnado no tempo durante muitos anos, até que um dia compreendí claramente as incidências acima descritas.
Aí, o resto veio fácil e lisinho!

É êsse o meu entendimento dessas coisas.


Mesquita: O Modelo de Newton que dá certo na maioria das vezes, mas não sempre,
apóia-se em três princípios provisórios: as três leis de Newton.
É assim que eu vejo a física clássica newtoniana. Não foi isso que os
"seguidores" de Newton adotaram. Os seguidores adotaram o modelo como
física, e deu no que deu. Negaram a luz corpuscular, negaram o movimento
absoluto e materializaram os campos. Até que descobriram que essa física
construída por cima dessas três negações, mas que aceitava as três leis,
começou a não funcionar.

Victor: No item anterior, e em outros de msgs anteriores, já discutí os dois assuntos:
"Negaram luz corpuscular, negaram o movimento absoluto". Sobre o primeiro, Einstein
o restaurou, como não dia ser diferente; o que deu causa o módelo dual que você e outros
pensadores não querem ver nem vestido de ouro. E que eu aceito em vista de meus conhecimentos
e minhs convicção decorrentes deles não me permitirem fugir da raia!. Quanto o segundo item,
tratado até com um pouco de exaustão no item anterior, não tenho dúvidas. Os próprios pilares
newtonianos apontam para a inexistência do espaço absoluto. Levam a contradições a respeito
das qauais não restam dúvidas: são contradições mesmo!....
Não existe espaço absoluto.

Mesquita: A mecânica newtoniana passou a não funcionar frente
à luz ondulatória. Continuou a não funcionar até mesmo depois de
aperfeiçoada por Maxwell (onda eletromagnética). Foi nesse clima que
surgiram Planck, Einstein e Bohr, dentre outros, e começaram a tapar os
buracos como melhor os convinha, e chegamos na física "moderna" que se opõe
totalmente à Física de Newton, ainda que consiga chegar em seu Modelo em
condições limites. Ou seja, o modelo que foi construído na certeza de que
estava errado ("e portanto não tenho escrúpulos em propor os princípios"),
porém que dava certo em condições limites, passou a ser considerado um
modelo que está certo, mas apenas em condições limites (não sei se deu para
perceber a sutileza da colocação).

Victor: Deixo de comentar o trecho acima, segunda parte de sua fala, por se tratar
de impressões pessoais. O que pude dissecar dessa história toda difere um pouquinho
do enfoque acima. Mas no geral, bate.

Mesquita: Bem, isso retrata a minha leitura de Newton, e sei que você não irá
concordar. Mas isso não importa, eu me darei por satisfeito se você entender
no que eu acredito, mesmo sem acreditar na minha versão. Não há como
ressuscitar Newton para saber o que ele pensava sobre sua física e/ou sobre
o seu modelo.

Victor: É isso aí. Como viu, não concordo com você em certos aspectos da teoria, que considero cruciais.
Mas reconheço que há muitos outros físicos e pensadores que me mandariam prá p.q.p, ao lerem sobre
o que entendo seja o correto, o coerente, que são heresias às avessas. A diferença é que me agarro às próprias armas que nos deu Newton,
para mostrar onde e o quê não é o que elas dizem que é. Baita dum trocadalho, esse último.



[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1716 (20060820) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 15:57

Correção: no parágrafo A), desconsidere a informação anterior e considere esta, que fica assim: " A) Enquanto numa a absorção, troca ou emissão de energia, o processo é considerado ocorrer de maneira contínua, em escala macro; em escala atômica, isto é feitode maneira descontínua, através de "pacotes", ou quanta, que é uma palavra chique para dizer a mesma coisa. Não que na escala macro não acontençam essas descontinuidades. Apenas ficam mascaradas pelos grandes números associados"

----- Original Message -----
From: jvictor
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 3:09 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


Caro Alberto,

Pensei em iniciar outra trhead com esses mesmos assuntos, talvez umas 3 ou 4. Mas isso mais à frente. Mas relendo as suas muitas e bem traçadas linhas, gostaria de tecer comentários sobre uns poucos tópicos abaixo, para explicitar meu entendimento, dos assuntos ali mencionadas. Sobre os outros, comentarei noutra oportunidade. Então cortarei os itens sobre os quais by-passarei.

Lá vai.

----- Original Message -----
From: Alberto Mesquita Filho
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Monday, August 21, 2006 1:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


----- Original Message -----
From: "jvictor"
Sent: Sunday, August 20, 2006 10:13 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


Mesquita: Com respeito ainda a Newton, costumo fazer uma distinção que normalmente não
é aceita pelos que me lêem, mas que Newton por mais de uma vez tentou passar
(existem 48 escólios nos Principia e 31 questões na Óptica III onde ele
deixa isso bastante claro). O problema é que existe uma Física Newtoniana e
um Modelo Newtoniano. A Física Newtoniana pretende ser a sua teoria
definitiva, ainda que ele não tenha completado. O Modelo Newtoniano nada
mais representava para Newton senão um modelo que dava certo, ainda que com
grande chance de não corresponder a realidade. Num de seus textos (não me
lembro exatamente onde, mas creio que está na Óptica III) ele diz mais ou
menos isto: "E portanto não tenho escrúpulos em propor os princípios do
movimento e esperar que suas causas sejam descobertas". Ora, o que significa
escrúpulo? Segundo o Houaiss seria: "estado de hesitação da consciência;
dúvida ou inquietação espiritual." Ou seja, ele tinha muitas dúvidas sobre
os princípios de seu Modelo, mas apesar disso utilizava-os, pois verificou
que nas condições experimentais que dispunha em sua época funcionavam. Essa
não é a Física do Newton, esse é apenas um Modelo que ele utilizava. A
Física era aquela que ele estava procurando, e era bem diferente daquela
aceita por seus seguidores e que descambou na física "moderna".

Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância é com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs. matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim: meu mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio tudo, e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí, resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento de tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ?
Com relação à MQ quântica, minha concepção é também simples, sem stress, fico com os 99% que são relevantes,
deixando os miseráveis 1% para os filósofos, e os experts das inutilidades:
1) para mim, a diferença brutal entre a MQ e a Clássica resulta apenas do seguinte:

A clássica considera que os processos são contínuos, com o formalismo matemático para tratar esses mesmos processos
estruturado para dar conta deles;
A moderna, em vista de dados experimentais irrefututáveis, tomou consciência de que esses processos, em escalas atômicas, são descontínuos.
Pelo que o formalismo matemático usado teve que ser adaptado a esses fatos.

A) Enquanto numa absorção, troca ou emissão de energia, o processo é considerado ocorrer de maneira contínua, em escala macro; em escala atômica, isto é feitode maneira descontínua, através de "pacotes", ou quanta, que é uma palavra chique para dizer a mesma coisa. Não que na escala macro não acontençam essas descontinuidades. Apenas ficam mascaradas pelos grandes números associados..
O culpado por descobrir isso foi o Planck!
E foi a própria experimentação que o conduziu a tais resultados. Coube a Einstein, naturalmente devido á sua poderosa intuição, retomar os achados
de Planck e aplicá-los a fenômenos conhecidos, mas que não tinha ainda qualquer explicação.
Esses, dois os autores do delito.
Processamentos contínuos ou quantizados, eis a diferença. Essa diferença, naturalmente, conduziu a uma reformulação de conceitos, limites, áreas de atuação, etc. . Foi necessário, em face dos dados, a estruturação de formalismos matemáticos mais adequados para dar conta da nova ordem.
Mas tudo saiu da experimentação, de dados obtidos. Nada caiu do céu.
Nada mais que isso.
Agora, o problema sério que surgiu foi o seguinte: a interpretação que foi dada ao novo escopo conceitual! Isso sim, é o que incomoda e azucrina.
Mas não há nada demais com toda a teoria, com os conceitos, com o formalismo matemático, enfim.
Já que tudo se ajusta ao que se obtém na prática e permite previsões como convém a qualquer boa teoria.
Deixe as interpretações de lado, que cada um pode ter, de modo a ajustar-se à necessidades pessoais,
e atenha-se à parte objetiva da teoria, e o nivarna estará mais próximo.
Eu lí, não lembro onde, que o A.Ferrão falou estar desenvolvendo uma teoria quântica
que leva em consideração precisamente aspectos não-lineares envolvidos, com resultados melhores e mais
sossegados que o que se tem atualmente. Segundo ele, esse pode ser um caminho mais espinhento do ponto de
vista operacional, é óbvio, mas certamente com resultados mais próximos do que sonha a nossa vã filosofia.
Se ele se encontrar por aí, gostaria de ler algo a respeito.

Mesquita: A Física de Newton apóia-se em três conceitos básicos (isso fica
perfeitamente claro para quem leu boa parte de sua obra): 1) movimento
absoluto; 2) luz corpuscular; 3) agente dos campos de natureza não material
(logo sem massa e sem energia).

Victor: 1) O problema sério está principalmente na idéia de um movimento absoluto, item 1), retro.
No que se refere a uma luz corpuscular(item, 2, retro), particularmente, não vejo um pingo sequer de problema.
Pelo contrário, vejo uma solução na dualidade onda-corpúsculo; que sabemos prevalecer
hoje, graças à intuição e à genialidade de Einstein, que resgatou a idéia de Newton, repondo
tudo nos devidos trilhos. Eu não tenho dúvidas a respeito. É para onde apontam todos os dados experimentais, e não vale aquí
indicar um ou outro, para uma discussão particularizada. O que estou dizendo é geral e verdadeiro
e tudo pode ser encontrado na vasta literatura existente.
Ao menos do jeito que sabemos fazer os experimentos, usando os procedimentos canônicos
e aperfiçoadas de hoje, os resultados não podem ser diferentes. Como não o são, mesmo.

2) Para não deixar este comentário longo demais, voltarei apenas ao mais complexo, difícil e pouco entendido de todos
os conceitos, qual seja: existência, no esquema newtoniano, de um movimento absoluto, de um espaço absoluto.
E vou perder, aquí, algum tempo tentando justificar a maneira como eu entendo isso.
Meu mundinho, aquí, também é simples e satisfatório, ao menos para mim; o que é fundamental
para o entendimento das coisas que estudo e procuro aprofundar e compreender.

Vamos tomar como verdadeiro o seguinte:
Princípio da Relatividade(de Newton): dois observadores animados de um movimento retilíneo
obtêm resultados experimentais idênticos; ou seja, eles podem usar as mesmas leis da física para explicar
os resultados de suas experiências. Esta percepção empírica e genial, inclui claramente o princípio da inércia:
"Todo corpo persevera em seu estado de repouso ou de movimento retilíneo uniforme, a menos que alguma força
que atue sobre ele o force a mudar de estado".

Valem aqui das Transformações de Galileu/Newton.

É na observação acima que reside todo o segredo do tesouro.

Quero mostrar, a partir do que enunciado acima, que não pode existir espaço absoluto.

O Princípio da Relatividade inclui o significativo fato de que não é possível encontrar qualquer experimento
capaz de mostrar um movimento absoluto.
É unicamente possível demonstrar a existência de movimentos não absolutos, ditos relativos, usando essa ferramenta.
Movo-me em relação à terra em MRU, mas a terra move-se em relação ao sol, este, em relação à galáxia, esta, em relação...
e assim por diante, sem limites.
Seria possível encontrar algum ponto no espaço em relação ao qual eu, em MRU, estivesse em movimento, independentemente
de outros referenciais, de outros observadores inerciais? Claramente, a resposta é não.
Ninguém até hoje conseguiu definir de maneira irrefutável algo assim. Mas não o conseguiu em razão de limitações de limitações pessoais;
não o conseguiu por causa de algo mais grave um pouquinho: pela impossbilidade absoluta de que isto aconteçca!.

Então, o espaço existe de tal forma a que os movimentos retilíneos uniformes em relação a ele sejam relativos. O espaço é,
assim, relativo! Não há como vislumbrar um espaço absoluto que defina os MRU como absolutos! Se há um sistema de referencial inercial,
então será possível encontrar infinitos outros também inerciais, dizem os princípios básicos acima.

Agora, Newton e muitos newtonianos antigos e atuais não aceitaram isso. E provam a existência de uma aceleração
absoluta. Tudo bem, é fácil encontrar algo assim, experimentalmente. Só que generalizam errada e equivocamente a existência de um espaço
absoluto a partir dos resultados obtidos. Vejamos, então, um argumento em favor do raciocínio acima.
Na famosa experiência proposta por Newton, do balde, isto fica claro. A análise dessa experiência( feita, entre outros,
por A.K . Assis, em o seu Mecânica Relacional), que é também é fácil de ser feita, sem mistérios algum, conduz precisamente a uma
aceleração absoluta!. Ora, isto implica num espaço absoluto! Não há como correr disso. Mas tais acelerações ocorrem sempre que houver movimento
acelerados, e sempre do ponto de vista de um observador em repouso em relação ao próprio sistema acelerado!.
São aquelas forças "fictícias" sobre o que já discutimos aquí. Seja num trem que arranca ou freia ou num carrossel, observadores solidários a
tais sistemas dão conta da existência dessas forças e, portanto, dessas acelerações que, para melhor clarificar, lembro que não guardam
qualquer relação com corpos de referência presentes e não obedecem às sagradas leis do Homem(Newton)!
São os rebeldes sem causa, mas causando estragos também. Mach foi um dos poucos que enxergou coisas do tipo.

Então, temos, assim, um espaço Newtoniano que:
1) para sistemas inerciais(MRU), ele não quer nem saber: não permite que o movimento seja absoluto, e seja apenas relativo em relação
aos MRU; é esta uma realidade física do mais alto quilate!. Não há espaço absoluto que dê guarida a movimentos retilíneos uniformes.
Não há como encontrar coisa diferente.
2) já para sistsemas acelerados, muda o figurino, a realidade física subjacente indica que o movimento é absoluto, aceleração é absoluta, portanto existe o espaço absoluto.

E como é que pode?
Na natureza, uma coisa ou é ou não é. Um espaço não pode ser absoluto e relativo ao mesmo tempo, como
mostra claramente a modesta discussão acima.

Logo, diante desta incoerência, deste conflito, desta contradição, só pode haver uma resposta: não existe espaço absoluto.

Já disse em outras mensagens que as leis de Newton funcionam, mas são extremamente problemáticas, conceitualmente.
Eis aí uma prova! Contradição das feias! Infelizmente há muitos estudiosos que vêm isso de maneira diferente.
Só não sei como, se isso é um consequência das próprias hipóteses de Newton!
E não é apenas em relação ao princípio da relatividade, e suas consequências mais nobres: o princípio da inércia e o da inexsitência de espaço absoluto, que contradições surgem e dão, como resultado desses mesmos princípios, uma negação daquilo que lhe serviu de base.
Já vimos, aquí também, uma discussão enfocando alguns aspectos, até começada pelo Prof. Léo..

Einstein, com sua TR, restaurou a verdade dos fatos. A física relativística pôs os pontos nos i`s. De maneira simples, apenas
reformulando os então Princípios de Galileu/Newton, de forma a livrá-los das gorduras prejudiciais, que se mantiveram invisíveis durante tanto tempo;
a isso tudo, só fez acrescentar só mais umas coisinhas, e pronto.
Infelizmente, para muitos, a visibilidade destas coisas ainda está prejudicada. Mas, com fé em deus e na santíssima trindade isso mudará, um dia...

Confesso que fiquei estagnado no tempo durante muitos anos, até que um dia compreendí claramente as incidências acima descritas.
Aí, o resto veio fácil e lisinho!

É êsse o meu entendimento dessas coisas.


Mesquita: O Modelo de Newton que dá certo na maioria das vezes, mas não sempre,
apóia-se em três princípios provisórios: as três leis de Newton.
É assim que eu vejo a física clássica newtoniana. Não foi isso que os
"seguidores" de Newton adotaram. Os seguidores adotaram o modelo como
física, e deu no que deu. Negaram a luz corpuscular, negaram o movimento
absoluto e materializaram os campos. Até que descobriram que essa física
construída por cima dessas três negações, mas que aceitava as três leis,
começou a não funcionar.

Victor: No item anterior, e em outros de msgs anteriores, já discutí os dois assuntos:
"Negaram luz corpuscular, negaram o movimento absoluto". Sobre o primeiro, Einstein
o restaurou, como não dia ser diferente; o que deu causa o módelo dual que você e outros
pensadores não querem ver nem vestido de ouro. E que eu aceito em vista de meus conhecimentos
e minhs convicção decorrentes deles não me permitirem fugir da raia!. Quanto o segundo item,
tratado até com um pouco de exaustão no item anterior, não tenho dúvidas. Os próprios pilares
newtonianos apontam para a inexistência do espaço absoluto. Levam a contradições a respeito
das qauais não restam dúvidas: são contradições mesmo!....
Não existe espaço absoluto.

Mesquita: A mecânica newtoniana passou a não funcionar frente
à luz ondulatória. Continuou a não funcionar até mesmo depois de
aperfeiçoada por Maxwell (onda eletromagnética). Foi nesse clima que
surgiram Planck, Einstein e Bohr, dentre outros, e começaram a tapar os
buracos como melhor os convinha, e chegamos na física "moderna" que se opõe
totalmente à Física de Newton, ainda que consiga chegar em seu Modelo em
condições limites. Ou seja, o modelo que foi construído na certeza de que
estava errado ("e portanto não tenho escrúpulos em propor os princípios"),
porém que dava certo em condições limites, passou a ser considerado um
modelo que está certo, mas apenas em condições limites (não sei se deu para
perceber a sutileza da colocação).

Victor: Deixo de comentar o trecho acima, segunda parte de sua fala, por se tratar
de impressões pessoais. O que pude dissecar dessa história toda difere um pouquinho
do enfoque acima. Mas no geral, bate.

Mesquita: Bem, isso retrata a minha leitura de Newton, e sei que você não irá
concordar. Mas isso não importa, eu me darei por satisfeito se você entender
no que eu acredito, mesmo sem acreditar na minha versão. Não há como
ressuscitar Newton para saber o que ele pensava sobre sua física e/ou sobre
o seu modelo.

Victor: É isso aí. Como viu, não concordo com você em certos aspectos da teoria, que considero cruciais.
Mas reconheço que há muitos outros físicos e pensadores que me mandariam prá p.q.p, ao lerem sobre
o que entendo seja o correto, o coerente, que são heresias às avessas. A diferença é que me agarro às próprias armas que nos deu Newton,
para mostrar onde e o quê não é o que elas dizem que é. Baita dum trocadalho, esse último.



[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1716 (20060820) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Profundidade das Holografia
FROM: "Alberto Mesquita Filho" <albmesq@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 16:04

----- Original Message -----
From: "Salomão Barros"
Sent: Saturday, August 26, 2006 9:42 AM
Subject: [ciencialist] Profundidade das Holografia

Olá Salomão

> A) Como se da a formação realmente de uma imagem Holografica ?
> B)Que teorias justifica esse fenomeno a ondulatoria, a corpuscular ou as
> duas ?

Quanto à primeira pergunta, creio que o Léo já respondeu a contento. O
artigo que ele indicou é bastante didático e aborda o problema na
simplicidade.

Quanto à segunda pergunta diria duas coisas.

A primeira é que não sou especialista em holografia. Quem estuda holografia
deve conhecer muito bem a Óptica, mas o contrário não é necessariamente
verdadeiro.

Por outro lado, você há de convir que numa abordagem superficial, a
holografia pode ser explicada apelando-se para a óptica geométrica, como
mostra o artigo indicado pelo Léo. Conseqüentemente, e neste nível
superficial, tanto a teoria ondulatória quanto a corpuscular se saem muito
bem. Não obstante, e como aponta o artigo, "as holografias só passaram a
existir depois de 1960, com a descoberta do raio laser".

Como o laser foi uma das coisas previstas por Einstein, fica a falsa
impressão de que seria um produto da física "moderna" e, como tal, estaria
relacionado àquelas monstruosidades tais como dualidade corpúsculo-onda,
colapso da função onda, incerteza, princípio da correspondência, princípio
da superposição de estados, espaço curvo e outras milongas propaladas pelos
adeptos da ficção científica. Não obstante, se você for estudar alguns tipos
de produção de raio laser, fica a impressão de que não há nada do
ficcionismo da física "moderna". A coisa é relativamente simples, em nível
superficial. Basta estimular alguns átomos a produzirem luz monocromática e
ir aprisionando-a entre dois espelhos no decorrer do tempo. É o tipo de
armazenamento quem dá coerência ao feixe. Você encontrará uma explicação
razoável dessa técnica em http://www.eba.ufmg.br/hololab/laser.html , no
último item intitulado "O que é laser?" Pode-se tentar explicar essa técnica
tanto pela teoria ondulatória clássica quanto pela teoria corpuscular
clássica, basta ter imaginação. Se quase não existem explicações na teoria
corpuscular isso se deve a que não se fabricam mais físicos teorizadores
clássicos como antigamente (os experimentais não deixam de ser todos
clássicos, pois utilizam equipamentos 100% clássicos, até prova em
contrário).

Eu acho que, nos dias atuais, daria para contar nos dedos o número dos
defensores da Óptica corpuscular. Quanto aos ondulatórios clássicos, eu acho
que a maioria deles ainda está atordoada após o baque que receberam em série
a partir do final do século XIX ( experiência Michelson-Morley, experiência
de Taylor, efeito fotoelétrico, etc). Restam então os físicos ficcionistas,
e esses são produzidos em série pelas melhores universidades do mundo.

[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alberto Mesquita Filho" <albmesq@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 17:46

----- Original Message -----
From: "jvictor"
Sent: Saturday, August 26, 2006 3:09 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Victor

Cortei muita coisa de sua msg, mas que pode ser recuperada em
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56796

Victor: A clássica considera que os processos são contínuos, com o
formalismo matemático para tratar esses mesmos processos estruturado para
dar conta deles;

Mesquita: Não obrigatoriamente. Os "raios de luz" newtonianos são
quantizados classicamente: "By the Rays of Light I understand its least
Parts, and those as well Successive in the same Lines, as Contemporary in
several Lines" [Tradução: Por raios de luz entendo as partes mínimas da luz
e as que tanto são sucessivas nas mesmas linhas como simultâneas em várias
linhas].

Victor: A moderna, em vista de dados experimentais irrefututáveis, tomou
consciência de que esses processos, em escalas atômicas, são descontínuos.

Mesquita: Sem dúvida, apenas que essa descontinuidade da física "moderna"
está envolta por uma enganação sem limites. A física "moderna" admite a
quantização, porém PROIBE que se dê uma estrutura para esses quanta. Você
sequer pode localizá-los no espaço, sob pena de não poder estudar suas
propriedades de movimento. Dualidade é isso: a coisa pode ser discreta ou
contínua, dependendo das conveniências de momento. Isso, a meu ver, tem
outro nome: enganação, do tipo "Me engana que eu gosto" ;-)

Victor (corrigido pela msg seguinte): Enquanto numa a absorção, troca ou
emissão de energia, o processo é considerado ocorrer de maneira contínua,
em escala macro; em escala atômica, isto é feito de maneira descontínua,
através de "pacotes", ou quanta, que é uma palavra chique para dizer a mesma
coisa. Não que na escala macro não acontençam essas descontinuidades.
Apenas ficam mascaradas pelos grandes números associados"

Mesquita: Planck redescobriu aquilo que Newton definiu como "raios de luz"
no sentido físico do termo, e não apenas matemático, mas apesar disso
continuou com os princípios básicos da óptica ondulatória. A física de
Newton é duplamente quantizada *classicamente*: A luz é quantizada em raios
físicos e materiais de luz, e os raios físicos de luz são quantizados em
corpúsculos (esses corpúsculos não tem mais a propriedade de luz, apenas de
matéria). A quantização newtoniana só não vai muito além porque naquela
época não se conhecia quase nada sobre a estrutura da matéria (moléculas,
átomos, elétrons, prótons, etc.).

Victor: E foi a própria experimentação que o conduziu a tais resultados.
Coube a Einstein, naturalmente devido á sua poderosa intuição, retomar os
achados de Planck e aplicá-los a fenômenos conhecidos, mas que não tinha
ainda qualquer explicação.

Mesquita: O mérito de Einstein foi ter constatado que na interação com a
matéria (absorção e emissão de luz), os raios são emitidos ou absorvidos em
proporção fixa (o que equivaleria a dizer que devem ter o mesmo número de
corpúsculos newtonianos), nada mais do que isso. Não obstante, isso não
significa dizer que os fótons sejam indivisíveis, como se pretendeu aceitar
gratuitamente a partir dos estudos de Einstein. Ao comprar uma passagem de
ônibus de dez reais eu não estou quantizando o dinheiro em pacotes de dez
reais, simplesmente estou utilizando um pacote (passagem) correspondente a
dez moedas de um real. Os elétrons fazem exatamente isso quando pulam de uma
órbita para outra, pois o preço da passagem que eles têm de pagar é bem
superior ao valor de um único corpúsculo.

Victor: Deixe as interpretações de lado, que cada um pode ter, de modo a
ajustar-se à necessidades pessoais, e atenha-se à parte objetiva da teoria,
e o nivarna estará mais próximo.

Mesquita: Tenho tentado fazer isso, apenas não vejo objetividade nenhuma na
física "moderna" (objetividade = característica do que não é evasivo;
direto)

Victor: Eu lí, não lembro onde, que o A.Ferrão falou estar desenvolvendo uma
teoria quântica que leva em consideração precisamente aspectos não-lineares
envolvidos, com resultados melhores e mais sossegados que o que se tem
atualmente. Segundo ele, esse pode ser um caminho mais espinhento do
ponto de vista operacional, é óbvio, mas certamente com resultados mais
próximos doque sonha a nossa vã filosofia. Se ele se encontrar por aí,
gostaria de ler algo a respeito.

Mesquita: O Ferrão anda desaparecido e creio que o site dele foi desativado.

Victor: Para não deixar este comentário longo demais, voltarei apenas ao
mais complexo, difícil e pouco entendido de todos os conceitos, qual seja:
existência, no esquema newtoniano, de um movimento absoluto, de um espaço
absoluto. [...] Vamos tomar como verdadeiro o seguinte: Princípio da
Relatividade(de Newton): dois observadores animados de um movimento
retilíneo obtêm resultados experimentais idênticos; ou seja, eles podem usar
as mesmas leis da física para explicar
os resultados de suas experiências.

Mesquita: Esse é o grande problema. Você não pode chegar no absolutismo se
partir da relatividade, vejo uma incoerência muito grande nesta rota
pretendida. A relatividade faz parte do modelo newtoniano (incorporada das
idéias de Galileu), enquanto o absolutismo faz parte da física newtoniana. O
modelo funciona em condições particulares; a física foi proposta como algo a
funcionar sempre, se bem que Newton não a tenha completado por motivos
óbvios (não havia como efetuar experiências na época, nem mesmo de
pensamento, a sustentarem todos os pre-requisitos necessários --> isso está
explícito nos Principia).
Se você pretender relativizar o absoluto ou, pelo contrário, tornar absoluto
o relativo, você não chegará a nada. Então é melhor você se contentar com a
relatividade galileana que funciona em condições restritas e deixar as
condições em que ela não funciona a cargo das explicações ficcionistas.

Victor: O Princípio da Relatividade inclui o significativo fato de que não é
possível encontrar qualquer experimento capaz de mostrar um movimento
absoluto.

Mesquita: Creio que você está colocando o carro na frente dos bois. O
princípio não pode se garantir verdadeiro, do contrário seria um dogma. Na
realidade, ele é um princípio porque ainda não se encontrou um experimento
que o negasse, e não porque "não seria possível encontrar qualquer
experimento" desse tipo. Mas é aí que eu vejo a sutileza nos conceitos
básicos da física newtoniana. Um desses conceitos relaciona-se ao movimento
absoluto e outro ao campo. Pois bem, eu digo através de uma imagem de
pensamento (experiência de pensamento) que se você conseguir acelerar um
laboratório de maneira a que ele ande numa velocidade chamada relativística
(próxima de c em relação a nós), um cientista nesta nave medirá as
constantes de campo influenciadas por essa diferença nos movimentos
absolutos. G não terá o mesmo valor que tem aqui na Terra, e o mesmo se diga
para a constante K da lei de Coulomb e para as outras constantes de campo.
Isso parte de uma intuição minha, trata-se de uma experiência que ainda não
foi feita, e que poderá um dia servir para comprovar a existência de um
movimento absoluto (as constantes de campo serem influenciadas pelo
movimento absoluto). Num repouso absoluto todos os campos simplesmente
deixariam de existir. Eu comento alguma coisa a esse respeito (bem de leve)
no artigo "O movimento absoluto e a física de Newton" que está em
http://www.ecientificocultural.com/ECC2/artigos/movab00.htm

Victor: Seria possível encontrar algum ponto no espaço em relação ao qual
eu, em MRU, estivesse em movimento, independentemente de outros
referenciais, de outros observadores inerciais? Claramente, a resposta é
não.

Mesquita: Na sua visão relativista, aquela que coloca o carro na frente dos
bois. Não obstante, e já que você está no espaço, meça as constantes de
campo nesse local e no seu estado de movimento. Se elas forem diferentes do
G ou do K medidos aqui na Terra, certamente o seu estado de movimento será
diverso do nosso. Se G ou K forem iguais a zero (repouso absoluto),
certamente você não conseguirá medir nada, mesmo porque não será mais o
Victor e sim um conjunto de partículas não interagentes [não há nem
mesmo campo de coesão] ;-).

Victor: Ninguém até hoje conseguiu definir de maneira irrefutável algo
assim. Mas não o conseguiu em razão de limitações de limitações pessoais;
não o conseguiu por causa de algo mais grave um pouquinho: pela
impossbilidade absoluta de que isto aconteçca!.

Mesquita: Isso não é relativismo! Isso é dogmatismo.

Victor: Na famosa experiência proposta por Newton, do balde, [...]

Mesquita: A experiência do balde demonstra apenas uma faceta da realidade
absolutista. Comento isso no artigo acima citado (movab00.htm).

Victor: Já disse em outras mensagens que as leis de Newton funcionam, mas
são extremamente problemáticas, conceitualmente.

Mesquita: Mas isso é exatamente o que está explícito nos Principia, e é por
isso que digo que existe um modelo newtoniano de três leis, e uma física
newtoniana de três conceitos. O modelo dá certo, mas é extremamente
problemático. A física não foi completada, mas tem tudo para ser perfeita e
totalmente livre dos ficcionismos dos físicos modernos, sejam eles
relativistas, sejam eles quânticos.

Ao encerrar, reproduzo o que disse na msg anterior:

> Mesquita: Bem, isso retrata a minha leitura de Newton, e sei que você não
> irá concordar. Mas isso não importa, eu me darei por satisfeito se você
> entender no que eu acredito, mesmo sem acreditar na minha versão. Não há
> como ressuscitar Newton para saber o que ele pensava sobre sua física e/ou
> sobre o seu modelo.

[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 18:46

Mesquita,

1) Sua resposta foi equilbrada, embora nossas visões sejam algo bastante diferentes.
2) Mas chegou-se à conclusão de que não pode existir espaço absoluto a partir, precisamente, dos princípio da relatividade, de Galileu/Newton, e sua consequência mais imediata, que é o princípio de inércia. Essas coisas existiam antes mesmo de
Einstein Nascer, e se meter a besta, modificando o que era para modificar e mantendo que não não podia modificar. Quis mostrar, claramente, que a Teoria Newtoniana leva a contradições e que, ela própria refuta a idéia de um espaço absolsuto. Parece-me, assim, que os bois ficaram na frente mesmo, e o carro seguiu rangendo suas rodas não azeitada.

Certamente você não poder negar que, partindo das premissas newtonianas de onde partí, ao fim do raciocínio, a conclusão lógica não pode ser outra: não pode existir espaço absoluto. Se há algo errado, isto está no princípio da inércia(1a. lei de Newton/Galileu) e no princípio da relatividade(Newton-Galileu).
Só gostaria que comentasse essa partezinha, voltando

3) Em minha opinião, o quadro de referências que você construiu, para orientar suas teses, claramente não é o Newtoniano. É alguma variante dele, que não conheço. Pois o Newtoniano, ao menos até onde conheço, não leva a outra coisa que não as conclusões que tenho esboçado neste e noutras mensagens.


4) Só en passant: infelizmente não tenho o poder de síntese que muitos de vocês têm, você inclusive. E quando a gente corta alguma coisa coisa comentada, acho que fica ruim para outros acompanharem, pois estarão sempre sendo remetidos a links de mensagens anteriores, etc. E isto enfada mais que outra coisa qualquer, acho. Particularmente, não gosto. Procurarei continuar escrevendo como sempre o faço, porém vou ter o cuidado de buscar maior clareza, a bem de não cortar nada e manter uma leitura agradável para os outros participantes, ainda assim. Bem, estou supondo que muitos tenham interêsse em ler.

5) É isso ai.

Abraços.

Victor.
----- Original Message -----
From: Alberto Mesquita Filho
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 5:46 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


----- Original Message -----
From: "jvictor"
Sent: Saturday, August 26, 2006 3:09 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória

Olá Victor

Cortei muita coisa de sua msg, mas que pode ser recuperada em
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56796

Victor: A clássica considera que os processos são contínuos, com o
formalismo matemático para tratar esses mesmos processos estruturado para
dar conta deles;

Mesquita: Não obrigatoriamente. Os "raios de luz" newtonianos são
quantizados classicamente: "By the Rays of Light I understand its least
Parts, and those as well Successive in the same Lines, as Contemporary in
several Lines" [Tradução: Por raios de luz entendo as partes mínimas da luz
e as que tanto são sucessivas nas mesmas linhas como simultâneas em várias
linhas].

Victor: A moderna, em vista de dados experimentais irrefututáveis, tomou
consciência de que esses processos, em escalas atômicas, são descontínuos.

Mesquita: Sem dúvida, apenas que essa descontinuidade da física "moderna"
está envolta por uma enganação sem limites. A física "moderna" admite a
quantização, porém PROIBE que se dê uma estrutura para esses quanta. Você
sequer pode localizá-los no espaço, sob pena de não poder estudar suas
propriedades de movimento. Dualidade é isso: a coisa pode ser discreta ou
contínua, dependendo das conveniências de momento. Isso, a meu ver, tem
outro nome: enganação, do tipo "Me engana que eu gosto" ;-)

Victor (corrigido pela msg seguinte): Enquanto numa a absorção, troca ou
emissão de energia, o processo é considerado ocorrer de maneira contínua,
em escala macro; em escala atômica, isto é feito de maneira descontínua,
através de "pacotes", ou quanta, que é uma palavra chique para dizer a mesma
coisa. Não que na escala macro não acontençam essas descontinuidades.
Apenas ficam mascaradas pelos grandes números associados"

Mesquita: Planck redescobriu aquilo que Newton definiu como "raios de luz"
no sentido físico do termo, e não apenas matemático, mas apesar disso
continuou com os princípios básicos da óptica ondulatória. A física de
Newton é duplamente quantizada *classicamente*: A luz é quantizada em raios
físicos e materiais de luz, e os raios físicos de luz são quantizados em
corpúsculos (esses corpúsculos não tem mais a propriedade de luz, apenas de
matéria). A quantização newtoniana só não vai muito além porque naquela
época não se conhecia quase nada sobre a estrutura da matéria (moléculas,
átomos, elétrons, prótons, etc.).

Victor: E foi a própria experimentação que o conduziu a tais resultados.
Coube a Einstein, naturalmente devido á sua poderosa intuição, retomar os
achados de Planck e aplicá-los a fenômenos conhecidos, mas que não tinha
ainda qualquer explicação.

Mesquita: O mérito de Einstein foi ter constatado que na interação com a
matéria (absorção e emissão de luz), os raios são emitidos ou absorvidos em
proporção fixa (o que equivaleria a dizer que devem ter o mesmo número de
corpúsculos newtonianos), nada mais do que isso. Não obstante, isso não
significa dizer que os fótons sejam indivisíveis, como se pretendeu aceitar
gratuitamente a partir dos estudos de Einstein. Ao comprar uma passagem de
ônibus de dez reais eu não estou quantizando o dinheiro em pacotes de dez
reais, simplesmente estou utilizando um pacote (passagem) correspondente a
dez moedas de um real. Os elétrons fazem exatamente isso quando pulam de uma
órbita para outra, pois o preço da passagem que eles têm de pagar é bem
superior ao valor de um único corpúsculo.

Victor: Deixe as interpretações de lado, que cada um pode ter, de modo a
ajustar-se à necessidades pessoais, e atenha-se à parte objetiva da teoria,
e o nivarna estará mais próximo.

Mesquita: Tenho tentado fazer isso, apenas não vejo objetividade nenhuma na
física "moderna" (objetividade = característica do que não é evasivo;
direto)

Victor: Eu lí, não lembro onde, que o A.Ferrão falou estar desenvolvendo uma
teoria quântica que leva em consideração precisamente aspectos não-lineares
envolvidos, com resultados melhores e mais sossegados que o que se tem
atualmente. Segundo ele, esse pode ser um caminho mais espinhento do
ponto de vista operacional, é óbvio, mas certamente com resultados mais
próximos doque sonha a nossa vã filosofia. Se ele se encontrar por aí,
gostaria de ler algo a respeito.

Mesquita: O Ferrão anda desaparecido e creio que o site dele foi desativado.

Victor: Para não deixar este comentário longo demais, voltarei apenas ao
mais complexo, difícil e pouco entendido de todos os conceitos, qual seja:
existência, no esquema newtoniano, de um movimento absoluto, de um espaço
absoluto. [...] Vamos tomar como verdadeiro o seguinte: Princípio da
Relatividade(de Newton): dois observadores animados de um movimento
retilíneo obtêm resultados experimentais idênticos; ou seja, eles podem usar
as mesmas leis da física para explicar
os resultados de suas experiências.

Mesquita: Esse é o grande problema. Você não pode chegar no absolutismo se
partir da relatividade, vejo uma incoerência muito grande nesta rota
pretendida. A relatividade faz parte do modelo newtoniano (incorporada das
idéias de Galileu), enquanto o absolutismo faz parte da física newtoniana. O
modelo funciona em condições particulares; a física foi proposta como algo a
funcionar sempre, se bem que Newton não a tenha completado por motivos
óbvios (não havia como efetuar experiências na época, nem mesmo de
pensamento, a sustentarem todos os pre-requisitos necessários --> isso está
explícito nos Principia).
Se você pretender relativizar o absoluto ou, pelo contrário, tornar absoluto
o relativo, você não chegará a nada. Então é melhor você se contentar com a
relatividade galileana que funciona em condições restritas e deixar as
condições em que ela não funciona a cargo das explicações ficcionistas.

Victor: O Princípio da Relatividade inclui o significativo fato de que não é
possível encontrar qualquer experimento capaz de mostrar um movimento
absoluto.

Mesquita: Creio que você está colocando o carro na frente dos bois. O
princípio não pode se garantir verdadeiro, do contrário seria um dogma. Na
realidade, ele é um princípio porque ainda não se encontrou um experimento
que o negasse, e não porque "não seria possível encontrar qualquer
experimento" desse tipo. Mas é aí que eu vejo a sutileza nos conceitos
básicos da física newtoniana. Um desses conceitos relaciona-se ao movimento
absoluto e outro ao campo. Pois bem, eu digo através de uma imagem de
pensamento (experiência de pensamento) que se você conseguir acelerar um
laboratório de maneira a que ele ande numa velocidade chamada relativística
(próxima de c em relação a nós), um cientista nesta nave medirá as
constantes de campo influenciadas por essa diferença nos movimentos
absolutos. G não terá o mesmo valor que tem aqui na Terra, e o mesmo se diga
para a constante K da lei de Coulomb e para as outras constantes de campo.
Isso parte de uma intuição minha, trata-se de uma experiência que ainda não
foi feita, e que poderá um dia servir para comprovar a existência de um
movimento absoluto (as constantes de campo serem influenciadas pelo
movimento absoluto). Num repouso absoluto todos os campos simplesmente
deixariam de existir. Eu comento alguma coisa a esse respeito (bem de leve)
no artigo "O movimento absoluto e a física de Newton" que está em
http://www.ecientificocultural.com/ECC2/artigos/movab00.htm

Victor: Seria possível encontrar algum ponto no espaço em relação ao qual
eu, em MRU, estivesse em movimento, independentemente de outros
referenciais, de outros observadores inerciais? Claramente, a resposta é
não.

Mesquita: Na sua visão relativista, aquela que coloca o carro na frente dos
bois. Não obstante, e já que você está no espaço, meça as constantes de
campo nesse local e no seu estado de movimento. Se elas forem diferentes do
G ou do K medidos aqui na Terra, certamente o seu estado de movimento será
diverso do nosso. Se G ou K forem iguais a zero (repouso absoluto),
certamente você não conseguirá medir nada, mesmo porque não será mais o
Victor e sim um conjunto de partículas não interagentes [não há nem
mesmo campo de coesão] ;-).

Victor: Ninguém até hoje conseguiu definir de maneira irrefutável algo
assim. Mas não o conseguiu em razão de limitações de limitações pessoais;
não o conseguiu por causa de algo mais grave um pouquinho: pela
impossbilidade absoluta de que isto aconteçca!.

Mesquita: Isso não é relativismo! Isso é dogmatismo.

Victor: Na famosa experiência proposta por Newton, do balde, [...]

Mesquita: A experiência do balde demonstra apenas uma faceta da realidade
absolutista. Comento isso no artigo acima citado (movab00.htm).

Victor: Já disse em outras mensagens que as leis de Newton funcionam, mas
são extremamente problemáticas, conceitualmente.

Mesquita: Mas isso é exatamente o que está explícito nos Principia, e é por
isso que digo que existe um modelo newtoniano de três leis, e uma física
newtoniana de três conceitos. O modelo dá certo, mas é extremamente
problemático. A física não foi completada, mas tem tudo para ser perfeita e
totalmente livre dos ficcionismos dos físicos modernos, sejam eles
relativistas, sejam eles quânticos.

Ao encerrar, reproduzo o que disse na msg anterior:

> Mesquita: Bem, isso retrata a minha leitura de Newton, e sei que você não
> irá concordar. Mas isso não importa, eu me darei por satisfeito se você
> entender no que eu acredito, mesmo sem acreditar na minha versão. Não há
> como ressuscitar Newton para saber o que ele pensava sobre sua física e/ou
> sobre o seu modelo.

[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Forca Magnetica --- uma demonstracao via relatividade a partir da lei de Coulomb
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 19:28

Olá todos que queiram dar uma mãozinha nessa demonstração de como chegar na Força Magnética a partir da Lei de Coulomb. Fiz uma tentativa e cheguei lá.
O que não gostei foi, na expressão final, da constante "c". Obviamente devido a problemas em sistemas de unidades.
Quem sugere uma modificação de modo que a formuleta final resulte como apresentada à garotada do Ensino Médio [Fm = qVB, na sua forma mais intensa].
Apreciaria verificação nos 2 exemplos apresentados e ver se fiz alguma grande besteira (as pequenas são normais!).
Alguém já viu demonstração semelhante? Please, indicar link ou comentar.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


SUBJECT: Forca Magnetica --- etc.
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 19:37

Ora bolas! Esqueci de mandar o link do texto provisório:

http://www.feiradeciencias.com.br/css/Forca_Magnetica.htm

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


SUBJECT: Re: [ciencialist] Profundidade das Holografia
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 19:40

A seguir, o que acho que você quer.
----- Original Message -----
From: Salomão Barros
To: ciencialist
Sent: Saturday, August 26, 2006 9:42 AM
Subject: [ciencialist] Profundidade das Holografia


Olá Grupo,

Salomão: Não tenho participado devido a intensa carga horária de meus estudos
ultimamente, é trabalho que não acaba mais, mas existe 1 em particular em
que gostaria de toda a ajuda disponivel desse grupo. Já citei-o uma vez,
tenho como tema a Luz, estudando nos ultimos dias me deparei com o fenomeno
da Holografia. Entendi apenas em parte, contudo não gostei das explicações
sobre profundidade com tantos detalhes, enquanto em uma fotografia isso nem
existe. Gostaria de saber dos experts Mesquita, Hélio, Prof.Ferraz e de quem
se achar apto a me escrever o seguinte :

A) Como se da a formação realmente de uma imagem Holografica ?

Victor: Entendo que você quer mesmo é ter uma idéia de COMO se forma uma imagem holográfica com os detalhes 3-dimensionais e tudo, coisas não observadas nas fotografias comuns.
A página indicada pelo Prof.Léo ensina como produzir uma holografia, quais os processos envolvidos. Mas não se detém nos mecanismos de formação da imagem em sí.
Tentarei dar uma visão mais física, no nível que julgo você precisa.
Quando a luz é refletida por um objeto, o feixe luminoso carrega todas as informações daquele objeto: cor, nuances de cor, de claro e escuro, forma, as intensidades sendo proporcionais às saliências, reentrâncias, etc. Se você pensar um pouco, isto á até intuitivo!
Cada atributo desses impressiona um chapa fotográfica comum com intensidades diferentes. Assim, é possível, através das intensidades com que as fixações são feitas na chapa, reproduzir todas as características bidimensionais do objeto. Mas as intensidades energéticas transportadas pela luz não dão informações sobre a profundidade de partes do objeto. As fotografias comuns não dispõem de recursos para tal.

É preciso que outra informação vital seja também transportada pelo feixe. Trata-se da fase da onda luminosa, a característíca que carrega as informações(estou supondo que você já sabe o que fase de uma onda) de profundidade. Quando você olha para um objeto, é possível você ter a exata noção 3-dimensional desse objeto. Se o objeto está meio assim de bandinha, raios de luz, um que sai mais de trás e outro que sai de um ponto mais à frente andam defasados, pois partiram de pontos diferentes, percorrerão distâncias diferentes, sendo a velocidade do percurso constante. É possível usar estes fatos como indicativo energético da profundidade.
Assim, pode-se montar uma estutrura, um aparato tecnológico, que reproduza não apenas a intensidade da onda luminosa, mas também a fase. Um aparelho que, como o olho, perceba tais nuances muiiiiiiiiiito infinitesiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimais. Dessa maneira, ter-se-á reproduzido om objeto como um holograma, que mostra o objeto tal qual é, 3-dimensional. Agora, como você já já ter visto no site indicado pelo Léo, para esse tipo de "fotografia", a luz usada não é a luz comum, mas uma luz bem comportada, chamada laser. Não é difícil você encontrar, na internet páginas descrevendo de maneira simples um feixe luminoso tipo laser. Deixe de moleza e
estude.

É claro que há bem mais detalhes a serem considerados, e sugiro que visite o site indicado pelo Mesquita, mas acho que o que você está mesmo querendo é algo como o acima, descrito em seus fundamentos básicos, no que julgamos ser como se possa ocorrer na realidade. Se ficou satisfeito, diga, se não, diga também.

Salomão: B)Que teorias justifica esse fenomeno a ondulatoria, a corpuscular ou as
duas ?

Victor: Sobre isto, Alberto Mesquita já deu uma boa idéia. Passo, então.

Espero ter esclarecido alguma coisa.
Sds,

Victor.




Aguardo atenciosamente,

Salomão Barros


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Joao de Carvalho" <joaobncarvalho@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 20:09

Quais as conexões entre ordem, caos, energia e informação? Existe
alguma teoria que formalize todos esses elementos em um único corpo
teórico?

João de Carvalho.





SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 20:14

JVictor escreve:
"Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância é com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs. matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim: meu mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio tudo, e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí, resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento de tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ? "

Olá Victor,

nada a ver com quântica e sim com "nosso mundinho simples e funcional".

Realmente, minha técnica básica é Paint, EquationEditor, FrontPage e, como se observa 'experimentalmente' tem dado certo, muito certo.
Minha única reclamação é no Paint no qual faltam apenas dois ou três implementos para torná-lo 'insubstituível'; um deles é girar a figura do ângulo que interessar. Todavia, achei um Paint que preenche ao que realmente quero (veja as figuras da Força Magnética para ter uma idéia).
É um Paint, tudo do Paint, mesmas teclas etc., com + recursos. Seu nome completo é SnagIt 7 que além de fazer tudo que o Paint faz permite copiar imagens e textos de qqer lugar, nãi importa o software que estiver usando.
Pena que é 'trial' ... não permite salver ou copiar --- mas, não importa, para isso uso o SnagIt 32, que já uso a uns 5 anos. Uso dois SnagIt, o 7 faço os desenhos e com o 32 salvo a figura em arquivo.
O e-mail do SnagIt 7 é SnagItSales@techsmith.com
E o link é: http://www.techsmith.com/snagit.asp

Se vc conseguir a senha ... lembre-se do Álamo!

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


SUBJECT: Re: A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 26/08/2006 20:18

Victor,

Calma! Eu não vou entrar na discussão de vocês!
Só estou aproveitando para fazer uma "propaganda pessoal".
:-)
:-)
:-)

Se eu pensasse da mesma forma que o Alberto sobre este assunto até
seria bom entrar.
Dois contra um é sempre bom quando se está do lado que tem dois.:-) :-)

Mas infelizmente, este não é o caso. Sobre este assunto eu penso o
oposto do Alberto. (E o oposto de você tambem, é claro).

Mas reconheço no Alberto uma autoridade em relação ao conhecimento de
como Newton pensava.
Isto significa que penso o oposto de Newton. :-(
Logo, talvez eu não posso ser classificado de Newtoniano.

Na thread "INÉRCIA" você deve ter percebido que dou muito mais valor a
as três leis do que dá o Alberto.

Para quem quiser conferir, a última MSG da thread INÉRCIA foi a minha
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56738

[ ]'s
Hélio






SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alberto Mesquita Filho" <albmesq@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 26/08/2006 22:37

----- Original Message -----
From: "jvictor"
Sent: Saturday, August 26, 2006 6:46 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória

Victor: Quis mostrar, claramente, que a Teoria Newtoniana leva a
contradições e que, ela própria refuta a idéia de um espaço absolsuto.

Mesquita: Eu não chamaria isso de teoria newtoniana mas sim de modelo
mecânico newtoniano, aquele que Newton "não teve escrúpulos em propor", pois
que dava certo, mesmo sabendo que um dia teriam que ser modificados pela
descoberta de verdades maiores:

"And therefore I scruple not to propose the Principles of Motion
above-mention´d, they being of very general Extent, and leave their Causes
to be found out".

Tradução: "E portanto não tenho escrúpulos em propor os princípios do
movimento acima mencionados, sendo eles de uma extensão muito geral, e
deixar suas causas para serem descobertas."

Veja bem, um período de três frases e cada frase com uma conotação bastante
forte:

1) "Não tenho escrúpulos em propor os princípios." Porque alguém haveria de
confessar não ter escrúpulos caso estivesse propondo uma verdade
incontestável?

2) "Sendo eles de uma extensão muito geral." Ou seja, Newton não associava
uma extensão absoluta aos princípios, mas menos do que isso. Ser bem geral
não significa ser válido sempre, como pretenderam os seguidores de Newton.

3) "Deixar suas causas serem descobertas." Aí está um convite a seus
seguidores para que não abandonem a filosofia. Aliás, os 48 escólios dos
Princípio e as 31 questões da Óptica III são pura obra de filosofia da
ciência ou da física, e escritos por Newton.

Victor: Certamente você não poder negar que, partindo das premissas
newtonianas de onde partí, ao fim do raciocínio, a conclusão lógica não pode
ser outra: não pode existir espaço absoluto.

Mesquita: Da mesma forma que pelo modelo newtoniano a conclusão lógica seria
a da "ação a distância não intermediada por nada", coisa que "eméritos"
seguidores de Newton chegaram a defender. E não obstante, contrariando todo
o seu modelo, Newton assim se pronunciou a respeito: "É inconcebível que a
matéria bruta inanimada possa, sem a mediação de alguma coisa, que não é
material, atuar sobre, e afetar outra matérria sem contato mútuo, como deve
ser, se a gravitação no sentido de Epicuro for essencial e inerente a ela. E
esta á uma razão pela qual desejo não me seja atribuída a gravidade inata.
Que a gravitação seja inata, inerente e essencial à matéria, de modo que um
corpo possa atuar sobre outro a distância, através do vácuo, sem a mediação
de mais nenhuma coisa, pela qual e através da qual sua ação e sua força
fosse transportada de um até outro, é para mim absurdo tão grande, que
acredito que homem algum que tenha em questões filosóficas competente
faculdade de pensar, possa cair nele. A gravidade deve ser causada por um
agente que atua constantemente, de acordo com certas leis; mas deixo à
consideração de meus leitores se este agente é material ou imaterial."

Victor: Se há algo errado, isto está no princípio da inércia(1a. lei de
Newton/Galileu) e no princípio da relatividade(Newton-Galileu). Só gostaria
que comentasse essa partezinha, voltando

Mesquita: No momento não estou enxergando onde o princípio da inércia
estaria errado. O princípio da relatividade de Galileu *talvez*, mas por
muitas das afirmações de Newton pode-se prever que para Newton ele seria de
uma extensão muito geral, mas não absoluto. Na msg anterior propus algumas
experiências de pensamento que --a serem verdadeiras as minhas
expectativas-- iriam contra o princípio da relatividade galileano (G seria
diferente conforme o movimento absoluto do observador). A menos que não se
considerasse as leis de campo como leis mecânicas. Lembro que o princípio de
Galileu é enunciado como: "As leis da mecânica, expressas em um dado
referencial, serão expressas de forma idêntica em qualquer outro em
movimento retilíneo e uniforme em relação ao primeiro." Einstein não só
ampliou o princípio para as "leis da física" (e aí sim, entrariam também as
leis de campo) como também considerou a constância da velocidade da luz como
uma das "leis da física" [e aí melou tudo ;-)].

Eu tenho a impressão de que o princípio que mais se incompatibiliza com as
teorias de campo é o terceiro princípio, e isso porque ação e reação, no
estudo dos campos, são coisas retardadas no tempo. Em sistemas estáticos
e/ou estacionários as coisas *quase sempre* dão certo. Não obstante, quando
as coisas se complicam o princípio não consegue se manter em pé, a não ser
sob a forma de conservação de momento e, assim mesmo, inventando um momento
transportado pelo campo, e aí não podemos mais dizer que a ação a distância
não é intermediada por nada. Mas aí precisamos também inventar um campo
material, pois o momento foi definido como algo possuído por corpos
materiais, e o que seria o campo?!!!. Mas aí também precisamos inventar....
Mas e aí também precisamos inventar... Mas e aí também precisamos
inventar..... Após todas essas innnnúúúúúúúúúúúúmeras invenções "ad hoc",
chegamos por fim na física ficcionista da atualidade, aquela que você tanto
defende.

Victor: 3) Em minha opinião, o quadro de referências que você construiu,
para orientar suas teses, claramente não é o Newtoniano. É alguma variante
dele, que não conheço. Pois o Newtoniano, ao menos até onde conheço, não
leva a outra coisa que não as conclusões que tenho esboçado neste e noutras
mensagens.

Obviamente você não vai esperar que após mais de 300 anos a física
newtoniana iria permanecer imutável. Na época de Newton o eletromagnetismo
era uma criança, e a termodinâmica era pouco mais do que termologia. A
experimentação era 100% caseira, e as vezes realizada no pomar [queda da
maçã, por exemplo ;-)]. Nada contra a experimentação caseira, desde que se
possua os equipamentos do Léo, mas a maioria desses equipamentos não
existiam no tempo de Newton.

Sem dúvida, tem muito de não newtoniano nas minhas teses, mas a maioria dos
princípios e conceitos básicos são aqueles expostos na sua obra, em especial
nos inúmeros discursos filosóficos newtonianos (escólios, questionamentos,
cartas, etc.). O que há de não newtoniano apóia-se na experimentação dos
mais de 300 anos que nos separam. Por outro lado, as conclusões a que você
se refere associam-se ao modelo mecânico newtoniano de três leis, aquele
mesmo que Newton deixou claro ter uma extensão muito geral, mas em absoluto
deveriam ser pensado como coisas a darem certo sempre. Pois as condições em
que esses princípios não funcionam são exatamente aquelas a que Newton não
tinha acesso experimental no seu tempo: microcosmo, velocidades próximas à
da luz, desvio do perihélio de Mercurio e coisas do gênero. Certamente
Newton não poderia explicar coisas de cuja existência quase ninguém
desconfiava, pois nenhuma experiência havia sido feita nessas condições, mas
ainda assim ele desconfiou que a física era bem mais ampla do que supuseram
seus seguidores. A esse respeito ele declarou:

"Não sei de que modo o mundo me vê; mas a mim mesmo pareço ter sido apenas
um menino brincando na praia, entretendo-me com encontrar de quando em
quando um seixo mais liso ou uma concha mais bela do que o ordinário
enquanto todo o vasto oceano da verdade jazia inexplorado diante de mim."

Hoje temos condições de explorar esse vasto oceano e não obstante os físicos
modernos deram as costas para o mar. ;-)

Quanto a sua maneira de escrever, sem problemas. Eu não gosto de acumular
escritos de msgs anteriores e nem de ficar acusando o outro debatedor de ter
dito que ele disse que não teria dito se eu não tivesse dito que ele não
disse o que disse... Na minha opinião, isso vira uma zorra e ninguém entende
mais nada. Gosto de contemporizar e acreditar na boa fé de meus oponentes.
Sei que alguns (pouquíssimos) agem de má fé, mas não me parece ser o seu
caso. Às vezes nós demoramos para entender o que o outro pretendeu dizer
numa msg anterior, mas não custa nada nesses poucos casos recuperar o texto
da msg anterior. Mas essa é uma norma que eu uso e não me considero mais
certo do que os outros por isso, ainda que defenda essa norma. Acho que uma
msg muito repetitiva acaba sendo um desconvite a leitura. Nada contra msgs
longas, o problema está nela estender-se sem necessidade.

[ ]´s
Alberto
http://ecientificocultural.com/indice.htm
Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.



SUBJECT: Re: [ciencialist] Forca Magnetica --- etc.
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 06:51



Ora bolas! Esqueci de mandar o link do texto provisório:

http://www.feiradeciencias.com.br/css/Forca_Magnetica.htm

Nota: No texto, não especifiquei, mas uso o campo produzido por um cilindro uniformenente carregado [ B = 2.rô/r ], cujo cálculo vale tb para um fio eletrizado ou para uma linha com carga de 'rô' C/m.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================




SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 07:07

Caro Léo,

Há um prg bem melhor e mais completo do que o Paint, é o PaintDoNet_2.7.exe , com uma vantagem: é gratuito. Certamente ele fará tudo o de que você precisa e mais alguma coisa, com os pés nas costas, como diz Mesquita. Há outro, também gratuito, este sim, fácil, em português, e faz basicamente tudo o que qualquer "não de grátis" faz, sendo muito fácil operar com ele, pois até eu consigo fazer bastantes coisas. Além das facilidades que oferece, adequando-se sempre à sua imaginação, ele permite a conversão do resultado para inúmeros outros formatos. Trata-se do DRAW , do BrOffice (Open Office). É verdade que a maioria faz conversões também.
Uso atualmente tudo do OpenOffice, que substitue o MSOffice, que tem um editor matemático profissional e de altíssimo nível. Os comandos são facílimos e intuitivos e podem ser aprendidos já num primeiro trabalho, tão fáceis que são, permitindo-lhe também uma formatação de equações conforme o gosto de cada um. Uma beleza. É possível usar o editor matemático do Open com o Word. Mas só o tenho usado, em meus exercícios, que são modestos, com o Writer(tão bom e tão fácil quanto o word), feitos um para outro, como Eva o foi para Adão, que, para tê-la, doou uma costela, e que, dela, tirou-lhe a folha de parreira, e olha o resultado, aquí, escrevendo!
O PaintDoNet 2.7 você encontrará no site abaixo. Quem é bamba no paint do windows deverá achar que este PaintDoNet é a mosca que faltava cair na sopa.

http://www.getpaint.net/

Sds,

Victor.
----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 8:14 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


JVictor escreve:
"Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância é com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs. matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim: meu mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio tudo, e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí, resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento de tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ? "

Olá Victor,

nada a ver com quântica e sim com "nosso mundinho simples e funcional".

Realmente, minha técnica básica é Paint, EquationEditor, FrontPage e, como se observa 'experimentalmente' tem dado certo, muito certo.
Minha única reclamação é no Paint no qual faltam apenas dois ou três implementos para torná-lo 'insubstituível'; um deles é girar a figura do ângulo que interessar. Todavia, achei um Paint que preenche ao que realmente quero (veja as figuras da Força Magnética para ter uma idéia).
É um Paint, tudo do Paint, mesmas teclas etc., com + recursos. Seu nome completo é SnagIt 7 que além de fazer tudo que o Paint faz permite copiar imagens e textos de qqer lugar, nãi importa o software que estiver usando.
Pena que é 'trial' ... não permite salver ou copiar --- mas, não importa, para isso uso o SnagIt 32, que já uso a uns 5 anos. Uso dois SnagIt, o 7 faço os desenhos e com o 32 salvo a figura em arquivo.
O e-mail do SnagIt 7 é SnagItSales@techsmith.com
E o link é: http://www.techsmith.com/snagit.asp

Se vc conseguir a senha ... lembre-se do Álamo!

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: Reao endotrmica em um calormetro
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 07:31

Olá Químicos .......

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: Leticia Rossi
Para: Prof Luiz
Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 19:25
Assunto: Reação endotérmica em um calorímetro


Olá Prof Luiz!
meu nome é Letícia, sou aluna de Engenharia de Alimentos da UFRRJ.
Será que o senhor poderia responder essa pergunta? Já procurei em vários sites na internet mais não encontrei nada que corresponda a minha questão! Lá vai:

Uma reação endotérmica pode ocorrer em um calorímetro com paredes adiabáticas?
Se sim, de onde provem o calor para que a reação ocorra?

Desde já agradeço a sua atenção!
Abraços,
Letícia.



--------------------------------------------------------------------------------


Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: Ajuda( URGENTE )
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 07:33

Urgente.....

como faço pro garoto ter toda a TR na ponta da língua até setembro?

agradeço,
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "lucas schroeder" <schroeder_genio@hotmail.com>
Para: <leobarretos@uol.com.br>
Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 19:36
Assunto: Ajuda( URGENTE )


|
|
|
| Oi, queria primeiramente agradecer sua incrivel ajuda no projeto
| do trimotor!!! Mas agora em setembro na minha escola vai haver uma feira de
| matematica regional, e eu queria passar pelo menos para a estadual. Então
| pesso a sua ajuda parra ter toda a teoria da relatividade na ponta da
| lingua, pois se algum jurado vem desfarssado...(peguei isso no seu site).
|
| Qualquer ajuda estara otimo. Mas peço mais assunto sobre as
| contas, tipo: mais detalhes sobre essa, e como se resolve direito E=m.c². E
| também sobre as contas da teoria " quanto mais proximo da velocidade da luz
| você estiver, menos seu comprimento, maior a sua massa e seu tempo
| retarda.", tá essas contas em especial.
|
| _________________________________________________________________
| Insta-le já o Windows Live Messenger. A nova geração do messenger.
| http://get.live.com/messenger/overview
|
|
|
| --
| Internal Virus Database is out-of-date.
| Checked by AVG Free Edition.
| Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006
|
|


SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 07:35

Olá, Hélio,

Não concordo com o seu "Eu não vou entrar na discussão de vocês!". A discussão é pública, apenas inicialmente estabelecido entre dois. Mas qualquer um da lista, o que é, em minha opinião, altamente desejável, pode(e deve, sim) participar. Não estará se intrometendo, estará participando, dicordando ou corroborando, complementando ou acrescentando, ou, simplesmente fazendo perguntas, de onde eventualmente sairão as repostas que poderão enriquecer a discussão sem falar, é claro, que isto forçará a fazermos pesquisas, sendo bom para todos.
Portanto, se "intrometa", aliás, se "intrometam", sim.
Acho que é por aí.

Sds,
Victor.

----- Original Message -----
From: Hélio Ricardo Carvalho
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 8:18 PM
Subject: [ciencialist] Re: A mecânica quântica é insatisfatória


Victor,

Calma! Eu não vou entrar na discussão de vocês!
Só estou aproveitando para fazer uma "propaganda pessoal".
:-)
:-)
:-)

Se eu pensasse da mesma forma que o Alberto sobre este assunto até
seria bom entrar.
Dois contra um é sempre bom quando se está do lado que tem dois.:-) :-)

Mas infelizmente, este não é o caso. Sobre este assunto eu penso o
oposto do Alberto. (E o oposto de você tambem, é claro).

Mas reconheço no Alberto uma autoridade em relação ao conhecimento de
como Newton pensava.
Isto significa que penso o oposto de Newton. :-(
Logo, talvez eu não posso ser classificado de Newtoniano.

Na thread "INÉRCIA" você deve ter percebido que dou muito mais valor a
as três leis do que dá o Alberto.

Para quem quiser conferir, a última MSG da thread INÉRCIA foi a minha
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56738

[ ]'s
Hélio






__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: Nave espacial
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 07:46

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Virléia" <virleia@terra.com.br>
Para: <leobarretos@uol.com.br>
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 15:37
Assunto: Nave espacial



Caro professor,
Desejo saber o procedimento para uma nave espacial voltar à Terra, já que
seu motor é desligado ao sair da atmosfera. Como esta nave é controlada?

Obrigada
Virléia



--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Ajuda( URGENTE )
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 10:53

Sugiro que procure no google. Há muitas páginas dando informações simples a respeito, de mais maneira mais completa do que o que alguém poderia fazer aquí.

Sds,

Victor.
----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist
Sent: Sunday, August 27, 2006 7:33 AM
Subject: [ciencialist] Fw: Ajuda( URGENTE )


Urgente.....

como faço pro garoto ter toda a TR na ponta da língua até setembro?

agradeço,
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "lucas schroeder" <schroeder_genio@hotmail.com>
Para: <leobarretos@uol.com.br>
Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 19:36
Assunto: Ajuda( URGENTE )


|
|
|
| Oi, queria primeiramente agradecer sua incrivel ajuda no projeto
| do trimotor!!! Mas agora em setembro na minha escola vai haver uma feira de
| matematica regional, e eu queria passar pelo menos para a estadual. Então
| pesso a sua ajuda parra ter toda a teoria da relatividade na ponta da
| lingua, pois se algum jurado vem desfarssado...(peguei isso no seu site).
|
| Qualquer ajuda estara otimo. Mas peço mais assunto sobre as
| contas, tipo: mais detalhes sobre essa, e como se resolve direito E=m.c². E
| também sobre as contas da teoria " quanto mais proximo da velocidade da luz
| você estiver, menos seu comprimento, maior a sua massa e seu tempo
| retarda.", tá essas contas em especial.
|
| _________________________________________________________________
| Insta-le já o Windows Live Messenger. A nova geração do messenger.
| http://get.live.com/messenger/overview
|
|
|
| --
| Internal Virus Database is out-of-date.
| Checked by AVG Free Edition.
| Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006
|
|


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 12:25

Hélio,

Não consigo ver mensagens
separadas aqui de onde
estou devido àlgumas
configurações do firewall.

Entretanto, lembro-me de
outra discursão intitulada
"Sem tempo", onde o prof Léo
citou algo interessante que
transcrevo abaixo. Nela é
comentado sobre um hipotético
sistema de medidas em que
o tempo é dispensável.

"(...) poderia ser o
sistema LVMQ (comprimento,
velocidade, massa, carga
elétrica). Nesse sistema
o tempo será unidade
derivada.

O comprimento pode ser a
tradicional (antiga)
distância entre dois
traços, a velocidade
pode ser a rotação da
Terra, a massa o
tradicional cilindro
eqüilátero e a tradicional
carga elétrica.

O tempo poderia ser definido
pelo quociente entre a
velocidade linear de um
ponto da periferia da Terra
(por exemplo, no equador)
pelo comprimento da
circunferência descrita
pelo ponto. Ou outro
processo, por exemplo,
usando a velocidade da luz.

Obviamente nesse sistema
não existirão as unidades
(básicas) m/s, km/h etc.
A unidade de velocidade
poderia ser 'vupt'. Depois
de definido o tempo
poderíamos fazer a
equivalência de 1 vupt =
tantos m/s. (...)"

(Luiz Ferraz Netto, em 9
de maio de 2006 11:03)


O tempo existe sim, mas
só nas nossas convenções
gramaticais. O mesmo pode
ser dito dos números 1,2,
3, pi, etc ou das figuras
geométricas perfeitas, como
o círculo, o triângulo ou
o quadrado: eles não
existem em si. Só são
representações.

Tenho frisado que o tempo
não existe com veemência
porque parte daí as novas
concepções do Ether e da
matéria como ondas
estacionárias.

Abrs,

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Hélio Ricardo Carvalho [mailto:hrc@fis.puc-rio.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 00:51
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Eduardo,

O Tempo E-X-I-S-T-E ........

Para saber minha opinião veja a thread "Uma questão de tempo"

Que "travei" com José Renato que tinha uma opinião pacecida com a tua.

A thread começou com
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/49790 (José Renato)

Eu entrei na
http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/49964 (Hélio)

E daí começou uma looooooooooooonga discussão que levou
muiiiiiiiiiiiiiito TEMPO !!!!!!!!

:-)
:-)



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Eduardo Sardeiro
<esardeiro@g...> escreveu
>
> Prezado Álvaro,
>
> O tempo não existe, exceto
> nas nossas convenções
> gramaticais.
>
> Quando comparamos o decorrer
> de um evento físico com o
> decorrer dos ponteiros de um
> relógio, estamos na verdade
> comparando transformações de
> energia.
>
> Explicando:
>
> Nossa unidade de tempo é
> definida pelo SI (Sistema
> Internacional de Medidas) da
> seguinte forma:
>
> "O segundo é a duração de
> 9.192.631.770 períodos da
> radiação correspondente à
> transição entre dois níveis
> hiperfinos do estado fundamental
> do átomo de césio 133, em
> repouso, a uma temperatura
> de 0 K".
>
> Ou seja, esse padrão baseia-se
> numa variação de energia
> do átomo de césio 133.
>
> A partir deste padrão pode-se
> conferir todos os relógios
> mecânicos ou digitais.
>
> Supondo que consigamos
> racionalizar todos os
> eventos físicos teríamos
> algo do tipo:
>
> _ _
> | k * /\E * m |
> | ------------- | = /\t
> |_ /\v _|
>
> _ _
> | k * /\Er * mr |
> | --------------- | = /\t
> |_ /\vr _ |
>
> Ou
>
> _ _
> | k * /\E * m |
> | ------------- | =
> |_ /\v _|
>
> _ _
> | k * /\Er * mr |
> | --------------- |
> |_ /\vr _ |
>
>
> Leia-se:
>
> "Se houver uma equação em
> que seja possível evidenciar
> o tempo de um evento físico,
> ela poderá ser igualada
> à equação de um relógio
> corretamente aferido e
> o tempo poderá ser
> dispensado".
>
> Onde,
>
> /\E: variação da energia
> /\v: variação da velocidade
> do corpo
> m: massa do corpo
>
> /\t: variação do tempo
>
> /\Er: variação da energia do
> relógio
> /\vr: variação da velocidade
> do relógio
> mr: massa do relógio
>
> Se bem me lembro, Torriceli
> tb conseguiu dispensar o
> tempo na sua equação
> envolvendo posição,
> aceleração e velocidade.
>
> Ou seja, não precisaríamos
> do tempo.
>
> Mas - sempre tem um "mas" -
> como assinamos uma acordo
> antropomórfico logo que
> nascemos, o tempo é usado
> para facilitar as explicações.
>
> O dinheiro tb é usado desta
> forma.
>
> Espero ter sido mais claro
> dessa vez.
>
> Abrs,
>
> Sardeiro
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
> ________________________________________
> De: Alvaro Augusto [mailto:alvaro@d...]
> Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 13:21
> Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
> Caro Sardeiro,
>
> Parece-me que você está dando ao tempo um caráter antropomórfico
demais. O
> tempo não existe independente de nós? Não é possível medí-lo com
> equipamentos desprovidos de neurônios?
>
> [ ]s
>
> Alvaro Augusto de Almeida
> alvaug@d...
> http://alvaug.multiply.com
> http://alvaroaugusto.blogspot.com
>
>
>
> ----- Original Message -----
> From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@g...>
> To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
> Sent: Friday, August 25, 2006 12:59 PM
> Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
>
>
> Olá Elton! Bom dia!
>
> Vc está sugerindo que estou
> usando conceitos e definições
> científicas imprecisas?
>
> Bom, embora esteja sem minhas
> referências em mãos, tentarei
> ser mais preciso.
>
>
> * Sobre o tempo:
>
> Várias pesquisas neuro-científicas
> tem demonstrado que o cérebro é
> uma máquina comparativa em todos
> os sentidos.
>
> Um experimento bastante interessante
> que é usado como exemplo pode ser
> feito da seguinte forma:
>
> (1) coloque em três recipientes
> água morna, água gelada e água
> em temperatura ambiente.
>
> (2) coloque o dedo indicador direito
> na água morna, o esquerdo na água
> gelada e espere 5 minutos.
>
> (3) em seguida coloque os dois na
> água em temperatura ambiente.
>
> Se seguir as intruções verá que,
> embora os dois dedos estejam na
> mesma temperatura, vc sentirá
> a água fria no dedo direito e
> morna, no dedo esquerdo.
>
> Esse é um bom exemplo de como
> o Sistema nervoso age.
>
> De igual forma, o conceito de
> tempo é apenas comparativo.
>
> Intuitivamente comparamos o tempo
> com o nosso relógio interno - ou
> bio-ritmo. Racionalmente comparamos
> o tempo com relógios.
>
> Em ambos os casos, o tempo
> pode ser colocado em evidência
> e anulado nos dois lados de
> uma equação que envolva um
> evento físico real qualquer
> e o evento de funcionamento
> de um relógio.
>
> Em suma: o tempo não é necessário,
> ou se preferi, o tempo não existe.
> Ele é apenas uma entidade
> onírica comparativa.
>
>
>
> * Sobre a Termodinâmica:
>
> A Termodinâmica estuda o calor,
> um fenômeno macroscópico que
> poderia ser melhor estudado
> pela Mecânica, se fosse possível
> determinar a posição, a velocidade
> e a massa de cada molécula ou
> átomo delimitados em um recipiente.
>
> A Entropia, por tratar-se de
> fenômenos em escala macroscópica,
> deixa de ter respaldo físico e
> passa a ser puramente matemática.
>
> O experimento clássico que
> demonstra a Entropia pode ser
> realizado da seguinte forma:
>
> (1) Em um recipiente com duas
> câmaras interligadas por
> um cano com uma torneira
> coloque oxigênio (O2) em
> uma das câmara e nitrogênio
> (N2) na outra.
>
> (2) Abra a torneira.
>
> Em pouquíssimo tempo poderá
> ser verificado a existência
> da mesma quantidade da mistura
> gasosa (O2 + N2) nas duas
> câmaras.
>
> A Entropia diz que isso deve-se
> ao equilíbrio termodinâmico.
>
> Já a Matemática diz que mistura
> final tem probabilidade maior de
> conter uma média das duas substância.
>
> A Entropia diz que é impossível
> que ambos os gases não misturem-se.
>
> Já a Matemática diz que a probabilidade
> de que ambos os gases não misturem-se
> é muito pequena, mas não impossível.
>
> Simulações demonstram que a visão
> matemática é a mais correta.
>
> * * *
>
> Espero ter sido mais coerente
> desta vez.
>
> De qualquer forma, poderei
> Fornecer as referências
> biográficas necessárias
> logo mais.
>
> Abrs,
>
> Sardeiro
>
>
>
> "Doubt is the origin of wisdom"
> (Descartes)
> ________________________________________
> De: Elton Carvalho [mailto:eltonfc@g...]
> Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 23:14
> Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
>
> On 8/24/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@g...> wrote:
> > Elton,
> >
> > Estou trocando e-mails em um
> > grupo de discusões científicas.
> >
> > E vc?
>
> Eu também. Exatamente por isso estou usando conceitos e definições
> científicas precisas sobre o que eu falo.
>
>



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Ordem, caos, energia e informação
FROM: Chicao Valadares <chicaovaladares@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 12:56

eu colocaria aleatoriedade nesse meio tambem, por que
pelo que eu saiba "caos" não é bem sinonimo de
aleatoriedade....
Claude Shannon,Teoria da Informaçao,
Kolmogorov,Chaitin, Leis da Termodinamica sao algumas
das palavras chaves correlatas.


--- Joao de Carvalho <joaobncarvalho@hotmail.com>
escreveu:

> Quais as conexões entre ordem, caos, energia e
> informação? Existe
> alguma teoria que formalize todos esses elementos em
> um único corpo
> teórico?
>
> João de Carvalho.
>
>
>
>


"O Binômio de Newton é tão belo como a Vênus de Milo.
O que há é pouca gente para dar por isso... "
Fernando Pessoa - Poesias de Alvaro Campos

_________________________________________________________________
As informações existentes nessa mensagem e no(s) arquivo(s) anexado(s)
são
para uso restrito, sendo seu sigilo protegido por lei. Caso não seja
destinatário, saiba que leitura, divulgação ou cópia são proibidas.
Favor
apagar as informações e notificar o remetente. O uso impróprio será
tratado
conforme as normas da empresa e a legislação em vigor. Agradecemos sua
colaboração.


The information mentioned in this message and in the archives attached
are
of restricted use, and its privacy is protected by law. If you are not
the
addressee, be aware that reading, disclosure or copy are forbidden.
Please
delete this information and notify the sender. Inappropriate use will
be
tracted according to company's rules and valid laws. Thank you for your
cooperation.



_______________________________________________________
Novidade no Yahoo! Mail: receba alertas de novas mensagens no seu celular. Registre seu aparelho agora!
http://br.mobile.yahoo.com/mailalertas/




SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 13:31

Prezado Elton,

As premissas citadas podem
parecer não ter conexão
lógica com as conclusões.

De fato, as vezes sou
bastante eclético, o que
dificulta o entendimento.

Sou Físico, especializado
em sistemas, automação e
robótica. Especializei-me
tb em Ciências Cognitivas
e pretendo fazer doutorado
nesta área.

Desde que começei a me
aprofundar no estudo de
Física Avançada notei
que havia uma barreira
plácida entre o
significante e o
significado físico
das coisas. Foi o que
me levou às Ciências
Cognitivas.

Hoje em dia não consigo
estudar ou analisar um
fenômeno Físico sem
discriminar bem o mundo
real do mundo onírico.

O que está ocorrendo nos
nossos diálogos é o que
costuma ocorrer nas
epistemologias
interdisciplinares.

Por isso é interessante
que consigamos entrar
em "ressonância
linguística".

Tendo isso em mente,
seguem abaixo minhas
contra-respostas:

>> Vc está sugerindo que estou
>> usando conceitos e definições
>> científicas imprecisas?
>>
>
>Na verdade, está tentando modificar esses conceitos, dando a eles uma
>fundamentaçào homocentrista. E isto não só é impreciso como errado.

Na verdade, como te falei
estou tentando discriminar
o que é próprio da nossa
mente e o que é próprio
do mundo real.

>
>> Várias pesquisas neuro-científicas
>> tem demonstrado que o cérebro é
>> uma máquina comparativa em todos
>> os sentidos.
>
>Neuro-científicas? Isso sim é imprecisão.

Poderia ter dito pesquisas
Cognitivas. Refiro-me às
pesquisas com redes neurais
que são típicos comparadores
on-line.

>
>>
>> Um experimento bastante interessante
>> que é usado como exemplo pode ser
>> feito da seguinte forma:
>> [...]
>> Se seguir as intruções verá que,
>> embora os dois dedos estejam na
>> mesma temperatura, vc sentirá
>> a água fria no dedo direito e
>> morna, no dedo esquerdo.
>>
>> Esse é um bom exemplo de como
>> o Sistema nervoso age.
>>
>> De igual forma, o conceito de
>> tempo é apenas comparativo.
>>
>> Intuitivamente comparamos o tempo
>> com o nosso relógio interno - ou
>> bio-ritmo. Racionalmente comparamos
>> o tempo com relógios.
>>
>> Em ambos os casos, o tempo
>> pode ser colocado em evidência
>> e anulado nos dois lados de
>> uma equação que envolva um
>> evento físico real qualquer
>> e o evento de funcionamento
>> de um relógio.
>>
>> Em suma: o tempo não é necessário,
>> ou se preferi, o tempo não existe.
>> Ele é apenas uma entidade
>> onírica comparativa.
>
>Você está e não está certo. Andei pesquisando e, como eu esperava,
>realmente não há uma definição clara do que seja tempo e ele é tratado
>de forma comparativa, comparando a simultaneidade entre eventos a
>medir e um evento que temos como "periódico". Entretanto, isso não
>significa que ele não exista ou que possa ser cancelado do jeito que
>você mencionou. Pelo contrário, há muitos casos em que se
>"cancelarmos" o tempo, o resultado dá completamente errado, como em
>Relatividade (onde o tempo é tratado como medida de tempo, mesmo).

Existe uma dificuldade grande
em se definir claramene o que
seja força, energia, trabalho
e tempo.

Nossas mentes se apoiaram muito
na idéia do tempo como entidade,
enquanto o certo seria usar uma
entidade energético-espaço-massa
dependente. Mas teríamos que
ter outros tipos de sensores
para que isso fosse possível.

>
>
>> * Sobre a Termodinâmica:
>>
>> A Termodinâmica estuda o calor,
>> um fenômeno macroscópico que
>> poderia ser melhor estudado
>> pela Mecânica, se fosse possível
>> determinar a posição, a velocidade
>> e a massa de cada molécula ou
>> átomo delimitados em um recipiente.
>>
>> A Entropia, por tratar-se de
>> fenômenos em escala macroscópica,
>> deixa de ter respaldo físico e
>> passa a ser puramente matemática.
>
>A Termodinâmica estuda o calor, um fenômen macroscópico que é melhor
>estudado pela Mecânica Estatística, em que se conhece a velocidade
>média e a massa de cada partícula no recipiente e cujos resultados,
>quando levados em conta para números muito grandes (moles) de
>partículas, reproduzem exatamente os resultados da Termodinâmica que,
>assim, ganha completo "respaldo físico", pois pode ser deduzida de
>primeiros princípios.
>
>Vejo que você tem problemas em encontrar conseqüências de suas premissas.

A Teoria dos Grandes Números
é uma teoria matemática. Não
é uma Lei Física.

Da forma que vc está me dizendo,
nunca seria possível alguém
ganhar na megasena.

>
>> O experimento clássico que
>> demonstra a Entropia pode ser
>> realizado da seguinte forma:
>> [...]
>> Em pouquíssimo tempo poderá
>> ser verificado a existência
>> da mesma quantidade da mistura
>> gasosa (O2 + N2) nas duas
>> câmaras.
>>
>> A Entropia diz que isso deve-se
>> ao equilíbrio termodinâmico.
>
>Não ocorre em pouquíssimo tempo coisa nenhuma. Você só vai ter uma
>mistura equilibrada de gases depois de atingido o equilíbrio
>termodinâmico, condição que, de acordo com a Segunda Lei, é a de
>máxima entropia. Não é a entropia que diz que isso se deve ao
>equilíbrio, mas sim o equilíbrio que "força" a entropia a se
>maximizar, e esse máximo se dá quando a proporção de gases é
>homogênea.

Desta forma, os gases nunca
poderiam ficar no mesmo
recipiente, não é isso?

E se fosse apenas uma
molécula de cada lado?

>
>>
>> Já a Matemática diz que mistura
>> final tem probabilidade maior de
>> conter uma média das duas substância.
>>
>> A Entropia diz que é impossível
>> que ambos os gases não misturem-se.
>>
>> Já a Matemática diz que a probabilidade
>> de que ambos os gases não misturem-se
>> é muito pequena, mas não impossível.
>>
>> Simulações demonstram que a visão
>> matemática é a mais correta.
>
>Como eu disse anteriormente, a entropia de Clausius e a termodinâmica
>são resultados de limites da Mecânica estatística para sistemas muito
>grandes. Em sistemas limite como esse, para dizemos que ium fenômeno é
>impossível, basta que para o evento ocorrer, é necessário um intervalo
>de tempo muito grande ("grande" depende da escala que estudamos.
>Milhões de anos para eventos na nossa escala é razoável). Isso
>significa que as duas idéias sào, sim, equivalententes.

Mas uma é verdadeira a
outra não. E isso é muito
importante levando-se em
conta outras teorias que
nela se apoia.

>
>
>>
>> Espero ter sido mais coerente
>> desta vez.
>
>Infelizmente, não foi. Muito non sequitur.
>

A facto ad jus non
datur consequentia!


Um forte abraço,

Eduardo Sardeiro





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] OT - trad.
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 13:41

Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Sobre a refração da luz
FROM: "Ricardo Soares Vieira" <rickrsv@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 13:52

Hélio

Talvez não seria mais natural dizer que, quando as partículas de luz
são absolvidas pelo átomo este o emite em uma direção bem definida,
mas onde algumas (aquelas condizentes com a lei de Snell) são mais
prováveis que as outras, de forma a se verificar um desvio na
trajetória da luz...

Bem, isso deveria ser respaldado por uma teoria estatística, mas já é
uma idéia...

Abraço.


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
<hrc@f...> escreveu
>
> Oi Alberto,
>
> Estou te devendo (entre outras coisas) uma resposta a sua MSG 56072
> sobre a refração da luz.
> O assunto de outra forma voltou agora com a thread começada pela
> mensagem:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56737
> "Princípio do menor tempo de Fermat" colocada por Paulo Sérgio Dias.
>
> Aqui vou responder à tua
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072
>
> Quem quiser ver as duas precedentes deste ramo de thread aí estão os
> links:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56057
(Alberto)
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56070 (Hélio)
>
>
> Na 56072 você disse:
>
> >Em outras palavras, para se utilizar o
> >princípio de Huyghens na explicação
> >da refração da luz, leva-se em conta
> >o fato de que a velocidade da luz muda
> >exatamente no instante que a mesma
> >atravessa a superfície de separação entre
> >os dois meios. Do contrário, e pelo
> >princípio de Huyghens, a luz
> >prosseguiria com a mesma velocidade
> >em módulo, direção e sentido, ou seja,
> >não haveria refração.
>
> Certo!
> Era c antes desta interface e c/n depois.
> Apesar do princípio de Huyghens ser próprio da teoria ondulatória,
> existe uma forma de usa-lo numa teoria 100% corpuscular (depois eu
> detalho isto).
>
> Mas como eu disse antes (e você também) não é este o motivo da
> velocidade ser diferente.
> O motivo da velocidade ser diferente você já disse de uma forma bem
> didática na mensagem 56057. Neste trecho que reproduzo abaixo:
>
> >Seja um automóvel que percorre
> >a distância de 80 km numa estrada
> >e numa velocidade constante e igual
> >a 80 km/h mas, de tempos em tempos,
> >o motorista estaciona o automóvel,
> >ora para colocar combustível, ora para
> >observar a paisagem, ora para tomar
> >um café etc. A sua velocidade,
> >*quando está em movimento*, é
> >sempre de 80 km/h e, não obstante,
> >o automóvel atinge a distância de 80 km
> >num tempo superior a uma hora.
>
> Então vamos partir deste ponto para explicar como uma teoria 100%
> corpuscular, pela configuração dos corpúsculos, pode fazer uso do
> princípio de Huyghens para explicar a deflexão do feixe de luz só na
> interface (eu prefiro falar feixe do que raio, depois ficará claro o
> porquê).
> Claro que muito da explicação que vem a seguir foi usada pelos
> "ondulatórios" do século XVIII para "provar" que a luz é ondas. Eles
> usavam o "fato" do meio ser contínuo e a velocidade da luz num meio
> ser uma propriedade deste meio sem se preocuparem em saber porque esta
> diferença.
> [Você sabe mais de História da Ciência do que eu. É bem provável que o
> relato que fiz acima esteja errado. Se for isto, considere como um
> erro com objetivos didáticos]. :-)
>
> O que atrapalhou a "visão" do corpúsculo como ele deveria ser "visto"
> foi a invenção desta monstruosidade chamada fóton. Para ter as
> propriedades que cabem dentro desta coisa chamada fóton seriam
> necessários vários trilhões de corpúsculos. (os números são chutes,
> podem ser muito mais).
> :-)
>
> Vamos voltar ao assunto.
>
> Vou só destacar mais uma parte da sua MSG
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072
>
> Antes eu tinha dito:
> >>Para mim são todos materiais
> >>(são todos iguais - "UNIFICAÇÃO").
> >>As sucessivas paradas nos átomos do
> >>meio já fornece explicação tanto para
> >>a menor velocidade média como para
> >>a mudança de ângulo na refração.
>
> Aí você disse:
> > Mas em condições ocorreria essa
> >mudança no ângulo? Na primeira parada?
> >Na segunda? Na última? Em todas (seria
> >uma somatória?) Mas se em cada
> >parada o raio sofrer uma mudança de
> >direção, a refração deveria depender da
> >espessura do meio, o que não ocorre.
> >Além do que a trajetória seria visivelmente
> >curva, o que também não ocorre. Concluo
> >então que seria na primeira parada.
> > Mas porque esta deveria ser diferente
> >das outras? Bem, são apenas
> >encucações que estou colocando,
> >não estou esperando por uma
> >resposta pois como teorizador que sou
> >sei que essas coisas (respostas) não
> >surgem do dia pra noite.
>
> Na verdade a "explicação" na minha cabeça já existia o difícil para
> mim é ter tempo (do dia para noite) de digita-la.
> :-)
>
> O princípio de Huyghens original dizia que os pontos de
> re-espalhamento eram matemáticos (num meio contínuo isto seria
> possível), ou seja, por menor que fosse a distância entre dois pontos
> neste meio, haveria sempre infinitos pontos de re-espalhamento da onda
> entre estes dois pontos.
>
> Num meio discreto (como são TODOS os meios exceto o vácuo absoluto)
> formado por átomos o princípio de Huyghens começa a colocar os pés no
> chão. Os pontos de re-espalhamento da "onda" agora são os próprios
> átomos (ou os elétrons destes átomos). Estes átomos funcionam como as
> paradas (para combustível e para ver paisagem na analogia acima). MAS,
> IMPORTANTE, pelo princípio de Huyghens, ao sair do ponto de cada
> parada, o carro é dividido em milhões de pedacinhos (uma explosão?)
> que se espalham para TODOS os lados. Quando cada pedacinho chega na
> próxima parada encontra os outros pedacinhos das outras explosões.
> com todos estes pedacinhos um novo carro (fóton?) é construído mas
> este novo carro não chaga a sair inteiro da parada. Uma nova explosão
> acontece!!!
>
> Não sei se você percebeu, mas no meio do parágrafo anterior já mudei
> de "onda" para corpúsculos. Eu posso mudar para corpúsculos e ainda
> usar o princípio de Huyghens na sua forma "pé no chão" pois meus
> corpúsculos se movimentam com uma distribuição de densidade no espaço
> que se assemelha a uma nuvem de gafanhotos com densidade periódica.
>
> Mas ainda estou te devendo a explicação de porque o princípio de
> Huyghens associado a diferença de velocidades entre os meios dá a
> deflexão só na interface.
>
> Para isto são necessários algumas condições:
>
> 1- A distância média entre os átomos deve ser muiiiiiiito menor que o
> comprimento de onda da luz no meio em questão. Isto de fato acontece
> para o espectro visível. ( No caso corpuscular este comprimento de
> onda é a distância entre dois pontos de máxima densidade de
corpúsculos).
>
> 2- A luz incidente não pode ser um raio de luz, deve ser um feixe. No
> fundo, no fundo, tudo que denominamos "raio de luz" é na verdade é um
> feixe. Mesmo que fosse uma luz de uma fonte pontual.
>
> 3- Cada re-emissão se dá em todas as direções.
>
> Com tudo isto em mente, veja o link abaixo. Apesar de ter sido feito
> por "ondulatórios", se aplicam muito bem aos meus corpúsculos.
>
http://www.geocities.com/CapeCanaveral/Hall/6645/propagation/propagation.html
>
> Os "carros" são remontados e explodem em cada átomo mas as explosões
> acontecem simultaneamente em átomos que estão aproximadamente em linha
> (frentes de "onda"). A inclinação destas linhas dependem da velocidade
> média desta "onda" neste meio. Ou melhor, depende da habilidade dos
> construtores em montar os carros e do número de paradas.
> Se o carro tem muitas peças (exemplo: luz violeta) os construtores
> demoram mais a construção, a velocidade média no meio diminui e a luz
> se encurva mais na interface. Se o carro tem poucas peças (exemplo:
> luz vermelha) os construtores são mais rápidos, a velocidade média no
> meio aumenta e a luz se encurva menos na interface.
>
> Para você entender melhor como isto acontece veja novamente o "applet"
> do link que te passei acima.
> Quando a frente de "onda" incidente estiver próxima da interface,
> aperte várias vezes o botão "Slower" e veja este evento em "câmara
lenta".
>
>
> Muito do que coloquei aqui sei que você já está careca de saber.
> Talvez, para você, fosse apenas necessário mostrar meu modelo de
> configuração (arranjo) dos corpúsculos no espaço. Mas, aprendendo com
> o Victor [:-)], coloquei tudo isto para que outros aprendam "o que vai
> pela natureza".
> :-)
> :-)
> :-)
>
> [ ]'s
> Hélio
>
> PS.:
> Quem quiser ver mais sobre este assunto veja a Thread "Brilho
> Metálico" ocorrida entre janeiro e março de 2005 que começou com a MSG:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/43642 (Pedro
Lázaro)
>
> Eu entrei em fevereiro com:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44596 (Hélio)
>
> Esquentou quando o Takata respondeu em:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44598 (Takata)
>






SUBJECT: Re: RES: [ciencialist] OT - trad.
FROM: Nando <nando.str@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 15:48

Eduardo Sardeiro wrote:
> Não tenho a definição
> exata. Mas na arquitetura,
> um "vault" é uma estrutura
> em forma de arco, feita de
> cimento, geralmente um teto
> ou cobertura.
>
> Um "virus vault" seria um
> vírus em forma de arco?


>> Qual a tradução para : virus vault ?

É uma pasta onde o anti-vírus vai depositar os vírus.
Uma tradução correta pode ser "depósito de vírus".


SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 16:30

Recomendo o Paint Shop Pro (desenvolvido pela Jasc, recentemente adquirida
pela Corel, e que custa US$ 79), que é uma excelente alternativa entre
softwares realmente profissionais (como o Photo Shop ou o Corel Draw) e
softwares que só editam imagens bitmap, como o Microsoft Paint. O Paint Shop
Pro trabalha com mútliplas camadas, múltiplos arquivos abertos, vários tipos
de imagem, várias resoluções e tem uma certa capacidade de trabalho com
imagens vetoriais.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Saturday, August 26, 2006 8:14 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


JVictor escreve:
"Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância é
com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt
para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs.
matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que
era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me
mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim: meu
mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio tudo,
e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí,
resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento de
tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ? "

Olá Victor,

nada a ver com quântica e sim com "nosso mundinho simples e funcional".

Realmente, minha técnica básica é Paint, EquationEditor, FrontPage e, como
se observa 'experimentalmente' tem dado certo, muito certo.
Minha única reclamação é no Paint no qual faltam apenas dois ou três
implementos para torná-lo 'insubstituível'; um deles é girar a figura do
ângulo que interessar. Todavia, achei um Paint que preenche ao que realmente
quero (veja as figuras da Força Magnética para ter uma idéia).
É um Paint, tudo do Paint, mesmas teclas etc., com + recursos. Seu nome
completo é SnagIt 7 que além de fazer tudo que o Paint faz permite copiar
imagens e textos de qqer lugar, nãi importa o software que estiver usando.
Pena que é 'trial' ... não permite salver ou copiar --- mas, não importa,
para isso uso o SnagIt 32, que já uso a uns 5 anos. Uso dois SnagIt, o 7
faço os desenhos e com o 32 salvo a figura em arquivo.
O e-mail do SnagIt 7 é SnagItSales@techsmith.com
E o link é: http://www.techsmith.com/snagit.asp

Se vc conseguir a senha ... lembre-se do Álamo!

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos












SUBJECT: Re: [ciencialist] OT - trad.
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 16:43

"Virus vault" é um local seguro (segundo o fabricante) onde o AVG Antivirus
guarda os arquivos infectados que não puderam ser limpos.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Sunday, August 27, 2006 1:41 PM
Subject: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 17:45

Olá, Eduardo.


----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:43 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Paulo,

Eduardo: O Princípio do menor tempo de
Fermat é tão contraditório
como é o próprio conceito de
"tempo".

Victor: Correntes elétricas sempre buscam os trajetos de menor
resistência; a tendência natural dos corpos é a busca dos menores
potenciais; ou seja, o natural é tendência do menor gasto de energia,
lei do menor esforço, como nós, os brasileiros, de buscarem o bem bom.
A luz busca caminhos de menor resistência. Pelas mesmas razões.
Fermat, pimba, enfiou o tempo no meio, e estão vocês aí discutindo isso!.
Fermat interpretou essa tendência natural como um princípio relacionado
ao tempo. Nada demais. E se ele houvesse feito a sua declaração em termos
desse conceito enérgico, mais imediato?
Não enxergo qualquer contradição nisso. Trata-se de uma observação de um
comportamento da natureza. Coisas do tipo devem ocorrer também na química, na biologia, na..

Eduardo: Este está mais para uma
Consequência Matemática do
que para um Princípio Físico.

Victor: Tenho uma opinião diferente, Eduardo. A matemática, por uma dessas questões
que você um dia acabará resolvendo, em seus estudos cognitivos, simplesmente
possui recursos para expressar mais esse comportamento, observado, da natureza.
É só uma ferramenta útil. É verdade que pode nos pregar surpresas e apontar
para coisas nunca dantes imaginada.

Eduardo:
O mesmo acontece com o conceito
de Entropia da Termodinâmica: a
entropia é uma consequência
probabilística da matemática
que se reflete como um evento
físico.

Victor: Também vejo isso de uma maneira diferente.
O conceito de entropia advém de um comportamento observado da natureza, mais uma vez!
Enquanto um corpo tem energia potencial, é possível utilizá-la, na produção de
energia mecânica útil. Se essa energia vai a zero, expontâneamente, você perde essa
oportunidade que tinha, de produzir um trabalho mecânico útil, transformando aquela energia. Se você quiser repor a
energia potencial que o corpo tinha antes ( digamos que era uma energia potencial gravitacional)
você deve retirar energia de algum canto, fornecer a o tal, levando-o à posição original. Aí, sim, ele
terá novamente potencialidade para realizar trabalho útil. Bom, mas onde quero chegar? O que quero
dizer é que, no primeiro caso, de uma queda expontânea, nunca mais aquele vai realizar algum trabalho
útil, pois ao cair, perdeu essa oportunidade. A energia do universo continuará a mesma. Mas a quantidade dela,
utilizável, diminuiu, você há de concordar. Muitos outros processos naturais ocorrem e, a cada vez, perde-se
oportunidade de realizar trabalho mecânico útil. A energia útil do universo diminui a cada ocorrência do tipo.
Isto em todos os níveis. O funcionamento de uma máquina térmica pode ser sintesado assim:
retira-se calor de uma fonte quente, uma parte dele é transformada em energia mecânica útil e a outra é
descarregada para uma fonte fria. Esta última, que é uma energia degradada, jamais poderá ser reutilizada para algo que preste.
E por aí em diante.
A cada vez que isso acontece, e em vista da conservação da energia, o universo vai ficando mais pobre, como ficaremos nós, os brasileiros,
com esse governo que aí está. Marchamos então para um estado com a mesma quantidade de energia, porém que não valerá um real !.
Marchamos para um aquilíbrio térmico. A isto deu-se o nome de entropia. Aumento de entropia significa aumento de impossiblidade
de realizarmos trabalho útil. E a matemática mais vez deu um jeito de expressar isso.
É isto em linhas gerais o que queria dizer. Nada demais, nem misterioso, nem nada.
Sds,

Victor.









icles/fall01/fermat/Fermat.html


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Paulo Sérgio Dias [mailto:psdlistdisc@terra.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 07:27
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua, etc.)
segue a trajetoria de tempo minimo ?

Os livros demonstram isso geometricamente, calculam a derivada
de uma funcao, chegam matematicamente na lei de Snell, etc., etc.

Mas existe alguma teoria do tipo "a luz percorre a trajetoria do menor tempo
porque os fotons, ao interagir com os atomos das substancias [...]"

Ou o "principio do menor tempo" e' apenas uma constatacao (descricao ?)
do "comportamento" da luz, sem nenhuma teoria que detalhe esse fenomeno ?

Grato pela atencao de todos
Paulo




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1724 (20060824) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 19:00

Yeah! For sure!

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)

_____

De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 17:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Olá, Eduardo.


----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:43 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Paulo,

Eduardo: O Princípio do menor tempo de
Fermat é tão contraditório
como é o próprio conceito de
"tempo".

Victor: Correntes elétricas sempre buscam os trajetos de menor
resistência; a tendência natural dos corpos é a busca dos menores
potenciais; ou seja, o natural é tendência do menor gasto de energia,
lei do menor esforço, como nós, os brasileiros, de buscarem o bem bom.
A luz busca caminhos de menor resistência. Pelas mesmas razões.
Fermat, pimba, enfiou o tempo no meio, e estão vocês aí discutindo isso!.
Fermat interpretou essa tendência natural como um princípio relacionado
ao tempo. Nada demais. E se ele houvesse feito a sua declaração em termos
desse conceito enérgico, mais imediato?
Não enxergo qualquer contradição nisso. Trata-se de uma observação de um
comportamento da natureza. Coisas do tipo devem ocorrer também na química,
na biologia, na..

Eduardo: Este está mais para uma
Consequência Matemática do
que para um Princípio Físico.

Victor: Tenho uma opinião diferente, Eduardo. A matemática, por uma
dessas questões
que você um dia acabará resolvendo, em seus estudos cognitivos,
simplesmente
possui recursos para expressar mais esse comportamento, observado, da
natureza.
É só uma ferramenta útil. É verdade que pode nos pregar surpresas e
apontar
para coisas nunca dantes imaginada.

Eduardo:
O mesmo acontece com o conceito
de Entropia da Termodinâmica: a
entropia é uma consequência
probabilística da matemática
que se reflete como um evento
físico.

Victor: Também vejo isso de uma maneira diferente.
O conceito de entropia advém de um comportamento observado da natureza,
mais uma vez!
Enquanto um corpo tem energia potencial, é possível utilizá-la, na
produção de
energia mecânica útil. Se essa energia vai a zero, expontâneamente, você
perde essa
oportunidade que tinha, de produzir um trabalho mecânico útil,
transformando aquela energia. Se você quiser repor a
energia potencial que o corpo tinha antes ( digamos que era uma energia
potencial gravitacional)
você deve retirar energia de algum canto, fornecer a o tal, levando-o à
posição original. Aí, sim, ele
terá novamente potencialidade para realizar trabalho útil. Bom, mas onde
quero chegar? O que quero
dizer é que, no primeiro caso, de uma queda expontânea, nunca mais aquele
vai realizar algum trabalho
útil, pois ao cair, perdeu essa oportunidade. A energia do universo
continuará a mesma. Mas a quantidade dela,
utilizável, diminuiu, você há de concordar. Muitos outros processos
naturais ocorrem e, a cada vez, perde-se
oportunidade de realizar trabalho mecânico útil. A energia útil do
universo diminui a cada ocorrência do tipo.
Isto em todos os níveis. O funcionamento de uma máquina térmica pode ser
sintesado assim:
retira-se calor de uma fonte quente, uma parte dele é transformada em
energia mecânica útil e a outra é
descarregada para uma fonte fria. Esta última, que é uma energia
degradada, jamais poderá ser reutilizada para algo que preste.
E por aí em diante.
A cada vez que isso acontece, e em vista da conservação da energia, o
universo vai ficando mais pobre, como ficaremos nós, os brasileiros,
com esse governo que aí está. Marchamos então para um estado com a mesma
quantidade de energia, porém que não valerá um real !.
Marchamos para um aquilíbrio térmico. A isto deu-se o nome de entropia.
Aumento de entropia significa aumento de impossiblidade
de realizarmos trabalho útil. E a matemática mais vez deu um jeito de
expressar isso.
É isto em linhas gerais o que queria dizer. Nada demais, nem misterioso,
nem nada.
Sds,

Victor.









icles/fall01/fermat/Fermat.html


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Paulo Sérgio Dias [mailto:psdlistdisc@terra.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 07:27
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua, etc.)
segue a trajetoria de tempo minimo ?

Os livros demonstram isso geometricamente, calculam a derivada
de uma funcao, chegam matematicamente na lei de Snell, etc., etc.

Mas existe alguma teoria do tipo "a luz percorre a trajetoria do menor
tempo
porque os fotons, ao interagir com os atomos das substancias [...]"

Ou o "principio do menor tempo" e' apenas uma constatacao (descricao ?)
do "comportamento" da luz, sem nenhuma teoria que detalhe esse fenomeno ?

Grato pela atencao de todos
Paulo




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1724 (20060824) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br <http://www.eset.com.br>


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] OT - trad.
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 20:22

Esse termo aparece na página de uso do AVG-antivírus. Eu uso AVG e AVAST
Se vc usa o AVG, clica nele e aparecerá na coluna da esquerda o tal termo.

EM tempo: Ninguém vai ler minha obtenção da força magnética via relatividade? Preciso de parâmetros da avaliação e solução de dúvidas.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:41
Assunto: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 20:36

Posso dar um palpite?

Vejo o átomo como muito grande para interagir com a partícula de luz (fóton) e com ele fazer trocas momentâneas de energia, tipo absorver/devolver (com certa demora nesse processo de modo a alterar a velocidade média naquele meio).
Enxergo mais a refração como interação de partículas de luz com os elétrons periféricos do átomo. Veja, a partícula sai de um meio onde nos átomos a distribuição da camada externa é diferente daquela do novo meio onde ela entra. Acredito que o desvio ocorre devido a que no meio mais refringente a camada de valência é 'maior' e mais densa de elétrons.
É como um ricochete de uma pedra numa superfície de água, numa superfície de óleo, numa superfície de Hg; cada uma dá um desvio diferente.
Bem, que tal aprimorarmos essa idéia?

[]'

Obs: Estou ficando bravo porque ninguém leu ainda a força magnética calculada a partir da força coulombiana e usando efeito relativístico. Se continuar assim, vou prender a respiração até ficar roxo!
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Ricardo Soares Vieira" <rickrsv@yahoo.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:52
Assunto: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz


Hélio

Talvez não seria mais natural dizer que, quando as partículas de luz
são absolvidas pelo átomo este o emite em uma direção bem definida,
mas onde algumas (aquelas condizentes com a lei de Snell) são mais
prováveis que as outras, de forma a se verificar um desvio na
trajetória da luz...

Bem, isso deveria ser respaldado por uma teoria estatística, mas já é
uma idéia...

Abraço.


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
<hrc@f...> escreveu
>
> Oi Alberto,
>
> Estou te devendo (entre outras coisas) uma resposta a sua MSG 56072
> sobre a refração da luz.
> O assunto de outra forma voltou agora com a thread começada pela
> mensagem:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56737
> "Princípio do menor tempo de Fermat" colocada por Paulo Sérgio Dias.
>
> Aqui vou responder à tua
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072
>
> Quem quiser ver as duas precedentes deste ramo de thread aí estão os
> links:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56057
(Alberto)
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56070 (Hélio)
>
>
> Na 56072 você disse:
>
> >Em outras palavras, para se utilizar o
> >princípio de Huyghens na explicação
> >da refração da luz, leva-se em conta
> >o fato de que a velocidade da luz muda
> >exatamente no instante que a mesma
> >atravessa a superfície de separação entre
> >os dois meios. Do contrário, e pelo
> >princípio de Huyghens, a luz
> >prosseguiria com a mesma velocidade
> >em módulo, direção e sentido, ou seja,
> >não haveria refração.
>
> Certo!
> Era c antes desta interface e c/n depois.
> Apesar do princípio de Huyghens ser próprio da teoria ondulatória,
> existe uma forma de usa-lo numa teoria 100% corpuscular (depois eu
> detalho isto).
>
> Mas como eu disse antes (e você também) não é este o motivo da
> velocidade ser diferente.
> O motivo da velocidade ser diferente você já disse de uma forma bem
> didática na mensagem 56057. Neste trecho que reproduzo abaixo:
>
> >Seja um automóvel que percorre
> >a distância de 80 km numa estrada
> >e numa velocidade constante e igual
> >a 80 km/h mas, de tempos em tempos,
> >o motorista estaciona o automóvel,
> >ora para colocar combustível, ora para
> >observar a paisagem, ora para tomar
> >um café etc. A sua velocidade,
> >*quando está em movimento*, é
> >sempre de 80 km/h e, não obstante,
> >o automóvel atinge a distância de 80 km
> >num tempo superior a uma hora.
>
> Então vamos partir deste ponto para explicar como uma teoria 100%
> corpuscular, pela configuração dos corpúsculos, pode fazer uso do
> princípio de Huyghens para explicar a deflexão do feixe de luz só na
> interface (eu prefiro falar feixe do que raio, depois ficará claro o
> porquê).
> Claro que muito da explicação que vem a seguir foi usada pelos
> "ondulatórios" do século XVIII para "provar" que a luz é ondas. Eles
> usavam o "fato" do meio ser contínuo e a velocidade da luz num meio
> ser uma propriedade deste meio sem se preocuparem em saber porque esta
> diferença.
> [Você sabe mais de História da Ciência do que eu. É bem provável que o
> relato que fiz acima esteja errado. Se for isto, considere como um
> erro com objetivos didáticos]. :-)
>
> O que atrapalhou a "visão" do corpúsculo como ele deveria ser "visto"
> foi a invenção desta monstruosidade chamada fóton. Para ter as
> propriedades que cabem dentro desta coisa chamada fóton seriam
> necessários vários trilhões de corpúsculos. (os números são chutes,
> podem ser muito mais).
> :-)
>
> Vamos voltar ao assunto.
>
> Vou só destacar mais uma parte da sua MSG
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/56072
>
> Antes eu tinha dito:
> >>Para mim são todos materiais
> >>(são todos iguais - "UNIFICAÇÃO").
> >>As sucessivas paradas nos átomos do
> >>meio já fornece explicação tanto para
> >>a menor velocidade média como para
> >>a mudança de ângulo na refração.
>
> Aí você disse:
> > Mas em condições ocorreria essa
> >mudança no ângulo? Na primeira parada?
> >Na segunda? Na última? Em todas (seria
> >uma somatória?) Mas se em cada
> >parada o raio sofrer uma mudança de
> >direção, a refração deveria depender da
> >espessura do meio, o que não ocorre.
> >Além do que a trajetória seria visivelmente
> >curva, o que também não ocorre. Concluo
> >então que seria na primeira parada.
> > Mas porque esta deveria ser diferente
> >das outras? Bem, são apenas
> >encucações que estou colocando,
> >não estou esperando por uma
> >resposta pois como teorizador que sou
> >sei que essas coisas (respostas) não
> >surgem do dia pra noite.
>
> Na verdade a "explicação" na minha cabeça já existia o difícil para
> mim é ter tempo (do dia para noite) de digita-la.
> :-)
>
> O princípio de Huyghens original dizia que os pontos de
> re-espalhamento eram matemáticos (num meio contínuo isto seria
> possível), ou seja, por menor que fosse a distância entre dois pontos
> neste meio, haveria sempre infinitos pontos de re-espalhamento da onda
> entre estes dois pontos.
>
> Num meio discreto (como são TODOS os meios exceto o vácuo absoluto)
> formado por átomos o princípio de Huyghens começa a colocar os pés no
> chão. Os pontos de re-espalhamento da "onda" agora são os próprios
> átomos (ou os elétrons destes átomos). Estes átomos funcionam como as
> paradas (para combustível e para ver paisagem na analogia acima). MAS,
> IMPORTANTE, pelo princípio de Huyghens, ao sair do ponto de cada
> parada, o carro é dividido em milhões de pedacinhos (uma explosão?)
> que se espalham para TODOS os lados. Quando cada pedacinho chega na
> próxima parada encontra os outros pedacinhos das outras explosões.
> com todos estes pedacinhos um novo carro (fóton?) é construído mas
> este novo carro não chaga a sair inteiro da parada. Uma nova explosão
> acontece!!!
>
> Não sei se você percebeu, mas no meio do parágrafo anterior já mudei
> de "onda" para corpúsculos. Eu posso mudar para corpúsculos e ainda
> usar o princípio de Huyghens na sua forma "pé no chão" pois meus
> corpúsculos se movimentam com uma distribuição de densidade no espaço
> que se assemelha a uma nuvem de gafanhotos com densidade periódica.
>
> Mas ainda estou te devendo a explicação de porque o princípio de
> Huyghens associado a diferença de velocidades entre os meios dá a
> deflexão só na interface.
>
> Para isto são necessários algumas condições:
>
> 1- A distância média entre os átomos deve ser muiiiiiiito menor que o
> comprimento de onda da luz no meio em questão. Isto de fato acontece
> para o espectro visível. ( No caso corpuscular este comprimento de
> onda é a distância entre dois pontos de máxima densidade de
corpúsculos).
>
> 2- A luz incidente não pode ser um raio de luz, deve ser um feixe. No
> fundo, no fundo, tudo que denominamos "raio de luz" é na verdade é um
> feixe. Mesmo que fosse uma luz de uma fonte pontual.
>
> 3- Cada re-emissão se dá em todas as direções.
>
> Com tudo isto em mente, veja o link abaixo. Apesar de ter sido feito
> por "ondulatórios", se aplicam muito bem aos meus corpúsculos.
>
http://www.geocities.com/CapeCanaveral/Hall/6645/propagation/propagation.html
>
> Os "carros" são remontados e explodem em cada átomo mas as explosões
> acontecem simultaneamente em átomos que estão aproximadamente em linha
> (frentes de "onda"). A inclinação destas linhas dependem da velocidade
> média desta "onda" neste meio. Ou melhor, depende da habilidade dos
> construtores em montar os carros e do número de paradas.
> Se o carro tem muitas peças (exemplo: luz violeta) os construtores
> demoram mais a construção, a velocidade média no meio diminui e a luz
> se encurva mais na interface. Se o carro tem poucas peças (exemplo:
> luz vermelha) os construtores são mais rápidos, a velocidade média no
> meio aumenta e a luz se encurva menos na interface.
>
> Para você entender melhor como isto acontece veja novamente o "applet"
> do link que te passei acima.
> Quando a frente de "onda" incidente estiver próxima da interface,
> aperte várias vezes o botão "Slower" e veja este evento em "câmara
lenta".
>
>
> Muito do que coloquei aqui sei que você já está careca de saber.
> Talvez, para você, fosse apenas necessário mostrar meu modelo de
> configuração (arranjo) dos corpúsculos no espaço. Mas, aprendendo com
> o Victor [:-)], coloquei tudo isto para que outros aprendam "o que vai
> pela natureza".
> :-)
> :-)
> :-)
>
> [ ]'s
> Hélio
>
> PS.:
> Quem quiser ver mais sobre este assunto veja a Thread "Brilho
> Metálico" ocorrida entre janeiro e março de 2005 que começou com a MSG:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/43642 (Pedro
Lázaro)
>
> Eu entrei em fevereiro com:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44596 (Hélio)
>
> Esquentou quando o Takata respondeu em:
> http://br.groups.yahoo.com/group/ciencialist/message/44598 (Takata)
>






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] OT - trad.
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 20:36

On 8/27/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
>
> Um "virus vault" seria um
> vírus em forma de arco?
>

Vault pode ser cofre dos grandes, como aqueles de banco.

Traduza como quarentena que tá beleza.

Léo, atualiza seu antivirus...

--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho

/"\ CAMPANHA DA FITA ASCII - CONTRA MAIL HTML
\ / ASCII RIBBON CAMPAIGN - AGAINST HTML MAIL
X http://www.eltonfc.no-ip.org/~eltonfc/htmlmail/htmlmail.html
/ \


SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 20:51

"Alvaro Augusto" aponta:

> Recomendo o Paint Shop Pro (desenvolvido pela Jasc, recentemente adquirida
pela Corel, e que custa US$ 79), que é uma excelente alternativa entre
softwares realmente profissionais (como o Photo Shop ou o Corel Draw) e
softwares que só editam imagens bitmap, como o Microsoft Paint. O Paint Shop
Pro trabalha com mútliplas camadas, múltiplos arquivos abertos, vários tipos
de imagem, várias resoluções e tem uma certa capacidade de trabalho com
imagens vetoriais.<

Sim, sim ... e acompanha um livro de instruções de uso de dar inveja aos livros de Direito. Tenho um desses do Corel Draw por aqui com nada menos de 400 páginas!

Eu trabalho no Paint da Microsoft (com uma rapidez tal que nem o cursor me acompanha...) e uso figura bmp nessa fase de 'preparo' --- depois levo pro FrontPage, no devido lugar, clico na imagem e levo a seta de 'transparência' em cima dela. O FrontPage converte em .gif, transparente. O bmp de 100kb vira 8kb!
O SnagIT 7 é sem dúvida o 'quente', 'quentíssimo' --- mas não tenho a senha para usá-lo completo! Pena!

[]'


SUBJECT: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 20:55

Paulo escreve:
>Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua, etc.)
segue a trajetoria de tempo minimo ?

Os livros demonstram isso geometricamente, calculam a derivada
de uma funcao, chegam matematicamente na lei de Snell, etc., etc.<

Esqueceu de dizer "barbantemente"; veja:

http://www.feiradeciencias.com.br/sala09/09_06.asp

[]'

Léo




SUBJECT: Fw: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 21:27

Errata:

Espontâneo com x é de amargar. Yeah! For Sure, espontâneamente com chapéu
pior ainda.

Sds,
Victor.


----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 7:00 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat


Yeah! For sure!

"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)

_____

De: jvictor [mailto:jvoneto@uol.com.br]
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 17:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Olá, Eduardo.


----- Original Message -----
From: Eduardo Sardeiro
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, August 24, 2006 2:43 PM
Subject: RES: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat



Paulo,

Eduardo: O Princípio do menor tempo de
Fermat é tão contraditório
como é o próprio conceito de
"tempo".

Victor: Correntes elétricas sempre buscam os trajetos de menor
resistência; a tendência natural dos corpos é a busca dos menores
potenciais; ou seja, o natural é tendência do menor gasto de energia,
lei do menor esforço, como nós, os brasileiros, de buscarem o bem bom.
A luz busca caminhos de menor resistência. Pelas mesmas razões.
Fermat, pimba, enfiou o tempo no meio, e estão vocês aí discutindo isso!.
Fermat interpretou essa tendência natural como um princípio relacionado
ao tempo. Nada demais. E se ele houvesse feito a sua declaração em termos
desse conceito enérgico, mais imediato?
Não enxergo qualquer contradição nisso. Trata-se de uma observação de um
comportamento da natureza. Coisas do tipo devem ocorrer também na química,
na biologia, na..

Eduardo: Este está mais para uma
Consequência Matemática do
que para um Princípio Físico.

Victor: Tenho uma opinião diferente, Eduardo. A matemática, por uma
dessas questões
que você um dia acabará resolvendo, em seus estudos cognitivos,
simplesmente
possui recursos para expressar mais esse comportamento, observado, da
natureza.
É só uma ferramenta útil. É verdade que pode nos pregar surpresas e
apontar
para coisas nunca dantes imaginada.

Eduardo:
O mesmo acontece com o conceito
de Entropia da Termodinâmica: a
entropia é uma consequência
probabilística da matemática
que se reflete como um evento
físico.

Victor: Também vejo isso de uma maneira diferente.
O conceito de entropia advém de um comportamento observado da natureza,
mais uma vez!
Enquanto um corpo tem energia potencial, é possível utilizá-la, na
produção de
energia mecânica útil. Se essa energia vai a zero, expontâneamente, você
perde essa
oportunidade que tinha, de produzir um trabalho mecânico útil,
transformando aquela energia. Se você quiser repor a
energia potencial que o corpo tinha antes ( digamos que era uma energia
potencial gravitacional)
você deve retirar energia de algum canto, fornecer a o tal, levando-o à
posição original. Aí, sim, ele
terá novamente potencialidade para realizar trabalho útil. Bom, mas onde
quero chegar? O que quero
dizer é que, no primeiro caso, de uma queda expontânea, nunca mais aquele
vai realizar algum trabalho
útil, pois ao cair, perdeu essa oportunidade. A energia do universo
continuará a mesma. Mas a quantidade dela,
utilizável, diminuiu, você há de concordar. Muitos outros processos
naturais ocorrem e, a cada vez, perde-se
oportunidade de realizar trabalho mecânico útil. A energia útil do
universo diminui a cada ocorrência do tipo.
Isto em todos os níveis. O funcionamento de uma máquina térmica pode ser
sintesado assim:
retira-se calor de uma fonte quente, uma parte dele é transformada em
energia mecânica útil e a outra é
descarregada para uma fonte fria. Esta última, que é uma energia
degradada, jamais poderá ser reutilizada para algo que preste.
E por aí em diante.
A cada vez que isso acontece, e em vista da conservação da energia, o
universo vai ficando mais pobre, como ficaremos nós, os brasileiros,
com esse governo que aí está. Marchamos então para um estado com a mesma
quantidade de energia, porém que não valerá um real !.
Marchamos para um aquilíbrio térmico. A isto deu-se o nome de entropia.
Aumento de entropia significa aumento de impossiblidade
de realizarmos trabalho útil. E a matemática mais vez deu um jeito de
expressar isso.
É isto em linhas gerais o que queria dizer. Nada demais, nem misterioso,
nem nada.
Sds,

Victor.









icles/fall01/fermat/Fermat.html


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Paulo Sérgio Dias [mailto:psdlistdisc@terra.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 24 de agosto de 2006 07:27
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Principio do menor tempo de Fermat

Existe alguma teoria que explique por que a luz, ao atravessar
meios de densidades diferentes (camadas da atmosfera, ar-agua, etc.)
segue a trajetoria de tempo minimo ?

Os livros demonstram isso geometricamente, calculam a derivada
de uma funcao, chegam matematicamente na lei de Snell, etc., etc.

Mas existe alguma teoria do tipo "a luz percorre a trajetoria do menor
tempo
porque os fotons, ao interagir com os atomos das substancias [...]"

Ou o "principio do menor tempo" e' apenas uma constatacao (descricao ?)
do "comportamento" da luz, sem nenhuma teoria que detalhe esse fenomeno ?

Grato pela atencao de todos
Paulo




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1724 (20060824) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br <http://www.eset.com.br>


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]





[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 21:30

Caro Léo,

Nunca li um livro ou outro material impresso sobre Paint Shop Pro. Aprendi
tudo na marra, na base da tentativa e erro. O help ajuda, mas pelo menos até
a versão 8.0 era bem fraquinho (em inglês). A capacidade de trabalhar com
camadas (ou "layers", de acordo com os entendidos) é um diferencial
imbatível e quem se acostuma com elas nunca mais usará um software que não
as tenha (acabo de acessar o Microsoft Paint 5.1 e, embora esteja
melhorzinho do que as versões anteriores, ainda não suporta formatos de
imagem que aceitam camadas, como PSP e PSD).

Não sou acionista da Corel, mas recomendo.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com




----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Sunday, August 27, 2006 8:51 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


"Alvaro Augusto" aponta:

> Recomendo o Paint Shop Pro (desenvolvido pela Jasc, recentemente adquirida
pela Corel, e que custa US$ 79), que é uma excelente alternativa entre
softwares realmente profissionais (como o Photo Shop ou o Corel Draw) e
softwares que só editam imagens bitmap, como o Microsoft Paint. O Paint Shop
Pro trabalha com mútliplas camadas, múltiplos arquivos abertos, vários tipos
de imagem, várias resoluções e tem uma certa capacidade de trabalho com
imagens vetoriais.<

Sim, sim ... e acompanha um livro de instruções de uso de dar inveja aos
livros de Direito. Tenho um desses do Corel Draw por aqui com nada menos de
400 páginas!

Eu trabalho no Paint da Microsoft (com uma rapidez tal que nem o cursor me
acompanha...) e uso figura bmp nessa fase de 'preparo' --- depois levo pro
FrontPage, no devido lugar, clico na imagem e levo a seta de 'transparência'
em cima dela. O FrontPage converte em .gif, transparente. O bmp de 100kb
vira 8kb!
O SnagIT 7 é sem dúvida o 'quente', 'quentíssimo' --- mas não tenho a senha
para usá-lo completo! Pena!

[]'



SUBJECT: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 22:00

O OpenOffice Draw é mais ou menos. Ele tem algumas limitações, salva as
ilustrações em uns formatos esquisitos, mas pelo menos tem suporte a
camadas. E, insisto, devemos trabalhar com camadas. Vejam alguns exemplos em
http://www.daelt.sh06.com/images/Fig.4-6.gif e
http://www.daelt.sh06.com/images/Fig.7-11.gif . O serrilhado em algumas
linhas aparece porque as ilustrações foram inicialmente concebidas para
impressão, não para web. By the way, o copyright é meu...:)

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Sunday, August 27, 2006 7:07 AM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


Caro Léo,

Há um prg bem melhor e mais completo do que o Paint, é o PaintDoNet_2.7.exe
, com uma vantagem: é gratuito. Certamente ele fará tudo o de que você
precisa e mais alguma coisa, com os pés nas costas, como diz Mesquita. Há
outro, também gratuito, este sim, fácil, em português, e faz basicamente
tudo o que qualquer "não de grátis" faz, sendo muito fácil operar com ele,
pois até eu consigo fazer bastantes coisas. Além das facilidades que
oferece, adequando-se sempre à sua imaginação, ele permite a conversão do
resultado para inúmeros outros formatos. Trata-se do DRAW , do BrOffice
(Open Office). É verdade que a maioria faz conversões também.
Uso atualmente tudo do OpenOffice, que substitue o MSOffice, que tem um
editor matemático profissional e de altíssimo nível. Os comandos são
facílimos e intuitivos e podem ser aprendidos já num primeiro trabalho, tão
fáceis que são, permitindo-lhe também uma formatação de equações conforme o
gosto de cada um. Uma beleza. É possível usar o editor matemático do Open
com o Word. Mas só o tenho usado, em meus exercícios, que são modestos, com
o Writer(tão bom e tão fácil quanto o word), feitos um para outro, como Eva
o foi para Adão, que, para tê-la, doou uma costela, e que, dela,
tirou-lhe a folha de parreira, e olha o resultado, aquí, escrevendo!
O PaintDoNet 2.7 você encontrará no site abaixo. Quem é bamba no paint do
windows deverá achar que este PaintDoNet é a mosca que faltava cair na
sopa.

http://www.getpaint.net/

Sds,

Victor.
----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, August 26, 2006 8:14 PM
Subject: Re: [ciencialist] A mecânica quântica é insatisfatória


JVictor escreve:
"Victor: O enfoque acima está evidentemente bem posto. Minha discordância
é com respeito
a " descambou para a física "moderna" ". Lembro que uma vez fiz um pvt
para o Léo, a respeito
de como como ele produzia suas páginas, aqueles desenhos e as eqs.
matemáticas; na ocasião,
disse-lhe que estava tentando fazer algo com um programa de desenho que
era o cão chupando
manga, completo e não sei mais o quê. E a resposta dele simplesmente me
mostrou o quanto
eu estava complicando uma coisa simples: ele disse mais o menos assim:
meu mundinho aquí é muito
simples; uso o paint do windows, o editor de eqs. do windows, copio
tudo, e depois colo no frontpage,
também do windows, lá fazendo as edições necessárias. Sem perhaps. Aí,
resolví seguir a lição: e deu certo, sem muito qui-pro-có.
Os prgs. mais sofisticados fazem, realmente, e bem, os 100 por cento
de tudo. Este procedimento faz somente 99%.!
Ora, e eu lá preciso desses 1% ? "

Olá Victor,

nada a ver com quântica e sim com "nosso mundinho simples e funcional".

Realmente, minha técnica básica é Paint, EquationEditor, FrontPage e, como
se observa 'experimentalmente' tem dado certo, muito certo.
Minha única reclamação é no Paint no qual faltam apenas dois ou três
implementos para torná-lo 'insubstituível'; um deles é girar a figura do
ângulo que interessar. Todavia, achei um Paint que preenche ao que realmente
quero (veja as figuras da Força Magnética para ter uma idéia).
É um Paint, tudo do Paint, mesmas teclas etc., com + recursos. Seu nome
completo é SnagIt 7 que além de fazer tudo que o Paint faz permite copiar
imagens e textos de qqer lugar, nãi importa o software que estiver usando.
Pena que é 'trial' ... não permite salver ou copiar --- mas, não importa,
para isso uso o SnagIt 32, que já uso a uns 5 anos. Uso dois SnagIt, o 7
faço os desenhos e com o 32 salvo a figura em arquivo.
O e-mail do SnagIt 7 é SnagItSales@techsmith.com
E o link é: http://www.techsmith.com/snagit.asp

Se vc conseguir a senha ... lembre-se do Álamo!

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1725 (20060825) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: opiniao
FROM: "andré.w.h." <andrew.hirano@yahoo.co.uk>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 22:07

Posso saber o que os caros colegas acham a respeito desta afirmação:


" Se é verdade, como os teólogos afirmam, que o Deus de Israel é
o criador deste universo magnífico, então toda verdade a respeito
deste universo descoberto pela ciência apenas realça a apreciação
da obra criadora de Deus."

Robert John Russel


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] opiniao
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 27/08/2006 22:25

Esta pergunta é demasiadamente religiosa.

Existe indicacao para nao se discutir religiao e/ou politica nesta
lisya de discussao.

Sei que estes assuntos sao abordados com frequencia no grupo. Mas nao
adequados para o foco desta lista.

Espero que entenda.

Luis Brudna - administrador da Ciencialist



On 8/27/06, andré.w.h. <andrew.hirano@yahoo.co.uk> wrote:
>
>
> Posso saber o que os caros colegas acham a respeito desta afirmação:
>
>
> " Se é verdade, como os teólogos afirmam, que o Deus de Israel é
> o criador deste universo magnífico, então toda verdade a respeito
> deste universo descoberto pela ciência apenas realça a apreciação
> da obra criadora de Deus."
>
> Robert John Russel
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>
>
>
> ##### ##### #####
>
> Página de apoio
> http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br
>
>
> ##### ##### ##### #####
>
>


SUBJECT: Re: [ciencialist] opiniao
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 23:41

Pode ser. O problema é que a ciência frequentemente descobre coisas que vão
contra alguns ensinamentos do Deus de Israel, e daí a porca torce o rabo!

Não acho prudente misturar religião e ciência. Todos que fizeram isso
tiveram problemas, ou com os religiosos, ou com os cientistas, além de não
terem conseguido escalarecer coisa alguma.

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "andré.w.h." <andrew.hirano@yahoo.co.uk>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Sunday, August 27, 2006 10:07 PM
Subject: [ciencialist] opiniao


Posso saber o que os caros colegas acham a respeito desta afirmação:


" Se é verdade, como os teólogos afirmam, que o Deus de Israel é
o criador deste universo magnífico, então toda verdade a respeito
deste universo descoberto pela ciência apenas realça a apreciação
da obra criadora de Deus."

Robert John Russel


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: Re: [ciencialist] OT - trad.
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 27/08/2006 23:44

Léo,

Refiz o trabalho mas cheguei a uma expressão para a força que difere um pouquinho da que você obteve. Estou vendo a razão da diferença.
Mas teu desenvolvimento está muito bom, sobretudo pela originalidade.
Mas só darei um retorno objetivo mais à frente. Particularmente, cheguei à expressão F= q v i / 2pi k c^2 R, ponde k = epsilonZero, a permissividade do vácuo, enquanto você tem F = 2 q v i / c^2 R.

Considerei o seguinte, na minha dedução: a carga q com velocidade v em relação ao fio(sistema S) e em repouso no referencial S', a velocidade dos elétrons no fio igual a v da carga externa (isto não altera nada, só simplfica), direção e sentidos iguais; encontrei para a densidade de carga total, do ponto de vista de S' (pois do ponto de vista de S é zero):

Dtotal = d ( v / c )^2 / sqrt(1 - v^2 / c^2 ), onde d é a densidade das cargas positivas. É claro que que fiz suposições e diferentes das que você fez. Mas os resultados deveriam ser iguais. É nisso que vou ralar para saber onde está o furo.
Quando encontrar, retorno. No momento, não estou vendo onde está o responsável por tal desgraça. Durante a semana verei.
De qualquer maneira, este é o tipo de problema de suma importância para a eletrodinâmica, pois mostra claramente que, à luz da TR, campos elétricos e magnéticos são interdependentes, o magnético surgindo somente quando há cargas em movimento. Creio que vale a pena aprofundar.

Fique, pois, sosssegado que tem gente vendo o que escreveu.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 8:22 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Esse termo aparece na página de uso do AVG-antivírus. Eu uso AVG e AVAST
Se vc usa o AVG, clica nele e aparecerá na coluna da esquerda o tal termo.

EM tempo: Ninguém vai ler minha obtenção da força magnética via relatividade? Preciso de parâmetros da avaliação e solução de dúvidas.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:41
Assunto: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] opiniao
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 00:03

Caro novato,

Eis o que eu acho, com todo o respeito a quem não acha como eu acho:

Deus, religiões e agregados foram criados pelo homem, devido ao medo da morte,
devido ao desconhecido; ao que poderiam encontrar em um eventual outro lado. Sabidões do pedaço, ou seja, candidatos a sacerdotes, desde o tempo em que vestiam só o suficiente para cobrir as "vergonhas", se encarregaram de, aproveitando esse atributo comum ao ignorante de então, montar uma estrutura para fazê-los comer alí, ó, na palma da mão deles. O que perdura até hoje, de maneira bem mais eficiente, evoluída, moderna, com direito a rádio e tv e tudo mais. O que de mais velho permaneceu no marketing milenar foi isto: acreditem, miseráveis, acreditem, se não vão para o fogo do inferno; aquele que não seguir nossa cartilha, mas seguir a do outro, que está errada e é afiliado ao demo, também estará torrado, mesmo antes de chegar nas profundas.
É isso o que o herege juramentado aqui acha.
Mas não esquente não. Você, que acredita nas baboseiras da bíblia e nos gurus de sua igreja, certamente estará salvo.
Talvez experimente só um calorzinho de uns 300graus centígrados, o que só chamuscará, antes de subir aos céus, onde encontrará o Cristo sentado à direita
de Deus Pai, com um bocado de anjo vestidos de branco, tocando trombeta.
Sinceramente, não como sei aguentam passar uma eternidade sentados e ouvindo o fom-fom eterno de trombetas de jovens anjos. Deve ser um saco, isso!

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: andré.w.h.
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 10:07 PM
Subject: [ciencialist] opiniao


Posso saber o que os caros colegas acham a respeito desta afirmação:


" Se é verdade, como os teólogos afirmam, que o Deus de Israel é
o criador deste universo magnífico, então toda verdade a respeito
deste universo descoberto pela ciência apenas realça a apreciação
da obra criadora de Deus."

Robert John Russel


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 07:30

Léo,

Complementando o trabalho abaixo,. no que tange às suas consequências.
Temo que fique técnico demais para a maioria, mas é o jeito. Vai assim mesmo.

Vamos tomar o fio com a corrente i e considerá-lo bastante comprido. O módulo do campo magnético que essa corrente i cria num ponto P, distante R desse fio é, como sabemos(usando a lei de Bio-Savart):

B = [ 1/2pi k c^2) ( i / R) ] Eq. (1)

A equação para a força magnética que eu obtive, a partir de considerações relativísiticas, foi(vide abaixo):

F= q v i / 2pi k c^2 R, que pode reescrita como:

F = q v [1 / 2pi k c^2 ( i / R) ], mas a expressão entre colchêtes é precisamente o valor do campo B no ponto P considerado..

Portanto, posso escrever a força magnética sobre a carga q em movimento, no ponto P, da seguinte forma:

F = q v B,, em módulo . Considerando v e B como vetores, que o são mesmo, o ângulo entre eles é 90 graus. Se o ângulo (teta) entre eles fosse diferente, menor do que o reto(ângulo, bem entendido...), digamos, isto apareceria como um fator sen ( teta) na expressão acima. Assim, poderíamos expressar a força magnética
como

F = q v (x) B, onde F, v e B, são expressos como vetorores e (x) representam o produto vetorial entre v e B.

Acho que com isso consegui chegar à expressão simples, conforme você sugeriu no e-mail que deu causa ao que causou esta:

F = q v B.


Comentários adicionais:

1) Segundo o caminho que julguei mais fácil, obtive na verdade, a força F' no sistema S'. Aí tive que usar uma TL para expressá-la no sistema de laboratório, pelo que muita "encrenca" que aparece na expressão de F' desaparece, cancela-se; por isso, talvez, meu caminho não seja bom para a maioria dos estudantes. A trilha que você usa tem mais simplificações e pode pode estar mais accessível para os do nível para quem escreve.

2) No sistema S, o campo elétrico resultante é zero( o fio é neutro e vale a lei da conservação da carga( . Aliás, esta vale sempre. A conservação da carga é, em verdade, o que permite as considerações acima com a obtenção da equação comentada. Se a carga não se conservasse, créu. Nada de nada. E eu não estaria aquí.

2) O campo elétrico E' que S' observa é que é o responsável pela existência de uma força F'. E´, que aparece devido ao movimento relativo entre a carga e corrente, é chamado também de campo elétrico dinâmico. Se a carga vai ao reposuo em S, tchau, E´ vai pro brejo, inexiste. É a origem da força F´. O campo magnético, portanto, é uma consequência meramente relativísitica.

3) W.G.Rosser, em seu magnifíco Physics Contemp. I (1960), que sempre é minha principal fonte de consultas, faz o estudo estudo acima de maneira completa, considerando duas cargas q1 e q2, diferentes, com velocidades V1 e V2 em relação ao um referencial do laboratório, velocidade relativa v12 entre entre elas, obtendo um a expressão bem completa, envolvendo tudo que é relevante no problema. Da expressão que obtém, tiram todas as conclusões que o relacionmento dos parâmetros matemáticos permite obter. Tudo corroborado pela experiência, pois essa obra do Rosser é dedicada à experimentação e análise dos resultados. é danada de boa. Particularmente, só conheço ela, com tais características. Até tenho procurado outras fontes, sem sucesso. Se alguém souber, queira alimentar meu interêsse e minha curiosidade. Pagarei uma coca-cola, um dia. Garanto.
Outra fonte que enonctrei foi o Introdução à Relatividade, do Resnick, onde ele faz um estudo parecido, mas usando tantas simplificações quanto aos parâmetros do problema que, particularmente, acho que acabou complicando. Além disso, achei a exposição mais enfadonha do que as que faço. Opinião pessoal, extraída, claro, de minhas limitações. De qualquer maneira, recomendo também essa obra. É uma das mais completas, primando pelos aspectos históricos envolvidos, ao que dou muito valor. As informações são 100por cento confiáveis. Já tive oportunidade checar várias delas, nas referências indicadas. Só há um probleminha: a digitação, lá na parte da eletrodinâmica, foi falha, errando em algumas equações. Acho isto imperdoiável numa publicação, qualquer que seja. Os editores deveriam ser processados por irresponsabilidade profissional(termo jurídico que acabei de inventar...). Também não sei se há uma nova edição e se, nesta, as coisas foram corrigidas. Fora esses dois, não conheço mais nada que trate desse assunto, nos termos em que o fazemos aquí.

3.1) Nesse caso, há campos elétricos nos pontos P1 e P2, onde as cargas estão num dado instante, campos esses devidos a q2 e q1, respectivamente, além dos inevitáveis campos magnéticos(ou campos elétricos eletrodiâmicos).

Assim, cada cada carga fica sujeita aos campos elétricos dinâmico e estático da outra, compondo uma expressão mais genérica, como a abaixo:

F = Fe(eletrostática) + Fd(devido ao E'dinâmico) = qE + qv (x) B, que é a lei da força magnética devida a Lorentz, crucial no eletromagnetismo.

Há outras maneiras mais elegantes e mais diretas de se chegar à força de Lorentz, usando-se um princípio variacional. Mas isso não nem intuitivo como o método acima, nem tão fácil. Só quero dizer, pois, que existem outras vertentes.

Mas ainda não consegui encontrar as razões pelas quais teu resultado difere um pouquinho do que discutí mais acima. Mas tentarei. Pois acho que a diferença se deve a isso. Os resultados poderão ser iguais. Só não encontrei como, talvez por não ter a sua percepção, em certos aspectos de seu desenvolvimento.

Há muitas outras consequências que poderemos discutir mais à frente.
Agora, vou trabalhar, pois alguém aquí tem que fazer isso.

Obs.: Relí o que escrevi, se há erros(e deve haver) passei por cima. Por favor, apontem-nos, para as correções devidas.


Sds,

Victor.

----- Original Message -----
From: jvictor
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 11:44 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Léo,

Refiz o trabalho mas cheguei a uma expressão para a força que difere um pouquinho da que você obteve. Estou vendo a razão da diferença.
Mas teu desenvolvimento está muito bom, sobretudo pela originalidade.
Mas só darei um retorno objetivo mais à frente. Particularmente, cheguei à expressão F= q v i / 2pi k c^2 R, ponde k = epsilonZero, a permissividade do vácuo, enquanto você tem F = 2 q v i / c^2 R.

Considerei o seguinte, na minha dedução: a carga q com velocidade v em relação ao fio(sistema S) e em repouso no referencial S', a velocidade dos elétrons no fio igual a v da carga externa (isto não altera nada, só simplfica), direção e sentidos iguais; encontrei para a densidade de carga total, do ponto de vista de S' (pois do ponto de vista de S é zero):

Dtotal = d ( v / c )^2 / sqrt(1 - v^2 / c^2 ), onde d é a densidade das cargas positivas. É claro que que fiz suposições e diferentes das que você fez. Mas os resultados deveriam ser iguais. É nisso que vou ralar para saber onde está o furo.
Quando encontrar, retorno. No momento, não estou vendo onde está o responsável por tal desgraça. Durante a semana verei.
De qualquer maneira, este é o tipo de problema de suma importância para a eletrodinâmica, pois mostra claramente que, à luz da TR, campos elétricos e magnéticos são interdependentes, o magnético surgindo somente quando há cargas em movimento. Creio que vale a pena aprofundar.

Fique, pois, sosssegado que tem gente vendo o que escreveu.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 8:22 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Esse termo aparece na página de uso do AVG-antivírus. Eu uso AVG e AVAST
Se vc usa o AVG, clica nele e aparecerá na coluna da esquerda o tal termo.

EM tempo: Ninguém vai ler minha obtenção da força magnética via relatividade? Preciso de parâmetros da avaliação e solução de dúvidas.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:41
Assunto: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] opiniao
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 07:38

"andré.w.h." pergunta:

> Posso saber o que os caros colegas acham a respeito desta afirmação:
" Se é verdade, como os teólogos afirmam, que o Deus de Israel é
o criador deste universo magnífico, então toda verdade a respeito
deste universo descoberto pela ciência apenas realça a apreciação
da obra criadora de Deus."

Minha opinião:
A luz viaja mais rapidamente do que o som. Isto justifica porque algumas pessoas parecem brilhantes até que você as ouça falar. Assim são os teólogos.
Eles esqueceram de acrescentar: " ... então todo desastre, todo cataclismo, toda guerra, toda maldade, toda mortandade, toda dor, toda doença posta nesse planetinha realça a obra criadora de Deus."

[]'
Léo


SUBJECT: Deducao F mag_ [era OT - trad]
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 08:07


De JVictor:
> Léo,

Refiz o trabalho mas cheguei a uma expressão para a força que difere um pouquinho da que você obteve. Estou vendo a razão da diferença.
Mas teu desenvolvimento está muito bom, sobretudo pela originalidade.
Mas só darei um retorno objetivo mais à frente. Particularmente, cheguei à expressão F= q v i / 2pi k c^2 R, ponde k = epsilonZero, a permissividade do vácuo, enquanto você tem F = 2 q v i / c^2 R.

Considerei o seguinte, na minha dedução: a carga q com velocidade v em relação ao fio(sistema S) e em repouso no referencial S', a velocidade dos elétrons no fio igual a v da carga externa (isto não altera nada, só simplfica), direção e sentidos iguais; encontrei para a densidade de carga total, do ponto de vista de S' (pois do ponto de vista de S é zero):

Dtotal = d ( v / c )^2 / sqrt(1 - v^2 / c^2 ), onde d é a densidade das cargas positivas. É claro que que fiz suposições e diferentes das que você fez. Mas os resultados deveriam ser iguais. É nisso que vou ralar para saber onde está o furo.
Quando encontrar, retorno. No momento, não estou vendo onde está o responsável por tal desgraça. Durante a semana verei.
De qualquer maneira, este é o tipo de problema de suma importância para a eletrodinâmica, pois mostra claramente que, à luz da TR, campos elétricos e magnéticos são interdependentes, o magnético surgindo somente quando há cargas em movimento. Creio que vale a pena aprofundar. <

Acredito que a diferença entre os nossos resultados finais esteja no Sistema de Unidades.
E essa era justamente o problema que queria levantar e sanar. É preciso tirar esse "c^2" da expressão final de modo a torná-la F = QVB (valor máximo) ou F = QVB.sena (sendo a o ângulo entre V e B), que é como aparece para a meninada do ensino médio. Com B = u.I/2pi.r.
Sua expressão final seria: F = u.QVI/2pi.r .

Assim que tiver um tempo, faça o seguinte; em lugar de usar para o campo B produzido pelo fio a expressão que usei, coloque-a em termos de "pi.episilon zero" --- ah, sei lá se isso resolverá, é uma tentativa.

Sua hipótese de colocar V = v nada tem de errado, apenas foge um pouco das velocidades nas quais se aplicam as forças magnéticas, como é o caso do TRC. É difícil impor para os elétrons no fio a mesma velocidade da carga externa, pois seu valor natural é sempre baixo (menor que 1mm/s). Pode ajudar no algebrismo mas foge muito do real.

Para a meninada do EM a única dificuldade que vi é puramente de fatoração.

No aguardo,

[]'

Léo




SUBJECT: Re: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 08:27

Oi Victor,

de onde vc tirou essa expressão para B (eq.1), na qual aparece o "c"? Com as unidades do sistema internacional isso não deveria acontecer! Esse é o problema todo a ser resolvido, tirar o 'c' das formuletas.
A lei de Biot-Savart para o campo produzido pela corrente retilínea é B = u.I/2.pi.r (u é a permeabilidade do meio --- se for vácuo, o tal 4.pi.10^(-7) ---

Sim o problema ainda está no sistema de unidades.

Agradeço a recomendação do livro; aqui em Barretos ele está em todas as livrarias e até em bancas de jornais! :-)))))))

[]]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 07:30
Assunto: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)


Léo,

Complementando o trabalho abaixo,. no que tange às suas consequências.
Temo que fique técnico demais para a maioria, mas é o jeito. Vai assim mesmo.

Vamos tomar o fio com a corrente i e considerá-lo bastante comprido. O módulo do campo magnético que essa corrente i cria num ponto P, distante R desse fio é, como sabemos(usando a lei de Bio-Savart):

B = [ 1/2pi k c^2) ( i / R) ] Eq. (1)

A equação para a força magnética que eu obtive, a partir de considerações relativísiticas, foi(vide abaixo):

F= q v i / 2pi k c^2 R, que pode reescrita como:

F = q v [1 / 2pi k c^2 ( i / R) ], mas a expressão entre colchêtes é precisamente o valor do campo B no ponto P considerado..

Portanto, posso escrever a força magnética sobre a carga q em movimento, no ponto P, da seguinte forma:

F = q v B,, em módulo . Considerando v e B como vetores, que o são mesmo, o ângulo entre eles é 90 graus. Se o ângulo (teta) entre eles fosse diferente, menor do que o reto(ângulo, bem entendido...), digamos, isto apareceria como um fator sen ( teta) na expressão acima. Assim, poderíamos expressar a força magnética
como

F = q v (x) B, onde F, v e B, são expressos como vetorores e (x) representam o produto vetorial entre v e B.

Acho que com isso consegui chegar à expressão simples, conforme você sugeriu no e-mail que deu causa ao que causou esta:

F = q v B.


Comentários adicionais:

1) Segundo o caminho que julguei mais fácil, obtive na verdade, a força F' no sistema S'. Aí tive que usar uma TL para expressá-la no sistema de laboratório, pelo que muita "encrenca" que aparece na expressão de F' desaparece, cancela-se; por isso, talvez, meu caminho não seja bom para a maioria dos estudantes. A trilha que você usa tem mais simplificações e pode pode estar mais accessível para os do nível para quem escreve.

2) No sistema S, o campo elétrico resultante é zero( o fio é neutro e vale a lei da conservação da carga( . Aliás, esta vale sempre. A conservação da carga é, em verdade, o que permite as considerações acima com a obtenção da equação comentada. Se a carga não se conservasse, créu. Nada de nada. E eu não estaria aquí.

2) O campo elétrico E' que S' observa é que é o responsável pela existência de uma força F'. E´, que aparece devido ao movimento relativo entre a carga e corrente, é chamado também de campo elétrico dinâmico. Se a carga vai ao reposuo em S, tchau, E´ vai pro brejo, inexiste. É a origem da força F´. O campo magnético, portanto, é uma consequência meramente relativísitica.

3) W.G.Rosser, em seu magnifíco Physics Contemp. I (1960), que sempre é minha principal fonte de consultas, faz o estudo estudo acima de maneira completa, considerando duas cargas q1 e q2, diferentes, com velocidades V1 e V2 em relação ao um referencial do laboratório, velocidade relativa v12 entre entre elas, obtendo um a expressão bem completa, envolvendo tudo que é relevante no problema. Da expressão que obtém, tiram todas as conclusões que o relacionmento dos parâmetros matemáticos permite obter. Tudo corroborado pela experiência, pois essa obra do Rosser é dedicada à experimentação e análise dos resultados. é danada de boa. Particularmente, só conheço ela, com tais características. Até tenho procurado outras fontes, sem sucesso. Se alguém souber, queira alimentar meu interêsse e minha curiosidade. Pagarei uma coca-cola, um dia. Garanto.
Outra fonte que enonctrei foi o Introdução à Relatividade, do Resnick, onde ele faz um estudo parecido, mas usando tantas simplificações quanto aos parâmetros do problema que, particularmente, acho que acabou complicando. Além disso, achei a exposição mais enfadonha do que as que faço. Opinião pessoal, extraída, claro, de minhas limitações. De qualquer maneira, recomendo também essa obra. É uma das mais completas, primando pelos aspectos históricos envolvidos, ao que dou muito valor. As informações são 100por cento confiáveis. Já tive oportunidade checar várias delas, nas referências indicadas. Só há um probleminha: a digitação, lá na parte da eletrodinâmica, foi falha, errando em algumas equações. Acho isto imperdoiável numa publicação, qualquer que seja. Os editores deveriam ser processados por irresponsabilidade profissional(termo jurídico que acabei de inventar...). Também não sei se há uma nova edição e se, nesta, as coisas foram corrigidas. Fora esses dois, não conheço mais nada que trate desse assunto, nos termos em que o fazemos aquí.

3.1) Nesse caso, há campos elétricos nos pontos P1 e P2, onde as cargas estão num dado instante, campos esses devidos a q2 e q1, respectivamente, além dos inevitáveis campos magnéticos(ou campos elétricos eletrodiâmicos).

Assim, cada cada carga fica sujeita aos campos elétricos dinâmico e estático da outra, compondo uma expressão mais genérica, como a abaixo:

F = Fe(eletrostática) + Fd(devido ao E'dinâmico) = qE + qv (x) B, que é a lei da força magnética devida a Lorentz, crucial no eletromagnetismo.

Há outras maneiras mais elegantes e mais diretas de se chegar à força de Lorentz, usando-se um princípio variacional. Mas isso não nem intuitivo como o método acima, nem tão fácil. Só quero dizer, pois, que existem outras vertentes.

Mas ainda não consegui encontrar as razões pelas quais teu resultado difere um pouquinho do que discutí mais acima. Mas tentarei. Pois acho que a diferença se deve a isso. Os resultados poderão ser iguais. Só não encontrei como, talvez por não ter a sua percepção, em certos aspectos de seu desenvolvimento.

Há muitas outras consequências que poderemos discutir mais à frente.
Agora, vou trabalhar, pois alguém aquí tem que fazer isso.

Obs.: Relí o que escrevi, se há erros(e deve haver) passei por cima. Por favor, apontem-nos, para as correções devidas.


Sds,

Victor.

----- Original Message -----
From: jvictor
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 11:44 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Léo,

Refiz o trabalho mas cheguei a uma expressão para a força que difere um pouquinho da que você obteve. Estou vendo a razão da diferença.
Mas teu desenvolvimento está muito bom, sobretudo pela originalidade.
Mas só darei um retorno objetivo mais à frente. Particularmente, cheguei à expressão F= q v i / 2pi k c^2 R, ponde k = epsilonZero, a permissividade do vácuo, enquanto você tem F = 2 q v i / c^2 R.

Considerei o seguinte, na minha dedução: a carga q com velocidade v em relação ao fio(sistema S) e em repouso no referencial S', a velocidade dos elétrons no fio igual a v da carga externa (isto não altera nada, só simplfica), direção e sentidos iguais; encontrei para a densidade de carga total, do ponto de vista de S' (pois do ponto de vista de S é zero):

Dtotal = d ( v / c )^2 / sqrt(1 - v^2 / c^2 ), onde d é a densidade das cargas positivas. É claro que que fiz suposições e diferentes das que você fez. Mas os resultados deveriam ser iguais. É nisso que vou ralar para saber onde está o furo.
Quando encontrar, retorno. No momento, não estou vendo onde está o responsável por tal desgraça. Durante a semana verei.
De qualquer maneira, este é o tipo de problema de suma importância para a eletrodinâmica, pois mostra claramente que, à luz da TR, campos elétricos e magnéticos são interdependentes, o magnético surgindo somente quando há cargas em movimento. Creio que vale a pena aprofundar.

Fique, pois, sosssegado que tem gente vendo o que escreveu.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 8:22 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Esse termo aparece na página de uso do AVG-antivírus. Eu uso AVG e AVAST
Se vc usa o AVG, clica nele e aparecerá na coluna da esquerda o tal termo.

EM tempo: Ninguém vai ler minha obtenção da força magnética via relatividade? Preciso de parâmetros da avaliação e solução de dúvidas.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:41
Assunto: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




SUBJECT: RES: [ciencialist] Re: Pesquisa de CORTs em Publicações Cientificas
FROM: mauricio@bec.com.br
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 11:26

Ola Junior,

Voce não fez nenhuma referencia ao fato dessas pesquisas estarem citadas em
revistas cientificas, devo entender com isso que aceita que elas sejam de
fato cientificas?

Faço meus comentarios apos MM:

-----Mensagem original-----
De: junior_br2001 [mailto:junior_br2001@yahoo.com.br]
Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 14:24
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] Re: Pesquisa de CORTs em Publicações Cientificas


Caro Marcelo,

Seria muito mais fácil se provar a existencia de espiritos do que de
reecarnação! Aliás, pela lógica , a existencia de espíritos deveria
vir na frente. Esses caras, não desvendaram nem a existencia de um plano
espiritual,
querem desvendar reencarnação através de causos contados, aí é demais.


MM: Não é bem assim. Poderia existir 'reencarnação' sem a existencia de
espiritos. Uma das hipoteses é que as 'lembranças' sejam devido a memoria
genetica. Não trata-se portanto, de PROVAR algo, e sim aumentar o
conhecimento cientifico.

Esse Stevenson passa em cima de todos os conhecimentos genéticos ao
afirmar que sinais corpóreos são evidencias de reecarnação, ... ... sem
nenhum
experimento controlado e repetido que corrobore suas pesquisas. Aí
vale, então, acreditar nos causos de qualquer Chico bento da
vida....já que é assim!

MM: Por que "afirmar que sinais corpóreos são evidencias de reecarnação"
passa por cima "de todos os conhecimentos genéticos" ?

... sem nenhum
experimento controlado e repetido que corrobore suas pesquisas. Aí
vale, então, acreditar nos causos de qualquer Chico bento da
vida....já que é assim!

MM: Cada estudo/pesquisa/experimento precisa de metodologia/tecnicas
adequadas ao que se deseja estudar. Isto é basico. A pesquisa qualitativa
utilizada é perfeitamente cientifica, veja:

===============================
Pesquisa qualitativa - características gerais e referências

Definições

* Talvez a melhor maneira de entender o que significa pesquisa qualitativa é
determinar o que ela não é. Ela NÃO é

um conjunto de procedimentos que depende fortemente de análise estatística
para suas inferências ou de

métodos quantitativos para a coleta de dados [Glazier, 1992].

* As principais características dos métodos qualitativos são a imersão do
pesquisador no contexto e a perspectiva

interpretativa de condução da pesquisa [Kaplan & Duchon, 1988].

* Na pesquisa qualitativa, o pesquisador é um interpretador da realidade
[Bradley, 1993].

* Dados qualitativos [Patton, 1980] e [Glazier, 1992]:

* descrições detalhadas de fenômenos, comportamentos;

* citações diretas de pessoas sobre suas experiências;

* trechos de documentos, registros, correspondências;

* gravações ou transcrições de entrevistas e discursos;

* dados com maior riqueza de detalhes e profundidade;

* interações entre indivíduos, grupos e organizações.

* Os métodos qualitativos são apropriados quando o fenômeno em estudo é
complexo, de natureza social e não tende à quantificação. Normalmente, são
usados quando o entendimento do contexto social e cultural é um elemento
importante para a pesquisa. Para aprender métodos qualitativos é preciso
aprender a observar, registrar e analisar interações reais entre pessoas, e
entre pessoas e sistemas [Liebscher, 1998].

===========================================



Abraços,
Junior




--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, mauricio@b... escreveu
>
> Olá Todos,
>
> Em recente debate, discutiamos sobre a possibilidade de pesquisas do
tipo
> CORT (Casos que Sugerem Ocorrencia de Reencarmação) serem
genuinamente (ou
> minimamente) cientificas. Ficou claro, parece-me, que apesar do alto
grau de
> dificuldade, e aindas da deficiencia metodologica, mostrar-se um campo
> promissor. Longe, ainda poder-se afirmar que tais pesquisas 'PROVAM' a
> existencia de algo que reencarna na consciencia humana, mas a meu
ver é uma
> linha de pesquisa que não deve ser menosprezada.
>
> Alegam alguns, que esse tipo de pesquisa é puramente anedotica (ou
conto de
> "causos"), mas fosse assim, será que teriam sido divulgados em
resvista com
> a Nature ou < http://ajp.psychiatryonline.org/misc/terms.shtml
<http://ajp.psychiatryonline.org/misc/terms.shtml> > American
> Psychiatric Association (Impact Factor de 8.286)?
>
>








[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Nave espacial
FROM: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 11:29

Olá Leo

A nave espacial, ao "sair" da Terra na verdade atinge uma velocidade tal que ela "cai" em um angulo maior que a curvatura da Terra. Por isso se mantém em órbita.

Dependendo da velocidade da nave, ela ocupa uma órbita mais baixa ou mais alta, pois a curvatura da queda é maior ou menor. Seria como lançar um pedra e ve-la fazer a curva até atingir o solo. Se aumentar a velocidade da pedra, ela cai mais longe, aumentando a curvatura de sua trajetória. Se imprimir força suficiente para mover a pedra a mais de 22 MIL km por hora, ela terá uma trajétoria cuja curva igual a da Terra, e não vai mais "cair no solo, mas dará a volta no planeta.

É claro que a pedra, por sofrer atrito do ar, vai perder velocidade e acabar caindo no solo. Mas a nave espacial, livre do atrito da atmosfera, se manterá em órbita por muito tempo (mas não indefinidamente) mesmo sem os motores ligados.

E é exatamente isso que a faz retornar a Terra, ligar os motores, agora em sentido inverso a de sua trajetória, de forma a diminuir a velocidade, e diminuir a curvatura de sua "queda". Dessa forma,ela acaba caindo em direção ao solo. Ao entrar na atmosfera, o atrito diminui ainda mais sua velocidade, até que possa voar como um avião normal.

Mas a diminuição é brutal e o atrito é brutal, pois tem de passar de mais de 25 mil km por hora, para menos de 300 km por hora. O atrito da atmosfera é enorme, e o calor gerado pode "torrar" a espaçonava, o onibus espacial, se as placas de ceramica e proteções não funcionarem direito.

Assim, um objeto em órbita está na verdade sempre caindo, e para voltar a Terra deve apenas cair com menos velocidade e diminuir a curvatura de sua queda.

Um abraço.

Homero

----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist
Sent: Sunday, August 27, 2006 7:46 AM
Subject: [ciencialist] Fw: Nave espacial


[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Virléia" <virleia@terra.com.br>
Para: <leobarretos@uol.com.br>
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 15:37
Assunto: Nave espacial



Caro professor,
Desejo saber o procedimento para uma nave espacial voltar à Terra, já que
seu motor é desligado ao sair da atmosfera. Como esta nave é controlada?

Obrigada
Virléia



--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Fw: Nave espacial
FROM: César A. K. Grossmann <cesarakg@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 11:33

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
<leobarretos@u...> escreveu
>
> Desejo saber o procedimento para uma nave espacial voltar à Terra,
já que
> seu motor é desligado ao sair da atmosfera. Como esta nave é controlada?

Depende de que tipo de motor de foguete estamos falando. Um motor
iônico não é desligado quando o foguete sai da atmosfera, e mesmo os
foguetes a combustível líquido ou sólido ainda são usados fora da
atmosfera, para isto eles levam um reservatório extra de oxigênio
líquido, para tornar possível a combustão no espaço. Quem assistiu o
filme Apollo 13, deve lembrar que foi uma explosão em um tanque de
oxigênio que colocou a nave em perigo.

De http://www.astronomytoday.com/exploration/apollo.html dá para ficar
sabendo que os dois primeiros estágios do Saturn V eram usados para
colocar a nave em órbita da Terra, e o terceiro e último estágio era
usado para colocar a nave a caminho da Lua, sendo descartada no
caminho, tornando-se um novo corpo a orbitar o Sol, ou "caindo" na Lua.

Em http://apollo.spaceborn.dk/index.asp?id=23 temos um artigo tratando
especificamente dos propelentes utilizados para manobra do módulo lunar.

Infelizmente não encontrei textos em português sobre o assunto, ainda
estamos devendo muito na nossa Internet, e textos técnicos e
científicos de qualidade resumem-se à página do "Imperdível" e mais
uns poucos...

[]s
--
César A. K. Grossmann






SUBJECT: A FILOSOFIA DO GALHO TORTO E OS EXERCÍCIOS
FROM: Alessandro Loiola <alessandroloiola@yahoo.com.br>
TO: alessandroloiola@yahoo.com.br
DATE: 28/08/2006 11:34

___________________________________________________________________
DR. ALESSANDRO LOIOLA – SAÚDE PARA TODOS - 28/08/2006 - No.025

http://br.groups.yahoo.com/group/saudeparatodos
© Dr. Alessandro Loiola - mailto: alessandroloiola@yahoo.com.br

Convide seus amigos para uma dose diária de saúde (assinar ou cancelar no final).

___________________________________________________________________

Olá,

Conheço várias e várias pessoas que, quando confrontadas com a necessidade de mudança, saem pela tangente com aquela velha desculpa de que "galho que nasce torto, morre torto". Fui assim a vida inteira, doutor, de que adianta mudar agora?

Adianta, e muito! E o primeiro passo é abandonar a Filosofia do Galho Torto. Nunca é tarde demais para acordar e tomar as rédeas da sua saúde.

Um forte abraço,

Dr. Alessandro Loiola.

_________________________________________________________________

A FILOSOFIA DO GALHO TORTO E OS EXERCÍCIOS

© Dr. Alessandro Loiola


A cena se repete várias vezes por semana e, em algumas semanas, várias vezes por dia: um pouco acima do peso e com a pressão levemente aumentada, ela entra no consultório trazendo os exames de controle. Confiro tudo, anoto tentando fazer aquele ar de suspense e, quando começamos a conversar sobre algumas orientações, ela dispara a frase clássica: “Ah, doutor, estou com 50 ou 60 e alguns anos de idade e nunca fui muito de praticar exercícios... De que adianta começar agora?”. Certo. Lá vamos nós de novo. Abre parênteses.

A ciência vem mostrando que a filosofia de vida “galho que nasce torto, morre torto” é um grande equívoco. É possível mudar a sua história, sim. Ao avaliar mais de 700 adultos com idades 40 e 70 anos de idade, pesquisadores da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, descobriram que aqueles que praticavam alguma forma de atividade física desde a juventude possuíam um risco 60% menor para doenças do coração, quando comparados a adultos sedentários da mesma idade.

A grande surpresa foi observar que pessoas que só começaram a se exercitar regularmente após os 40 anos de idade também apresentavam um risco 55% menor para doenças do coração, em relação às pessoas que não se exercitavam. Ou seja: mesmo que você nunca tenha praticado exercícios na sua vida, começar a fazer o quanto antes é capaz de reduzir seu risco cardíaco. Independente da sua idade.

Além de reduzir a possibilidade de doenças no coração, praticar exercícios regularmente aumenta a flexibilidade, o equilíbrio, o tônus muscular e a saúde óssea; diminui a insônia, a tensão, o estresse e o risco de diabetes; alivia as dores musculares e articulares; incrementa sua auto-estima; controla o apetite e aumenta os níveis de HDL, o colesterol bom.

Acredite em mim: adicionar exercícios à sua rotina diária lhe trará ainda mais energia. Coloque esta dica no topo da sua lista de prioridades. Nadar, pedalar, fazer danças aeróbicas ou jogar tênis são boas escolhas. Até mesmo uma caminhada leve de 30 minutos, 4 a 5 vezes por semana, é uma alternativa prática, eficaz e barata para reduzir seu risco cardíaco.

Mas atenção! Não tente dar uma de valente ou espertinha. Oriente-se com seu médico sobre qual exercício melhor se adapta às suas necessidades e, quando estiver por conta própria na academia ou na pista, vá com calma. Você não precisa correr e tropeçar na própria língua, bufando e suando até a última gota. Se tiver escolhido caminhar na esteira, comece com um percurso de 2 a 4 Km, aumentando um pouco a cada semana. A meta deve ser completar 25-30 Km a cada 7 dias.

“Mas eu não agüento fazer 30 minutos de exercícios de uma só vez”. Sem problema. Você pode dividir sua atividade física em duas ou três partes iguais. Faça uma caminhada de 15 minutos pela manhã e outra igual no final da tarde. Porém, se, mesmo dividindo a carga, você sentir tonteira, falta de ar intensa, dor no peito, palpitações ou vertigens, pare os exercícios e procure seu médico. Estes sintomas significam que você deve reavaliar seu condicionamento físico e a intensidade dos exercícios propostos.

Exercícios curtos de alta intensidade aumentam os níveis de colesterol ruim e o risco de doenças cardíacas. Aquela pelada no final de semana com os amigos, se não for acompanhada de uma preparação física regular durante a semana, pode lhe trazer mais prejuízos que benefícios. Cuidado com isso.

E se a ficha caiu e você decidiu começar agora, tome cuidado também com as companhias: nem todo mundo se sente feliz com o sucesso do outro. Ver alguém que leva uma vida saudável incomoda demais quem não leva. Por isso, procure se cercar de pessoas que apóiam abertamente seu novo estilo de vida e siga em passo firme sempre adiante: ser responsável com seu corpo não é apenas a melhor escolha para você. É, de longe, a mais certa. E fecha parênteses.



---
Dr. Alessandro Loiola é médico, escritor, palestrante, autor de “Vida e Saúde da Criança” e “Crianças em forma: saúde na balança” (www.editoranatureza.com.br). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

___________________________________________________________________
ESTA CRÔNICA FOI ORIGINALMENTE PUBLICADA NO JORNAL ESTADO DE MINAS
© Dr. Alessandro Loiola 2006 - Todos os direitos reservados


___________________________________________________________________
P A R T I C I P E !

Contribua com idéias, matérias, dúvidas, comentários, bata palmas ou jogue um tomate vencido... Sua opinião é sempre valiosa e muito bem vinda!
Entre em nosso Blog e mande seu recado:
http://www.dralessandroloiola.blogspot.com


___________________________________________________________________
P A R A A S S I N A R & C A N C E L A R

Para ASSINAR ou CANCELAR "SAÚDE PARA TODOS":
Visite http://br.groups.yahoo.com/group/saudeparatodos ou mande um e-mail para:
ASSINAR: saudeparatodos-subscribe@yahoogrupos.com.br
CANCELAR: saudeparatodos-unsubscribe@yahoogrupos.com.br


© Dr. Alessandro Loiola MSN:alessandroloiola@yahoo.com.br

Fones +55 (31) 3432-7555 ___________________________________________________________________

VIVER É A MAIOR AVENTURA. VIVA COM SAÚDE.



Dr. Alessandro Loiola, M.D.
CRMMG 30.278
Hospital: +55 (31) 3432 1222
Consultório: +55 (31) 3432 7555

---------------------------------
O Yahoo! está de cara nova. Venha conferir!

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 12:40

Léo,

1) Tirei de c^2 = 1 / k . k1

c = permissibilidade elétrica no vácuo; k1 = permeabilidade magnético no vácuo. Na expressão para B, sempre aparece k1 / 2pi. Botei o c onde não estava.

2) Barretos é Barretos e tem de tudo. O resto é o resto.

Sds,
Victor.
----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Monday, August 28, 2006 8:27 AM
Subject: Re: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)


Oi Victor,

de onde vc tirou essa expressão para B (eq.1), na qual aparece o "c"? Com as unidades do sistema internacional isso não deveria acontecer! Esse é o problema todo a ser resolvido, tirar o 'c' das formuletas.
A lei de Biot-Savart para o campo produzido pela corrente retilínea é B = u.I/2.pi.r (u é a permeabilidade do meio --- se for vácuo, o tal 4.pi.10^(-7) ---

Sim o problema ainda está no sistema de unidades.

Agradeço a recomendação do livro; aqui em Barretos ele está em todas as livrarias e até em bancas de jornais! :-)))))))

[]]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 07:30
Assunto: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)


Léo,

Complementando o trabalho abaixo,. no que tange às suas consequências.
Temo que fique técnico demais para a maioria, mas é o jeito. Vai assim mesmo.

Vamos tomar o fio com a corrente i e considerá-lo bastante comprido. O módulo do campo magnético que essa corrente i cria num ponto P, distante R desse fio é, como sabemos(usando a lei de Bio-Savart):

B = [ 1/2pi k c^2) ( i / R) ] Eq. (1)

A equação para a força magnética que eu obtive, a partir de considerações relativísiticas, foi(vide abaixo):

F= q v i / 2pi k c^2 R, que pode reescrita como:

F = q v [1 / 2pi k c^2 ( i / R) ], mas a expressão entre colchêtes é precisamente o valor do campo B no ponto P considerado..

Portanto, posso escrever a força magnética sobre a carga q em movimento, no ponto P, da seguinte forma:

F = q v B,, em módulo . Considerando v e B como vetores, que o são mesmo, o ângulo entre eles é 90 graus. Se o ângulo (teta) entre eles fosse diferente, menor do que o reto(ângulo, bem entendido...), digamos, isto apareceria como um fator sen ( teta) na expressão acima. Assim, poderíamos expressar a força magnética
como

F = q v (x) B, onde F, v e B, são expressos como vetorores e (x) representam o produto vetorial entre v e B.

Acho que com isso consegui chegar à expressão simples, conforme você sugeriu no e-mail que deu causa ao que causou esta:

F = q v B.


Comentários adicionais:

1) Segundo o caminho que julguei mais fácil, obtive na verdade, a força F' no sistema S'. Aí tive que usar uma TL para expressá-la no sistema de laboratório, pelo que muita "encrenca" que aparece na expressão de F' desaparece, cancela-se; por isso, talvez, meu caminho não seja bom para a maioria dos estudantes. A trilha que você usa tem mais simplificações e pode pode estar mais accessível para os do nível para quem escreve.

2) No sistema S, o campo elétrico resultante é zero( o fio é neutro e vale a lei da conservação da carga( . Aliás, esta vale sempre. A conservação da carga é, em verdade, o que permite as considerações acima com a obtenção da equação comentada. Se a carga não se conservasse, créu. Nada de nada. E eu não estaria aquí.

2) O campo elétrico E' que S' observa é que é o responsável pela existência de uma força F'. E´, que aparece devido ao movimento relativo entre a carga e corrente, é chamado também de campo elétrico dinâmico. Se a carga vai ao reposuo em S, tchau, E´ vai pro brejo, inexiste. É a origem da força F´. O campo magnético, portanto, é uma consequência meramente relativísitica.

3) W.G.Rosser, em seu magnifíco Physics Contemp. I (1960), que sempre é minha principal fonte de consultas, faz o estudo estudo acima de maneira completa, considerando duas cargas q1 e q2, diferentes, com velocidades V1 e V2 em relação ao um referencial do laboratório, velocidade relativa v12 entre entre elas, obtendo um a expressão bem completa, envolvendo tudo que é relevante no problema. Da expressão que obtém, tiram todas as conclusões que o relacionmento dos parâmetros matemáticos permite obter. Tudo corroborado pela experiência, pois essa obra do Rosser é dedicada à experimentação e análise dos resultados. é danada de boa. Particularmente, só conheço ela, com tais características. Até tenho procurado outras fontes, sem sucesso. Se alguém souber, queira alimentar meu interêsse e minha curiosidade. Pagarei uma coca-cola, um dia. Garanto.
Outra fonte que enonctrei foi o Introdução à Relatividade, do Resnick, onde ele faz um estudo parecido, mas usando tantas simplificações quanto aos parâmetros do problema que, particularmente, acho que acabou complicando. Além disso, achei a exposição mais enfadonha do que as que faço. Opinião pessoal, extraída, claro, de minhas limitações. De qualquer maneira, recomendo também essa obra. É uma das mais completas, primando pelos aspectos históricos envolvidos, ao que dou muito valor. As informações são 100por cento confiáveis. Já tive oportunidade checar várias delas, nas referências indicadas. Só há um probleminha: a digitação, lá na parte da eletrodinâmica, foi falha, errando em algumas equações. Acho isto imperdoiável numa publicação, qualquer que seja. Os editores deveriam ser processados por irresponsabilidade profissional(termo jurídico que acabei de inventar...). Também não sei se há uma nova edição e se, nesta, as coisas foram corrigidas. Fora esses dois, não conheço mais nada que trate desse assunto, nos termos em que o fazemos aquí.

3.1) Nesse caso, há campos elétricos nos pontos P1 e P2, onde as cargas estão num dado instante, campos esses devidos a q2 e q1, respectivamente, além dos inevitáveis campos magnéticos(ou campos elétricos eletrodiâmicos).

Assim, cada cada carga fica sujeita aos campos elétricos dinâmico e estático da outra, compondo uma expressão mais genérica, como a abaixo:

F = Fe(eletrostática) + Fd(devido ao E'dinâmico) = qE + qv (x) B, que é a lei da força magnética devida a Lorentz, crucial no eletromagnetismo.

Há outras maneiras mais elegantes e mais diretas de se chegar à força de Lorentz, usando-se um princípio variacional. Mas isso não nem intuitivo como o método acima, nem tão fácil. Só quero dizer, pois, que existem outras vertentes.

Mas ainda não consegui encontrar as razões pelas quais teu resultado difere um pouquinho do que discutí mais acima. Mas tentarei. Pois acho que a diferença se deve a isso. Os resultados poderão ser iguais. Só não encontrei como, talvez por não ter a sua percepção, em certos aspectos de seu desenvolvimento.

Há muitas outras consequências que poderemos discutir mais à frente.
Agora, vou trabalhar, pois alguém aquí tem que fazer isso.

Obs.: Relí o que escrevi, se há erros(e deve haver) passei por cima. Por favor, apontem-nos, para as correções devidas.


Sds,

Victor.

----- Original Message -----
From: jvictor
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 11:44 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Léo,

Refiz o trabalho mas cheguei a uma expressão para a força que difere um pouquinho da que você obteve. Estou vendo a razão da diferença.
Mas teu desenvolvimento está muito bom, sobretudo pela originalidade.
Mas só darei um retorno objetivo mais à frente. Particularmente, cheguei à expressão F= q v i / 2pi k c^2 R, ponde k = epsilonZero, a permissividade do vácuo, enquanto você tem F = 2 q v i / c^2 R.

Considerei o seguinte, na minha dedução: a carga q com velocidade v em relação ao fio(sistema S) e em repouso no referencial S', a velocidade dos elétrons no fio igual a v da carga externa (isto não altera nada, só simplfica), direção e sentidos iguais; encontrei para a densidade de carga total, do ponto de vista de S' (pois do ponto de vista de S é zero):

Dtotal = d ( v / c )^2 / sqrt(1 - v^2 / c^2 ), onde d é a densidade das cargas positivas. É claro que que fiz suposições e diferentes das que você fez. Mas os resultados deveriam ser iguais. É nisso que vou ralar para saber onde está o furo.
Quando encontrar, retorno. No momento, não estou vendo onde está o responsável por tal desgraça. Durante a semana verei.
De qualquer maneira, este é o tipo de problema de suma importância para a eletrodinâmica, pois mostra claramente que, à luz da TR, campos elétricos e magnéticos são interdependentes, o magnético surgindo somente quando há cargas em movimento. Creio que vale a pena aprofundar.

Fique, pois, sosssegado que tem gente vendo o que escreveu.

Sds,

Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, August 27, 2006 8:22 PM
Subject: Re: [ciencialist] OT - trad.


Esse termo aparece na página de uso do AVG-antivírus. Eu uso AVG e AVAST
Se vc usa o AVG, clica nele e aparecerá na coluna da esquerda o tal termo.

EM tempo: Ninguém vai ler minha obtenção da força magnética via relatividade? Preciso de parâmetros da avaliação e solução de dúvidas.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: domingo, 27 de agosto de 2006 13:41
Assunto: RES: [ciencialist] OT - trad.


Não tenho a definição
exata. Mas na arquitetura,
um "vault" é uma estrutura
em forma de arco, feita de
cimento, geralmente um teto
ou cobertura.

Um "virus vault" seria um
vírus em forma de arco?




"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)
________________________________________
De: Luiz Ferraz Netto [mailto:leobarretos@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 26 de agosto de 2006 11:45
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: [ciencialist] OT - trad.

Qual a tradução para : virus vault ?
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br
===========================



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
Internal Virus Database is out-of-date.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1727 (20060826) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: A Constante de Gravitacional Universal...
FROM: Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br>
TO: CIÊNCIAS <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 13:30


Pessoal,

Ainda estou a procura de relações
para obtenção da Constante de
Gravitação Universal, ou o
Grande G (Big G).

Quem puder me fornecer algumas
relações, mesmo que imprecisas,
agradecerei bastante.

[]s

Sardeiro




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Calendario Real
FROM: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 13:59

Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






SUBJECT: Re: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...
FROM: "Francisco M Neto" <fmneto@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 15:21

G = (r^2 * g)/(M)

onde

r = raio da Terra
g = aceleração da gravidade
M = massa da Terra

não existe relação para a constante gravitacional. Como o próprio nome
diz, ela é apenas isso - uma constante. Ela não é função de nada pra
ser expressa com uma fórmula. Em cosmologia existem *especulações* de
que ela varie, mas nada mais que isso - e as contas são bem
complicadas.

Francisco


On 8/28/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
>
>
>
> Pessoal,
>
> Ainda estou a procura de relações
> para obtenção da Constante de
> Gravitação Universal, ou o
> Grande G (Big G).
>
> Quem puder me fornecer algumas
> relações, mesmo que imprecisas,
> agradecerei bastante.
>
> []s
>
> Sardeiro
>
>
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>
>



--
[]'s,
Francisco M Neto


SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Parabenizando
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:18

Caro Álvaro,
lido, aprovado e endossado pelos demais listeiros.
Agradeço aos cuidados para com o Feira de Ciências.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 16 de agosto de 2006 12:32
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Parabenizando


Caro Léo,

Quanto aos comentários sobre o Imperdível, receba meus parabéns de sempre.

Quanto a Guglinski, recomendo cuidado ao vinculá-lo ao site. Ele certamente
irá qualquer vínculo com o Imperdível como "prova" de suas teorias...

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com




----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 16, 2006 11:41 AM
Subject: [ciencialist] Fw: Parabenizando


Alguém tem algum comentário sobre o site abaixo indicado?
Que detalhes sobre o Guglinski?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: Antonio Fernando Costa de Souza
Para: leobarretos@uol.com.br
Enviada em: sexta-feira, 11 de agosto de 2006 16:22
Assunto: Parabenizando


Prezado Senhor,

Sou engenheiro civil, trabalho na CNEN e faço mestrado em Engenharia Nuclear
no IME-RJ.

Como não tenho formação específica em física ou química, tive algumas
dificuladades com os conceitos de eletricidade a nível atômico, para
compreensão de vários aspectos abordados nas disciplinas que faço.

Evidentemente, tenho acesso a outros materiais com nível mais rebuscado de
debates e explanações, entretanto como absorver o que for assim lido sem
possuir clareza nos aspectos mais simples de cada conceito básico obtido
muitas vezes de forma imperfeita ou ainda equivocada na formação do 2º e até
3º graus de nosso ensino.

Li muitos artigos presentes em seu site, e alegro-me que as gerações atuais
e futuras, assim ensejo, possam desfrutar das explicações objetivas,
diretas, simples, claras e principalmente humildemente entusiastas diante da
grandeza do universo.

Faço votos que seu trabalho desenvolva-se cada vez mais.

Manterei contato, ainda tenho muito a reformular quanto aos conceitos
básicos por mim apreendidos ao longo da minha vida.

Por hora, gostaria de enviar-te um site que encontrei buscando sobre física
quântica, que apresenta uma nova forma de ler os fenômenos naturais.

O responsável pelas colocaçõse lá feitas, busca apoio na comunidade
científica, para que pelo menos suas ponderações sejam averiguadas.

Pode ser apenas uma quimera, mas sou de opinião que ao longo da trajetória
da humanidade muitas quimeras se mostraram veradeiras depois de algum tempo.

Pensando assim, e apesar do tom de atrevimento que percebi em muitos dos
debates realizados pelo responsável desse site que mando, gostaria de
solicitar uma leitura de vossa parte, e se puderes presentear-me com as
observações que possa nessa observar, sou imensamente grato desde já.

O site é http://www.geocities.com/ciencialixoatomico/

Como disse, espero manter contato para conversarmos sobre as questões do
universo.

Grato pelo tempo e atenção dispensados,


Cordialmente,


Antonio Fernando Costa de Souza


--------------------------------------------------------------------------------


No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.10.8/414 - Release Date: 09/08/2006


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.10.10/419 - Release Date: 15/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] B como um efeito relativístico, graças a deus(era OT - trad.)
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:42

De: "jvictor" escreve:

> Léo,

1) Tirei de c^2 = 1 / k . k1

c = permissibilidade elétrica no vácuo; k1 = permeabilidade magnético no vácuo. Na expressão para B, sempre aparece k1 / 2pi. Botei o c onde não estava. <

*******************************
Não precisa mandar correção, já percebi que é "k = permissibilidade elétrica no vácuo" (é o epsilon zero).

Mas, o problema persiste, pois não tenho lugar para enfiar esse "k" em nenhuma formuleta de magnetismo; só o k1 (mü zero). Desse modo não tem como fazer desaparecer o "c^2" da formuleta da força magnética --- F= q .V.I / 2pi. k. c^2. R --- para chegar na formuleta válida no SI ou seja: F= k. q .V.I / 2pi. R, pois k.I/2pi.R = B (campo da corrente retilínea à distância R do fio).

???

[]'

Léo


SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:44

Sim, os diagramas de Early-Pueblo.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 13:59
Assunto: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano


SUBJECT: Re: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:46

G G G G G G G
[]' (em htm)
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: "CIÊNCIAS" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 13:30
Assunto: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...



Pessoal,

Ainda estou a procura de relações
para obtenção da Constante de
Gravitação Universal, ou o
Grande G (Big G).

Quem puder me fornecer algumas
relações, mesmo que imprecisas,
agradecerei bastante.

[]s

Sardeiro




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/08/2006



[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:50

Agora sem brincadeira de escrever G com fontes crescentes em htm.
Pergunto: tem alguma teoria, fórmula, cálculo, o que seja para determinar o coeficiente de atrito entre duas superfícies diretamente? Que teoria é capaz de me fornecer o coeficiente de atrito estático entre pneu e asfalto?
Jamais!
O G é um coeficiente de atrito gravitacional. Na verdade não sei se o G do cosmo contra a Terra é o mesmo G contra beteljeuse-gama.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Eduardo Sardeiro" <esardeiro@gpnet.com.br>
Para: "CIÊNCIAS" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 13:30
Assunto: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...



Pessoal,

Ainda estou a procura de relações
para obtenção da Constante de
Gravitação Universal, ou o
Grande G (Big G).

Quem puder me fornecer algumas
relações, mesmo que imprecisas,
agradecerei bastante.

[]s

Sardeiro




[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 16:53

Olá Francisco,

esse é o "nosso" querido G local. Nessas redondezas do Sol tem esse valor 'estranho' (ou estranho são nossos padrões de medida) e como disse, nada se pode dizer desse valor nas redondezas de Arcturo, por exemplo.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Francisco M Neto" <fmneto@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 15:21
Assunto: Re: [ciencialist] A Constante de Gravitacional Universal...


G = (r^2 * g)/(M)

onde

r = raio da Terra
g = aceleração da gravidade
M = massa da Terra

não existe relação para a constante gravitacional. Como o próprio nome
diz, ela é apenas isso - uma constante. Ela não é função de nada pra
ser expressa com uma fórmula. Em cosmologia existem *especulações* de
que ela varie, mas nada mais que isso - e as contas são bem
complicadas.

Francisco


On 8/28/06, Eduardo Sardeiro <esardeiro@gpnet.com.br> wrote:
>
>
>
> Pessoal,
>
> Ainda estou a procura de relações
> para obtenção da Constante de
> Gravitação Universal, ou o
> Grande G (Big G).
>
> Quem puder me fornecer algumas
> relações, mesmo que imprecisas,
> agradecerei bastante.
>
> []s
>
> Sardeiro
>
>
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>
>



--
[]'s,
Francisco M Neto


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/08/2006




SUBJECT: Re: Sobre a refração da luz
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 17:50

Léo,

--- Em ciencialist "Luiz Ferraz Netto" escreveu
>
> Posso dar um palpite?
>
> Vejo o átomo como muito grande
>para interagir com a partícula de luz
>(fóton) e com ele fazer trocas momentâneas
>de energia, tipo absorver/devolver (com certa
>demora nesse processo de modo a alterar a
>velocidade média naquele meio).
> Enxergo mais a refração como interação
>de partículas de luz com os elétrons periféricos
> do átomo. Veja, a partícula sai de um meio
>onde nos átomos a distribuição da camada
>externa é diferente daquela do novo meio
>onde ela entra. Acredito que o desvio ocorre
>devido a que no meio mais refringente a
>camada de valência é 'maior' e mais densa
>de elétrons.
> É como um ricochete de uma pedra numa
>superfície de água, numa superfície de óleo,
>numa superfície de Hg; cada uma dá um
>desvio diferente.
> Bem, que tal aprimorarmos essa idéia?
>

Hélio:
Qualquer tentativa de explicar o ângulo de refração como um desvio de
cada UMA "linha" de luz (uma trajetória no caso de corpúsculos) não
tem chances de êxito.
No caso da tua sugestão acima, cada eletrosfera no caminho iria
continuar curvando a luz e o ângulo de refração seria função da
espessura. O que não é verificado.

O princípio de Huygens funciona bem se, e somente se, uma parte da
"frente do FEIXE" de luz (frente de "onda") chega primeiro na
interface e o resto desta "frente" vai chegando depois.

Ou seja, refração é um fenômeno de conjunto com suas interferências
construtivas e destrutivas. Uma andorinha só não faz. Verão!!!
:-)
:-)



Léo:
> Obs: Estou ficando bravo porque
>ninguém leu ainda a força magnética
>calculada a partir da força coulombiana
> e usando efeito relativístico. Se continuar
>assim, vou prender a respiração até ficar roxo!

O fato de não ter respondido não significa que não foi lido.
Eu li e achei muito interessante. Vou responder com cuidado. Aguarde....

[ ]'s
Hélio






SUBJECT: FerroFluido
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 18:45

Achei algo bem interessante na internet...

(...)Ferrofluido é um líquido que se torna fortemente polarizado na
presença de um campo magnético. Os ferrofluidos são compostos por
partículas ferromagnéticas (geralmente hematita ou magnetita) em
escala nanoscópica suspendidas em um fluido, geralmente um solvente
orgânico ou água.(...)

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/28/ferrofluido/

Tem videos no blog. O comportamento eh bem 'esquisito'. :-)


Ateh
Luis Brudna

=-=-=-


SUBJECT: Re: Sobre a refração da luz
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 18:49

Léo,

Só faltou uma observação positiva à sua proposta.

Realmente quando eu falo "átomo" estou sempre querendo falar "camadas
mais externas da eletrosrefa". São elas que absorvem os "pedaços" e
depois os jogam para todos os lados.

[ ]'s
Hélio



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
<hrc@f...> escreveu
>
> Léo,
>
> --- Em ciencialist "Luiz Ferraz Netto" escreveu
> >
> > Posso dar um palpite?
> >
> > Vejo o átomo como muito grande
> >para interagir com a partícula de luz
> >(fóton) e com ele fazer trocas momentâneas
> >de energia, tipo absorver/devolver (com certa
> >demora nesse processo de modo a alterar a
> >velocidade média naquele meio).
> > Enxergo mais a refração como interação
> >de partículas de luz com os elétrons periféricos
> > do átomo. Veja, a partícula sai de um meio
> >onde nos átomos a distribuição da camada
> >externa é diferente daquela do novo meio
> >onde ela entra. Acredito que o desvio ocorre
> >devido a que no meio mais refringente a
> >camada de valência é 'maior' e mais densa
> >de elétrons.
> > É como um ricochete de uma pedra numa
> >superfície de água, numa superfície de óleo,
> >numa superfície de Hg; cada uma dá um
> >desvio diferente.
> > Bem, que tal aprimorarmos essa idéia?
> >
>
> Hélio:
> Qualquer tentativa de explicar o ângulo de refração como um desvio de
> cada UMA "linha" de luz (uma trajetória no caso de corpúsculos) não
> tem chances de êxito.
> No caso da tua sugestão acima, cada eletrosfera no caminho iria
> continuar curvando a luz e o ângulo de refração seria função da
> espessura. O que não é verificado.
>
> O princípio de Huygens funciona bem se, e somente se, uma parte da
> "frente do FEIXE" de luz (frente de "onda") chega primeiro na
> interface e o resto desta "frente" vai chegando depois.
>
> Ou seja, refração é um fenômeno de conjunto com suas interferências
> construtivas e destrutivas. Uma andorinha só não faz. Verão!!!
> :-)
> :-)
>
>
>
> Léo:
> > Obs: Estou ficando bravo porque
> >ninguém leu ainda a força magnética
> >calculada a partir da força coulombiana
> > e usando efeito relativístico. Se continuar
> >assim, vou prender a respiração até ficar roxo!
>
> O fato de não ter respondido não significa que não foi lido.
> Eu li e achei muito interessante. Vou responder com cuidado. Aguarde....
>
> [ ]'s
> Hélio
>






SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 19:12

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> Quais as conexões entre ordem, caos, energia e informação? Existe
> alguma teoria que formalize todos esses elementos em um único corpo
> teórico?

Informacao eh qq dado q diminua a incerteza a respeito de um sistema.
Ela pode ser medida em bits - cada bit diminui a incerteza restante
pela metade.

Ela pode ser ligada ao conceito de entropia pela formula:

I = -k.dS [1]

Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema. O sinal (menos) mostra a relacao de qto maior a entropia
adicionada ao sistema, menor a informacao resultante.

Intuitivamente vc pode pensar, por exemplo, em um jogo de
quebra-cabecas. Vc tem maior informacao qdo todas as pecas estao
exatamente ordenadas - vc ve a figura e sabe o q ela eh, digamos, uma
fotografia de uma pessoa. `A medida em q os encaixes sao desfeitos,
mais entropia o sistema tem, e menos nitida eh a imagem da foto.

Matematicamente, a entropia eh definida como

S = k.ln'O [2]

A constante k eh diferente da constante da equacao [1]. ln eh o
logaritmo natural. E O representa o numero de microestados do sistema
correspondente a um dado macroestado.

Os microestados sao uma determinada configuracao dos elementos do
sistema q nao alteram o chamado macroestado. O macroestado eh o
aspecto geral do sistema. Por exemplo, o estado de agua liquida eh um
macroestado q pode ser dado por moleculas de agua em diferentes
distribuicoes - microestados. Essa eh a abordagem da multiplicidade.

Originalmente, a entropia era medida por:

S = Q/T [3]

Em q Q eh a quantidade de energia termica trocada com o sistema e T a
temperatura absoluta do sistema.

Ordem eh um determinado macroestado. Como, em geral, poucos
microestados correspondem à nocao de ordem, isso implica q a entropia
aumenta com a desordem. Mas isso deve ser visto com cautela.

"Nota3: 'uma medida de desordenação de um sistema'. Ordem é um
conceito intuitivo e tem a sua utilidade na compreensão da entropia.
Mas pode ser enganoso. Não devemos entender ordem estritamente como um
estado de disposição organizada, simétrica, coordenada. Tem mais a
conotação de um estado particular, uma dada disposição específica. Se
pensarmos em um quarto, a nossa noção de um quarto ordenado se casa
com a noção de ordem entrópica na medida em que apenas um conjunto
restrito de disposição das partes será considerado um quarto bem
arrumado: as roupas e meias dentro das gavetas, as gavetas todas
fechadas, o colchão sobre a cama, o lençol sobre o colchão e estirado,
a fronha cobrindo o travesseiro e assim por diante. Uma meia fora da
gaveta é um elemento de 'desordem' – quer em cima da cama, sobre a
escrivaninha, em baixo do armário, sob o travesseiro, etc. Há então
mais disposições diferentes que consideraremos 'desordem' (quarto
desarrumado) do que 'ordem' (quarto bem arrumado). Se deixarmos a
disposição ao acaso mais provavelmente ela se dará em uma das que
consideraremos desarrumada. Devemos despender energia para que o
quarto permaneça na disposição que consideramos arrumado. Por outro
lado, imaginemos que se cometeu um crime nesse quarto – o lençol foi
arrancado da cama, o colchão foi tombado, as gavetas abertas pelo
criminoso que procurava alguma coisa e toda revirada, as meias
espalhadas pelo chão, o armário escancarado. A cena do crime deve ser
conservada para que a polícia possa desvendar o crime: a disposição
dos objetos pode revelar se houve luta ou se a vítima foi pega
enquanto dormia, qual foi o último lugar em que o assassino fez a sua
busca e outras pistas importantes (para saber quem pode ser o
assassino ou para, uma vez capturado, saber qual o grau de gravidade
do crime cometido pelo assassino – se ele matou a sangue frio ou
depois de uma discussão, por exemplo). Nesse caso, mesmo a disposição
que consideraríamos arrumada – por nossa experiência do dia-a-dia e
por nosso senso estético – não serve, ela não corresponde à disposição
equivalente à cena do crime. Essa cena é bagunçada, mas corresponde a
um estado particular. E agora qualquer modificação aleatória desfaz
essa disposição. Para manter esse estado particular desarrumado temos
que empregar energia. A ordem no caso dos seres vivos é uma disposição
particular que garanta a eles a capacidade de explorar o ambiente,
dele obter recursos e se reproduzir, por exemplo – a maioria das
disposições possíveis dos elementos que compõem um ser vivo em
particular resultariam em um ser inviável, sem essas características:
se os átomos que nos compõem fossem juntados aleatoriamente
dificilmente resultaria em qualquer coisa semelhante a nós."

http://geocities.com/biomabrasil/vida.html#nota3

Essas relações são estudadas pela termodinâmica.

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: FerroFluido
FROM: Hélio Ricardo Carvalho <hrc@fis.puc-rio.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 19:15

Oi Brudna,

Estou trabalhando com isto.
Uma forma de detecção destas nano partículas magnéticas destinadas a
aplicações médicas ("Biological Immunoassays").

Quem quiser pode trocar figurinhas.
:-)

"By the way"...
Nosso primeiro trabalho na área será apresentado pelo meu orientador
nos "ESTEITES" (No "Applied Superconductivity Conference") dia 31 de
agosto.


[ ]'s
Hélio


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luis Brudna" <luisbrudna@g...>
escreveu
>
> Achei algo bem interessante na internet...
>
> (...)Ferrofluido é um líquido que se torna fortemente polarizado na
> presença de um campo magnético. Os ferrofluidos são compostos por
> partículas ferromagnéticas (geralmente hematita ou magnetita) em
> escala nanoscópica suspendidas em um fluido, geralmente um solvente
> orgânico ou água.(...)
>
> http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/28/ferrofluido/
>
> Tem videos no blog. O comportamento eh bem 'esquisito'. :-)
>
>
> Ateh
> Luis Brudna
>
> =-=-=-
>






SUBJECT: Mensagens na caixa de spams
FROM: "brudna" <lrb@iq.ufrgs.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 19:29

Percebi que o Gmail estah considerando algumas mensagens da
Ciencialist como SPAMS. Nao sei o que ativou o filtro.

Verifiquem as pastas de mails indesejados para ver se nao estah
ocorrendo o mesmo.

Ateh
Luis Brudna - administrador da Ciencialist

=-=-=-=





SUBJECT: Re: FerroFluido
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 20:06

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, Hélio Ricardo Carvalho
> Uma forma de detecção destas nano partículas magnéticas destinadas a
> aplicações médicas ("Biological Immunoassays").

X-Men 2...

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 28/08/2006 21:14

Esse é o R. Takata ... meu amigo!

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: segunda-feira, 28 de agosto de 2006 19:12
Assunto: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> Quais as conexões entre ordem, caos, energia e informação? Existe
> alguma teoria que formalize todos esses elementos em um único corpo
> teórico?

Informacao eh qq dado q diminua a incerteza a respeito de um sistema.
Ela pode ser medida em bits - cada bit diminui a incerteza restante
pela metade.

Ela pode ser ligada ao conceito de entropia pela formula:

I = -k.dS [1]

Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema. O sinal (menos) mostra a relacao de qto maior a entropia
adicionada ao sistema, menor a informacao resultante.

Intuitivamente vc pode pensar, por exemplo, em um jogo de
quebra-cabecas. Vc tem maior informacao qdo todas as pecas estao
exatamente ordenadas - vc ve a figura e sabe o q ela eh, digamos, uma
fotografia de uma pessoa. `A medida em q os encaixes sao desfeitos,
mais entropia o sistema tem, e menos nitida eh a imagem da foto.

Matematicamente, a entropia eh definida como

S = k.ln'O [2]

A constante k eh diferente da constante da equacao [1]. ln eh o
logaritmo natural. E O representa o numero de microestados do sistema
correspondente a um dado macroestado.

Os microestados sao uma determinada configuracao dos elementos do
sistema q nao alteram o chamado macroestado. O macroestado eh o
aspecto geral do sistema. Por exemplo, o estado de agua liquida eh um
macroestado q pode ser dado por moleculas de agua em diferentes
distribuicoes - microestados. Essa eh a abordagem da multiplicidade.

Originalmente, a entropia era medida por:

S = Q/T [3]

Em q Q eh a quantidade de energia termica trocada com o sistema e T a
temperatura absoluta do sistema.

Ordem eh um determinado macroestado. Como, em geral, poucos
microestados correspondem à nocao de ordem, isso implica q a entropia
aumenta com a desordem. Mas isso deve ser visto com cautela.

"Nota3: 'uma medida de desordenação de um sistema'. Ordem é um
conceito intuitivo e tem a sua utilidade na compreensão da entropia.
Mas pode ser enganoso. Não devemos entender ordem estritamente como um
estado de disposição organizada, simétrica, coordenada. Tem mais a
conotação de um estado particular, uma dada disposição específica. Se
pensarmos em um quarto, a nossa noção de um quarto ordenado se casa
com a noção de ordem entrópica na medida em que apenas um conjunto
restrito de disposição das partes será considerado um quarto bem
arrumado: as roupas e meias dentro das gavetas, as gavetas todas
fechadas, o colchão sobre a cama, o lençol sobre o colchão e estirado,
a fronha cobrindo o travesseiro e assim por diante. Uma meia fora da
gaveta é um elemento de 'desordem' - quer em cima da cama, sobre a
escrivaninha, em baixo do armário, sob o travesseiro, etc. Há então
mais disposições diferentes que consideraremos 'desordem' (quarto
desarrumado) do que 'ordem' (quarto bem arrumado). Se deixarmos a
disposição ao acaso mais provavelmente ela se dará em uma das que
consideraremos desarrumada. Devemos despender energia para que o
quarto permaneça na disposição que consideramos arrumado. Por outro
lado, imaginemos que se cometeu um crime nesse quarto - o lençol foi
arrancado da cama, o colchão foi tombado, as gavetas abertas pelo
criminoso que procurava alguma coisa e toda revirada, as meias
espalhadas pelo chão, o armário escancarado. A cena do crime deve ser
conservada para que a polícia possa desvendar o crime: a disposição
dos objetos pode revelar se houve luta ou se a vítima foi pega
enquanto dormia, qual foi o último lugar em que o assassino fez a sua
busca e outras pistas importantes (para saber quem pode ser o
assassino ou para, uma vez capturado, saber qual o grau de gravidade
do crime cometido pelo assassino - se ele matou a sangue frio ou
depois de uma discussão, por exemplo). Nesse caso, mesmo a disposição
que consideraríamos arrumada - por nossa experiência do dia-a-dia e
por nosso senso estético - não serve, ela não corresponde à disposição
equivalente à cena do crime. Essa cena é bagunçada, mas corresponde a
um estado particular. E agora qualquer modificação aleatória desfaz
essa disposição. Para manter esse estado particular desarrumado temos
que empregar energia. A ordem no caso dos seres vivos é uma disposição
particular que garanta a eles a capacidade de explorar o ambiente,
dele obter recursos e se reproduzir, por exemplo - a maioria das
disposições possíveis dos elementos que compõem um ser vivo em
particular resultariam em um ser inviável, sem essas características:
se os átomos que nos compõem fossem juntados aleatoriamente
dificilmente resultaria em qualquer coisa semelhante a nós."

http://geocities.com/biomabrasil/vida.html#nota3

Essas relações são estudadas pela termodinâmica.

[]s,

Roberto Takata






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/08/2006




SUBJECT: RE: [ciencialist] FerroFluido
FROM: "murilo filo" <avalanchedrive@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 22:24

É interessante e prá valer!
Ferro coloidal, já 'brinquei' muito com isso, tentando fazer um display em
3D ( e que até hoje ninguém fez ).
Se não me engano, os LCD usam um princípio igual p/2D.
Não tão finos, mas existem pós de Fe cobertos por materiais fluorescentes. A
remanência é mínima.
abr/M. 28/agt°


>From: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
>Reply-To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
>To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
>Subject: [ciencialist] FerroFluido
>Date: Mon, 28 Aug 2006 18:45:56 -0300
>
> Achei algo bem interessante na internet...
>
>(...)Ferrofluido é um líquido que se torna fortemente polarizado na
>presença de um campo magnético. Os ferrofluidos são compostos por
>partículas ferromagnéticas (geralmente hematita ou magnetita) em
>escala nanoscópica suspendidas em um fluido, geralmente um solvente
>orgânico ou água.(...)
>
>http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/28/ferrofluido/
>
>Tem videos no blog. O comportamento eh bem 'esquisito'. :-)
>
>
>Ateh
>Luis Brudna
>
>=-=-=-
>
>
>##### ##### #####
>
>Página de apoio
>http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br
>
>
>##### ##### ##### #####
>Links do Yahoo! Grupos
>
>
>
>
>
>
>
>




SUBJECT: Re: [ciencialist] FerroFluido
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 28/08/2006 22:49

Putz... como sou desligado!! Ando com a cabeca nas nuvens! Tambem...
invento de fazer mil coisas ao mesmo tempo.

Tava vendo aqui, tambem vou trabalhar com nanoparticulas magneticas!

Se alguem tiver material pode enviar pro meu mail ( luisbrudna@gmail.com ).
Jah enviei um mail pro Helio pedindo o que ele tem.

Ateh
Luis Brudna - ligando o cerebro


On 8/28/06, murilo filo <avalanchedrive@hotmail.com> wrote:
>
>
> É interessante e prá valer!
> Ferro coloidal, já 'brinquei' muito com isso, tentando fazer um display em
> 3D ( e que até hoje ninguém fez ).
> Se não me engano, os LCD usam um princípio igual p/2D.
> Não tão finos, mas existem pós de Fe cobertos por materiais fluorescentes. A
> remanência é mínima.
> abr/M. 28/agt°
>
>
>


SUBJECT: Metodos fractais de simulacao em computador
FROM: Paulo Sérgio Dias <psdlistdisc@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 07:45

Alguem utiliza metodos de Geometria Fractal
para fazer simulacoes em computador,
em sua area de trabalho/pesquisa ?

Estou fazendo um trabalho introdutorio sobre o
uso de fractais em computacao, e gostaria de
entender um pouco mais sobre como os pesquisadores
realmente "pensam" em suas simulacoes, usando
os fractais.

Por exemplo, uma aplicacao interessante e' sobre
agregacao (deposicao) de materiais em um meio
eletrolitico (particulas de zinco se agregando, ate'
formar algumas ramificacoes). Parece que o algoritmo
utilizado e' chamado de DLA (desculpem - nao sou da area
de Quimica, e nao sei se descrevei corretamente essa
simulacao).

Se alguem usa fractais para outros tipos de simulacao,
e puder entrar em contato, para eu fazer algumas
perguntas "basicas" (em nivel bastante introdutorio),
agradeco muito.

Paulo

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Meio Ambiente
FROM: "wpereira1951" <wpereira1951@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 07:51



O MEIO AMBIENTE NO VERMELHO NÃO CONSERVA O VERDE


Walter Antonio Pereira
wpereira1951@uol.com.br
www.saneeco.com.br



“Dessa vez, não haverá uma Arca de Noé, que salve alguns e deixe perder os outros – ou nos salvamos todos ou nos perdemos todos”.
Leonardo Boff.




Dentre os muitos comportamentos dos humanos que contribuem de maneira significante para a degradação ambiental é aquele
que polui o solo, os lençóis freáticos no subsolo, os lagos, os oceanos, os rios. A falta de saneamento básico adequado na maioria de nossas cidades, já destruiu ou está destruindo a maioria dos nossos estoques de água. Temos que mudar nossa maneira de cuidar de nossa casa, nosso planeta, e é a partir de pequenas alterações no nosso dia a dia, que conseguiremos salvar a vida desse planeta. Saneamento é uma delas.

“Parece não haver limite para as maneiras extravagantes, confusas e irresponsáveis como usamos nossos formidáveis trunfos para alterar a ordem das coisas na Terra, com a única meta de fazer nossos direitos e satisfazer prontamente nossa ganância. Qualquer coisa que agrade o nosso ego basta para cegar-nos a todas as outras considerações e tornar-nos insensíveis às conseqüências de nossas ações. Lutamos entre nós pela supremacia e engajamo-nos em competições acirradas para obter lucros rápidos, não importa qual seja o custo para os outros, nem a possibilidade de infringir padrões éticos. E, ao fazer isso, estamos devastando nosso meio ambiente. Na verdade, o maior abuso e os piores efeitos de nosso recente conhecimento e poder surgem porque eles nos tornaram tão presunçosos e egocêntricos que renunciamos à comunhão com a Natureza.” (Aurélio Peccei)


Um dos principais problemas de poluição dos cursos d’água, já solucionado nos países mais desenvolvidos, mas ainda gravíssimo em nosso país: o consumo do oxigênio dissolvido depois do lançamento de esgotos sem tratamento. É muito importante a compreensão deste fenômeno no setor de tratamento de esgotos e está relacionado com a qualidade permitida para o efluente a ser lançado, inclusive o nível de tratamento necessário e a eficiência a ser atingida na remoção da demanda do oxigênio dissolvido (DBO).

Quando descartamos matéria orgânica em um rio, por exemplo, aumenta a demanda do oxigênio dissolvido, porque nos processos de estabilização dessa matéria orgânica que são realizados pelas bactérias decompositoras, elas se utilizam do oxigênio disponível no ambiente líquido para sua respiração. A diminuição da concentração do oxigênio dissolvido tem diversas conseqüências, e uma das principais é a poluição desse rio.

“O homem tem violado e destruído a natureza em todas as partes do mundo, num efeito cumulativo de duas causas distintas, porém relacionadas. Uma delas é o acelerado avanço da tecnologia e outra é a explosão demográfica possibilitada por esse avanço tecnológico. A conquista humana da natureza tem sido brilhante, mas o uso inadequado e desastroso. A exploração da natureza tem sido feita às cegas, destruindo a beleza natural, poluindo-a e tornando-a uma ameaça, de novo.”(Arnold Toynbee)


Os cursos d’água podem se recuperar por mecanismos naturais, após o lançamento dos esgotos, pelo fenômeno conhecido como autodepuração. Conhecer esse fenômeno é de grande importância, pois poderemos determinar qual é a capacidade que um rio tem de assimilar os despejos, sem apresentar problemas do ponto de vista ambiental, pois esse é um recurso natural que pode ser explorado, em função da carência de educação e recursos de nossas cidades. Impedir o lançamento de esgotos acima do que pode suportar um determinado rio é uma medida saudável e ecologicamente correta, pois a partir de volumes que o rio não pode suportar, sanear é a solução.

Os dejetos humanos podem ser veículos de germes patogênicos de várias doenças, entre elas: diarréias infecciosas, febre tifóide, esquistossomose, e muitas outras.

Observa-se que, em virtude da falta de medidas práticas de saneamento e educação sanitária da população, todo mundo jogas seus dejetos no solo, através dos famigerados sumidouros ou em riachos e rios que estão próximos de suas casas, ou ainda na rede pluvial cujo esgoto não recebe nenhum tratamento, indo direto para o rio mais próximo. O ideal, enquanto a cidade não trata os esgotos de sua população é que cada um fizesse sua pequena estação de tratamento, é simples e muito eficiente.

Sob o aspecto sanitário, o destino correto dos dejetos humanos pretende controlar e prevenir doenças a eles relacionadas, evitar a poluição do solo e dos mananciais de abastecimento de água, evitar o contato de vetores com as fezes, propiciar hábitos higiênicos à população e promover a balneabilidade e o senso estético.




“Temos que, alterar nossos hábitos no dia a dia, porque já experienciamos a falência deste modelo que aí está. Podemos entender que fazemos parte e, que não somos os “donos” do planeta.
Instituir ações como: reciclar o lixo inorgânico, enterrar o lixo orgânico, tratar esgotos, usar energia solar, optar pelo vegetarianismo, economizar água, etc., são atitudes básicas de sobrevivência – temos que, desistir, do nosso mesquinho e inútil paradigma antropocêntrico.
A vida deverá ser privilegiada e, o modelo biocêntrico posto em prática – a vida no centro: organizarmos nosso mundo em função da VIDA. Segundo o princípio biocêntrico, a natureza é um sistema vivo e, é a vida que orienta sua construção e permanência.” (Dra. Martha Follain)



Na empresa em que trabalho a Saneeco Equipamentos e Saneamento, enfrentamos, todos os dias, dificuldades enormes com as pessoas que não querem tratar adequadamente seus esgotos sanitários, sejam eles domésticos ou industriais. É preciso mudar esse paradigma de que os humanos são os donos do mundo, de que por dinheiro faço qualquer coisa, inclusive assassinar todo o meio ambiente.



Walter Antonio Pereira
www.saneeco.com.br
www.postoecologico.com.br
www.robertoroche.com.br
"JAMAIS DESISTA DE SI MESMO."


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Ajuda( URGENTE )
FROM: GiL <viajantelink@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 09:07

Facil, fácil. Manda ele levar uns 2 volumes de livros teóricos na ponta da língua... só fica
faltando vc indicar os volumes certos pra ter todas as equaçoes, e certificar-se de que ele
vai conseguir equilibrar os livros na ponta da língua. Vai ser gincana, como aquelas de levar
ovo na colher?

Independente disso, devo admitir: O rapaz é corajoso.... :P

Gil
--- Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:

> Urgente.....
>
> como faço pro garoto ter toda a TR na ponta da língua até setembro?
>
> agradeço,
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@uol.com.br
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================
> -----Mensagem Original-----
> De: "lucas schroeder" <schroeder_genio@hotmail.com>
> Para: <leobarretos@uol.com.br>
> Enviada em: sexta-feira, 25 de agosto de 2006 19:36
> Assunto: Ajuda( URGENTE )
>
>
> |
> |
> |
> | Oi, queria primeiramente agradecer sua incrivel ajuda no projeto
> | do trimotor!!! Mas agora em setembro na minha escola vai haver uma feira de
> | matematica regional, e eu queria passar pelo menos para a estadual. Então
> | pesso a sua ajuda parra ter toda a teoria da relatividade na ponta da
> | lingua, pois se algum jurado vem desfarssado...(peguei isso no seu site).
> |
> | Qualquer ajuda estara otimo. Mas peço mais assunto sobre as
> | contas, tipo: mais detalhes sobre essa, e como se resolve direito E=m.c². E
> | também sobre as contas da teoria " quanto mais proximo da velocidade da luz
> | você estiver, menos seu comprimento, maior a sua massa e seu tempo
> | retarda.", tá essas contas em especial.
> |
> | _________________________________________________________________
> | Insta-le já o Windows Live Messenger. A nova geração do messenger.
> | http://get.live.com/messenger/overview
> |
> |
> |
> | --
> | Internal Virus Database is out-of-date.
> | Checked by AVG Free Edition.
> | Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.3/423 - Release Date: 18/08/2006
> |
> |
>




_______________________________________________________
Yahoo! Acesso Grátis - Internet rápida e grátis. Instale
o discador agora!
http://br.acesso.yahoo.com


SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: GiL <viajantelink@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 09:27

Alberto, se possível, gostaria que explicasse de novo um trecho que não entendi bem:

> Atualmente eu estou propenso a
> acreditar que a velocidade real da luz em todos os meios é a mesma e igual a
> c, ao contrário do que afirmei em msg anterior e em concordância com a
> teoria do campo refrator (neste caso a velocidade real, ou seja, entre dois
> átomos, seria maior do que c).


Falando em miúdos (ou quanta) vc acredita que a velocidade real da luz é igual em todos os
meios, certo. Mas aí vem o trecho que vc tá escrevendo ainda:

> ******** início da citação ************
> Pela teoria do campo refrator a luz deveria viajar nos meios densos e
> transparentes a uma velocidade mais rápida do que no vácuo, e dada pela
> expressão 5 (item 1.2). A partir de Foucault (século XIX) demonstrou-se que
> a realidade era outra. Hoje existem muitas evidências a demonstrarem que a
> redução da velocidade se dá no interior do meio denso, entre uma molécula e
> outra. O retardo da luz se daria em nível atômico ou molecular[1] e não como
> efeito de uma ação à distância ou como algo a ocorrer na fronteira dos
> sistemas.

Ou seja, há experiências que sugerem que há redução da velocidade no meio denso.

Posso ter perdido algum contexto, ou alguma definição me escapou.

Essa velocidade real da luz é igual, mas somente do ponto de vista da luz? Isso indica que
ela sofreria redução ao passar por certos meios , apesar da luz "acreditar" ter velocidade
constante?

Gil


--- Alberto Mesquita Filho <albmesq@uol.com.br> escreveu:







_______________________________________________________
Novidade no Yahoo! Mail: receba alertas de novas mensagens no seu celular. Registre seu aparelho agora!
http://br.mobile.yahoo.com/mailalertas/




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 09:44

Oi Gil,

imiscuindo-me onde não sou chamado ........

A velocidade real é sempre a mesma "enquanto luz". Na refração a velocidade da luz que entra no meio é a mesma com que sai (por exemplo, luz entrando e saindo de uma lâmina de vidro). Durante a propagação no interior do meio (vidro, no exemplo) ocorrem sucessivas absorções e emissões. Como esse processo não é instantâneo (e depende da partícula absorvente) a velocidade média "do fenômeno" entrada/saída, no meio em questão (n>1), é menor que a velocidade real da luz. Quanto maior "n" maior o intervalo de tempo que a energia fica retida na partícula absorvedora e assim, menor a velocidade média da luz no meio.

desismiscuindo ........

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "GiL" <viajantelink@yahoo.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 09:27
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz


Alberto, se possível, gostaria que explicasse de novo um trecho que não entendi bem:

> Atualmente eu estou propenso a
> acreditar que a velocidade real da luz em todos os meios é a mesma e igual a
> c, ao contrário do que afirmei em msg anterior e em concordância com a
> teoria do campo refrator (neste caso a velocidade real, ou seja, entre dois
> átomos, seria maior do que c).


Falando em miúdos (ou quanta) vc acredita que a velocidade real da luz é igual em todos os
meios, certo. Mas aí vem o trecho que vc tá escrevendo ainda:

> ******** início da citação ************
> Pela teoria do campo refrator a luz deveria viajar nos meios densos e
> transparentes a uma velocidade mais rápida do que no vácuo, e dada pela
> expressão 5 (item 1.2). A partir de Foucault (século XIX) demonstrou-se que
> a realidade era outra. Hoje existem muitas evidências a demonstrarem que a
> redução da velocidade se dá no interior do meio denso, entre uma molécula e
> outra. O retardo da luz se daria em nível atômico ou molecular[1] e não como
> efeito de uma ação à distância ou como algo a ocorrer na fronteira dos
> sistemas.

Ou seja, há experiências que sugerem que há redução da velocidade no meio denso.

Posso ter perdido algum contexto, ou alguma definição me escapou.

Essa velocidade real da luz é igual, mas somente do ponto de vista da luz? Isso indica que
ela sofreria redução ao passar por certos meios , apesar da luz "acreditar" ter velocidade
constante?

Gil


--- Alberto Mesquita Filho <albmesq@uol.com.br> escreveu:







_______________________________________________________
Novidade no Yahoo! Mail: receba alertas de novas mensagens no seu celular. Registre seu aparelho agora!
http://br.mobile.yahoo.com/mailalertas/




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 09:47

Uma pergunta Roberto,

na linha [Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema.], k é uma constante em relação a que?

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> Quais as conexões entre ordem, caos, energia e informação? Existe
> alguma teoria que formalize todos esses elementos em um único corpo
> teórico?

Informacao eh qq dado q diminua a incerteza a respeito de um sistema.
Ela pode ser medida em bits - cada bit diminui a incerteza restante
pela metade.

Ela pode ser ligada ao conceito de entropia pela formula:

I = -k.dS [1]

Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema. O sinal (menos) mostra a relacao de qto maior a entropia
adicionada ao sistema, menor a informacao resultante.

[...]


SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 10:28

Roberto,

complete esse seu texto falando do caos e um 'toque de energia'.
grato,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 09:47
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação


Uma pergunta Roberto,

na linha [Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema.], k é uma constante em relação a que?

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> Quais as conexões entre ordem, caos, energia e informação? Existe
> alguma teoria que formalize todos esses elementos em um único corpo
> teórico?

Informacao eh qq dado q diminua a incerteza a respeito de um sistema.
Ela pode ser medida em bits - cada bit diminui a incerteza restante
pela metade.

Ela pode ser ligada ao conceito de entropia pela formula:

I = -k.dS [1]

Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na entropia do
sistema. O sinal (menos) mostra a relacao de qto maior a entropia
adicionada ao sistema, menor a informacao resultante.

[...]




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 12:06

Léo,
Reposta perfeita e condizente com a experimentação e com a teoria. Rápida, rasteira e corretíssima.

Sds,
Victor.



----- Original Message -----
From: Luiz Ferraz Netto
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, August 29, 2006 9:44 AM
Subject: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz


Oi Gil,

imiscuindo-me onde não sou chamado ........

A velocidade real é sempre a mesma "enquanto luz". Na refração a velocidade da luz que entra no meio é a mesma com que sai (por exemplo, luz entrando e saindo de uma lâmina de vidro). Durante a propagação no interior do meio (vidro, no exemplo) ocorrem sucessivas absorções e emissões. Como esse processo não é instantâneo (e depende da partícula absorvente) a velocidade média "do fenômeno" entrada/saída, no meio em questão (n>1), é menor que a velocidade real da luz. Quanto maior "n" maior o intervalo de tempo que a energia fica retida na partícula absorvedora e assim, menor a velocidade média da luz no meio.

desismiscuindo ........

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "GiL" <viajantelink@yahoo.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 09:27
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz


Alberto, se possível, gostaria que explicasse de novo um trecho que não entendi bem:

> Atualmente eu estou propenso a
> acreditar que a velocidade real da luz em todos os meios é a mesma e igual a
> c, ao contrário do que afirmei em msg anterior e em concordância com a
> teoria do campo refrator (neste caso a velocidade real, ou seja, entre dois
> átomos, seria maior do que c).


Falando em miúdos (ou quanta) vc acredita que a velocidade real da luz é igual em todos os
meios, certo. Mas aí vem o trecho que vc tá escrevendo ainda:

> ******** início da citação ************
> Pela teoria do campo refrator a luz deveria viajar nos meios densos e
> transparentes a uma velocidade mais rápida do que no vácuo, e dada pela
> expressão 5 (item 1.2). A partir de Foucault (século XIX) demonstrou-se que
> a realidade era outra. Hoje existem muitas evidências a demonstrarem que a
> redução da velocidade se dá no interior do meio denso, entre uma molécula e
> outra. O retardo da luz se daria em nível atômico ou molecular[1] e não como
> efeito de uma ação à distância ou como algo a ocorrer na fronteira dos
> sistemas.

Ou seja, há experiências que sugerem que há redução da velocidade no meio denso.

Posso ter perdido algum contexto, ou alguma definição me escapou.

Essa velocidade real da luz é igual, mas somente do ponto de vista da luz? Isso indica que
ela sofreria redução ao passar por certos meios , apesar da luz "acreditar" ter velocidade
constante?

Gil


--- Alberto Mesquita Filho <albmesq@uol.com.br> escreveu:







_______________________________________________________
Novidade no Yahoo! Mail: receba alertas de novas mensagens no seu celular. Registre seu aparelho agora!
http://br.mobile.yahoo.com/mailalertas/




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




__________ Informação do NOD32 IMON 1.1729 (20060828) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1729 (20060828) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Telemóveis e Ovos Cozidos
FROM: "Esteban Moreno" <estebanlmoreno@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 12:27

O texto abaixo é provavelmente um hoax, mas gostaria de confirmar com vocês.
O e-mail vem acompanhado de algumas imagens demonstrando o que seria a
feitura do experimento. A minha dúvida deve-se que os celulares de fato,
emitem radiação na frequência de microondas, e, a rigor,não seria
impossível quebrar as pontes de hidrogênio da albumina do ovo.
Sds,
Esteban.


Telemóveis e Ovos Cozidos

ATENÇÃO!!!

1 Ovo

2 Telemóveis

65 Minutos para telefonar de um telemóvel para o outro.

Montamos algo parecido com a imagem:

Iniciamos uma chamada entres os 2 telemóveis e deixamos durante 65
minutos
aproximadamente...

Nos primeiros 15 minutos nada acontece;

Aos 25 minutos o ovo começa a aquecer;

Aos 45 minutos o ovo está quente;

Aos 65 minutos o ovo estará cozido.

Conclusão: a radiação emitida pelos telemóveis é capaz de modifcar
as proteínas do ovo. Imagina o que ela pode fazer com as proteínas do
nosso cérebro quando falamos ao telemóvel.


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Telemóveis e Ovos Cozidos
FROM: "Elton Carvalho" <eltonfc@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 12:49

>
> Telemóveis e Ovos Cozidos
>
> ATENÇÃO!!!
>
> 1 Ovo
>
> 2 Telemóveis
>
> 65 Minutos para telefonar de um telemóvel para o outro.
>
> Montamos algo parecido com a imagem:
>
> Iniciamos uma chamada entres os 2 telemóveis e deixamos durante 65
> minutos
> aproximadamente...
>
> Nos primeiros 15 minutos nada acontece;
>
> Aos 25 minutos o ovo começa a aquecer;
>
> Aos 45 minutos o ovo está quente;
>
> Aos 65 minutos o ovo estará cozido.
>

Errado. A freqüência do sinal do telemóvel é de cerca de 5GHz, as
microondas que cozinham têm freqüência 2,42GHz. Além disso, a potência
emitida pelo telemóvel é muito pequena, de modo que a energia perdida
pelo ovo excede em muito a cedida pelo telemóvel (se é que cede
alguma).

Não que isso não posssa causar alguma reação bizarra em alguma
substância excusa no cérebro. Mas isso são estudos diferentes.

--
Prevaleço-me do ensejo para reiterar a Vossa Excelência protesto de
elevada estima e consideração.

Elton Carvalho

/"\ CAMPANHA DA FITA ASCII - CONTRA MAIL HTML
\ / ASCII RIBBON CAMPAIGN - AGAINST HTML MAIL
X http://www.eltonfc.no-ip.org/~eltonfc/htmlmail/htmlmail.html
/ \


SUBJECT: Modelagem de Reator
FROM: "Rodrigo Toledo" <rodrigotoledo11@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 14:14



Pessoal,

Não sei se há alguém na lista com experiência em modelagem de reatores de
polimerização mas, se houver, estou precisando de indicação de metodologias
de análise, dimensionamento e modelagem de reatores em batelada para
produção de resinas de poliéster e poliuretano. Já achei algumas coisas
interessantes, sobretudo em algumas bibliotecas, minha intenção aqui é saber
se alguém trabalha com isso e possa me ajudar.

Muito Obrigado,

Rodrigo Toledo




SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 15:03

Salve, Leo,

Nao entendi a pergunta sobre o k. Ela eh apenas uma constante de
proporcionalidade. Podemos pegar um exemplo com cartas.

Digamos q eu tenha q adivinhar o naipe de uma carta tirada ao acaso de
um maco de 52 cartas.

De inicio eu tenho 4 possibilidades: copas, espadas, ouros e paus.

Digamos q eu receba sequencialmente dois dados:
- a carta eh vermelha;
- a carta nao eh copas.

Apos a primeira informacao, eu fico com as seguintes possibilidades:
copas e ouros.

Apos a segunda informacao, eu fico somente com: ouros.

Eu passei sucessivamente entao de N=4, para N=2 e finalmente N=1. Como
um bit representa a resposta de uma pergunta binaria (sim ou nao - e
cujas alternativas sao equiprovaveis), em outras palavras, representa
a diminuicao de 50% sobre a incerteza restante, a informacao em bits
eh dada por:

I = ln(Nfinal/Ninicial)/ln2

O ln2 (logaritmo natural de 2) irah normalizar para 1 bit qualquer
fracao Nfinal/Ninicial igual a 1/2.

Assim, a primeira informacao reduz N de 4 para 2.

I = ln(2/4)/ln2 = 1 (bit)

A segunda informacao reduz N de 2 para 1.

I = ln(1/2)/ln2 = 1 (bit)

O q totaliza 2 bits. A soma eh possivel, jah q se considerarmos q no
total passamos de 4 para 1

I = ln(4/1)/ln2 = 2 (bits)

ou

I = ln(4/2 x 2/1)/ln2 = ln(4/2)/ln2 + ln(2/1)/ln2 = 1 + 1 = 2 (bits)

Por outro lado, a entropia eh medida como:

S = k.lnO

Em q k eh a constante de Boltzman.

O numero de (micro)estados O inicial eh 4, passando para 2 e depois
para 1.

Assim S serah sucessivamente:

S0 = k.ln4
S1 = k.ln2
S2 = k.ln1 = 0

Na primeira passagem temos:

I = ln(4/2)/ln2

q corresponde a:

I = ln4/ln2 - ln2/ln2

Q podemos substituir pelas medidas de S:

I = S0/(k.ln2) - S1/(k.ln2) = [1/(k.ln2)].(S0 - S1) =
= -[1/(k.ln2)].(S1 - S0) = -k'.dS

----
A respeito do caos, ele eh apenas o nome do estado de desordem.
(Embora nao haja uma definicao precisa em matematica - ainda q haja o
estudo de sistemas caoticos - q sao sistemas cuja evolucao, ainda q
deterministica, depende severamente das condicoes iniciais, tornando
sua evolucao aparentemente aleatoria - ainda q apenas aparentemente.)

A energia entra tto no termo troca de energia termica - calor - na
definicao original de entropia, como na nocao intuitiva: a necessidade
de dispendio de energia para q se possa diminuir a entropia de um sistema.

dE = T.dS

Em q dE eh a variacao de energia do sistema, T eh a temperatura absoluta.

[]s,

Roberto Takata

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> complete esse seu texto falando do caos e um 'toque de energia'.
> grato,
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> -----Mensagem Original-----
> De: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@u...>
> na linha [Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na
> entropia do sistema.], k é uma constante em relação a que?
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]






SUBJECT: A mecânica quântica é insatisfatória
FROM: "João R. Bonomo" <joao_bonomo@yahoo.com.br>
TO: Ciencialist <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 29/08/2006 15:53

Prezados Listeiros,

Eu andei sem tempo de acompanhar a lista e agora estava lendo algumas das mais de duzentas msgs atrazadas e encontrei isto:

"Diria que a cérebre frase do
Robô B9 é mais aplicável para
aquele *antigo postulado* que
misturou

(1) viagens ao tempo,
(2) curvaturas espaciais e
(3) nos deixou no maior período
medieval das ciências!

Vamos terminar com esse
ocultismo promovido pela
Mecânica Quântica!!!

Pelo que sei, todos nós
precisamos de um universo
lógico, palpável e sem a
existencia de misticismos,
seja ele qual for.

[]s

Sardeiro


"Doubt is the origin of wisdom"
(Descartes)"

Pelo que vi, perdi um ótimo debate, vou continuar lendo.

Abraços,

João R.Bonomo





---------------------------------
O Yahoo! está de cara nova. Venha conferir!

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 18:23

Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>
>
>
> ---------------------------------
> Yahoo! Acesso Grátis - Internet rápida e grátis. Instale o discador agora!
>
>
>
> [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
>
>
>



--
[]s,
Pierre


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] FerroFluido
FROM: "murilo filo" <avalanchedrive@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 29/08/2006 22:03

ACHO que Fe nano não poderá ser encontrado por aquí.
Nos USA ele pode ser encomendado.
Não deve ser muito difícil de se fazer! Basta vc 'reduzir' a metal, óxidos
de Fe bem finos.
Dizem que quando submetido a um campo, ele fica compactado como se fosse uma
cerâmica.
Já pensei, com outros, até na possibilidade de serem feitas válvulas muito
críticas.
No Br vc pode pesquisar junto a firmas que trabalhem com um sistema chamado
'magnaflux'. Serve para a detecção de trincas internas e externas em peças
de ferro. Coisa bonita de se ver!
Eles poderão lhe informar onde encontrar os pós, inclusive, revestidos.
Se vc não conseguir, posso tentar algo quanto a magnaflux.. abr/M.


>From: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
>Reply-To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
>To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
>Subject: Re: [ciencialist] FerroFluido
>Date: Mon, 28 Aug 2006 22:49:57 -0300
>
> Putz... como sou desligado!! Ando com a cabeca nas nuvens! Tambem...
>invento de fazer mil coisas ao mesmo tempo.
>
> Tava vendo aqui, tambem vou trabalhar com nanoparticulas magneticas!
>
> Se alguem tiver material pode enviar pro meu mail ( luisbrudna@gmail.com
>).
>Jah enviei um mail pro Helio pedindo o que ele tem.
>
>Ateh
>Luis Brudna - ligando o cerebro
>
>
>On 8/28/06, murilo filo <avalanchedrive@hotmail.com> wrote:
> >
> >
> > É interessante e prá valer!
> > Ferro coloidal, já 'brinquei' muito com isso, tentando fazer um display
>em
> > 3D ( e que até hoje ninguém fez ).
> > Se não me engano, os LCD usam um princípio igual p/2D.
> > Não tão finos, mas existem pós de Fe cobertos por materiais
>fluorescentes. A
> > remanência é mínima.
> > abr/M. 28/agt°
> >
> >
> >
>
>
>##### ##### #####
>
>Página de apoio
>http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br
>
>
>##### ##### ##### #####
>Links do Yahoo! Grupos
>
>
>
>
>
>
>
>




SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: José Renato <jrma@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 00:34

Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO



José Renato M. de Almeida *



Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que os registros
comerciais, em cidades situadas entre o Egito e a Palestina, eram feitos com
letras e não símbolos. O alfabeto fenício (Líbano) surgido há cerca de 1.100
a.C., com 22 letras, adotado pelos gregos, foi precursor do alfabeto
ocidental. A História humana é considerada a partir dos registros escritos.
Anterior a isso é chamada de pré-história.



O primeiro calendário que se tem conhecimento foi o egípcio, datado de 4.241
a.C.. Dividia o ano em 360d, com doze meses de trinta dias cada um. Após
2.000 anos corrigiram para 365 dias, incluindo 5 dias "celestes" ou
"epagomenos" do grego que significa: intercalados. Era um calendário solar
de natureza econômica, pois a agricultura, essencial para os egípcios,
dependia das enchentes do Nilo, que ocorria quando Sírius (SOTHIS) nascia no
fim do crepúsculo matutino. Era dividido em 3 estações de 4 meses cada:
Enchente, Semeadura e Colheita. Sendo o ano egípcio menor que o ano trópico
(365d 5h 48' 46") o início das estações retrocediam, voltando a mesma data a
cada 1.506 anos egípcios ou 1.456 anos trópico. Em 238 a.C.. Ptolomeu III
Evergetes tentou corrigir, introduzindo um sexto dia a cada 4 anos, mas
fracassou.

O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d possui mais uma lunação. Começou a contar
em 07.out.3.761 a.C. e iniciou o ano 5.763 em 07.09.2002 - Rosh Hashanah
(Roshaná). Considera o nascimento do primeiro homem em aliança com Deus
(Adão) como o início dos tempos: o ano 1. (O Iom Kippur - dia escolhido
pelos judeus para invocarem o perdão -, tem início a partir do pôr-do-sol
deste Domingo(15.09.2002), encerrando-se amanhã ao fim da tarde. Já o Rosh
Hashanah (ano-novo judaico) foi comemorado entre os dias 6 e 8 últimos,
marcando os 5.763 anos do surgimento do homem na Terra.)

O calendário muçulmano - Era de Hégira, começou em 16.07.622 d.C., data da
partida de Maomé da Meca para Medina. Tem 12 meses lunares, sem dias
intercalares. É puramente lunar.

Na Índia usa-se o calendário da Era Saka que iniciou no ano 78 d.C.. Além
desses há o calendário bizantino que iniciou o ano de 7.501 em 14.09.92, o
selêucida que entrou no ano 2.304 naquela mesma data e o diocleciano que
iniciou o ano 1.709 em 11.09.92.



O uso da medição do tempo foi importante para a organização e evolução das
civilizações, e o é até hoje no seu desenvolvimento. Especula-se que o
monumento megalítico de Stonehenge, no condado de Wilt na Inglaterra,
construído na Era do Bronze, seria uma estrutura para medição dos movimentos
dos astros!



Os astecas possuíam calendário solar bem estruturado. Os índios americanos
também referenciavam-se às fases da Lua, para medir o tempo.

A civilização maia, de acordo Franz Joseph Hochleitner chefe do Setor de
Arqueoastronomia e Etmologia Americana da U. F. de Juiz de Fora, conhecia
muito bem o céu e o movimento dos astros. Nos poucos vestígios deixados em
quatro códices - pergaminhos com calendários e narrativas das
dinastias - ­comprovam este conhecimento desenvolvido basicamente pelos
sacerdotes/astrônomos. Além dos 6 tipos de calendários - 4 circulares e 2
lineares, há um sétimo escrito em linguagem secreta provavelmente para uso
exclusivo dos sacerdotes/astrônomos, descoberto e traduzido por ele (Franz).
Os circulares, os mais conhecidos, repetem-se a cada 52 anos (tuns) e outro,
de curta contagem, começa a cada 26 anos. Dos lineares, parecidos com os
atuais, o mais famoso é o de longa contagem que começa por volta de 3.100
a.C.. A referência para decifrar este calendário foi a conjunção de Júpiter
e Saturno próximos (1grau), fenômeno que se repete a cada 59 anos, difícil
de ser observado a olho-nu. Essa passagem foi datada com precisão por
Hochleitner: 26.04.729 d.C.. A civilização maia teve seu ápice no século XI
d.C. e se dissolveu antes da chegada do espanhoes, aparentemente por lutas
internas pelo poder.

Aqui, na Bahia central, a 15km de Jussara, a arqueóloga Maria Beltrão, da
UFRJ, explorando grutas, encontrou na denominada de Toca da Esperança
pinturas rupestres do homem pré-histórico brasileiro que chama a atenção de
pesquisadores franceses e canadenses, onde há representação da lua-nova
ladeada por um conjunto de oito traços verticais ligados por um horizontal,
que se repete sob a representação da lua, levando a conclusão de que os
homens que ali habitaram já conheciam o ano lunar.

Na Toca dos Búzios, a 500 km de Salvador, há 3 representações da Via Láctea,
uma delas idêntica à forma que aparece no céu, em arco indo de horizonte a
horizonte. (Ver jornal A TARDE de 02.08.93, pág. 4, Caderno 1)

Várias civilizações existentes nas Américas foram destruídas pelos europeus,
que se autodenominavam de "povos civilizados". Tal como nós!



A civilização chinesa também usava o registro dos códices dinásticos, há
muito tempo. Há vestígios de comunidades autóctones por volta de 4.000 a.C.,
sendo a primeira dinastia da era histórica a dos Hia (2.000 -1.760 a.C..),
ainda no período neolítico, sucedida pela dinastia Chang-Yin (1.600-1.100
a.C..), que marca a idade do bronze na China.



As enciclopédias ocidentais não fazem referência aos calendários da
civilização asiática, mas o registro das dinastias mostra a preocupação com
o passado e leva a supor o uso dos eventos naturais, além dos sociais. Prova
disso são os registros da passagem do cometa Harley em 240 a.C. e da
super-nova mais brilhante, registrada pelos chineses em 1054, localizada na
nebulosa de Caranguejo. Brilhou durante uma semana com tal intensidade que
era visível até de dia!



Os romanos usaram calendário de 364 dias ou 52 semanas, depois usaram 355
dias em 12 meses desiguais, mais um mês complementar de 22 dias, incluído
quando havia mudanças do início das estações climáticas. O calendário

solar como conhecemos hoje foi definido por Caio Július César (101-44 a.C.),
nas reformas julianas, com um ano de 365,25 dias em 12 meses desiguais e um
ano com 366 dias a cada 4 anos, para compensar as 6h adicionais, além dos
365 dias observados. Esse ano é chamado de bissexto. Porém seu édito
(decreto) foi mau interpretado e a intercalação dava-se a cada 4 anos
inclusive, i.é. a cada 3 anos. Augustus (8 a.C.), para reparar o erro,
ordenou que omitissem o bissexto até o ano 8 d.C.. Július César foi
homenageado com o nome do quinto mês romano (Quintilis/ Julius), mês em que
nascera e Augustus teve seu nome dado ao sexto mês romano
(Sextilis/Augustus) que chegam até hoje como Julho e Agosto.

________________________-----------____________



O calendário adotado pelos cristãos era o romano, porém considerando o ano
de nascimento de Jesus Cristo como o primeiro ano da Era Crista. É hoje um
dos mais usado no mundo.

A instituição do calendário está intimamente ligada à determinação de
período, visto que desse modo mantém o acordo com o movimento aparente do
sol e as estações. Se tomarmos como referência o ponto em que o equador e a
eclíptica se cortam, chamado ponto vernal, o período será 365d 6h 9' 9" e é
chamado de ano sideral.

Mas em virtude do movimento de precessão do equinócio, o ponto vernal não é
fixo e se levarmos em conta sua mudança de posição o período do ano solar
não tem exatamente 365 dias e 6 horas e sim aproximadamente 365 dias, 5
horas, 48 minutos e 46 segundos - é denominado ano trópico. Esta diferença
acumulou-se até 1582, em plena época das descobertas e de ebulição em todas
as áreas culturais. Nessa época a Astronomia separou-se definitivamente da
Astrologia, a Química da Alquimia e a Física distinguiu-se de algum modo da
Filosofia e da Teologia.

No citado ano de 1582, o Papa Gregório XIII eliminou os 11 dias acumulados
desde Júlio Cesar, determinando que o dia 4 de outubro passava a ser 15 de
outubro. A população da Inglaterra resistiu em realizar esta correção por
achar que o Governo ou a Igreja estava lhe roubando 11 dias! Observar que a
diferença de 6h para 5h 48' e 46" é de 11' e 14", que, subtraídos a cada
ano, reduz um dia após cerca de 128 anos.

Por isso foi implantada a regra de deixar-se de contar o "dia intercalar"
(29/Fev), no final de cada século, a menos que fosse divisível por 400
(múltiplo). Assim 1.600 e 2.000 são anos bissextos, porém 1700, 1800 e 1900
não. A duração média do ano passou a ser de 365,2525 dias, equivalente a
365d, 5h 49' e 12" - em vez de 365,25 do ano juliano.



O ano solar ou trópico é o tempo transcorrido entre duas passagens solares
consecutivas pelo mesmo equinócio ou solstício, e equivale a: 365 dias, 5h
48' e 46". Se tomarmos porém como referência o ponto em que a Terra passa
mais perto do Sol (periélio) o período será de 365d 6h 13' 53" e é
denominado de ano anomalístico, que aumenta 0,3 do segundo a cada século.
Ano anomalistico é o tempo entre duas passagens consecutivas da Terra pelo
perigeu de sua órbita aparente. O chamado ano civil tem 365 dias.

Outros calendários foram criados:

O calendário Juliano idealizado por Joseph Justus Scaliger(1540-1609), não
tem divisão de meses ou anos. Cada dia juliano começava às 12h T.U. (tempo
universal = astronomia G.M.T.), tendo o 1°. dia se iniciado às 12h T.U. de
01 de janeiro de 4.713 anos a.C.. No dia 01.01.63 às 12h TU iniciou o dia
juliano 2.438.031. Cada ciclo do período juliano corresponde a 7.980 anos.



O calendário MUNDIAL foi proposto para corrigir as assimetrias do calendário
gregoriano, que embora preciso não é prático. Teria a cada trimestre um mês
de 31d e os outros 2 com 30d, total = 91x4=364. Mais um dia complementar no
fim/início do ano e outro de 4 a 4 anos(bissexto) em junho e julho. Apesar
dos meses não terem o mesmo número de dias a distribuição seria mais
regular, os trimestres e semestres teriam o mesmo número de dias, e os dias
adicionais seriam feriados: 31/dez. passagem de ano e 31/jun. festa do ano
bissexto.



O octaedréride, ciclo com 8 anos, criado por Cleostrato de Tenedos, que
igualou 8 anos a 99 lunações = 2.922 dias. Atrasava 1,53 dias por ciclo,
iniciado na lua cheia, corrigido posteriormente com a introdução de 3 dias a
cada 16 anos, mas ainda sobrava 0,03dias!



Os revolucionários franceses estabeleceram um calendário que iniciou em
22.set.1792, durou 15 anos (1793 a 1805). Com 12 meses de 30 dias cada, com
3 decanatos, e eram acrescidos 5 ou 6 dias intercalares para o ano

comum ou bissexto. Os meses eram poéticos e se referiam aos trabalhos do
campo e às condições do tempo atmosférico, podendo ser traduzido como:
Vendemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal,
Floreal, Prarial, Messidor, Termidor e Frutidor. Começava com o equinócio de
outono do hemisfério Norte.



Eu proponho um calendário que elimine um dos complicadores dos calendários
atuais: a dificuldade de saber qual o dia da semana de uma data. Considero
que a perda de tempo para ajustar em nosso cérebro que dia da semana cairá a
data da Independência do Brasil, dia 7 de setembro, de modo a melhor
programar o feriados, é muito mais do que imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano.



* O autor José Renato M. de Almeida é pesquisador da evolução
técnica-científica versus humana-social ao longo da história da humanidade.



** As idéias não têm dono, mas têm autoria!

.....................................................................

----- Original Message -----
From: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 28, 2006 1:59 PM
Subject: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156784490.881187.30809.baladonia.hst.terra.com.br,3562,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão:
4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/8/2006




SUBJECT: Levitacao acustica
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 01:01

Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/

Queria ver um desses funcionando.


Ateh
Luis Brudna


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "jvictor" <jvoneto@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 06:39

Primeiro Brudna inventa o Ciencialist, que "pega".

Depois, inventa o Glúon - Blog, que deve "pegar" para todos que o leiam, inexoravelmente. Pois tão bom quasnto ele, só outro ele.

Masi que excelentes na qualidade, na importância. Ou seja, tão bons e oportunos que não sei de adjetivos para qualificar. E olha que só gosto de "chaleirar" bem pouquinho, quando reconheço haver merecimento! Nesses dois casos, os merecimentos são prá mais da conta.

Parabéns, Brudna, honestamente.

No dia em que eu adquirir conhecimento, capacidade, e essa vontade de disseminar conhecimentos, então estarei preprado: já poderei morrer.
Mas aí será ruim, pois ninguém saberá!

Sds,

Victor.

----- Original Message -----
From: Luis Brudna
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Wednesday, August 30, 2006 1:01 AM
Subject: [ciencialist] Levitacao acustica


Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/

Queria ver um desses funcionando.


Ateh
Luis Brudna


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



__________ Informação do NOD32 IMON 1.1729 (20060828) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


__________ Informação do NOD32 IMON 1.1729 (20060828) __________

Esta mensagem foi verificada pelo NOD32 sistema antivírus
http://www.eset.com.br


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Sobre a refração da luz
FROM: "João R. Bonomo" <joao_bonomo@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 08:22

Caro Léo,

Certa ocasião você fez uma pergunta interessante aqui na lista, foi mais ou menos a seguinte:
"Se a luz se propaga com menor velocidade num meio denso, quem dá o pé na bunda da luz quando ela sai do meio?"
Eu fiquei remoendo essa idéia junto com outras que já estavam na cachola e cheguei a algumas conclusões interessantes:
A luz não se propaga no meio desnso por sucessivas absorções e reemissões. Isso é coisa da ficção quântica. Na verdade a luz propaga-se no espaço inter-atômico da mesma forma que uma onda curta propaga-se "quicando" no espaço entre a superfície da Terra e a ionosfera; ou do mesmo modo que uma microonda propaga-se por sucessivas reflexões nas paredes da guia; ou da mesma forma que a luz propaga-se por sucessivas reflexões nas paredes de uma fibra ótica fotônica.
A temperatura altera as dimensões do espaço inter-atômico. Portanto é possível levantar a variação do índice de refração com a temperatura sobre alguns km de fibra e utliza-los como sensor de temperatura; o campo magnético altera as dimensões do espaço inter-atômico, assim podemos levantar a variação do índice de refração de alguns km de fibra e emprega-los como sensor de intensidade de campo magnético; o campo elétrico altera as dimensões do espaço inter-atômico, por isso podemos leventar a variação do índice de refração sobre alguns km de fibra e empregá-los como sensor de intensidade de campo elétrico.
Boas teorias permitem previsões: o campo gravitacional altera as dimensões do espaço inter-atômico; por isso poderemos levantar a variação do índice de refração sobre alguns km de fibra e empregá-los como sensor de intensidade de campo gravitacional.

[]'s
João R. Bonomo


Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
Oi Gil,

imiscuindo-me onde não sou chamado ........

A velocidade real é sempre a mesma "enquanto luz". Na refração a velocidade da luz que entra no meio é a mesma com que sai (por exemplo, luz entrando e saindo de uma lâmina de vidro). Durante a propagação no interior do meio (vidro, no exemplo) ocorrem sucessivas absorções e emissões. Como esse processo não é instantâneo (e depende da partícula absorvente) a velocidade média "do fenômeno" entrada/saída, no meio em questão (n>1), é menor que a velocidade real da luz. Quanto maior "n" maior o intervalo de tempo que a energia fica retida na partícula absorvedora e assim, menor a velocidade média da luz no meio.

desismiscuindo ........

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================


---------------------------------
Novidade no Yahoo! Mail: receba alertas de novas mensagens no seu celular. Registre seu aparelho agora!

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 08:50

Oi Roberto,

quando se diz que numa relação funcional entre grandezas tal e qual parâmetro é "constante", sempre deve ser dito 'em relação a qual variável', caso contrário ocorre falha de informação.
Exemplificando, escrevo s = a + b.t + c.t^2 para definir o M.U.V e saliento que a, b e c são constantes 'em relação ao tempo'. Sem essa informação não será possível justificar que ds/dt = b + 2c.t .
Dai a pergunta "k, constante em relação a quem?

Beleza o restante da mensagem, gostei da coordenação das idéias.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 15:03
Assunto: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação


Salve, Leo,

Nao entendi a pergunta sobre o k. Ela eh apenas uma constante de
proporcionalidade. Podemos pegar um exemplo com cartas.

Digamos q eu tenha q adivinhar o naipe de uma carta tirada ao acaso de
um maco de 52 cartas.

De inicio eu tenho 4 possibilidades: copas, espadas, ouros e paus.

Digamos q eu receba sequencialmente dois dados:
- a carta eh vermelha;
- a carta nao eh copas.

Apos a primeira informacao, eu fico com as seguintes possibilidades:
copas e ouros.

Apos a segunda informacao, eu fico somente com: ouros.

Eu passei sucessivamente entao de N=4, para N=2 e finalmente N=1. Como
um bit representa a resposta de uma pergunta binaria (sim ou nao - e
cujas alternativas sao equiprovaveis), em outras palavras, representa
a diminuicao de 50% sobre a incerteza restante, a informacao em bits
eh dada por:

I = ln(Nfinal/Ninicial)/ln2

O ln2 (logaritmo natural de 2) irah normalizar para 1 bit qualquer
fracao Nfinal/Ninicial igual a 1/2.

Assim, a primeira informacao reduz N de 4 para 2.

I = ln(2/4)/ln2 = 1 (bit)

A segunda informacao reduz N de 2 para 1.

I = ln(1/2)/ln2 = 1 (bit)

O q totaliza 2 bits. A soma eh possivel, jah q se considerarmos q no
total passamos de 4 para 1

I = ln(4/1)/ln2 = 2 (bits)

ou

I = ln(4/2 x 2/1)/ln2 = ln(4/2)/ln2 + ln(2/1)/ln2 = 1 + 1 = 2 (bits)

Por outro lado, a entropia eh medida como:

S = k.lnO

Em q k eh a constante de Boltzman.

O numero de (micro)estados O inicial eh 4, passando para 2 e depois
para 1.

Assim S serah sucessivamente:

S0 = k.ln4
S1 = k.ln2
S2 = k.ln1 = 0

Na primeira passagem temos:

I = ln(4/2)/ln2

q corresponde a:

I = ln4/ln2 - ln2/ln2

Q podemos substituir pelas medidas de S:

I = S0/(k.ln2) - S1/(k.ln2) = [1/(k.ln2)].(S0 - S1) =
= -[1/(k.ln2)].(S1 - S0) = -k'.dS

----
A respeito do caos, ele eh apenas o nome do estado de desordem.
(Embora nao haja uma definicao precisa em matematica - ainda q haja o
estudo de sistemas caoticos - q sao sistemas cuja evolucao, ainda q
deterministica, depende severamente das condicoes iniciais, tornando
sua evolucao aparentemente aleatoria - ainda q apenas aparentemente.)

A energia entra tto no termo troca de energia termica - calor - na
definicao original de entropia, como na nocao intuitiva: a necessidade
de dispendio de energia para q se possa diminuir a entropia de um sistema.

dE = T.dS

Em q dE eh a variacao de energia do sistema, T eh a temperatura absoluta.

[]s,

Roberto Takata

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> complete esse seu texto falando do caos e um 'toque de energia'.
> grato,
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> -----Mensagem Original-----
> De: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@u...>
> na linha [Em q k eh uma constante e dS representa a variacao na
> entropia do sistema.], k é uma constante em relação a que?
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Fw: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 09:10

Olá Robespierre,

'se não me falha a memória' esse artigo na Revista Saber Eletrônica -- Projeto de Leitores -- (e depois repetido na Revista Eletrônica Total --- tb supervisão de meu amigo Newton C. Braga) é de minha autoria. E as 'lampadinhas de natal' são LEDs.
É uma técnica 'manjada' que todo transistor com a junção exposta, a 'base' fica 'emitindo' elétrons ao sabor da luz incidente; a mesma operação das pilhas ou células solares.
Os melhores transistores para essa 'adaptação' são os de potência, como o 2N3055, o AD162 ou qqer outro que tenha cobertura metálica em seu invólucro --- e que possa ser retirada sem danificar o 'chip' de silício de seu interior.
O difícil é retirar esse 'chapéu' do 2N3055 --- ainda não achei uma boa técnica não destrutiva!

Para essa semana, para o jornal local, estou exatamente preparando um 'fotoscópio' para experimentos como Pesquisador Óptico que permite ouvir a lâmpada fluorescente, a TV, lâmpada comum, Lua, estrelas, lâmpadas distantes, velas etc. É simplesmente um 2n3055 sem o chapéu, com coletor e emissor ligado direto a um fone de ouvido.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 18:23
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>
******************


SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 10:01

Ola J. Renato,

gostei muito desse texto, posso aproveitá-lo para minha coluna do jornal local para a próxima semana?
Se sim, pediria a gentileza de atualizar algumas datas pois, tudo indica que tal texto foi escrito em 2002.
No aguardo,

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 00:34
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO



José Renato M. de Almeida *



Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que os registros
comerciais, em cidades situadas entre o Egito e a Palestina, eram feitos com
letras e não símbolos. O alfabeto fenício (Líbano) surgido há cerca de 1.100
a.C., com 22 letras, adotado pelos gregos, foi precursor do alfabeto
ocidental. A História humana é considerada a partir dos registros escritos.
Anterior a isso é chamada de pré-história.



O primeiro calendário que se tem conhecimento foi o egípcio, datado de 4.241
a.C.. Dividia o ano em 360d, com doze meses de trinta dias cada um. Após
2.000 anos corrigiram para 365 dias, incluindo 5 dias "celestes" ou
"epagomenos" do grego que significa: intercalados. Era um calendário solar
de natureza econômica, pois a agricultura, essencial para os egípcios,
dependia das enchentes do Nilo, que ocorria quando Sírius (SOTHIS) nascia no
fim do crepúsculo matutino. Era dividido em 3 estações de 4 meses cada:
Enchente, Semeadura e Colheita. Sendo o ano egípcio menor que o ano trópico
(365d 5h 48' 46") o início das estações retrocediam, voltando a mesma data a
cada 1.506 anos egípcios ou 1.456 anos trópico. Em 238 a.C.. Ptolomeu III
Evergetes tentou corrigir, introduzindo um sexto dia a cada 4 anos, mas
fracassou.

O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d possui mais uma lunação. Começou a contar
em 07.out.3.761 a.C. e iniciou o ano 5.763 em 07.09.2002 - Rosh Hashanah
(Roshaná). Considera o nascimento do primeiro homem em aliança com Deus
(Adão) como o início dos tempos: o ano 1. (O Iom Kippur - dia escolhido
pelos judeus para invocarem o perdão -, tem início a partir do pôr-do-sol
deste Domingo(15.09.2002), encerrando-se amanhã ao fim da tarde. Já o Rosh
Hashanah (ano-novo judaico) foi comemorado entre os dias 6 e 8 últimos,
marcando os 5.763 anos do surgimento do homem na Terra.)

O calendário muçulmano - Era de Hégira, começou em 16.07.622 d.C., data da
partida de Maomé da Meca para Medina. Tem 12 meses lunares, sem dias
intercalares. É puramente lunar.

Na Índia usa-se o calendário da Era Saka que iniciou no ano 78 d.C.. Além
desses há o calendário bizantino que iniciou o ano de 7.501 em 14.09.92, o
selêucida que entrou no ano 2.304 naquela mesma data e o diocleciano que
iniciou o ano 1.709 em 11.09.92.



O uso da medição do tempo foi importante para a organização e evolução das
civilizações, e o é até hoje no seu desenvolvimento. Especula-se que o
monumento megalítico de Stonehenge, no condado de Wilt na Inglaterra,
construído na Era do Bronze, seria uma estrutura para medição dos movimentos
dos astros!



Os astecas possuíam calendário solar bem estruturado. Os índios americanos
também referenciavam-se às fases da Lua, para medir o tempo.

A civilização maia, de acordo Franz Joseph Hochleitner chefe do Setor de
Arqueoastronomia e Etmologia Americana da U. F. de Juiz de Fora, conhecia
muito bem o céu e o movimento dos astros. Nos poucos vestígios deixados em
quatro códices - pergaminhos com calendários e narrativas das
dinastias - ­comprovam este conhecimento desenvolvido basicamente pelos
sacerdotes/astrônomos. Além dos 6 tipos de calendários - 4 circulares e 2
lineares, há um sétimo escrito em linguagem secreta provavelmente para uso
exclusivo dos sacerdotes/astrônomos, descoberto e traduzido por ele (Franz).
Os circulares, os mais conhecidos, repetem-se a cada 52 anos (tuns) e outro,
de curta contagem, começa a cada 26 anos. Dos lineares, parecidos com os
atuais, o mais famoso é o de longa contagem que começa por volta de 3.100
a.C.. A referência para decifrar este calendário foi a conjunção de Júpiter
e Saturno próximos (1grau), fenômeno que se repete a cada 59 anos, difícil
de ser observado a olho-nu. Essa passagem foi datada com precisão por
Hochleitner: 26.04.729 d.C.. A civilização maia teve seu ápice no século XI
d.C. e se dissolveu antes da chegada do espanhoes, aparentemente por lutas
internas pelo poder.

Aqui, na Bahia central, a 15km de Jussara, a arqueóloga Maria Beltrão, da
UFRJ, explorando grutas, encontrou na denominada de Toca da Esperança
pinturas rupestres do homem pré-histórico brasileiro que chama a atenção de
pesquisadores franceses e canadenses, onde há representação da lua-nova
ladeada por um conjunto de oito traços verticais ligados por um horizontal,
que se repete sob a representação da lua, levando a conclusão de que os
homens que ali habitaram já conheciam o ano lunar.

Na Toca dos Búzios, a 500 km de Salvador, há 3 representações da Via Láctea,
uma delas idêntica à forma que aparece no céu, em arco indo de horizonte a
horizonte. (Ver jornal A TARDE de 02.08.93, pág. 4, Caderno 1)

Várias civilizações existentes nas Américas foram destruídas pelos europeus,
que se autodenominavam de "povos civilizados". Tal como nós!



A civilização chinesa também usava o registro dos códices dinásticos, há
muito tempo. Há vestígios de comunidades autóctones por volta de 4.000 a.C.,
sendo a primeira dinastia da era histórica a dos Hia (2.000 -1.760 a.C..),
ainda no período neolítico, sucedida pela dinastia Chang-Yin (1.600-1.100
a.C..), que marca a idade do bronze na China.



As enciclopédias ocidentais não fazem referência aos calendários da
civilização asiática, mas o registro das dinastias mostra a preocupação com
o passado e leva a supor o uso dos eventos naturais, além dos sociais. Prova
disso são os registros da passagem do cometa Harley em 240 a.C. e da
super-nova mais brilhante, registrada pelos chineses em 1054, localizada na
nebulosa de Caranguejo. Brilhou durante uma semana com tal intensidade que
era visível até de dia!



Os romanos usaram calendário de 364 dias ou 52 semanas, depois usaram 355
dias em 12 meses desiguais, mais um mês complementar de 22 dias, incluído
quando havia mudanças do início das estações climáticas. O calendário

solar como conhecemos hoje foi definido por Caio Július César (101-44 a.C.),
nas reformas julianas, com um ano de 365,25 dias em 12 meses desiguais e um
ano com 366 dias a cada 4 anos, para compensar as 6h adicionais, além dos
365 dias observados. Esse ano é chamado de bissexto. Porém seu édito
(decreto) foi mau interpretado e a intercalação dava-se a cada 4 anos
inclusive, i.é. a cada 3 anos. Augustus (8 a.C.), para reparar o erro,
ordenou que omitissem o bissexto até o ano 8 d.C.. Július César foi
homenageado com o nome do quinto mês romano (Quintilis/ Julius), mês em que
nascera e Augustus teve seu nome dado ao sexto mês romano
(Sextilis/Augustus) que chegam até hoje como Julho e Agosto.

________________________-----------____________



O calendário adotado pelos cristãos era o romano, porém considerando o ano
de nascimento de Jesus Cristo como o primeiro ano da Era Crista. É hoje um
dos mais usado no mundo.

A instituição do calendário está intimamente ligada à determinação de
período, visto que desse modo mantém o acordo com o movimento aparente do
sol e as estações. Se tomarmos como referência o ponto em que o equador e a
eclíptica se cortam, chamado ponto vernal, o período será 365d 6h 9' 9" e é
chamado de ano sideral.

Mas em virtude do movimento de precessão do equinócio, o ponto vernal não é
fixo e se levarmos em conta sua mudança de posição o período do ano solar
não tem exatamente 365 dias e 6 horas e sim aproximadamente 365 dias, 5
horas, 48 minutos e 46 segundos - é denominado ano trópico. Esta diferença
acumulou-se até 1582, em plena época das descobertas e de ebulição em todas
as áreas culturais. Nessa época a Astronomia separou-se definitivamente da
Astrologia, a Química da Alquimia e a Física distinguiu-se de algum modo da
Filosofia e da Teologia.

No citado ano de 1582, o Papa Gregório XIII eliminou os 11 dias acumulados
desde Júlio Cesar, determinando que o dia 4 de outubro passava a ser 15 de
outubro. A população da Inglaterra resistiu em realizar esta correção por
achar que o Governo ou a Igreja estava lhe roubando 11 dias! Observar que a
diferença de 6h para 5h 48' e 46" é de 11' e 14", que, subtraídos a cada
ano, reduz um dia após cerca de 128 anos.

Por isso foi implantada a regra de deixar-se de contar o "dia intercalar"
(29/Fev), no final de cada século, a menos que fosse divisível por 400
(múltiplo). Assim 1.600 e 2.000 são anos bissextos, porém 1700, 1800 e 1900
não. A duração média do ano passou a ser de 365,2525 dias, equivalente a
365d, 5h 49' e 12" - em vez de 365,25 do ano juliano.



O ano solar ou trópico é o tempo transcorrido entre duas passagens solares
consecutivas pelo mesmo equinócio ou solstício, e equivale a: 365 dias, 5h
48' e 46". Se tomarmos porém como referência o ponto em que a Terra passa
mais perto do Sol (periélio) o período será de 365d 6h 13' 53" e é
denominado de ano anomalístico, que aumenta 0,3 do segundo a cada século.
Ano anomalistico é o tempo entre duas passagens consecutivas da Terra pelo
perigeu de sua órbita aparente. O chamado ano civil tem 365 dias.

Outros calendários foram criados:

O calendário Juliano idealizado por Joseph Justus Scaliger(1540-1609), não
tem divisão de meses ou anos. Cada dia juliano começava às 12h T.U. (tempo
universal = astronomia G.M.T.), tendo o 1°. dia se iniciado às 12h T.U. de
01 de janeiro de 4.713 anos a.C.. No dia 01.01.63 às 12h TU iniciou o dia
juliano 2.438.031. Cada ciclo do período juliano corresponde a 7.980 anos.



O calendário MUNDIAL foi proposto para corrigir as assimetrias do calendário
gregoriano, que embora preciso não é prático. Teria a cada trimestre um mês
de 31d e os outros 2 com 30d, total = 91x4=364. Mais um dia complementar no
fim/início do ano e outro de 4 a 4 anos(bissexto) em junho e julho. Apesar
dos meses não terem o mesmo número de dias a distribuição seria mais
regular, os trimestres e semestres teriam o mesmo número de dias, e os dias
adicionais seriam feriados: 31/dez. passagem de ano e 31/jun. festa do ano
bissexto.



O octaedréride, ciclo com 8 anos, criado por Cleostrato de Tenedos, que
igualou 8 anos a 99 lunações = 2.922 dias. Atrasava 1,53 dias por ciclo,
iniciado na lua cheia, corrigido posteriormente com a introdução de 3 dias a
cada 16 anos, mas ainda sobrava 0,03dias!



Os revolucionários franceses estabeleceram um calendário que iniciou em
22.set.1792, durou 15 anos (1793 a 1805). Com 12 meses de 30 dias cada, com
3 decanatos, e eram acrescidos 5 ou 6 dias intercalares para o ano

comum ou bissexto. Os meses eram poéticos e se referiam aos trabalhos do
campo e às condições do tempo atmosférico, podendo ser traduzido como:
Vendemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal,
Floreal, Prarial, Messidor, Termidor e Frutidor. Começava com o equinócio de
outono do hemisfério Norte.



Eu proponho um calendário que elimine um dos complicadores dos calendários
atuais: a dificuldade de saber qual o dia da semana de uma data. Considero
que a perda de tempo para ajustar em nosso cérebro que dia da semana cairá a
data da Independência do Brasil, dia 7 de setembro, de modo a melhor
programar o feriados, é muito mais do que imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano.



* O autor José Renato M. de Almeida é pesquisador da evolução
técnica-científica versus humana-social ao longo da história da humanidade.



** As idéias não têm dono, mas têm autoria!

.....................................................................

----- Original Message -----
From: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 28, 2006 1:59 PM
Subject: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156784490.881187.30809.baladonia.hst.terra.com.br,3562,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão:
4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/8/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 10:47

Oi Brudna,

gostei muito disso! Já deixei lá minha impressões digitais no comentário. Verifique se ficou em ordem pois a página do comentário não tá funcionando bem; depois de inserido o comentário a página diz "Sem comentários".

no aguardo,

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 01:01
Assunto: [ciencialist] Levitacao acustica


Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/

Queria ver um desses funcionando.


Ateh
Luis Brudna


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 10:53

Em tempo,

gostaria muito de construir esse brinquedinho; a montagem propriamente dita não tem problema algum. O equipamento 'acessório' é que dá problema: preciso de três geradores de áudio (com controle de fase) e três amplificadores de pelo menos 40 Wrms cada um. Só tenho um gerador de áudio (Labor) e dois amplificadores de 20 Wrms. Acredito tb que os pesquisadores da 'coisa' usaram de osciloscópios nos ajustes de fases e freqüências --- esse eu tenho; traço duplo.
Só não entendi o que é que a NASA pretendia com isso?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 01:01
Assunto: [ciencialist] Levitacao acustica


Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/

Queria ver um desses funcionando.


Ateh
Luis Brudna


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 11:09

Perguntinha inocente? nao seria melhor usar um fototransistor ?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 9:10 AM
Subject: Fw: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Olá Robespierre,

'se não me falha a memória' esse artigo na Revista Saber Eletrônica --
Projeto de Leitores -- (e depois repetido na Revista Eletrônica Total --- tb
supervisão de meu amigo Newton C. Braga) é de minha autoria. E as
'lampadinhas de natal' são LEDs.
É uma técnica 'manjada' que todo transistor com a junção exposta, a 'base'
fica 'emitindo' elétrons ao sabor da luz incidente; a mesma operação das
pilhas ou células solares.
Os melhores transistores para essa 'adaptação' são os de potência, como o
2N3055, o AD162 ou qqer outro que tenha cobertura metálica em seu
invólucro --- e que possa ser retirada sem danificar o 'chip' de silício de
seu interior.
O difícil é retirar esse 'chapéu' do 2N3055 --- ainda não achei uma boa
técnica não destrutiva!

Para essa semana, para o jornal local, estou exatamente preparando um
'fotoscópio' para experimentos como Pesquisador Óptico que permite ouvir a
lâmpada fluorescente, a TV, lâmpada comum, Lua, estrelas, lâmpadas
distantes, velas etc. É simplesmente um 2n3055 sem o chapéu, com coletor e
emissor ligado direto a um fone de ouvido.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 18:23
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>
******************


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 11:15

Os comentarios passam por aprovacao antes de aparecerem no blog. Eh pra
evitar que spams e palavroes aparecam no site. Varias pessoas jah enviaram
mensagens mal educadas para o blog, boa parte delas eh de alunos que nao
acharam o trabalho escolar pronto e resolveram me agredir. hehe

Ateh
Luis Brudna


On 8/30/06, Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> wrote:
>
> Oi Brudna,
>
> gostei muito disso! Já deixei lá minha impressões digitais no comentário.
> Verifique se ficou em ordem pois a página do comentário não tá funcionando
> bem; depois de inserido o comentário a página diz "Sem comentários".
>
> no aguardo,
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@uol.com.br
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================
>
>


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 11:24

Sim, poderia, ou melhor, deve!
Aqui em Barretos, para ir até o centro, poderia tb usar do 'metrô'. Pena que isso não existe por essas plagas, e quando construírem será, na melhor hipótese, um "centimetrô".
2N3055 existe até em pastelarias das entranhas das cidadelas satélites de Brasília (onde tenho vários consulentes) ... mas um foto-transistor!? ... nem a pronúncia disso chegou lá!
Álvaro, a carência de material para a meninada brasileira é uma lástima! Nem mesmo um miserável ímã cilíndrico de 5cm de comprimento e 5mm de diâmetro vc consegue achar! Os ímãs de que a menina dispõe ou é "imã de geladeira" (que nem polaridade tem!) ou pedaço de ímã de alto falante. Nada, nada além disso!

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:09
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Perguntinha inocente? nao seria melhor usar um fototransistor ?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 9:10 AM
Subject: Fw: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Olá Robespierre,

'se não me falha a memória' esse artigo na Revista Saber Eletrônica --
Projeto de Leitores -- (e depois repetido na Revista Eletrônica Total --- tb
supervisão de meu amigo Newton C. Braga) é de minha autoria. E as
'lampadinhas de natal' são LEDs.
É uma técnica 'manjada' que todo transistor com a junção exposta, a 'base'
fica 'emitindo' elétrons ao sabor da luz incidente; a mesma operação das
pilhas ou células solares.
Os melhores transistores para essa 'adaptação' são os de potência, como o
2N3055, o AD162 ou qqer outro que tenha cobertura metálica em seu
invólucro --- e que possa ser retirada sem danificar o 'chip' de silício de
seu interior.
O difícil é retirar esse 'chapéu' do 2N3055 --- ainda não achei uma boa
técnica não destrutiva!

Para essa semana, para o jornal local, estou exatamente preparando um
'fotoscópio' para experimentos como Pesquisador Óptico que permite ouvir a
lâmpada fluorescente, a TV, lâmpada comum, Lua, estrelas, lâmpadas
distantes, velas etc. É simplesmente um 2n3055 sem o chapéu, com coletor e
emissor ligado direto a um fone de ouvido.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 18:23
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>
******************


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 11:29

Em tempo,

Álvaro, tire o chapéu de um 2n3055 e ligue direto um fone de ouvido ao C e E. Vc escutará coisas incríveis do mundo luminoso que o rodeia simplesmente virando a B exposta no ambiente.
Vale a pena ver o crepitar da fluorescente e o balbuciar de uma vela.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:09
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Perguntinha inocente? nao seria melhor usar um fototransistor ?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 9:10 AM
Subject: Fw: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Olá Robespierre,

'se não me falha a memória' esse artigo na Revista Saber Eletrônica --
Projeto de Leitores -- (e depois repetido na Revista Eletrônica Total --- tb
supervisão de meu amigo Newton C. Braga) é de minha autoria. E as
'lampadinhas de natal' são LEDs.
É uma técnica 'manjada' que todo transistor com a junção exposta, a 'base'
fica 'emitindo' elétrons ao sabor da luz incidente; a mesma operação das
pilhas ou células solares.
Os melhores transistores para essa 'adaptação' são os de potência, como o
2N3055, o AD162 ou qqer outro que tenha cobertura metálica em seu
invólucro --- e que possa ser retirada sem danificar o 'chip' de silício de
seu interior.
O difícil é retirar esse 'chapéu' do 2N3055 --- ainda não achei uma boa
técnica não destrutiva!

Para essa semana, para o jornal local, estou exatamente preparando um
'fotoscópio' para experimentos como Pesquisador Óptico que permite ouvir a
lâmpada fluorescente, a TV, lâmpada comum, Lua, estrelas, lâmpadas
distantes, velas etc. É simplesmente um 2n3055 sem o chapéu, com coletor e
emissor ligado direto a um fone de ouvido.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 18:23
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>
******************


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos











##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 11:32

Como escrevi no blog... eh para experimentos com microgravidade. Se isso
realmente funciona, nao sei! :-)

Ateh
Luis Brudna



On 8/30/06, Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> wrote:
>
> Em tempo,
>
> gostaria muito de construir esse brinquedinho; a montagem propriamente
> dita não tem problema algum. O equipamento 'acessório' é que dá problema:
> preciso de três geradores de áudio (com controle de fase) e três
> amplificadores de pelo menos 40 Wrms cada um. Só tenho um gerador de áudio
> (Labor) e dois amplificadores de 20 Wrms. Acredito tb que os pesquisadores
> da 'coisa' usaram de osciloscópios nos ajustes de fases e freqüências ---
> esse eu tenho; traço duplo.
> Só não entendi o que é que a NASA pretendia com isso?
>
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@uol.com.br
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================
>
>


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: José Renato <jrma@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 11:41

Ferraz, fico grato pelo retorno. As atualizações fazendo as correspondências
ao calendário gregoriano requer uma longa avaliação em relação aos eventos
considerados na contagem do período denominado de "ano". Fiz a atualização
de um calendário mais conhecido: o judaico. Os demais fico lhe devendo para
quando tiver "tempo", OK? Veja a seguir:

[ O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d, possui mais uma lunação. Começou a
contar em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah (pronuncia-se Roshaná). Considera o nascimento do
primeiro homem em aliança com Deus (Adão) como o início dos tempos: o ano 1.
O Iom Kippur - Dia do Perdão - dia escolhido pelos judeus para invocarem o
perdão - tem início a partir do pôr-do-sol do dia 17.09.2006, encerrando-se
ao fim da tarde do dia 18. O Rosh Hashanah (ano-novo judaico) será
comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006, marcando a passagem dos 5.766 anos
do surgimento do homem na Terra. ]

Abraços

José Renato
............................................................

----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 10:01 AM
Subject: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ola J. Renato,

gostei muito desse texto, posso aproveitá-lo para minha coluna do jornal
local para a próxima semana?
Se sim, pediria a gentileza de atualizar algumas datas pois, tudo indica que
tal texto foi escrito em 2002.
No aguardo,

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 00:34
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO

José Renato M. de Almeida *

Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que os registros
comerciais, em cidades situadas entre o Egito e a Palestina, eram feitos com
letras e não símbolos. O alfabeto fenício (Líbano) surgido há cerca de 1.100
a.C., com 22 letras, adotado pelos gregos, foi precursor do alfabeto
ocidental. A História humana é considerada a partir dos registros escritos.
Anterior a isso é chamada de pré-história.

O primeiro calendário que se tem conhecimento foi o egípcio, datado de 4.241
a.C.. Dividia o ano em 360d, com doze meses de trinta dias cada um. Após
2.000 anos corrigiram para 365 dias, incluindo 5 dias "celestes" ou
"epagomenos" do grego que significa: intercalados. Era um calendário solar
de natureza econômica, pois a agricultura, essencial para os egípcios,
dependia das enchentes do Nilo, que ocorria quando Sírius (SOTHIS) nascia no
fim do crepúsculo matutino. Era dividido em 3 estações de 4 meses cada:
Enchente, Semeadura e Colheita. Sendo o ano egípcio menor que o ano trópico
(365d 5h 48' 46") o início das estações retrocediam, voltando a mesma data a
cada 1.506 anos egípcios ou 1.456 anos trópico. Em 238 a.C.. Ptolomeu III
Evergetes tentou corrigir, introduzindo um sexto dia a cada 4 anos, mas
fracassou.

O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d possui mais uma lunação. Começou a contar
em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah
(Roshaná). Considera o nascimento do primeiro homem em aliança com Deus
(Adão) como o início dos tempos: o ano 1. O Iom Kippur - Dia do Perdão, dia
escolhido
pelos judeus para invocarem o perdão -, tem início a partir do pôr-do-sol
do dia 17.09.2006, encerrando-se ao fim da tarde do dia 18. Já o Rosh
Hashanah (ano-novo judaico) é comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006,
marcando os 5.766 anos do surgimento do homem na Terra.

O calendário muçulmano - Era de Hégira, começou em 16.07.622 d.C., data da
partida de Maomé da Meca para Medina. Tem 12 meses lunares, sem dias
intercalares. É puramente lunar.

Na Índia usa-se o calendário da Era Saka que iniciou no ano 78 d.C.. Além
desses há o calendário bizantino que iniciou o ano de 7.501 em 14.09.92, o
selêucida que entrou no ano 2.304 naquela mesma data e o diocleciano que
iniciou o ano 1.709 em 11.09.92.

O uso da medição do tempo foi importante para a organização e evolução das
civilizações, e o é até hoje no seu desenvolvimento. Especula-se que o
monumento megalítico de Stonehenge, no condado de Wilt na Inglaterra,
construído na Era do Bronze, seria uma estrutura para medição dos movimentos
dos astros!

Os astecas possuíam calendário solar bem estruturado. Os índios americanos
também referenciavam-se às fases da Lua, para medir o tempo.

A civilização maia, de acordo Franz Joseph Hochleitner chefe do Setor de
Arqueoastronomia e Etmologia Americana da U. F. de Juiz de Fora, conhecia
muito bem o céu e o movimento dos astros. Nos poucos vestígios deixados em
quatro códices - pergaminhos com calendários e narrativas das
dinastias - ­comprovam este conhecimento desenvolvido basicamente pelos
sacerdotes/astrônomos. Além dos 6 tipos de calendários - 4 circulares e 2
lineares, há um sétimo escrito em linguagem secreta provavelmente para uso
exclusivo dos sacerdotes/astrônomos, descoberto e traduzido por ele (Franz).
Os circulares, os mais conhecidos, repetem-se a cada 52 anos (tuns) e outro,
de curta contagem, começa a cada 26 anos. Dos lineares, parecidos com os
atuais, o mais famoso é o de longa contagem que começa por volta de 3.100
a.C.. A referência para decifrar este calendário foi a conjunção de Júpiter
e Saturno próximos (1grau), fenômeno que se repete a cada 59 anos, difícil
de ser observado a olho-nu. Essa passagem foi datada com precisão por
Hochleitner: 26.04.729 d.C.. A civilização maia teve seu ápice no século XI
d.C. e se dissolveu antes da chegada do espanhoes, aparentemente por lutas
internas pelo poder.

Aqui, na Bahia central, a 15km de Jussara, a arqueóloga Maria Beltrão, da
UFRJ, explorando grutas, encontrou na denominada de Toca da Esperança
pinturas rupestres do homem pré-histórico brasileiro que chama a atenção de
pesquisadores franceses e canadenses, onde há representação da lua-nova
ladeada por um conjunto de oito traços verticais ligados por um horizontal,
que se repete sob a representação da lua, levando a conclusão de que os
homens que ali habitaram já conheciam o ano lunar.

Na Toca dos Búzios, a 500 km de Salvador, há 3 representações da Via Láctea,
uma delas idêntica à forma que aparece no céu, em arco indo de horizonte a
horizonte. (Ver jornal A TARDE de 02.08.93, pág. 4, Caderno 1)

Várias civilizações existentes nas Américas foram destruídas pelos europeus,
que se autodenominavam de "povos civilizados". Assim como nós!

A civilização chinesa também usava o registro dos códices dinásticos, há
muito tempo. Há vestígios de comunidades autóctones por volta de 4.000 a.C.,
sendo a primeira dinastia da era histórica a dos Hia (2.000 -1.760 a.C..),
ainda no período neolítico, sucedida pela dinastia Chang-Yin (1.600-1.100
a.C..), que marca a idade do bronze na China.

As enciclopédias ocidentais não fazem referência aos calendários da
civilização asiática, mas o registro das dinastias mostra a preocupação com
o passado e leva a supor o uso dos eventos naturais, além dos sociais. Prova
disso são os registros da passagem do cometa Harley em 240 a.C. e da
super-nova mais brilhante, registrada pelos chineses em 1054, localizada na
nebulosa de Caranguejo. Brilhou durante uma semana com tal intensidade que
era visível até de dia!

Os romanos usaram calendário de 364 dias ou 52 semanas, depois usaram 355
dias em 12 meses desiguais, mais um mês complementar de 22 dias, incluído
quando havia mudanças do início das estações climáticas. O calendário

solar como conhecemos hoje foi definido por Caio Július César (101-44 a.C.),
nas reformas julianas, com um ano de 365,25 dias em 12 meses desiguais e um
ano com 366 dias a cada 4 anos, para compensar as 6h adicionais, além dos
365 dias observados. Esse ano é chamado de bissexto. Porém seu édito
(decreto) foi mau interpretado e a intercalação dava-se a cada 4 anos
inclusive, i.é. a cada 3 anos. Augustus (8 a.C.), para reparar o erro,
ordenou que omitissem o bissexto até o ano 8 d.C.. Július César foi
homenageado com o nome do quinto mês romano (Quintilis/ Julius), mês em que
nascera e Augustus teve seu nome dado ao sexto mês romano
(Sextilis/Augustus) que chegam até hoje como Julho e Agosto.

________________________-----------____________

O calendário adotado pelos cristãos era o romano, porém considerando o ano
de nascimento de Jesus Cristo como o primeiro ano da Era Crista. É hoje um
dos mais usado no mundo.

A instituição do calendário está intimamente ligada à determinação de
período, visto que desse modo mantém o acordo com o movimento aparente do
sol e as estações. Se tomarmos como referência o ponto em que o equador e a
eclíptica se cortam, chamado ponto vernal, o período será 365d 6h 9' 9" e é
chamado de ano sideral.

Mas em virtude do movimento de precessão do equinócio, o ponto vernal não é
fixo e se levarmos em conta sua mudança de posição o período do ano solar
não tem exatamente 365 dias e 6 horas e sim aproximadamente 365 dias, 5
horas, 48 minutos e 46 segundos - é denominado ano trópico. Esta diferença
acumulou-se até 1582, em plena época das descobertas e de ebulição em todas
as áreas culturais. Nessa época a Astronomia separou-se definitivamente da
Astrologia, a Química da Alquimia e a Física distinguiu-se de algum modo da
Filosofia e da Teologia.

No citado ano de 1582, o Papa Gregório XIII eliminou os 11 dias acumulados
desde Júlio Cesar, determinando que o dia 4 de outubro passava a ser 15 de
outubro. A população da Inglaterra resistiu em realizar esta correção por
achar que o Governo ou a Igreja estava lhe roubando 11 dias! Observar que a
diferença de 6h para 5h 48' e 46" é de 11' e 14", que, subtraídos a cada
ano, reduz um dia após cerca de 128 anos.

Por isso foi implantada a regra de deixar-se de contar o "dia intercalar"
(29/Fev), no final de cada século, a menos que fosse divisível por 400
(múltiplo). Assim 1.600 e 2.000 são anos bissextos, porém 1700, 1800 e 1900
não. A duração média do ano passou a ser de 365,2525 dias, equivalente a
365d, 5h 49' e 12" - em vez de 365,25 do ano juliano.


O ano solar ou trópico é o tempo transcorrido entre duas passagens solares
consecutivas pelo mesmo equinócio ou solstício, e equivale a: 365 dias, 5h
48' e 46". Se tomarmos porém como referência o ponto em que a Terra passa
mais perto do Sol (periélio) o período será de 365d 6h 13' 53" e é
denominado de ano anomalístico, que aumenta 0,3 do segundo a cada século.
Ano anomalistico é o tempo entre duas passagens consecutivas da Terra pelo
perigeu de sua órbita aparente. O chamado ano civil tem 365 dias.

Outros calendários foram criados:

O calendário Juliano idealizado por Joseph Justus Scaliger(1540-1609), não
tem divisão de meses ou anos. Cada dia juliano começava às 12h T.U. (tempo
universal = astronomia G.M.T.), tendo o 1°. dia se iniciado às 12h T.U. de
01 de janeiro de 4.713 anos a.C.. No dia 01.01.63 às 12h TU iniciou o dia
juliano 2.438.031. Cada ciclo do período juliano corresponde a 7.980 anos.

O calendário MUNDIAL foi proposto para corrigir as assimetrias do calendário
gregoriano, que embora preciso não é prático. Teria a cada trimestre um mês
de 31d e os outros 2 com 30d, total = 91x4=364. Mais um dia complementar no
fim/início do ano e outro de 4 a 4 anos(bissexto) em junho e julho. Apesar
dos meses não terem o mesmo número de dias a distribuição seria mais
regular, os trimestres e semestres teriam o mesmo número de dias, e os dias
adicionais seriam feriados: 31/dez. passagem de ano e 31/jun. festa do ano
bissexto.

O octaedréride, ciclo com 8 anos, criado por Cleostrato de Tenedos, que
igualou 8 anos a 99 lunações = 2.922 dias. Atrasava 1,53 dias por ciclo,
iniciado na lua cheia, corrigido posteriormente com a introdução de 3 dias a
cada 16 anos, mas ainda sobrava 0,03dias!

Os revolucionários franceses estabeleceram um calendário que iniciou em
22.set.1792, durou 15 anos (1793 a 1805). Com 12 meses de 30 dias cada, com
3 decanatos, e eram acrescidos 5 ou 6 dias intercalares para o ano

comum ou bissexto. Os meses eram poéticos e se referiam aos trabalhos do
campo e às condições do tempo atmosférico, podendo ser traduzido como:
Vendemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal,
Floreal, Prarial, Messidor, Termidor e Frutidor. Começava com o equinócio de
outono do hemisfério Norte.

PROPOSTA - Eu proponho um calendário que elimine um dos complicadores dos
calendários
atuais: a dificuldade de saber qual o dia da semana de uma data. Considero
que a perda de tempo para ajustar em nosso cérebro que dia da semana cairá a
data da Independência do Brasil, dia 7 de setembro, de modo a melhor
programar o feriados, é muito mais do que imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano.


* O autor José Renato M. de Almeida é pesquisador da evolução
técnica-científica versus humana-social ao longo da história da humanidade.


** As idéias não têm dono, mas têm autoria!

.....................................................................

----- Original Message -----
From: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 28, 2006 1:59 PM
Subject: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156784490.881187.30809.baladonia.hst.terra.com.br,3562,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão:
4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/8/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156943462.684714.8618.mangoro.hst.terra.com.br,20962,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 29/08/2006 / Versão:
4.4.00/4840
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.7/433 - Release Date: 30/8/2006



SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 12:24

Brudna,

que tal esse vídeo:

http://www.bhservico.com.br/relogio.htm

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:15
Assunto: Re: [ciencialist] Levitacao acustica


Os comentarios passam por aprovacao antes de aparecerem no blog. Eh pra
evitar que spams e palavroes aparecam no site. Varias pessoas jah enviaram
mensagens mal educadas para o blog, boa parte delas eh de alunos que nao
acharam o trabalho escolar pronto e resolveram me agredir. hehe

Ateh
Luis Brudna


On 8/30/06, Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> wrote:
>
> Oi Brudna,
>
> gostei muito disso! Já deixei lá minha impressões digitais no comentário.
> Verifique se ficou em ordem pois a página do comentário não tá funcionando
> bem; depois de inserido o comentário a página diz "Sem comentários".
>
> no aguardo,
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@uol.com.br
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================
>
>


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 12:30

Olá J. Renato,

aceito de bom grado essa sua resposta como um SIM, permitindo a publicação na minha coluna semanal no jornal local.
OK. Farei as atualização no calendário judaico. As demais deixarei como "exemplo", usando o ano de 2002.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:41
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ferraz, fico grato pelo retorno. As atualizações fazendo as correspondências
ao calendário gregoriano requer uma longa avaliação em relação aos eventos
considerados na contagem do período denominado de "ano". Fiz a atualização
de um calendário mais conhecido: o judaico. Os demais fico lhe devendo para
quando tiver "tempo", OK? Veja a seguir:

[ O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d, possui mais uma lunação. Começou a
contar em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah (pronuncia-se Roshaná). Considera o nascimento do
primeiro homem em aliança com Deus (Adão) como o início dos tempos: o ano 1.
O Iom Kippur - Dia do Perdão - dia escolhido pelos judeus para invocarem o
perdão - tem início a partir do pôr-do-sol do dia 17.09.2006, encerrando-se
ao fim da tarde do dia 18. O Rosh Hashanah (ano-novo judaico) será
comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006, marcando a passagem dos 5.766 anos
do surgimento do homem na Terra. ]

Abraços

José Renato
............................................................

----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 10:01 AM
Subject: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ola J. Renato,

gostei muito desse texto, posso aproveitá-lo para minha coluna do jornal
local para a próxima semana?
Se sim, pediria a gentileza de atualizar algumas datas pois, tudo indica que
tal texto foi escrito em 2002.
No aguardo,

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 00:34
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO

José Renato M. de Almeida *

Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que os registros
comerciais, em cidades situadas entre o Egito e a Palestina, eram feitos com
letras e não símbolos. O alfabeto fenício (Líbano) surgido há cerca de 1.100
a.C., com 22 letras, adotado pelos gregos, foi precursor do alfabeto
ocidental. A História humana é considerada a partir dos registros escritos.
Anterior a isso é chamada de pré-história.

O primeiro calendário que se tem conhecimento foi o egípcio, datado de 4.241
a.C.. Dividia o ano em 360d, com doze meses de trinta dias cada um. Após
2.000 anos corrigiram para 365 dias, incluindo 5 dias "celestes" ou
"epagomenos" do grego que significa: intercalados. Era um calendário solar
de natureza econômica, pois a agricultura, essencial para os egípcios,
dependia das enchentes do Nilo, que ocorria quando Sírius (SOTHIS) nascia no
fim do crepúsculo matutino. Era dividido em 3 estações de 4 meses cada:
Enchente, Semeadura e Colheita. Sendo o ano egípcio menor que o ano trópico
(365d 5h 48' 46") o início das estações retrocediam, voltando a mesma data a
cada 1.506 anos egípcios ou 1.456 anos trópico. Em 238 a.C.. Ptolomeu III
Evergetes tentou corrigir, introduzindo um sexto dia a cada 4 anos, mas
fracassou.

O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d possui mais uma lunação. Começou a contar
em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah
(Roshaná). Considera o nascimento do primeiro homem em aliança com Deus
(Adão) como o início dos tempos: o ano 1. O Iom Kippur - Dia do Perdão, dia
escolhido
pelos judeus para invocarem o perdão -, tem início a partir do pôr-do-sol
do dia 17.09.2006, encerrando-se ao fim da tarde do dia 18. Já o Rosh
Hashanah (ano-novo judaico) é comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006,
marcando os 5.766 anos do surgimento do homem na Terra.

O calendário muçulmano - Era de Hégira, começou em 16.07.622 d.C., data da
partida de Maomé da Meca para Medina. Tem 12 meses lunares, sem dias
intercalares. É puramente lunar.

Na Índia usa-se o calendário da Era Saka que iniciou no ano 78 d.C.. Além
desses há o calendário bizantino que iniciou o ano de 7.501 em 14.09.92, o
selêucida que entrou no ano 2.304 naquela mesma data e o diocleciano que
iniciou o ano 1.709 em 11.09.92.

O uso da medição do tempo foi importante para a organização e evolução das
civilizações, e o é até hoje no seu desenvolvimento. Especula-se que o
monumento megalítico de Stonehenge, no condado de Wilt na Inglaterra,
construído na Era do Bronze, seria uma estrutura para medição dos movimentos
dos astros!

Os astecas possuíam calendário solar bem estruturado. Os índios americanos
também referenciavam-se às fases da Lua, para medir o tempo.

A civilização maia, de acordo Franz Joseph Hochleitner chefe do Setor de
Arqueoastronomia e Etmologia Americana da U. F. de Juiz de Fora, conhecia
muito bem o céu e o movimento dos astros. Nos poucos vestígios deixados em
quatro códices - pergaminhos com calendários e narrativas das
dinastias - ­comprovam este conhecimento desenvolvido basicamente pelos
sacerdotes/astrônomos. Além dos 6 tipos de calendários - 4 circulares e 2
lineares, há um sétimo escrito em linguagem secreta provavelmente para uso
exclusivo dos sacerdotes/astrônomos, descoberto e traduzido por ele (Franz).
Os circulares, os mais conhecidos, repetem-se a cada 52 anos (tuns) e outro,
de curta contagem, começa a cada 26 anos. Dos lineares, parecidos com os
atuais, o mais famoso é o de longa contagem que começa por volta de 3.100
a.C.. A referência para decifrar este calendário foi a conjunção de Júpiter
e Saturno próximos (1grau), fenômeno que se repete a cada 59 anos, difícil
de ser observado a olho-nu. Essa passagem foi datada com precisão por
Hochleitner: 26.04.729 d.C.. A civilização maia teve seu ápice no século XI
d.C. e se dissolveu antes da chegada do espanhoes, aparentemente por lutas
internas pelo poder.

Aqui, na Bahia central, a 15km de Jussara, a arqueóloga Maria Beltrão, da
UFRJ, explorando grutas, encontrou na denominada de Toca da Esperança
pinturas rupestres do homem pré-histórico brasileiro que chama a atenção de
pesquisadores franceses e canadenses, onde há representação da lua-nova
ladeada por um conjunto de oito traços verticais ligados por um horizontal,
que se repete sob a representação da lua, levando a conclusão de que os
homens que ali habitaram já conheciam o ano lunar.

Na Toca dos Búzios, a 500 km de Salvador, há 3 representações da Via Láctea,
uma delas idêntica à forma que aparece no céu, em arco indo de horizonte a
horizonte. (Ver jornal A TARDE de 02.08.93, pág. 4, Caderno 1)

Várias civilizações existentes nas Américas foram destruídas pelos europeus,
que se autodenominavam de "povos civilizados". Assim como nós!

A civilização chinesa também usava o registro dos códices dinásticos, há
muito tempo. Há vestígios de comunidades autóctones por volta de 4.000 a.C.,
sendo a primeira dinastia da era histórica a dos Hia (2.000 -1.760 a.C..),
ainda no período neolítico, sucedida pela dinastia Chang-Yin (1.600-1.100
a.C..), que marca a idade do bronze na China.

As enciclopédias ocidentais não fazem referência aos calendários da
civilização asiática, mas o registro das dinastias mostra a preocupação com
o passado e leva a supor o uso dos eventos naturais, além dos sociais. Prova
disso são os registros da passagem do cometa Harley em 240 a.C. e da
super-nova mais brilhante, registrada pelos chineses em 1054, localizada na
nebulosa de Caranguejo. Brilhou durante uma semana com tal intensidade que
era visível até de dia!

Os romanos usaram calendário de 364 dias ou 52 semanas, depois usaram 355
dias em 12 meses desiguais, mais um mês complementar de 22 dias, incluído
quando havia mudanças do início das estações climáticas. O calendário

solar como conhecemos hoje foi definido por Caio Július César (101-44 a.C.),
nas reformas julianas, com um ano de 365,25 dias em 12 meses desiguais e um
ano com 366 dias a cada 4 anos, para compensar as 6h adicionais, além dos
365 dias observados. Esse ano é chamado de bissexto. Porém seu édito
(decreto) foi mau interpretado e a intercalação dava-se a cada 4 anos
inclusive, i.é. a cada 3 anos. Augustus (8 a.C.), para reparar o erro,
ordenou que omitissem o bissexto até o ano 8 d.C.. Július César foi
homenageado com o nome do quinto mês romano (Quintilis/ Julius), mês em que
nascera e Augustus teve seu nome dado ao sexto mês romano
(Sextilis/Augustus) que chegam até hoje como Julho e Agosto.

________________________-----------____________

O calendário adotado pelos cristãos era o romano, porém considerando o ano
de nascimento de Jesus Cristo como o primeiro ano da Era Crista. É hoje um
dos mais usado no mundo.

A instituição do calendário está intimamente ligada à determinação de
período, visto que desse modo mantém o acordo com o movimento aparente do
sol e as estações. Se tomarmos como referência o ponto em que o equador e a
eclíptica se cortam, chamado ponto vernal, o período será 365d 6h 9' 9" e é
chamado de ano sideral.

Mas em virtude do movimento de precessão do equinócio, o ponto vernal não é
fixo e se levarmos em conta sua mudança de posição o período do ano solar
não tem exatamente 365 dias e 6 horas e sim aproximadamente 365 dias, 5
horas, 48 minutos e 46 segundos - é denominado ano trópico. Esta diferença
acumulou-se até 1582, em plena época das descobertas e de ebulição em todas
as áreas culturais. Nessa época a Astronomia separou-se definitivamente da
Astrologia, a Química da Alquimia e a Física distinguiu-se de algum modo da
Filosofia e da Teologia.

No citado ano de 1582, o Papa Gregório XIII eliminou os 11 dias acumulados
desde Júlio Cesar, determinando que o dia 4 de outubro passava a ser 15 de
outubro. A população da Inglaterra resistiu em realizar esta correção por
achar que o Governo ou a Igreja estava lhe roubando 11 dias! Observar que a
diferença de 6h para 5h 48' e 46" é de 11' e 14", que, subtraídos a cada
ano, reduz um dia após cerca de 128 anos.

Por isso foi implantada a regra de deixar-se de contar o "dia intercalar"
(29/Fev), no final de cada século, a menos que fosse divisível por 400
(múltiplo). Assim 1.600 e 2.000 são anos bissextos, porém 1700, 1800 e 1900
não. A duração média do ano passou a ser de 365,2525 dias, equivalente a
365d, 5h 49' e 12" - em vez de 365,25 do ano juliano.


O ano solar ou trópico é o tempo transcorrido entre duas passagens solares
consecutivas pelo mesmo equinócio ou solstício, e equivale a: 365 dias, 5h
48' e 46". Se tomarmos porém como referência o ponto em que a Terra passa
mais perto do Sol (periélio) o período será de 365d 6h 13' 53" e é
denominado de ano anomalístico, que aumenta 0,3 do segundo a cada século.
Ano anomalistico é o tempo entre duas passagens consecutivas da Terra pelo
perigeu de sua órbita aparente. O chamado ano civil tem 365 dias.

Outros calendários foram criados:

O calendário Juliano idealizado por Joseph Justus Scaliger(1540-1609), não
tem divisão de meses ou anos. Cada dia juliano começava às 12h T.U. (tempo
universal = astronomia G.M.T.), tendo o 1°. dia se iniciado às 12h T.U. de
01 de janeiro de 4.713 anos a.C.. No dia 01.01.63 às 12h TU iniciou o dia
juliano 2.438.031. Cada ciclo do período juliano corresponde a 7.980 anos.

O calendário MUNDIAL foi proposto para corrigir as assimetrias do calendário
gregoriano, que embora preciso não é prático. Teria a cada trimestre um mês
de 31d e os outros 2 com 30d, total = 91x4=364. Mais um dia complementar no
fim/início do ano e outro de 4 a 4 anos(bissexto) em junho e julho. Apesar
dos meses não terem o mesmo número de dias a distribuição seria mais
regular, os trimestres e semestres teriam o mesmo número de dias, e os dias
adicionais seriam feriados: 31/dez. passagem de ano e 31/jun. festa do ano
bissexto.

O octaedréride, ciclo com 8 anos, criado por Cleostrato de Tenedos, que
igualou 8 anos a 99 lunações = 2.922 dias. Atrasava 1,53 dias por ciclo,
iniciado na lua cheia, corrigido posteriormente com a introdução de 3 dias a
cada 16 anos, mas ainda sobrava 0,03dias!

Os revolucionários franceses estabeleceram um calendário que iniciou em
22.set.1792, durou 15 anos (1793 a 1805). Com 12 meses de 30 dias cada, com
3 decanatos, e eram acrescidos 5 ou 6 dias intercalares para o ano

comum ou bissexto. Os meses eram poéticos e se referiam aos trabalhos do
campo e às condições do tempo atmosférico, podendo ser traduzido como:
Vendemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal,
Floreal, Prarial, Messidor, Termidor e Frutidor. Começava com o equinócio de
outono do hemisfério Norte.

PROPOSTA - Eu proponho um calendário que elimine um dos complicadores dos
calendários
atuais: a dificuldade de saber qual o dia da semana de uma data. Considero
que a perda de tempo para ajustar em nosso cérebro que dia da semana cairá a
data da Independência do Brasil, dia 7 de setembro, de modo a melhor
programar o feriados, é muito mais do que imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano.


* O autor José Renato M. de Almeida é pesquisador da evolução
técnica-científica versus humana-social ao longo da história da humanidade.


** As idéias não têm dono, mas têm autoria!

.....................................................................

----- Original Message -----
From: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 28, 2006 1:59 PM
Subject: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156784490.881187.30809.baladonia.hst.terra.com.br,3562,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão:
4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/8/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,1156943462.684714.8618.mangoro.hst.terra.com.br,20962,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 29/08/2006 / Versão:
4.4.00/4840
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.7/433 - Release Date: 30/8/2006



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "brudna" <lrb@iq.ufrgs.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 15:15

Eh real o fato de uma explosao nuclear poder causar interferencias
em aparelhos eletricos? (isso antes de ser atingido pela "onda de
calor", eh claro :-))

Ou eh mais uma daquelas lendas?

Acho que tem uma cena no filme "The day after" (
http://en.wikipedia.org/wiki/The_Day_After ) na qual os carros param
de funcionar.

Ateh
Luis Brudna






SUBJECT: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 15:25

OK. Esqueci-me momentaneamente dessa parte...

[ ]s

Alvaro Augusto


----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 11:24 AM
Subject: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Sim, poderia, ou melhor, deve!
Aqui em Barretos, para ir até o centro, poderia tb usar do 'metrô'. Pena que
isso não existe por essas plagas, e quando construírem será, na melhor
hipótese, um "centimetrô".
2N3055 existe até em pastelarias das entranhas das cidadelas satélites de
Brasília (onde tenho vários consulentes) ... mas um foto-transistor!? ...
nem a pronúncia disso chegou lá!
Álvaro, a carência de material para a meninada brasileira é uma lástima! Nem
mesmo um miserável ímã cilíndrico de 5cm de comprimento e 5mm de diâmetro vc
consegue achar! Os ímãs de que a menina dispõe ou é "imã de geladeira" (que
nem polaridade tem!) ou pedaço de ímã de alto falante. Nada, nada além
disso!

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:09
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Perguntinha inocente? nao seria melhor usar um fototransistor ?

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com


----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 9:10 AM
Subject: Fw: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Olá Robespierre,

'se não me falha a memória' esse artigo na Revista Saber Eletrônica --
Projeto de Leitores -- (e depois repetido na Revista Eletrônica Total --- tb
supervisão de meu amigo Newton C. Braga) é de minha autoria. E as
'lampadinhas de natal' são LEDs.
É uma técnica 'manjada' que todo transistor com a junção exposta, a 'base'
fica 'emitindo' elétrons ao sabor da luz incidente; a mesma operação das
pilhas ou células solares.
Os melhores transistores para essa 'adaptação' são os de potência, como o
2N3055, o AD162 ou qqer outro que tenha cobertura metálica em seu
invólucro --- e que possa ser retirada sem danificar o 'chip' de silício de
seu interior.
O difícil é retirar esse 'chapéu' do 2N3055 --- ainda não achei uma boa
técnica não destrutiva!

Para essa semana, para o jornal local, estou exatamente preparando um
'fotoscópio' para experimentos como Pesquisador Óptico que permite ouvir a
lâmpada fluorescente, a TV, lâmpada comum, Lua, estrelas, lâmpadas
distantes, velas etc. É simplesmente um 2n3055 sem o chapéu, com coletor e
emissor ligado direto a um fone de ouvido.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Robespierre B. Gonçalves" <robespierre.goncalves@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 18:23
Assunto: Re: [ciencialist] Fw: Motor Gravitacional


Por acaso, em uma feira de ciências em 1984, expus um trabalho que era
justamente isso! Transistores de potência (a numeração não me recordo) com
as ligações expostas ao sol acendendo uma dessas lampadinhas de natal. Se
não me falha a memória, tirei o projeto de uma revista "Eletrònica" (acho
que era uma de coletânia de projetos de leitores). Infelizmente acho que meu
pai a a tem mais.

[]s,
Pierre

Em 17/08/06, João R. Bonomo <joao_bonomo@yahoo.com.br> escreveu:
>
> Caro Léo,
>
> Estou surpreso por ter encontrado algo que ainda não existe no seu site
> e seria interessante acrescentar.
> Vamos desenvolver a idéia.
> Você acertou em cheio! Eu já vi na internet um artigo que mostrava como
> tranformar transistores 2n3055 queimados em células fotovoltáicas com
> finalidade didática. Vou tentar encontrar novamente este artigo e lhe
> enviar.
> Se você pesquisar no google por "painel solar", irá encontrar diversos
> modelos de vários fabricantes. Alguns com preços bem camaradas. Vou
> pesquisar alguma coisa nesse sentido e depois lhe informo.
>
> O aproveitamento da energia solar também pode ser para aquecimento de
> água. Com alguma pesquisa pode ser desenvolvido um coletor solar didático.
> Podemos fazer algo desse tipo.
>
>
> []'s
> João R. Bonomo
>
>
> Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> escreveu:
> Apreciei o link.
> Curiosamente ainda não tenho nenhum projeto para 'aquecedor solar'
>



SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 15:26

Estranha esse tipo de reação. Os três leitores do meu blog não reclamaram
nem quando esculhambei Fidel Castro e Heloísa Helena!

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com



----- Original Message -----
From: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 11:15 AM
Subject: Re: [ciencialist] Levitacao acustica


Os comentarios passam por aprovacao antes de aparecerem no blog. Eh pra
evitar que spams e palavroes aparecam no site. Varias pessoas jah enviaram
mensagens mal educadas para o blog, boa parte delas eh de alunos que nao
acharam o trabalho escolar pronto e resolveram me agredir. hehe

Ateh
Luis Brudna


On 8/30/06, Luiz Ferraz Netto <leobarretos@uol.com.br> wrote:
>
> Oi Brudna,
>
> gostei muito disso! Já deixei lá minha impressões digitais no comentário.
> Verifique se ficou em ordem pois a página do comentário não tá funcionando
> bem; depois de inserido o comentário a página diz "Sem comentários".
>
> no aguardo,
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@uol.com.br
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================



SUBJECT: Re: [ciencialist] Levitacao acustica
FROM: "Alvaro Augusto" <alvaro@daelt.sh06.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 15:27

O que a NASA pretendia? Ora, construir a câmara antigravitacional de "Jennie
é um Gênio"!

[ ]s

Alvaro Augusto de Almeida
alvaug@daelt.sh06.com
http://alvaug.multiply.com
http://alvaroaugusto.blogspot.com




----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 10:53 AM
Subject: Re: [ciencialist] Levitacao acustica


Em tempo,

gostaria muito de construir esse brinquedinho; a montagem propriamente dita
não tem problema algum. O equipamento 'acessório' é que dá problema: preciso
de três geradores de áudio (com controle de fase) e três amplificadores de
pelo menos 40 Wrms cada um. Só tenho um gerador de áudio (Labor) e dois
amplificadores de 20 Wrms. Acredito tb que os pesquisadores da 'coisa'
usaram de osciloscópios nos ajustes de fases e freqüências --- esse eu
tenho; traço duplo.
Só não entendi o que é que a NASA pretendia com isso?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luis Brudna" <luisbrudna@gmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 01:01
Assunto: [ciencialist] Levitacao acustica


Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?

http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/

Queria ver um desses funcionando.


Ateh
Luis Brudna


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br



SUBJECT: Re: Levitacao acustica
FROM: "brudna" <lrb@iq.ufrgs.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 15:42

:-) Invento muitas coisas. Eh o que dah deixar tempo livre pra um
maluco. :-)

Mais ideias que tive nao deram certo ou nem chegaram a sair do meu
HD, eh uma especie de selecao natural. Sei que o Google parece usar
tatica semelhante, lanca inumeros produtos e observa o sucesso de cada
um, investindo mais no que dah certo. (nao, nao sou um google :-),
esse eh o Takata ).

MUITO obrigado pelos elogios.


Ateh
Luis Brudna


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "jvictor" <jvoneto@u...> escreveu
>
> Primeiro Brudna inventa o Ciencialist, que "pega".
>
> Depois, inventa o Glúon - Blog, que deve "pegar" para todos que o
leiam, inexoravelmente. Pois tão bom quasnto ele, só outro ele.
>
> Masi que excelentes na qualidade, na importância. Ou seja, tão bons
e oportunos que não sei de adjetivos para qualificar. E olha que só
gosto de "chaleirar" bem pouquinho, quando reconheço haver
merecimento! Nesses dois casos, os merecimentos são prá mais da conta.
>
> Parabéns, Brudna, honestamente.
>
> No dia em que eu adquirir conhecimento, capacidade, e essa vontade
de disseminar conhecimentos, então estarei preprado: já poderei morrer.
> Mas aí será ruim, pois ninguém saberá!
>
> Sds,
>
> Victor.
>
> ----- Original Message -----
> From: Luis Brudna
> To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
> Sent: Wednesday, August 30, 2006 1:01 AM
> Subject: [ciencialist] Levitacao acustica
>
>
> Serah que o Prof. Leo tem esse brinquedinho?
>
> http://www.gluon.com.br/blog/2006/08/30/levitacao-acustica/
>
> Queria ver um desses funcionando.
>
>
> Ateh
> Luis Brudna
>







SUBJECT: Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "Daniel C. Guariento" <sirwhiteout@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 15:57

> Eh real o fato de uma explosao nuclear poder causar
interferencias
> em aparelhos eletricos? (isso antes de ser atingido pela "onda de
> calor", eh claro :-))

Sim, é real. O chamado pulso eletromagnetico (EMP, em inglês)
causado por explosões nucleares é provocado pela emissão de radiação
gama devido às reações nucleares descontroladas. Essa radiação é
espalhada pelo ar por efeito Compton, ficando em seguida aprisionada
pelo campo magnético terrestre.

A ação do campo magnético faz com que os elétrons espalhados sigam
em uma trajetória em espiral, irradiando uma forte e progressiva
onda eletromagnética no processo. Todos os sistemas elétricos dentro
de uma certa área (não muito grande) ao redor do centro da explosão
podem ser obliterados se forem suficientemente sensíveis.

Sistemas eletrônicos com blindagens a vácuo são um pouco menos
sensíveis a EMPs, por não dispor de material a ser espalhado.

Daniel







SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Joao de Carvalho" <joaobncarvalho@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 16:18

Takata, você é um ás.

Estava aqui eu pensando, não seria energia e ordem a mesma coisa?
Energia, me parece, é movimento (no sentido de transformação). Um
sistema caótico não é capaz de se transformar em nada. Já um sistema
ordenado é capaz de ir em direção ao caos. Não seria a energia esse
fluxo da ordem para o caos? Se assim for, energia não seria nada
concreto, nada palpável. Esse conceito poderia até ser esquecido, e
falaríamos apenas de sistemas mais ou menos ordenados.

Saudações.
João.







SUBJECT: A seleção natural é um demônio de Maxwell?
FROM: "Joao de Carvalho" <joaobncarvalho@hotmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 16:24

A seleção natural é um demônio de Maxwell?

O demônio de Maxwell é uma criatura que é capaz de pinçar certos
estados fornecidos ao acaso, e vetar outros, extraindo assim ordem a
partir do caos. Não seria a seleção natural uma espécie de demônio de
Maxwell? Ela não é um demônio autêntico no sentido de que ela não
atua no movimento browniano das moléculas, e não viola, portanto, a
segunda lei da termodinâmica. Ela atua apenas no caos que se infiltra
no genoma dos organismos. Mas não deixa de ter a ver com o demônio de
Maxwell.

João de Carvalho.







SUBJECT: RE: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Daniel C. Guariento" <sirwhiteout@gmail.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 16:41

> Um
> sistema caótico não é capaz de se transformar em nada. Já um sistema
> ordenado é capaz de ir em direção ao caos. Não seria a energia esse
> fluxo da ordem para o caos? Se assim for, energia não seria nada
> concreto, nada palpável. Esse conceito poderia até ser esquecido, e
> falaríamos apenas de sistemas mais ou menos ordenados.

Não exatamente. Um sistema dinâmico pode ficar se alternando do caos para a
ordem e vice-versa, e eles podem até coexistir num mesmo sistema. A energia
é um conceito independente disso. A transição da ordem para o caos e de
volta pode se dar tanto em sistemas conservativos como em dissipativos.
Vejamos um exemplo de cada:

O caos dissipativo é bastante explorado em modelos meteorológicos, mais
notavelmente o atrator de Lorenz. Perturbações desse modelo criam regiões de
estabilidade caóticas (a tal da borboleta) e outras regiões completamente
ordenadas. É o que se observa em alguns modelos para a formação de tornados,
por exemplo.

O caos em sistemas conservativos existe inclusive dentro do sistema solar.
Segundo o teorema KAM, que estabelece alguns comportamentos para o problema
de três corpos sob interações gravitacionais, explica por que os anéis de
Saturno têm aquelas falhas naquelas posições. As falhas representam as
regiões caóticas, onde órbitas estáveis não podem existir. Os anéis estão
nas regiões ordenadas. Esse formato se deve à influência das luas mais
próximas do planeta sobre as partículas dos anéis.

Daniel



SUBJECT: Re: [ciencialist] A seleção natural é um demônio de Maxwell?
FROM: "Oraculo" <oraculo@atibaia.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 16:41

Olá João

João: "A seleção natural é um demônio de Maxwell? "

Em termos, e em termos bem frágeis, pois a figura do demonio de Maxwell deve ser impossível de observar ou de determinar a causa ou direção. E a pressão seletiva, embora realmente atue direcionando, ainda que de forma não intencional, é prefeitamente observável e passível de ser compreendia.

Ela realmente extrai uma aparência de ordem do caos e da aleatoriedade, mas a aparência não se confunde com a ordem intencional de uma direção intencional, como no caso do demonio. Mamutes não ficaram "mais peludos" para "se proteger do frio". Mas, dentro de uma enorme variação, e um enorme espaço de tempo "restaram" apenas os mamutes com mais pelos. A seleção produziu uma aparente ordem e uma aparente direção, mas não de forma escondida ou impossível de verificar. Na verdade, podemos inclusive reproduzir o efeito, com cães por exemplo, e produzir desde animais completamente pelados, até animais com pelos em profusão.

O Demonio de Maxwell é algo um tanto diferente como processo de ação e interferência.

Um abraço.

Homero
----- Original Message -----
From: Joao de Carvalho
To: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Sent: Wednesday, August 30, 2006 4:24 PM
Subject: [ciencialist] A seleção natural é um demônio de Maxwell?


A seleção natural é um demônio de Maxwell?

O demônio de Maxwell é uma criatura que é capaz de pinçar certos
estados fornecidos ao acaso, e vetar outros, extraindo assim ordem a
partir do caos. Não seria a seleção natural uma espécie de demônio de
Maxwell? Ela não é um demônio autêntico no sentido de que ela não
atua no movimento browniano das moléculas, e não viola, portanto, a
segunda lei da termodinâmica. Ela atua apenas no caos que se infiltra
no genoma dos organismos. Mas não deixa de ter a ver com o demônio de
Maxwell.

João de Carvalho.







[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 16:44

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> Estava aqui eu pensando, não seria energia e ordem a mesma coisa?

Nao. Considere um sistema isolado. Ali, a "ordem" tenderah a diminuir
com o tempo, por conta do aumento da entropia (segunda lei da
termodinamica). Mas a quantidade de energia eh constante (a primeira
lei da termodinamica).

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: A seleção natural é um demônio de Maxwell?
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 16:47

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Joao de Carvalho"
> A seleção natural é um demônio de Maxwell?

Nao. O demonio de Maxwell seria capaz de obter "ordem" da "desordem"
em um sistema isolado.

A selecao natural soh trabalha em sistemas abertos - populacoes de
entidades com variantes. Ela obtem "ordem" desordenando ainda mais o
ambiente em volta - de tal modo q o aumento de "ordem" em um
subsistema nao compensa o aumento de "desordem" no ambiente.

A selecao natural eh mais como um motor de geladeira.

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: [ciencialist] A seleção natural é um demônio de Maxwell?
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 16:47

O demônio de Maxwell seleciona 'por velocidade'; a seleção natural selecionaria pelo que? Se optar por um único dado parâmetro (o mais forte, por exemplo), então deveria existir 'muitos demônios', um tipo de seleção para cada 'detalhe'. A seleção natural seria a soma de todos os demônios?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Joao de Carvalho" <joaobncarvalho@hotmail.com>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 16:24
Assunto: [ciencialist] A seleção natural é um demônio de Maxwell?


A seleção natural é um demônio de Maxwell?

O demônio de Maxwell é uma criatura que é capaz de pinçar certos
estados fornecidos ao acaso, e vetar outros, extraindo assim ordem a
partir do caos. Não seria a seleção natural uma espécie de demônio de
Maxwell? Ela não é um demônio autêntico no sentido de que ela não
atua no movimento browniano das moléculas, e não viola, portanto, a
segunda lei da termodinâmica. Ela atua apenas no caos que se infiltra
no genoma dos organismos. Mas não deixa de ter a ver com o demônio de
Maxwell.

João de Carvalho.







##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 16:52

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Daniel C. Guariento"
> Sistemas eletrônicos com blindagens a vácuo são um pouco menos
> sensíveis a EMPs, por não dispor de material a ser espalhado.

Soh nao sei por q os carros do filme TDA deveriam parar de funcionar.
Ou os sistemas de injecao eletronica jah estavam presentes? Ou o PEM
tb afetam reacoes quimicas? Ou eles magnetizam os pistoes?

[]s,

Roberto Takata





SUBJECT: RE: [ciencialist] Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "Daniel C. Guariento" <sirwhiteout@gmail.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 17:02

> Soh nao sei por q os carros do filme TDA deveriam parar de
> funcionar. Ou os sistemas de injecao eletronica jah estavam
> presentes? Ou o PEM tb afetam reacoes quimicas? Ou eles
> magnetizam os pistoes?

Bem, as explosões dentro de motores a gasolina são detonadas por uma faísca
de corrente elétrica, vinda da bateria. Se o circuito é torrado pelo PEM,
então não há explosão, e o carro pifa.

Com injeção eletrônica ou não, os carros precisam de eletricidade para
funcionar.

Daniel



SUBJECT: Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 17:27

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Daniel C. Guariento"
> Se o circuito é torrado pelo PEM, então não há explosão, e o carro
> pifa.

E um PEM eh capaz de fundir o circuito de uma vela - a quilometros de
distancia do ponto de detonacao?

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Biblioteca Unicamp
FROM: "Rodrigo Toledo" <rodrigotoledo11@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 18:12

Isso sempre vale à pena divulgar..

http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=6019

[]'s

RT

-----Mensagem original-----
De: ciencialist@yahoogrupos.com.br [mailto:ciencialist@yahoogrupos.com.br]
Em nome de José Renato
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:41
Para: ciencialist@yahoogrupos.com.br
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real

Ferraz, fico grato pelo retorno. As atualizações fazendo as correspondências

ao calendário gregoriano requer uma longa avaliação em relação aos eventos
considerados na contagem do período denominado de "ano". Fiz a atualização
de um calendário mais conhecido: o judaico. Os demais fico lhe devendo para
quando tiver "tempo", OK? Veja a seguir:

[ O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d, possui mais uma lunação. Começou a
contar em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah (pronuncia-se Roshaná). Considera o nascimento do

primeiro homem em aliança com Deus (Adão) como o início dos tempos: o ano 1.

O Iom Kippur - Dia do Perdão - dia escolhido pelos judeus para invocarem o
perdão - tem início a partir do pôr-do-sol do dia 17.09.2006, encerrando-se
ao fim da tarde do dia 18. O Rosh Hashanah (ano-novo judaico) será
comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006, marcando a passagem dos 5.766 anos

do surgimento do homem na Terra. ]

Abraços

José Renato
............................................................

----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 10:01 AM
Subject: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ola J. Renato,

gostei muito desse texto, posso aproveitá-lo para minha coluna do jornal
local para a próxima semana?
Se sim, pediria a gentileza de atualizar algumas datas pois, tudo indica que

tal texto foi escrito em 2002.
No aguardo,

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 00:34
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO

José Renato M. de Almeida *

Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que os registros
comerciais, em cidades situadas entre o Egito e a Palestina, eram feitos com
letras e não símbolos. O alfabeto fenício (Líbano) surgido há cerca de 1.100
a.C., com 22 letras, adotado pelos gregos, foi precursor do alfabeto
ocidental. A História humana é considerada a partir dos registros escritos.
Anterior a isso é chamada de pré-história.

O primeiro calendário que se tem conhecimento foi o egípcio, datado de 4.241
a.C.. Dividia o ano em 360d, com doze meses de trinta dias cada um. Após
2.000 anos corrigiram para 365 dias, incluindo 5 dias "celestes" ou
"epagomenos" do grego que significa: intercalados. Era um calendário solar
de natureza econômica, pois a agricultura, essencial para os egípcios,
dependia das enchentes do Nilo, que ocorria quando Sírius (SOTHIS) nascia no
fim do crepúsculo matutino. Era dividido em 3 estações de 4 meses cada:
Enchente, Semeadura e Colheita. Sendo o ano egípcio menor que o ano trópico
(365d 5h 48' 46") o início das estações retrocediam, voltando a mesma data a
cada 1.506 anos egípcios ou 1.456 anos trópico. Em 238 a.C.. Ptolomeu III
Evergetes tentou corrigir, introduzindo um sexto dia a cada 4 anos, mas
fracassou.

O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d possui mais uma lunação. Começou a contar
em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah
(Roshaná). Considera o nascimento do primeiro homem em aliança com Deus
(Adão) como o início dos tempos: o ano 1. O Iom Kippur - Dia do Perdão, dia
escolhido
pelos judeus para invocarem o perdão -, tem início a partir do pôr-do-sol
do dia 17.09.2006, encerrando-se ao fim da tarde do dia 18. Já o Rosh
Hashanah (ano-novo judaico) é comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006,
marcando os 5.766 anos do surgimento do homem na Terra.

O calendário muçulmano - Era de Hégira, começou em 16.07.622 d.C., data da
partida de Maomé da Meca para Medina. Tem 12 meses lunares, sem dias
intercalares. É puramente lunar.

Na Índia usa-se o calendário da Era Saka que iniciou no ano 78 d.C.. Além
desses há o calendário bizantino que iniciou o ano de 7.501 em 14.09.92, o
selêucida que entrou no ano 2.304 naquela mesma data e o diocleciano que
iniciou o ano 1.709 em 11.09.92.

O uso da medição do tempo foi importante para a organização e evolução das
civilizações, e o é até hoje no seu desenvolvimento. Especula-se que o
monumento megalítico de Stonehenge, no condado de Wilt na Inglaterra,
construído na Era do Bronze, seria uma estrutura para medição dos movimentos
dos astros!

Os astecas possuíam calendário solar bem estruturado. Os índios americanos
também referenciavam-se às fases da Lua, para medir o tempo.

A civilização maia, de acordo Franz Joseph Hochleitner chefe do Setor de
Arqueoastronomia e Etmologia Americana da U. F. de Juiz de Fora, conhecia
muito bem o céu e o movimento dos astros. Nos poucos vestígios deixados em
quatro códices - pergaminhos com calendários e narrativas das
dinastias - ­comprovam este conhecimento desenvolvido basicamente pelos
sacerdotes/astrônomos. Além dos 6 tipos de calendários - 4 circulares e 2
lineares, há um sétimo escrito em linguagem secreta provavelmente para uso
exclusivo dos sacerdotes/astrônomos, descoberto e traduzido por ele (Franz).
Os circulares, os mais conhecidos, repetem-se a cada 52 anos (tuns) e outro,
de curta contagem, começa a cada 26 anos. Dos lineares, parecidos com os
atuais, o mais famoso é o de longa contagem que começa por volta de 3.100
a.C.. A referência para decifrar este calendário foi a conjunção de Júpiter
e Saturno próximos (1grau), fenômeno que se repete a cada 59 anos, difícil
de ser observado a olho-nu. Essa passagem foi datada com precisão por
Hochleitner: 26.04.729 d.C.. A civilização maia teve seu ápice no século XI
d.C. e se dissolveu antes da chegada do espanhoes, aparentemente por lutas
internas pelo poder.

Aqui, na Bahia central, a 15km de Jussara, a arqueóloga Maria Beltrão, da
UFRJ, explorando grutas, encontrou na denominada de Toca da Esperança
pinturas rupestres do homem pré-histórico brasileiro que chama a atenção de
pesquisadores franceses e canadenses, onde há representação da lua-nova
ladeada por um conjunto de oito traços verticais ligados por um horizontal,
que se repete sob a representação da lua, levando a conclusão de que os
homens que ali habitaram já conheciam o ano lunar.

Na Toca dos Búzios, a 500 km de Salvador, há 3 representações da Via Láctea,
uma delas idêntica à forma que aparece no céu, em arco indo de horizonte a
horizonte. (Ver jornal A TARDE de 02.08.93, pág. 4, Caderno 1)

Várias civilizações existentes nas Américas foram destruídas pelos europeus,
que se autodenominavam de "povos civilizados". Assim como nós!

A civilização chinesa também usava o registro dos códices dinásticos, há
muito tempo. Há vestígios de comunidades autóctones por volta de 4.000 a.C.,
sendo a primeira dinastia da era histórica a dos Hia (2.000 -1.760 a.C..),
ainda no período neolítico, sucedida pela dinastia Chang-Yin (1.600-1.100
a.C..), que marca a idade do bronze na China.

As enciclopédias ocidentais não fazem referência aos calendários da
civilização asiática, mas o registro das dinastias mostra a preocupação com
o passado e leva a supor o uso dos eventos naturais, além dos sociais. Prova
disso são os registros da passagem do cometa Harley em 240 a.C. e da
super-nova mais brilhante, registrada pelos chineses em 1054, localizada na
nebulosa de Caranguejo. Brilhou durante uma semana com tal intensidade que
era visível até de dia!

Os romanos usaram calendário de 364 dias ou 52 semanas, depois usaram 355
dias em 12 meses desiguais, mais um mês complementar de 22 dias, incluído
quando havia mudanças do início das estações climáticas. O calendário

solar como conhecemos hoje foi definido por Caio Július César (101-44 a.C.),
nas reformas julianas, com um ano de 365,25 dias em 12 meses desiguais e um
ano com 366 dias a cada 4 anos, para compensar as 6h adicionais, além dos
365 dias observados. Esse ano é chamado de bissexto. Porém seu édito
(decreto) foi mau interpretado e a intercalação dava-se a cada 4 anos
inclusive, i.é. a cada 3 anos. Augustus (8 a.C.), para reparar o erro,
ordenou que omitissem o bissexto até o ano 8 d.C.. Július César foi
homenageado com o nome do quinto mês romano (Quintilis/ Julius), mês em que
nascera e Augustus teve seu nome dado ao sexto mês romano
(Sextilis/Augustus) que chegam até hoje como Julho e Agosto.

________________________-----------____________

O calendário adotado pelos cristãos era o romano, porém considerando o ano
de nascimento de Jesus Cristo como o primeiro ano da Era Crista. É hoje um
dos mais usado no mundo.

A instituição do calendário está intimamente ligada à determinação de
período, visto que desse modo mantém o acordo com o movimento aparente do
sol e as estações. Se tomarmos como referência o ponto em que o equador e a
eclíptica se cortam, chamado ponto vernal, o período será 365d 6h 9' 9" e é
chamado de ano sideral.

Mas em virtude do movimento de precessão do equinócio, o ponto vernal não é
fixo e se levarmos em conta sua mudança de posição o período do ano solar
não tem exatamente 365 dias e 6 horas e sim aproximadamente 365 dias, 5
horas, 48 minutos e 46 segundos - é denominado ano trópico. Esta diferença
acumulou-se até 1582, em plena época das descobertas e de ebulição em todas
as áreas culturais. Nessa época a Astronomia separou-se definitivamente da
Astrologia, a Química da Alquimia e a Física distinguiu-se de algum modo da
Filosofia e da Teologia.

No citado ano de 1582, o Papa Gregório XIII eliminou os 11 dias acumulados
desde Júlio Cesar, determinando que o dia 4 de outubro passava a ser 15 de
outubro. A população da Inglaterra resistiu em realizar esta correção por
achar que o Governo ou a Igreja estava lhe roubando 11 dias! Observar que a
diferença de 6h para 5h 48' e 46" é de 11' e 14", que, subtraídos a cada
ano, reduz um dia após cerca de 128 anos.

Por isso foi implantada a regra de deixar-se de contar o "dia intercalar"
(29/Fev), no final de cada século, a menos que fosse divisível por 400
(múltiplo). Assim 1.600 e 2.000 são anos bissextos, porém 1700, 1800 e 1900
não. A duração média do ano passou a ser de 365,2525 dias, equivalente a
365d, 5h 49' e 12" - em vez de 365,25 do ano juliano.


O ano solar ou trópico é o tempo transcorrido entre duas passagens solares
consecutivas pelo mesmo equinócio ou solstício, e equivale a: 365 dias, 5h
48' e 46". Se tomarmos porém como referência o ponto em que a Terra passa
mais perto do Sol (periélio) o período será de 365d 6h 13' 53" e é
denominado de ano anomalístico, que aumenta 0,3 do segundo a cada século.
Ano anomalistico é o tempo entre duas passagens consecutivas da Terra pelo
perigeu de sua órbita aparente. O chamado ano civil tem 365 dias.

Outros calendários foram criados:

O calendário Juliano idealizado por Joseph Justus Scaliger(1540-1609), não
tem divisão de meses ou anos. Cada dia juliano começava às 12h T.U. (tempo
universal = astronomia G.M.T.), tendo o 1°. dia se iniciado às 12h T.U. de
01 de janeiro de 4.713 anos a.C.. No dia 01.01.63 às 12h TU iniciou o dia
juliano 2.438.031. Cada ciclo do período juliano corresponde a 7.980 anos.

O calendário MUNDIAL foi proposto para corrigir as assimetrias do calendário
gregoriano, que embora preciso não é prático. Teria a cada trimestre um mês
de 31d e os outros 2 com 30d, total = 91x4=364. Mais um dia complementar no
fim/início do ano e outro de 4 a 4 anos(bissexto) em junho e julho. Apesar
dos meses não terem o mesmo número de dias a distribuição seria mais
regular, os trimestres e semestres teriam o mesmo número de dias, e os dias
adicionais seriam feriados: 31/dez. passagem de ano e 31/jun. festa do ano
bissexto.

O octaedréride, ciclo com 8 anos, criado por Cleostrato de Tenedos, que
igualou 8 anos a 99 lunações = 2.922 dias. Atrasava 1,53 dias por ciclo,
iniciado na lua cheia, corrigido posteriormente com a introdução de 3 dias a
cada 16 anos, mas ainda sobrava 0,03dias!

Os revolucionários franceses estabeleceram um calendário que iniciou em
22.set.1792, durou 15 anos (1793 a 1805). Com 12 meses de 30 dias cada, com
3 decanatos, e eram acrescidos 5 ou 6 dias intercalares para o ano

comum ou bissexto. Os meses eram poéticos e se referiam aos trabalhos do
campo e às condições do tempo atmosférico, podendo ser traduzido como:
Vendemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal,
Floreal, Prarial, Messidor, Termidor e Frutidor. Começava com o equinócio de
outono do hemisfério Norte.

PROPOSTA - Eu proponho um calendário que elimine um dos complicadores dos
calendários
atuais: a dificuldade de saber qual o dia da semana de uma data. Considero
que a perda de tempo para ajustar em nosso cérebro que dia da semana cairá a
data da Independência do Brasil, dia 7 de setembro, de modo a melhor
programar o feriados, é muito mais do que imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano.


* O autor José Renato M. de Almeida é pesquisador da evolução
técnica-científica versus humana-social ao longo da história da humanidade.


** As idéias não têm dono, mas têm autoria!

.....................................................................

----- Original Message -----
From: "Eduardo Medeiros" <eduardoam1978@yahoo.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Monday, August 28, 2006 1:59 PM
Subject: [ciencialist] Calendario Real


Pessoall,
existe algum calendario digamos assim ... real? Que marque desde a
primeira marca do homem. Hoje utilizamos um de cunho meio religioso
nao (a.C./d.C.)? Mas outras culturas tem seus calendarios, existe
algum generico (G)?

[]s,
Proffano






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,11567
84490.881187.30809.baladonia.hst.terra.com.br,3562,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 25/08/2006 / Versão:
4.4.00/4838
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/428 - Release Date: 25/8/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos








E-mail classificado pelo Identificador de Spam Inteligente Terra.
Para alterar a categoria classificada, visite
http://mail.terra.com.br/protected_email/imail/imail.cgi?+_u=jrma&_l=1,11569
43462.684714.8618.mangoro.hst.terra.com.br,20962,Des15,Des15

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 29/08/2006 / Versão:
4.4.00/4840
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/




--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.7/433 - Release Date: 30/8/2006



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









SUBJECT: RE: [ciencialist] Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "Daniel C. Guariento" <sirwhiteout@gmail.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 18:15

> E um PEM eh capaz de fundir o circuito de uma vela - a
> quilometros de distancia do ponto de detonacao?

O raio do PEM de uma bomba atômica típica é 10 km.

Daniel



SUBJECT: Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 30/08/2006 18:34

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Daniel C. Guariento"
> > E um PEM eh capaz de fundir o circuito de uma vela - a
> > quilometros de distancia do ponto de detonacao?
>
> O raio do PEM de uma bomba atômica típica é 10 km.

Mas eh capaz de induzir uma corrente maior do q 3 A em uma bobina de
ignicao a quilometros de distancia?

(Por raio do PEM a 10 km, imagino - o PEM tem uma intensidade xis a 10
km... Possivelmente uma intensidade capaz de afetar circuitos
eletronicos mais sensiveis.)

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "Prof. Emiliano Chemello" <chemelloe@yahoo.com.br>
TO: ciencialist Yahoo Grupos <ciencialist@yahoogrupos.com.br>, "qumica - grupos.com.br" <quimica@grupos.com.br>, "qumica" qaw <quimica-qaw@yahoogrupos.com.br>
DATE: 30/08/2006 23:58

Olá Amigos,

Abaixo, segue um link para baixar o arquivo em formato
mp3 sobre modelos atômicos. O texto é de minha
autoria.

http://bd.folha.uol.com.br/vestibucast/audio/vest_qui_atomico.mp3

[]'s do Prof. Emiliano Chemello



_______________________________________________________
Yahoo! Acesso Grátis - Internet rápida e grátis. Instale
o discador agora!
http://br.acesso.yahoo.com


SUBJECT: Re: Biblioteca Unicamp
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 01:26

Rodrigo valeu mesmo

Muito útil sua informação

Abraços,
Junior



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Rodrigo Toledo"
<rodrigotoledo11@u...> escreveu
>
> Isso sempre vale à pena divulgar..
>
> http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=6019
>
> []'s
>
> RT






SUBJECT: Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 01:38

Legal Emiliano, recordei o meu segundo grau que fiz ha mais de 20 anos
atrás

Só não entendi uma coisa...o texto é seu, mas voce muda de voz toda
hora :-)

Brincadeira, abraços e boa sorte na sua empreitada

Abraços,
Junior



--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Prof. Emiliano Chemello"
<chemelloe@y...> escreveu
>
> Olá Amigos,
>
> Abaixo, segue um link para baixar o arquivo em formato
> mp3 sobre modelos atômicos. O texto é de minha
> autoria.
>
> http://bd.folha.uol.com.br/vestibucast/audio/vest_qui_atomico.mp3
>
> []'s do Prof. Emiliano Chemello
>
>
>
> _______________________________________________________
> Yahoo! Acesso Grátis - Internet rápida e grátis. Instale
> o discador agora!
> http://br.acesso.yahoo.com
>






SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 02:10

Oi Roberto,

reli o texto abaixo e encontrei uma 'traquitana' típica da MQ, senão vejamos:

Vc define:

"I = ln(Nfinal/Ninicial)/ln2" e dá o argumento: "O ln2 (logaritmo natural de 2) irah normalizar para 1 bit qualquer fracao Nfinal/Ninicial igual a 1/2." Veja, Nfinal/Ninicial.

Mais abaixo vc diz:

"O q totaliza 2 bits. A soma eh possivel, jah q se considerarmos q no total passamos de 4 para 1
I = ln(4/1)/ln2 = 2 (bits)".

Não deveria ser: I =ln(1/4)/ln2 = 2 bits, para manter coerência com a definição e normalização?
Desenvolvendo: I =ln(1/4)/ln2 = ln(1/2 x 1/2)/ln2 = ln(1/2)/ln2 + ln(1/2)/ln2 = 1 + 1 = 2.

Sua justificação foi: "I = ln(4/2 x 2/1)/ln2 = ln(4/2)/ln2 + ln(2/1)/ln2 = 1 + 1 = 2 (bits)".

Todos os caminhos levam à Roma?

Para a entropia não devemos seguir a mesma ordem, Sfinal/Sinicial ?

[]'

===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 15:03
Assunto: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação


Salve, Leo,

Nao entendi a pergunta sobre o k. Ela eh apenas uma constante de
proporcionalidade. Podemos pegar um exemplo com cartas.

Digamos q eu tenha q adivinhar o naipe de uma carta tirada ao acaso de
um maco de 52 cartas.

De inicio eu tenho 4 possibilidades: copas, espadas, ouros e paus.

Digamos q eu receba sequencialmente dois dados:
- a carta eh vermelha;
- a carta nao eh copas.

Apos a primeira informacao, eu fico com as seguintes possibilidades:
copas e ouros.

Apos a segunda informacao, eu fico somente com: ouros.

Eu passei sucessivamente entao de N=4, para N=2 e finalmente N=1. Como
um bit representa a resposta de uma pergunta binaria (sim ou nao - e
cujas alternativas sao equiprovaveis), em outras palavras, representa
a diminuicao de 50% sobre a incerteza restante, a informacao em bits
eh dada por:

I = ln(Nfinal/Ninicial)/ln2

O ln2 (logaritmo natural de 2) irah normalizar para 1 bit qualquer
fracao Nfinal/Ninicial igual a 1/2.

Assim, a primeira informacao reduz N de 4 para 2.

I = ln(2/4)/ln2 = 1 (bit)

A segunda informacao reduz N de 2 para 1.

I = ln(1/2)/ln2 = 1 (bit)

O q totaliza 2 bits. A soma eh possivel, jah q se considerarmos q no
total passamos de 4 para 1

I = ln(4/1)/ln2 = 2 (bits)

ou

I = ln(4/2 x 2/1)/ln2 = ln(4/2)/ln2 + ln(2/1)/ln2 = 1 + 1 = 2 (bits)

[ ... ]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>, química - grupos.com.br <quimica@grupos.com.br>, química qaw <quimica-qaw@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 02:23

O Windows Média Player não conseguiu reproduzir esse arquivo . avi. Que faço? Prendo a respiração?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Prof. Emiliano Chemello" <chemelloe@yahoo.com.br>
Para: "ciencialist Yahoo Grupos" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>; "química - grupos.com.br" <quimica@grupos.com.br>; "química qaw" <quimica-qaw@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 23:58
Assunto: [ciencialist] Vestibucast - Modelos Atômicos


Olá Amigos,

Abaixo, segue um link para baixar o arquivo em formato
mp3 sobre modelos atômicos. O texto é de minha
autoria.

http://bd.folha.uol.com.br/vestibucast/audio/vest_qui_atomico.mp3

[]'s do Prof. Emiliano Chemello



_______________________________________________________
Yahoo! Acesso Grátis - Internet rápida e grátis. Instale
o discador agora!
http://br.acesso.yahoo.com


##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 03:26

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> "I = ln(Nfinal/Ninicial)/ln2" e dá o argumento: "O ln2 (logaritmo
> natural de 2) irah normalizar para 1 bit qualquer fracao
> Nfinal/Ninicial igual a 1/2." Veja, Nfinal/Ninicial.

Perdao, faltou o sinal (-). Sem o (-) de fato eh Ninicial/Nfinal.

I = - ln(Nfinal/Ninicial)/ln2 = ln(Ninicial/Nfinal)/ln2

Faia noça. Menos 10 pontos pra besta aqui.

[]s,

Roberto Takata





SUBJECT: Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 03:28

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> O Windows Média Player não conseguiu reproduzir esse arquivo . avi.

avi? nao tah em mp3?

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 04:05

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata" <roberto.takata@b...>
> Faia noça. Menos 10 pontos pra besta aqui.

Vamos ver se consigo recuperar pelo menos 3 pontos.

Muitos devem conhecer o velho desafio das perolas. Sao 8 perolas com
massas iguais, exceto uma que tem massa menor. Com duas afericoes
sucessivas utilizando-se de uma balanca de dois pratos - pode-se
distribuir qq qtde de perolas entre os pratos - descobrir qual a q tem
massa menor.

Quem quiser resolver por si pode tentar agora e ver o resto da
mensagem mais abaixo.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

A resposta eh: separar dois grupos de tres perolas e deixar de lado um
grupo com as duas perolas restantes. Cada grupo de tres eh colocado em
um dos pratos. Tres situacoes sao possiveis: 1) os pratos se
equilibram, 2) o primeiro prato sobe, 3) o primeiro prato desce.

1) Se os dois pratos se equilibram, entao a perola de massa diferente
estah entre as duas restantes. Coloca-se uma em cada prato. A q
estiver no prato q subir eh a mais leve.

2) Se o primeiro prato sobe, a mais leve estarah aih. Entao, coloca-se
uma das tres em cada prato e reserva-se a outra. Tres coisas podem
ocorrer: a) os pratos se equilibram, b) o primeiro prato sobe, c) o
primeiro prato desce.

-a) Se os pratos se equilibram, entao a q foi reservado eh a mais leve.
-b) Se o primeiro prato sobe, entao a perola q estah nele eh a mais leve.
-c) Se o primeiro prato desce, entao a perola de outro prato eh a mais
leve.

3) Se o primeiro prato desce, entao o mm raciocinio aplicado na
situacao 2 pode ser usado com as perolas do segundo prato.

Analisemos agora sob o ponto de vista informacional.

Queremos reduzir a incerteza sobre as perolas de 8 para 1. Isso
corresponde a 3 bits (eh preciso elevar 2 `a terceira potencia para se
obter 8/1 = 8 ou de modo analogo, eh preciso dividir o numero 8 por 2
tres vezes sucessivamente para se chegar a 1).

Uma pesagem pode oferecer tres possibilidades a priori - equilibrio
(=), o primeiro prato sobe (<), o primeiro prato desce (>). Com a
pesagem sabemos qual o resultado. Isso significa q em uma pesagem,
reduzimos as possibilidades de 3 para 1. Isso corresponde a cerca de
1,585 bit (eh preciso elevar 2 por 1,585 para se obter 3/1 = 3). Duas
pesagens nos proporcionarao entao 2*1,585 ~ 3,17 bits.

Ou seja, duas pesagens podem nos fornecer a quantidade de informacao
necessaria para resolver a questao (jah q 3,17 eh igual ou maior do q 3).

Tb podemos ver as combinacoes possiveis das pesagens sucessivas:
==, =<, =>, <=, <<, <>, >=, ><, >> - isto eh, sao 9 combinacoes
possiveis, das quais apenas uma deverah corresponder ao resultado
final. Isso significa q as pesagens fornecerao 3,17 bits (jah q serah
necessario elevar 2 por 3,17 para se obter 9/1 = 9).

O 0,17 bit a mais acaba nao sendo usado porq. na situacao 1 nao pode
ocorrer equilibrio na segunda pesagem. Isto eh, a combinacao == na
verdade nao ocorre, de modo q sao 8 combinacoes q efetivamente podem
ocorrer (e o total de bits serah de 3 tb).

Veja como os bits variam de acordo com cada situacao.

1) 8 para 2: 2 bits; 2 para 1: 1 bit. Total 3 bits.
2-3, a-c) 8 para 3: 1,415 bit; 3 para 1: 1,585 bit. Total 3 bits.

O problema poderia entao contar com ateh 9 perolas e seria
solucionavel com apenas duas pesagens sucessivas.

Pra quem tem pratica - nao eh o meu caso como o prof. Leo mostro bem -
entao muitos problemas podem ser analisados aprioristicamente e ver se
nao podem ser resolvidos apenas verificando-se a quantidade de
informacoes necessarias e as q podem ser efetivamente obtida nas
circunstancias dadas. Sem pestanejar, poderemos ver q com 10 perolas,
nao eh possivel saber com apenas 2 pesagens.

Pra pensar: qual o numero minimo de pesagens sucessivas necessario
para se saber qual a perola mais leve entre 237? E pra saber qual eh a
de massa diferente (pode ser mais leve ou mais pesada, nao sabemos a
priori) entre 12 perolas?

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 09:25

Não, clicando do link do Emiliano a coisa baixa em .avi --- e o WMP não consegue ler. Vou tentar novamente.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quinta-feira, 31 de agosto de 2006 03:28
Assunto: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> O Windows Média Player não conseguiu reproduzir esse arquivo . avi.

avi? nao tah em mp3?

[]s,

Roberto Takata



SUBJECT: RE: [ciencialist] Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "Daniel C. Guariento" <sirwhiteout@gmail.com>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 10:44

> Mas eh capaz de induzir uma corrente maior do q 3 A em uma
> bobina de ignicao a quilometros de distancia?

Não é na bobina. É no circuido do faiscador da vela, que é muito mais
sensível.

> (Por raio do PEM a 10 km, imagino - o PEM tem uma intensidade
> xis a 10 km... Possivelmente uma intensidade capaz de afetar
> circuitos eletronicos mais sensiveis.)

Certo. É que, ao contrário de uma onda eletromagnética normal, cuja energia
diminui com a distância segundo o vetor de Poynting (1/r), o PEM é produto
de uma reação em cadeia, e vai se realimentando, o que o faz decair um pouco
mais devagar que isso.

Não sei se há uma função precisa para medir como é de fato o decaimento da
energia de um PEM. As dependências podem ser muito complicadas.

Daniel



SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 10:54

Beleza, tá descontado os 10 pontos anteriormente perdidos.

Gostei de saber a proposta com 9 pérolas e demais --- não conhecia a continuação do desafio. Isso deriva do fato de não saber nada de teoria da informação.

Apenas, detalhe-me a seguinte 'continha': ln(1/2)/ln2 = 1 (bit) :-)


aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quinta-feira, 31 de agosto de 2006 04:05
Assunto: [ciencialist] Re: Ordem, caos, energia e informação


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "rmtakata" <roberto.takata@b...>
> Faia noça. Menos 10 pontos pra besta aqui.

Vamos ver se consigo recuperar pelo menos 3 pontos.

Muitos devem conhecer o velho desafio das perolas. Sao 8 perolas com
massas iguais, exceto uma que tem massa menor. Com duas afericoes
sucessivas utilizando-se de uma balanca de dois pratos - pode-se
distribuir qq qtde de perolas entre os pratos - descobrir qual a q tem
massa menor.

Quem quiser resolver por si pode tentar agora e ver o resto da
mensagem mais abaixo.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

A resposta eh: separar dois grupos de tres perolas e deixar de lado um
grupo com as duas perolas restantes. Cada grupo de tres eh colocado em
um dos pratos. Tres situacoes sao possiveis: 1) os pratos se
equilibram, 2) o primeiro prato sobe, 3) o primeiro prato desce.

1) Se os dois pratos se equilibram, entao a perola de massa diferente
estah entre as duas restantes. Coloca-se uma em cada prato. A q
estiver no prato q subir eh a mais leve.

2) Se o primeiro prato sobe, a mais leve estarah aih. Entao, coloca-se
uma das tres em cada prato e reserva-se a outra. Tres coisas podem
ocorrer: a) os pratos se equilibram, b) o primeiro prato sobe, c) o
primeiro prato desce.

-a) Se os pratos se equilibram, entao a q foi reservado eh a mais leve.
-b) Se o primeiro prato sobe, entao a perola q estah nele eh a mais leve.
-c) Se o primeiro prato desce, entao a perola de outro prato eh a mais
leve.

3) Se o primeiro prato desce, entao o mm raciocinio aplicado na
situacao 2 pode ser usado com as perolas do segundo prato.

Analisemos agora sob o ponto de vista informacional.

Queremos reduzir a incerteza sobre as perolas de 8 para 1. Isso
corresponde a 3 bits (eh preciso elevar 2 `a terceira potencia para se
obter 8/1 = 8 ou de modo analogo, eh preciso dividir o numero 8 por 2
tres vezes sucessivamente para se chegar a 1).

Uma pesagem pode oferecer tres possibilidades a priori - equilibrio
(=), o primeiro prato sobe (<), o primeiro prato desce (>). Com a
pesagem sabemos qual o resultado. Isso significa q em uma pesagem,
reduzimos as possibilidades de 3 para 1. Isso corresponde a cerca de
1,585 bit (eh preciso elevar 2 por 1,585 para se obter 3/1 = 3). Duas
pesagens nos proporcionarao entao 2*1,585 ~ 3,17 bits.

Ou seja, duas pesagens podem nos fornecer a quantidade de informacao
necessaria para resolver a questao (jah q 3,17 eh igual ou maior do q 3).

Tb podemos ver as combinacoes possiveis das pesagens sucessivas:
==, =<, =>, <=, <<, <>, >=, ><, >> - isto eh, sao 9 combinacoes
possiveis, das quais apenas uma deverah corresponder ao resultado
final. Isso significa q as pesagens fornecerao 3,17 bits (jah q serah
necessario elevar 2 por 3,17 para se obter 9/1 = 9).

O 0,17 bit a mais acaba nao sendo usado porq. na situacao 1 nao pode
ocorrer equilibrio na segunda pesagem. Isto eh, a combinacao == na
verdade nao ocorre, de modo q sao 8 combinacoes q efetivamente podem
ocorrer (e o total de bits serah de 3 tb).

Veja como os bits variam de acordo com cada situacao.

1) 8 para 2: 2 bits; 2 para 1: 1 bit. Total 3 bits.
2-3, a-c) 8 para 3: 1,415 bit; 3 para 1: 1,585 bit. Total 3 bits.

O problema poderia entao contar com ateh 9 perolas e seria
solucionavel com apenas duas pesagens sucessivas.

Pra quem tem pratica - nao eh o meu caso como o prof. Leo mostro bem -
entao muitos problemas podem ser analisados aprioristicamente e ver se
nao podem ser resolvidos apenas verificando-se a quantidade de
informacoes necessarias e as q podem ser efetivamente obtida nas
circunstancias dadas. Sem pestanejar, poderemos ver q com 10 perolas,
nao eh possivel saber com apenas 2 pesagens.

Pra pensar: qual o numero minimo de pesagens sucessivas necessario
para se saber qual a perola mais leve entre 237? E pra saber qual eh a
de massa diferente (pode ser mais leve ou mais pesada, nao sabemos a
priori) entre 12 perolas?

[]s,

Roberto Takata






##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos









--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 10:58

Desculpe-me, essa informação que baixa em .avi está errada; verifiquei novamente. Todavia o WMP não abre mesmo o arquivo posto no link.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quinta-feira, 31 de agosto de 2006 09:25
Assunto: Re: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos


Não, clicando do link do Emiliano a coisa baixa em .avi --- e o WMP não consegue ler. Vou tentar novamente.
[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quinta-feira, 31 de agosto de 2006 03:28
Assunto: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> O Windows Média Player não conseguiu reproduzir esse arquivo . avi.

avi? nao tah em mp3?

[]s,

Roberto Takata



##### ##### #####

Página de apoio
http://www.ciencialist.hpg.ig.com.br


##### ##### ##### #####
Links do Yahoo! Grupos










--
No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006




SUBJECT: Fw: Teoria da Relatividadade Restrita
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 11:24

Assessores relativos .... mãos à obra!

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: José Marcos
Para: leobarretos@uol.com.br
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 13:09
Assunto: Teoria da Relatividadade Restrita


Problema: Uma nave viaja a uma velocidade de 0,7c em relação a um referencial na Terra.

Dúvida: uma pessoa que estiver em repouso em relação à terra pode com um relógio de pulso dizer quanto tempo a nave esteve viajando?

Ou só quem poderia fazer isso era uma pessoa na nave e, daí, usaríamos aos transformações de Lorents para calcular o tempo observado pelo obervador na terra.

Se a segundo opção for correta, então que tempo marca o relógio na terra?

Sou José Marcos, aluna de Especialização em Física Moderna.

Contato: jmarcos@yahoo.com.br


--------------------------------------------------------------------------------


No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: ajuda para projeto
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 11:35

Quem pode ajudar?

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: Diogo De Azevedo Lima
Para: leobarretos@uol.com.br
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 10:35
Assunto: ajuda para projeto






Sou aluno universitário do curso de física/quimica e estou realizando um projeto sobre os raios, principalmente sobre os diferentes tipos do mesmo, em especial do tipo solo-nuvem. necessito de informações mais detalhadas sobre a formação do mesmo bem como, se possível sanar algumas dívidas que seguem abaixo:
a) A nuvem sempre estará carregada negativamente? Por quê?

b) Se a terra é um grande solvedor de elétrons, ela é extremamente positiva? Por quê? O que faz com que os elétrons sejam atraídos pela terra?

c) o que acontece com os elétrons que "penetram" na terra?

d) Como acontecem os raios do tipo solo-nuvem? (necessito de muitas informações a esse respeito, pois não consigo encontrar os detalhes sobre os mesmos, nem no INPE).

e) Por que no interior das nuvens as cargas negativas ficam na parte inferior e as positivas na parte superior?



As dúvidas são muitas, mas infelizmente não posso solucionar todas. Porém as infracitadas são de suma importância para o meu projeto de pesquisa.



Certo de sua compreensão,



amigo Diogo.





--------------------------------------------------------------------------------
O Windows Live Messenger chegou! Insta-le já!


--------------------------------------------------------------------------------


No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.1.405 / Virus Database: 268.11.6/430 - Release Date: 28/08/2006


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Fw: Ions em campo magnetico
FROM: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
TO: "ciencialist" <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 11:37

Beleza de pergunta? Deve ter sido originada de meu motor de rotor líquido.

[]'
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: Roberto Neves Silva
Para: leobarretos@uol.com.br
Enviada em: terça-feira, 29 de agosto de 2006 11:13
Assunto: Ions em campo magnetico


Luiz

Bom Dia

Minha dúvida é a seguinte : se movermos um campo magnético próximo a um recipiente iônico, por exemplo, solução salina, de alguma maneira moveríamos os íons no liquido ?Obrigado Roberto Neves Silva


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Ordem, caos, energia e informação
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 11:53

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> Apenas, detalhe-me a seguinte 'continha': ln(1/2)/ln2 = 1 (bit)

De fato isso seria *-* 1 (bit). Jah q log de valores entre 0 e 1 eh
negativo. E tb pelo fato de ter q se elevar o numero 2 a -1 para se
obter 1/2. Eu errei de novo?

O valor negativo significa q se *perde* informacao. Por exemplo, se
misturam as bolinhas depois da pesagem em vez de separah-las.

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: Interferencia de uma explosao nuclear
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 11:56

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Daniel C. Guariento"
> Não é na bobina. É no circuido do faiscador da vela, que é muito
> mais sensível.

Suficiente pra ser queimado por um PEM gerado a alguns quilometros?

[]s,

Roberto Takata





SUBJECT: Re: Fw: Teoria da Relatividadade Restrita
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 12:08

Qq observador em qq referencial poderah marcar o tempo. Apenas q o
tempo marcado poderah nao ser coincidencia com o tempo em outro
referencial.

Se os referenciais sao inerciais, entao a transformacao de Lorentz
pode ser usada para se obter o tempo em outro referencial.

Mas tem um porem. Se a nave viaja constantemente a 0,7c em relacao 'a
Terra - para a Terra, a cada segundo q passa no planeta,
corresponderah a cerca de 0,71 segundo na nave.

Soh q do ponto de vista da nave, quem se move eh a Terra. E a cada
segundo na nave, para o pessoal a bordo, terao se passado 0,71 segundo
na Terra.

Essa simetria soh poderah ser quebrada, se, por exemplo, a nave mudar
de curso e voltar para a Terra. (Ou se o planeta for acelerado rumo 'a
nave.)

Tal situacao eh tratada no chamado paradoxo dos gemeos.

(Uma coisa q nao sei como seria eh, se o Universo for fechado, dois
corpos rumando para sentidos opostos - apos uma eternidade - irao se
encontrar novamente. E aih nao sei como eles veriam o tempo passar um
no outro.)

[]s,

Roberto Takata

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> Assessores relativos .... mãos à obra!
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> -----Mensagem Original-----
> De: José Marcos
> Assunto: Teoria da Relatividadade Restrita

> Problema: Uma nave viaja a uma velocidade de 0,7c em relação a um
referencial na Terra.
>
> Dúvida: uma pessoa que estiver em repouso em relação à terra pode
com um relógio de pulso dizer quanto tempo a nave esteve viajando?
>
> Ou só quem poderia fazer isso era uma pessoa na nave e, daí,
usaríamos aos transformações de Lorents para calcular o tempo
observado pelo obervador na terra.
>
> Se a segundo opção for correta, então que tempo marca o relógio na
terra?
>
> Sou José Marcos, aluna de Especialização em Física Moderna.







SUBJECT: Re: Fw: Ions em campo magnetico
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 12:14

Sim! Eh o principio da propulsao magneto-hidrodinamica. (Por exemplo,
a q era usada no submarino Outobro Vermelho naquele filme com Sean
Connery).

http://www.sanu.ac.yu/English/Shipbuilding/Tema4.htm

[]s,

Roberto Takata

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
<leobarretos@u...> escreveu
>
> Beleza de pergunta? Deve ter sido originada de meu motor de rotor
líquido.
>
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> -----Mensagem Original-----
> De: Roberto Neves Silva
> Assunto: Ions em campo magnetico
>
> Minha dúvida é a seguinte : se movermos um campo magnético
próximo a um recipiente iônico, por exemplo, solução salina, de alguma
maneira moveríamos os íons no liquido ?Obrigado Roberto Neves Silva







SUBJECT: “Dimensão Ética nas Mudanças Climáticas”
FROM: "Esteban Moreno" <estebanlmoreno@gmail.com>
TO:
DATE: 31/08/2006 12:30

*Especialistas debatem no Rio a "Dimensão Ética nas Mudanças Climáticas"*
** Evento promovido pelo Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas e pela
Coppe acontece nesta quarta e quinta-feira

Catástrofes naturais sucessivas, derretimento acelerado de geleiras, longos
períodos de seca e precipitações avassaladoras. A intensidade com que vêm
ocorrendo esses fenômenos tem levado cientistas a manifestarem publicamente
suas preocupações quanto às prováveis conseqüências do aquecimento global.

Por outro lado, alguns países ricos, como os EUA, se recusam a assumir
compromissos de redução na emissão de gases do efeito estufa. Na tentativa
de buscar alternativas que possam contribuir com propostas para a solução do
impasse, o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas e a Coppe reúnem no Rio
de Janeiro, dias 30 e 31 de agosto, especialistas nacionais e estrangeiros
para discutir "A Dimensão Ética nas Mudanças Climáticas".

As conclusões do encontro farão parte de uma proposta que será apresentada
durante a próxima reunião da Conferência das Partes da Convenção do Clima,
no próximo mês de novembro, em Nairobi.

O evento será realizado no Hotel Flórida - Rua Ferreira Viana, 81, Flamengo.

Coordenado pelo professor da Coppe, Luiz Pinguelli Rosa, Secretário
Executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC), e pela
professora colaboradora da Coppe Maria Silvia Muylaert, o evento traz à tona
questões polêmicas, como a responsabilidade dos países ricos na emissão de
gases do efeito estufa e a necessidade de criação de novas metas de redução.

Os especialistas também vão discutir a aproximação do chamado período
pós-Kyoto e suas repercussões.

O grupo que estará reunido no Rio foi formado em 2004, durante reunião da
Conferência das Partes, em Buenos Aires, sob a coordenação de um Programa de
Colaboração da Pennsylvania State University voltado para o tema da ética
nas mudanças climáticas. O grupo possui uma agenda de atividades até 2008.

Mais informações no site http://www.forumclima.org.br/
(Carla Maria da Silva, da Assessoria de Comunicação da Coppe/UFRJ)


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Fw: ajuda para projeto
FROM: "rmtakata" <roberto.takata@bol.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 12:41

--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> Quem pode ajudar?
>
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> -----Mensagem Original-----
> De: Diogo De Azevedo Lima
> Assunto: ajuda para projeto
>
> a) A nuvem sempre estará carregada negativamente? Por quê?

Nao. Nuvens em geral sao neutras. O q pode ocorrer eh q uma porcao da
nuvem acumule cargas negativas, deixando outra porcao com excesso de
cargas positivas. Em ocorrendo descarga de uma porcao para outro
lugar, a nuvem pode adquirir carga total tto positiva qto negativa.

> b) Se a terra é um grande solvedor de elétrons, ela é extremamente
> positiva? Por quê? O que faz com que os elétrons sejam atraídos pela
> terra?

Nao. A Terra eh neutra. O q ocorre eh q pelo tamanho dela, mm um
quantidade gde de eletrons nao faz muita diferenca - eh rapidamente
diluido na massa e o excesso de carga quase nao eh sentido. Ao mm
tempo, eqto em uma parte a Terra estah absorvendo eletrons, em outra -
q pode estar muito distante - ela estarah liberando eletrons.

Os eletrons na verdade nao sao tao atraidos pela Terra. O q ocorre eh
q se eles estiverem em um local de gde concentracao de eletrons em
excesso, os eletrons irao se repelir um ao outro e tenderao a ir para
locais com menor tensao.

> c) o que acontece com os elétrons que "penetram" na terra?

Eles se diluem na massa da Terra. Localmente eles podem ionizar os
constituintes do solo ou das rochas - provocar reacoes
fisico-quimicas, como a vitrificacao da areia.

> d) Como acontecem os raios do tipo solo-nuvem? (necessito de muitas
informações a esse respeito, pois não consigo encontrar os detalhes
sobre os mesmos, nem no INPE).

O sol aquece a agua q evapora e forma massas de ar quentes e umidas.
Essas massas se encontram com massas de ar frias. No choque das
frentes, a capacidade de retencao de umidade do ar diminui e a umidade
se condensa em forma de nuvens do tipo cumulo. As goticulas das nuvens
vao crescendo e formando gotas maiores - qdo atingem um certo tamanho,
elas caem. As q sao menores ficam em suspensao por conta do ar quente
ascendente. A corrente de ar ascendente empurra as gotas para cima. 'A
medida q sobem, o ar fica mais frio e podem atingir temperaturas em as
goticulas se congelam. No topo das nuvens cumulo costuma haver
cristais de gelo. Os cristais crescem, ficam muito massivos e tendem a
cair. 'A medida em q caem, o ar eh mais quente e derretem. Atigem a
terra em forma de chuva. Mas se os cristais sao muito gdes, nao ha'
tempo de derreterem e caem em forma de granizo. Qto mais quente o ar
proximo ao solo, mais forte eh a corrente ascendente e mais tempo
conseguem seguram os cristais de gelo no alto, permitindo q crescam
mais. Qdo os cristais de gelo caem, eles se trombam com goticulas de
agua q sobem. Nesse choque ocorre a eletrificacao por atrito. Os
cristais de gelo ficam negativamente carregados. Assim excesso de
cargas negativas se acumulam mais na base das nuvens e na parte de
cima fica com excesso de cargas positivas. Qdo o acumulo de cargas
cria uma tensao forte o suficiente para vencer a resistencia eletrica
do ar, uma faisca salta entre dois pontos. Pode ser entre o topo da
nuvem e a base, entre uma nuvem e outra e tb entre a nuvem e o solo.
Como a base fica mais perto, eh mais comum a descarga ocorrer a partir
da base da nuvem - assim o mais comum sao raios negativos.
Ocasionalmente, raios positivos tb podem atingir o solo. 'A medida em
q a faisca se aproxima do solo, o campo eletrico induz a subida de
cargas opostas a partir do solo fechando o circuito. Esse processo
ioniza as moleculas atmofericas. Qdo os eletrons voltam 'a sua orbita
nos atomos, eles liberam o excesso de energia na forma de luz. A
liberacao de energia aquece o ar q se expande, provocando o trovao.

http://thunder.msfc.nasa.gov/
http://en.wikipedia.org/wiki/Lightning
http://www.lightningsafety.com/

> e) Por que no interior das nuvens as cargas negativas ficam na parte
inferior e as positivas na parte superior?

Por causa do movimento dos cristais de gelo rumo 'a base e a ascencao
das goticulas de agua rumo ao topo.

[]s,

Roberto Takata






SUBJECT: Re: [ciencialist] Re: Fw: Teoria da Relatividadade Restrita
FROM: Caio <caiocgomes@gmail.com>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 14:11

>
> (Uma coisa q nao sei como seria eh, se o Universo for fechado, dois
> corpos rumando para sentidos opostos - apos uma eternidade - irao se
> encontrar novamente. E aih nao sei como eles veriam o tempo passar um
> no outro.)
>
>

Isso o que voce esta dizendo é a relatividade especial em um espaco de
Minkowski compacto. Para exemplificar, vamos imaginar um espaco de Minkowski
1+1 (uma coordenada espacial e uma temporal). Esse tipo de espaco nao é bem
comportado matematicamente, mas serve para o exemplo. Se voce fizer tipo um
jogo de Pacman, em que o cara vai pra direita e derrepente surge na
esquerda(tipo de L em -L), é esse tipo de espaco que estou falando. Esse
espaco é topologicamente equivalente a um circulo.

Na relatividade Restrita em topologias compactas, surgem coisas legais como
referenciais "absolutos" e outras coisas. E mesmo assim, em certos casos,
ainda existe um paradoxo dos Gemeos.

Caio


[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
FROM: "junior_br2001" <junior_br2001@yahoo.com.br>
TO: ciencialist@yahoogrupos.com.br
DATE: 31/08/2006 16:14

Leo ,

O problema é do software que voce usa pra fazer a leitura. procure
instalar o BSplayer, que serve tanto pra vídeo como para audio

Anbraços,
Junior


--- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
<leobarretos@u...> escreveu
>
> Não, clicando do link do Emiliano a coisa baixa em .avi --- e o WMP
não consegue ler. Vou tentar novamente.
> []'
> ===========================
> Luiz Ferraz Netto [Léo]
> leobarretos@u...
> http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
> ===========================
> -----Mensagem Original-----
> De: "rmtakata" <roberto.takata@b...>
> Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
> Enviada em: quinta-feira, 31 de agosto de 2006 03:28
> Assunto: [ciencialist] Re: Vestibucast - Modelos Atômicos
>
>
> --- Em ciencialist@yahoogrupos.com.br, "Luiz Ferraz Netto"
> > O Windows Média Player não conseguiu reproduzir esse arquivo . avi.
>
> avi? nao tah em mp3?
>
> []s,
>
> Roberto Takata
>







SUBJECT: IMPOTÊNCIA SEXUAL MASCULINA PARA MULHERES
FROM: Alessandro Loiola <alessandroloiola@yahoo.com.br>
TO: alessandroloiola@yahoo.com.br
DATE: 31/08/2006 17:13

IMPOTÊNCIA SEXUAL MASCULINA PARA MULHERES

© Dr. Alessandro Loiola



A Disfunção Erétil, popularmente conhecida como Impotência Sexual Masculina, afeta cerca de 10% dos homens e pode causar um desgaste enorme na qualidade de vida do casal, resultando em sentimentos de abandono, frustração, angústia, ansiedade ou raiva.

Infelizmente, por mais compreensiva que uma mulher seja, ela jamais poderá compreender completamente a impotência sexual a partir da perspectiva do homem. Uma mulher pode fingir um orgasmo, mas um homem jamais conseguirá fingir uma ereção. É por isso que aqueles que sofrem de Disfunção Erétil procuram sempre as desculpas mais esfarrapadas e, quando são confrontados com o problema, tendem a se sentir culpados e inseguros. Eles não têm como ou onde se esconder.

O pior – e mais triste - da história da Disfunção Erétil é que a imensa maioria dos homens se esquece na hora daquilo que AINDA é capaz de fazer: criar um clima sensual, beijar, ser agradável, romântico, etc. O fundo da verdade é que muitos não estão preocupados em dar prazer para sua parceira. Querem apenas provar para si mesmos que ainda são Homem com H maiúsculo. Ter uma ereção confiável é como um carimbo de qualidade no subconsciente masculino: “ainda sou macho!”. Lamentável.

Vez ou outra, atendo homens no consultório procurando tratamento para a Disfunção Erétil sem conhecimento de sua esposa ou parceira. É óbvio que boa parte destes casos não possuem um bom resultado terapêutico. Os mais bem sucedidos são aqueles que vêm ao consultório acompanhados. A avaliação do casal, a compreensão mútua do que está acontecendo e do que pode ser feito, é a chave para o sucesso.

Se você tem um exemplar desses em casa e deseja ajudar, minha recomendação é: procure um bom momento e pergunte diretamente “O que eu posso fazer para lhe ajudar?”.

Determinar exatamente qual é este momento é uma decisão delicada, mas vale a tentativa. Caso ele negue o problema, insista, mantenha uma atitude positiva, apele para os sentimentos de “macho protetor” que ainda existem sob aquela couraça. Por exemplo, você pode abordar a situação dizendo “eu tenho um problema e preciso que você me ajude”. E o seu problema é o fato dele ter um problema que afeta vocês dois.

Você também pode iniciar uma conversa sobre a Disfunção Erétil falando dos seus sentimentos: “tenho me sentido mais sozinha ultimamente” e etc, e emende daí o motivo da sua solidão. Abordar o problema a partir de como você se sente em termos emocionais ajuda a retirar o homem da defensiva. Em uma relação onde existe amor, o desejo dele em vê-la bem o tornará capaz de contornar muitos obstáculos – inclusive o embaraço de admitir que sofre de Disfunção Erétil.

Se vocês têm uma linha de diálogo mais franca e você sentir que é possível, vá direto ao ponto: pergunte se ele sabe de alguma clínica ou médico especialista em Disfunção Erétil. Atualmente, mais de 80% dos casos de impotência crônica são causados por problemas físicos, orgânicos, que podem ser tratados. Por que continuar perdendo tempo?

Qualquer que seja o caminho que você tomou, assim que você conseguir convencê-lo a ir a um médico, vá junto. Não sei como, mas dê um jeito. Sua presença no consultório na primeira avaliação será essencial. Se você o deixar ir sozinho, ele vai terminar dizendo ao médico que passou só para checar a pressão, contará duas piadas e não dará uma palavra sobre o problema. O tempo passou, mas ele continua terrível, eu sei.


---
Dr. Alessandro Loiola é médico, escritor, palestrante, autor de “Vida e Saúde da Criança” e “Crianças em forma: saúde na balança” (www.editoranatureza.com.br) e colunista do jornal Estado de Minas. Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

___________________________________________________________________

Fonte: http://br.groups.yahoo.com/group/saudeparatodos/

© Dr. Alessandro Loiola - e-Mail / MSN: alessandroloiola@yahoo.com.br

Fone: +55 (31) 3432-7555 – Fax: +55 (31) 3432 1222 ___________________________________________________________________






Dr. Alessandro Loiola, M.D.
CRMMG 30.278
Hospital: +55 (31) 3432 1222
Consultório: +55 (31) 3432 7555

---------------------------------
O Yahoo! está de cara nova. Venha conferir!

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



SUBJECT: Re: [ciencialist] Calendario Real
FROM: José Renato <jrma@terra.com.br>
TO: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
DATE: 31/08/2006 20:03

Luiz, e é realmente uma resposta positiva. Para vc ter uma idéia das
correlações o calendário judáico inicia o dia quando a primeira estrela
brilha ou é vista no céu!!! Isso é importante para se entender o relato do
livro Gêneses I, onde a cada etapa da criação o escritor insere a frase que
soa curiosa para quem não tem esse conhecimento: "Sobreveio a tarde e depois
a manha: foi o primeiro dia".
Aproveito para destacar minha proposta de um calendário menos complicado,
que fiz constar ao final do artigo:

[ PROPOSTA DE CALENDÁRIO- proponho um calendário que elimine um dos
complicadores dos calendários atuais: a dificuldade de saber qual o dia da
semana de uma data. Considero que a perda de tempo para ajustar em nosso
cérebro que dia da semana cairá a data da Independência do Brasil, dia 7 de
setembro, de modo a melhor programar o feriados, é muito mais do que
imaginamos. Basta multiplicar isso
pelo número de vezes que temos de marcar algum compromisso... No calendário
que estruturei, os dias da semana caem sempre nos mesmos dias do mês. O mês
teria 28 dias, quatro semanas. Assim seria necessário inserir um mês a mais
que se chamaria Mezzo ou Médio que ficaria entre julho e agosto. O ano teria
então 13 meses de 28 dias (13 x 28 = 364 dias) e um dia especial denominado
Dia de Passagem ou de Festas que coincidiria com o 29 de dezembro, que não
teria denominação quanto ao dia da semana. Nos bissextos o mês Mezzo ou
Médio seria acrescentado de mais um dia especial de passagem que
corresponderia a 29 de Mezzo, que também não teria denominação referente ao
dia da semana. Desse modo, todos saberíamos que dia da semana cairia cada
dia do mês. Os dias especiais de passagem seriam dias de festas prolongadas
já que ficaria entre um sábado e um domingo. Seria, digamos, monótono mas
bem menos complicado que o atual calendário gregoriano, com meses que podem
ter 28, 29, 30 ou 31 dias, e os dias da semana mudam a cada ano. ]

[]s
JR
.............................................
----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 12:30 PM
Subject: Re: [ciencialist] Calendario Real


Olá J. Renato,

aceito de bom grado essa sua resposta como um SIM, permitindo a publicação
na minha coluna semanal no jornal local.
OK. Farei as atualização no calendário judaico. As demais deixarei como
"exemplo", usando o ano de 2002.

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 11:41
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ferraz, fico grato pelo retorno. As atualizações fazendo as correspondências
ao calendário gregoriano requer uma longa avaliação em relação aos eventos
considerados na contagem do período denominado de "ano". Fiz a atualização
de um calendário mais conhecido: o judaico. Os demais fico lhe devendo para
quando tiver "tempo", OK? Veja a seguir:

[ O calendário judaico - Era da Criação, deriva do babilônico com dias
intercalares. Um ano comum pode ter 352 a 355d equivalentes a 12 lunações e
em ano "embolísmico" de 383 a 385d, possui mais uma lunação. Começou a
contar em 07.out.3.761 a.C. e inicia o ano 5.767 no anoitecer (18h) do dia
10.09.2006 - Rosh Hashanah (pronuncia-se Roshaná). Considera o nascimento do
primeiro homem em aliança com Deus (Adão) como o início dos tempos: o ano 1.
O Iom Kippur - Dia do Perdão - dia escolhido pelos judeus para invocarem o
perdão - tem início a partir do pôr-do-sol do dia 17.09.2006, encerrando-se
ao fim da tarde do dia 18. O Rosh Hashanah (ano-novo judaico) será
comemorado entre os dias 9 e 10.set.2006, marcando a passagem dos 5.766 anos
do surgimento do homem na Terra. ]

Abraços

José Renato
............................................................

----- Original Message -----
From: "Luiz Ferraz Netto" <leobarretos@uol.com.br>
To: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Sent: Wednesday, August 30, 2006 10:01 AM
Subject: Re: [ciencialist] Calendario Real


Ola J. Renato,

gostei muito desse texto, posso aproveitá-lo para minha coluna do jornal
local para a próxima semana?
Se sim, pediria a gentileza de atualizar algumas datas pois, tudo indica que
tal texto foi escrito em 2002.
No aguardo,

aquele abraço,
===========================
Luiz Ferraz Netto [Léo]
leobarretos@uol.com.br
http://www.feiradeciencias.com.br/doacoes.asp
===========================
-----Mensagem Original-----
De: "José Renato" <jrma@terra.com.br>
Para: <ciencialist@yahoogrupos.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 30 de agosto de 2006 00:34
Assunto: Re: [ciencialist] Calendario Real


Caro Eduardo, existem muitos modos de medir o tempo: espaço-movimento. Isso
se reflete no tipo de calendário estruturado e utilizado por diversas
culturas para diversos interesses.
Após pesquisar sobre os mais diversos modos de acompanhar e registrar os
eventos, escrevi o artigo A conquista do tempo, que muito me ajudou a
entender o conceito daquilo que chamamos de tempo.
Abraços
José Renato
...............................................

A CONQUISTA DO TEMPO

José Renato M. de Almeida *

Achados arqueológicos indicam que o homem já apresentava características de
grupo social para eventos, como a caça, há um milhão de anos. Estima-se que
o fogo começou a ser utilizado há 500 mil anos, e a escrita surgiu aprox. há
4.400 a.C. no Egito com os conhecidos hieróglifos, que usa símbolos para
registrar palavras inteiras. Na região da Mesopotâmia (Iraque) surgiu,
nessa mesma época, a escrita silábica, com sons da linguagem falada, sistema
mais flexível desenvolvido e usado até hoje. Há indícios que